Fonte Boa (Amazonas)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o município do Amazonas. Para a freguesia portuguesa, veja Fonte Boa (Esposende).
Fonte Boa
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Fonte Boa
Bandeira
Brasão de armas de Fonte Boa
Brasão de armas
Hino
Gentílico fonte-boense
Localização
Localização de Fonte Boa no Amazonas
Localização de Fonte Boa no Amazonas
Mapa de Fonte Boa
Coordenadas 2° 30' 50" S 66° 05' 30" O
País Brasil
Unidade federativa Amazonas
Municípios limítrofes Japurá, Maraã, Juruá, Uarini, Tonantins e Jutaí
Distância até a capital 602 km
História
Fundação 31 de março de 1938 (82 anos)
Administração
Prefeito(a) Gilberto Ferreira Lisboa (MDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 12 110,907 km²
População total (estimativa populacional - IBGE/2020[2]) 17 005 hab.
Densidade 1,4 hab./km²
Clima Equatorial, isotérmico (Af i)
Altitude 50 m
Fuso horário Hora do Amazonas (UTC-4)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,530 baixo
 • Posição AM: 43º
PIB (IBGE/2013[4]) R$ 132 726 mil
PIB per capita (IBGE/2013[4]) R$ 6 071,92

Fonte Boa é um município brasileiro do interior do estado do Amazonas, Região Norte do país. Pertencente à Mesorregião do Sudoeste Amazonense e Microrregião do Alto Solimões, localiza-se ao oeste de Manaus, capital do estado. De acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020, sua população era de 17 005 habitantes.[2]

Possui uma área de 12.110,907 quilômetros quadrados.


Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 02º30'50" sul e a uma longitude 66º05'30" oeste, estando a uma altitude de 62 metros. Sua população estimada em 2014 era de 21 295 habitantes. Possui uma área de 12.165,19 quilômetros quadrados. Limita-se com os municípios de: Uarini a leste; Juruá e Jutaí ao sul; Tonantins e Japurá a oeste; e Maraã ao norte.

Clima[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1969 a 1990 e a partir de 1993, a menor temperatura registrada em Fonte Boa foi de 14,5 °C em 18 de julho de 1975,[5] e a maior atingiu 38 °C em 21 de outubro de 2002.[6] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 154,3 milímetