Estrogênio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O estrogênio (português brasileiro) ou estrogénio (português europeu), é uma designação genérica dos hormônios cuja ação está relacionada com o controle da ovulação e com o desenvolvimento de características femininas. Existem três estrogênios endógenos principais em mulheres que têm atividade hormonal estrogênica: estrona (E1), estradiol (E2) e estriol (E3). O estradiol, um estrano, é o mais potente e prevalente. Outro estrogênio chamado estetrol (E4) é produzido apenas durante a gravidez.

Os estrogênios são sintetizados em todos os vertebrados[1] e em alguns insetos.[2] Sua presença em vertebrados e insetos sugere que os hormônios sexuais estrogênicos têm uma história evolutiva antiga. Quantitativamente, os estrogênios circulam em níveis mais baixos do que os androgênios em homens e mulheres.[3] Embora os níveis de estrogênio sejam significativamente mais baixos nos homens em comparação com as mulheres, os estrogênios têm papéis fisiológicos importantes nos homens.[4]

Como todos os hormônios esteróides, os estrogênios se difundem prontamente pela membrana celular. Uma vez dentro da célula, eles se ligam e ativam os receptores de estrogênio (ERs) que, por sua vez, modulam a expressão de muitos genes.[5] Além disso, os estrogênios se ligam e ativam os receptores de estrogênio de membrana de sinalização rápida (mERs),[6][7] como o GPER (GPR30).[8]

Além de seu papel como hormônios naturais, os estrogênios são usados ​​como medicamentos, por exemplo, na terapia hormonal da menopausa e no controle hormonal da natalidade.

Tipos e exemplos[editar | editar código-fonte]

Os quatro principais estrogênios que ocorrem naturalmente nas mulheres são estrona (E1), estradiol (E2) e estriol (E3) e estetrol (E4). O estradiol é o estrogênio predominante durante os anos reprodutivos, tanto em termos de níveis séricos absolutos quanto em termos de atividade estrogênica. Durante a menopausa, a estrona é o estrogênio circulante predominante e durante a gravidez o estriol é o estrogênio circulante predominante em termos de níveis séricos. Administrado por injeção subcutânea em camundongos, o estradiol é cerca de 10 vezes mais potente que a estrona e cerca de 100 vezes mais potente que o estriol.[9]

Assim, o estradiol é o estrogênio mais importante em mulheres não grávidas que estão entre os estágios da menarca e da menopausa. No entanto, durante a gravidez, esse papel muda para o estriol e, em mulheres na pós-menopausa, a estrona se torna a principal forma de estrogênio no corpo. Outro tipo de estrogênio denominado estetrol (E4) é produzido apenas durante a gravidez. Todas as diferentes formas de estrogênio são sintetizadas a partir de andrógenos, especificamente testosterona e androstenediona, pela enzima aromatase.

Estrogênios endógenos menores, a biossíntese dos quais não envolvem aromatase, incluem 27-hidroxicolesterol, desidroepiandrosterona (DHEA), 7-oxo-DHEA, 7α-hidroxi-DHEA, 16α-hidroxi-DHEA, 7β-hidroxiepiandrosterona, androstenediona (A4), androstenediol (A5), 3α-androstanodiol e 3β-androstanodiol.[10][11]

Alguns metabólitos de estrogênio, como os catecol estrogênios 2-hidroxiestradiol, 2-hidroxiestrona, 4-hidroxiestradiol e 4-hidroxiestrona, bem como a 16α-hidroxiestrona, também são estrogênios com vários graus de atividade.[12] A importância biológica desses estrogênios menores não é totalmente clara.

Principais estrógenos[editar | editar código-fonte]

Derivam dos andrógenos, hormonios sexuais masculinos.

  • Estrona: a enzima aromatase obtém-na a partir da progesterona.
  • Estradiol: a enzima aromatase obtém-no a partir da testosterona.
  • Estriol: a enzima aromatase obtém-no a partir da androsterona.

Função biológica[editar | editar código-fonte]

Reference ranges for the blood content of estradiol, the primary type of estrogen, during the menstrual cycle.[13]

As ações do estrogênio são mediadas pelo receptor de estrogênio (RE), uma proteína nuclear dimérica que se liga ao DNA e controla a expressão gênica. Como outros hormônios esteroides, o estrogênio entra passivamente na célula, onde se liga e ativa o receptor de estrogênio. O complexo estrogênio:ER se liga a sequências de DNA específicas chamadas elemento de resposta hormonal para ativar a transcrição de genes-alvo (em um estudo usando uma linha celular de câncer de mama dependente de estrogênio como modelo, 89 desses genes foram identificados).[14] Visto que o estrogênio entra em todas as células, suas ações dependem da presença do RE na célula. O ER é expresso em tecidos específicos, incluindo ovário, útero e mama. Os efeitos metabólicos do estrogênio em mulheres na pós-menopausa foram associados ao polimorfismo genético do RE.[15]

Embora os estrogênios estejam presentes em homens e mulheres, eles geralmente estão presentes em níveis significativamente mais elevados nas mulheres em idade reprodutiva. Eles promovem o desenvolvimento de características sexuais secundárias femininas, como seios, e também estão envolvidos no espessamento do endométrio e em outros aspectos da regulação do ciclo menstrual. Nos homens, o estrogênio regula certas funções do sistema reprodutor importantes para a maturação dos espermatozóides[16][17] e pode ser necessário para uma libido saudável.[18]

Estruturalmente, o estrogênio atua na como mediador da formação e manutenção de características sexuais secundárias femininas. Ele também promove o aumento do estoque de gordura, estimula o crescimento endometrial e uterino, estimula a lubrificação vaginal e engrossa a parede vaginal. Outro efeito fisiológico do estrogênio é inibir a reabsorção óssea, estimulando a formação óssea.[19]

Os estrogênios têm um papel não reprodutivo como moduladores do sistema imunológico, crescimento, função neuronal e metabolismo. Os receptores de estrogênio são expressos no fígado e o estradiol e outros estrogênios modulam a síntese de proteínas hepáticas.[20]

Desenvolvimento puberal feminino[editar | editar código-fonte]

Os estrogênios são responsáveis ​​pelo desenvolvimento das características sexuais secundárias femininas durante a puberdade, incluindo o desenvolvimento das mamas, alargamento dos quadris e distribuição de gordura feminina. Por outro lado, os andrógenos são responsáveis ​​pelo crescimento dos pelos pubianos e corporais, bem como pela acne e pelo odor axilar.

Desenvolvimento da mama[editar | editar código-fonte]

O estrogênio, em conjunto com o hormônio do crescimento (GH) e seu produto secretor, fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF-1), é fundamental para mediar o desenvolvimento da mama durante a puberdade, bem como a maturação da mama durante a gravidez na preparação da lactação e da amamentação.[21][22] O estrogênio é principal e diretamente responsável por induzir o componente ductal do desenvolvimento da mama, [23][24][25], bem como por causar deposição de gordura e crescimento do tecido conjuntivo.[23][24] Também está indiretamente envolvido no desenvolvimento lobuloalveolar, aumentando a expressão do receptor de progesterona nas mamas [23][25][26] e induzindo a secreção de prolactina.[27][28] Permitido pelo estrogênio, progesterona e prolactina trabalham juntos para completar o desenvolvimento lobuloalveolar durante a gravidez.[24][29]

Os andrógenos, como a testosterona, opõem-se fortemente à ação do estrogênio nos seios, reduzindo a expressão do receptor de estrogênio neles.[30][31]

Sistema reprodutivo feminino[editar | editar código-fonte]

Os estrogênios são responsáveis ​​pela maturação e manutenção da vagina e do útero, e também estão envolvidos na função ovariana, como a maturação dos folículos ovarianos. Além disso, os estrogênios desempenham um papel importante na regulação da secreção de gonadotrofinas. Por essas razões, os estrogênios são necessários para a fertilidade feminina.

Bioquímica[editar | editar código-fonte]

Biossíntese[editar | editar código-fonte]

Estrógenos, em mulheres, são produzidos primariamente pelos ovários e pela placenta, durante a gravidez. [32] O Hormônio folículo-estimulante (FSH) estimula a produção ovariana de estrógenos pelas células da granulosa dos folículos ovarianos e do corpo lúteo. Alguns estrógenos são também produzidos em menor escala por outros tecidos como o fígado, pâncreas, osso, glândulas adrenais, pele, cérebro, tecido adiposo e mama.[33]

Esteroidogênese, mostrando estrogênios na parte inferior direita como no triângulo rosa. [34]

Essas fontes secundárias de estrogênios são especialmente importantes em mulheres na pós-menopausa.[35] A via de biossíntese de estrogênio em tecidos extragonadais é diferente, pois esses tecidos não são capazes de sintetizar esteroides C19 e, portanto, dependem dos suprimentos de C19 de outros tecidos[35] e do nível de aromatase.[36]

No sexo feminino, a síntese de estrogênios começa nas células da teca interna, no ovário, pela síntese da androstenediona a partir do colesterol. Androstenediona é uma substância de fraca atividade androgênica que serve predominantemente como um precursor para andrógenos mais potentes, como a testosterona, bem como o estrogênio. Este composto atravessa a membrana basal para as células da granulosa circundantes, onde é convertido imediatamente em estrona ou em testosterona e depois em estradiol em uma etapa adicional. A conversão da androstenediona em testosterona é catalisada pela 17β-hidroxiesteróide desidrogenase (17β-HSD), enquanto a conversão da androstenediona e testosterona em estrona e estradiol, respectivamente, é catalisada pela aromatase, enzimas que são ambas expressas nas células da granulosa. Em contraste, as células da granulosa carecem de 17α-hidroxilase e 17,20-liase, enquanto as células da teca expressam essas enzimas e 17β-HSD, mas carecem de aromatase. Portanto, as células da granulosa e da teca são essenciais para o produção de estrogênio nos ovários.

Os níveis de estrogênio variam ao longo do ciclo menstrual, com níveis mais altos perto do final da fase folicular, pouco antes da ovulação. Observe que, nos homens, o estrogênio também é produzido pelas células de Sertoli quando o FSH se liga aos seus receptores de FSH.

Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço relacionado ao Projeto Química. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Ryan, K. J. (agosto de 1982). «Biochemistry of aromatase: significance to female reproductive physiology». Cancer Research (8 Suppl): 3342s–3344s. ISSN 0008-5472. PMID 7083198. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  2. Mechoulam, R.; Brueggemeier, R. W.; Denlinger, D. L. (setembro de 1984). «Estrogens in insects». Experientia (em inglês) (9): 942–944. ISSN 0014-4754. doi:10.1007/BF01946450. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  3. Burger, Henry G (abril de 2002). «Androgen production in women». Fertility and Sterility (em inglês): 3–5. doi:10.1016/S0015-0282(02)02985-0. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  4. Lombardi, G; Zarrilli, S; Colao, A; Paesano, L; Di Somma, C; Rossi, F; De Rosa, M (junho de 2001). «Estrogens and health in males». Molecular and Cellular Endocrinology (em inglês) (1-2): 51–55. doi:10.1016/S0303-7207(01)00420-8. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  5. Whitehead SA, Nussey S (2001). Endocrinology: an integrated approach. Oxford: BIOS: Taylor & Francis. ISBN 978-1-85996-252-7 
  6. Soltysik K, Czekaj P (April 2013). «Membrane estrogen receptors – is it an alternative way of estrogen action?». Journal of Physiology and Pharmacology. 64 (2): 129–42. PMID 23756388  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Micevych PE, Kelly MJ (2012). «Membrane estrogen receptor regulation of hypothalamic function». Neuroendocrinology. 96 (2): 103–10. PMC 3496782Acessível livremente. PMID 22538318. doi:10.1159/000338400 
  8. Prossnitz ER, Arterburn JB, Sklar LA (February 2007). «GPR30: A G protein-coupled receptor for estrogen». Molecular and Cellular Endocrinology. 265–266: 138–42. PMC 1847610Acessível livremente. PMID 17222505. doi:10.1016/j.mce.2006.12.010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. A. Labhart (6 December 2012). Clinical Endocrinology: Theory and Practice. [S.l.]: Springer Science & Business Media. pp. 548–. ISBN 978-3-642-96158-8  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Baker, Michael E. (março de 2013). «What are the physiological estrogens?». Steroids (em inglês) (3): 337–340. doi:10.1016/j.steroids.2012.12.011. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  11. Michael Miller, Kristy K.; Al-Rayyan, Numan; Ivanova, Margarita M.; Mattingly, Kathleen A.; Ripp, Sharon L.; Klinge, Carolyn M.; Prough, Russell A. (janeiro de 2013). «DHEA metabolites activate estrogen receptors alpha and beta». Steroids (em inglês) (1): 15–25. PMC 3529809Acessível livremente. PMID 23123738. doi:10.1016/j.steroids.2012.10.002. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  12. Bhavnani BR, Nisker JA, Martin J, Aletebi F, Watson L, Milne JK (2000). «Comparison of pharmacokinetics of a conjugated equine estrogen preparation (premarin) and a synthetic mixture of estrogens (C.E.S.) in postmenopausal women». Journal of the Society for Gynecologic Investigation. 7 (3): 175–83. PMID 10865186. doi:10.1016/s1071-5576(00)00049-6 
  13. Häggström, Mikael (2014). «Reference ranges for estradiol, progesterone, luteinizing hormone and follicle-stimulating hormone during the menstrual cycle». WikiJournal of Medicine. 1 (1). ISSN 2002-4436. doi:10.15347/wjm/2014.001Acessível livremente  Parâmetro desconhecido |doi-access= ignorado (ajuda)
  14. Lin CY, Ström A, Vega VB, Kong SL, Yeo AL, Thomsen JS, Chan WC, Doray B, Bangarusamy DK, Ramasamy A, Vergara LA, Tang S, Chong A, Bajic VB, Miller LD, Gustafsson JA, Liu ET (2004). «Discovery of estrogen receptor alpha target genes and response elements in breast tumor cells». Genome Biology. 5 (9): R66. PMC 522873Acessível livremente. PMID 15345050. doi:10.1186/gb-2004-5-9-r66 
  15. Darabi M, Ani M, Panjehpour M, Rabbani M, Movahedian A, Zarean E (2011). «Effect of estrogen receptor β A1730G polymorphism on ABCA1 gene expression response to postmenopausal hormone replacement therapy». Genetic Testing and Molecular Biomarkers. 15 (1–2): 11–5. PMID 21117950. doi:10.1089/gtmb.2010.0106 
  16. Raloff J (6 December 1997). «Science News Online (12/6/97): Estrogen's Emerging Manly Alter Ego». Science News. Consultado em 4 March 2008  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  17. Hess, Rex A.; Bunick, David; Lee, Ki-Ho; Bahr, Janice; Taylor, Julia A.; Korach, Kenneth S.; Lubahn, Dennis B. (dezembro de 1997). «A role for oestrogens in the male reproductive system». Nature (em inglês) (6659): 509–512. ISSN 0028-0836. PMC PMC5719867Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 9393999. doi:10.1038/37352. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  18. Hill, Rachel A.; Pompolo, Sueli; Jones, Margaret E.E.; Simpson, Evan R.; Boon, Wah Chin (dezembro de 2004). «Estrogen deficiency leads to apoptosis in dopaminergic neurons in the medial preoptic area and arcuate nucleus of male mice». Molecular and Cellular Neuroscience (em inglês) (4): 466–476. doi:10.1016/j.mcn.2004.04.012. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  19. Väänänen, H. K.; Härkönen, P. L. (maio de 1996). «Estrogen and bone metabolism». Maturitas: S65–69. ISSN 0378-5122. PMID 8865143. doi:10.1016/0378-5122(96)01015-8. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  20. Kuhl, H (agosto de 2005). «Pharmacology of estrogens and progestogens: influence of different routes of administration». Climacteric (sup1): 3–63. ISSN 1369-7137. doi:10.1080/13697130500148875. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  21. Brisken, Cathrin; O’Malley, Bert (dezembro de 2010). «Hormone Action in the Mammary Gland». Cold Spring Harbor Perspectives in Biology (12). ISSN 1943-0264. PMC 2982168Acessível livremente. PMID 20739412. doi:10.1101/cshperspect.a003178. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  22. Kleinberg, David L. (fevereiro de 1998). «Role of IGF-I in normal mammary development». Breast Cancer Research and Treatment (em inglês) (3): 201–208. ISSN 0167-6806. doi:10.1023/A:1005998832636. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  23. a b c Johnson LR (2003). Essential Medical Physiology. [S.l.]: Academic Press. 770 páginas. ISBN 978-0-12-387584-6 
  24. a b c Norman AW, Henry HL (2014). Hormones. [S.l.]: Academic Press. 311 páginas. ISBN 978-0-08-091906-5 
  25. a b Coad J, Dunstall M (2011). Anatomy and Physiology for Midwives, with Pageburst online access,3: Anatomy and Physiology for Midwives. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. 413 páginas. ISBN 978-0-7020-3489-3 
  26. Haslam, S. Z. (Sandra Z.); Osuch, J. R. (Janet R.) (2006). Hormones and breast cancer in post-menopausal women Breast disease book ed ed. Amsterdam: IOS Press. OCLC 78892431 
  27. Silbernagl, Stefan. (2009). Color atlas of physiology 6th ed ed. Stuttgart: Thieme. OCLC 387764755 
  28. Fadem B (2007). High-yield Comprehensive USMLE Step 1 Review. [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. pp. 445–. ISBN 978-0-7817-7427-7 
  29. Blackburn S (14 April 2014). Maternal, Fetal, & Neonatal Physiology. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. pp. 146–. ISBN 978-0-323-29296-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  30. Strauss JF, Barbieri RL (13 September 2013). Yen and Jaffe's Reproductive Endocrinology. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. pp. 236–. ISBN 978-1-4557-2758-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  31. Wilson CB, Nizet V, Maldonado Y, Remington JS, Klein JO (24 February 2015). Remington and Klein's Infectious Diseases of the Fetus and Newborn Infant. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. pp. 190–. ISBN 978-0-323-24147-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  32. Marieb E (2013). Anatomy & physiology. [S.l.]: Benjamin-Cummings. p. 903. ISBN 978-0-321-88760-3 
  33. Barakat, Radwa; Oakley, Oliver; Kim, Heehyen; Jin, Jooyoung; Ko, CheMyong Jay (setembro de 2016). «Extra-gonadal sites of estrogen biosynthesis and function». BMB reports (9): 488–496. ISSN 1976-670X. PMC 5227141Acessível livremente. PMID 27530684. doi:10.5483/bmbrep.2016.49.9.141. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  34. Häggström, Mikael; Richfield, David (2014). «Diagram of the pathways of human steroidogenesis». WikiJournal of Medicine. 1 (1). ISSN 2002-4436. doi:10.15347/wjm/2014.005Acessível livremente  Parâmetro desconhecido |doi-access= ignorado (ajuda)
  35. a b Nelson, Linda R.; Bulun, Serdar E. (setembro de 2001). «Estrogen production and action». Journal of the American Academy of Dermatology (em inglês) (3): S116–S124. doi:10.1067/mjd.2001.117432. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  36. «DHEA and the intracrine formation of androgens and estrogens in peripheral target tissues: Its role during aging». Steroids (11). 733 páginas. Novembro de 1997. ISSN 0039-128X. doi:10.1016/s0039-128x(97)89529-3. Consultado em 14 de setembro de 2020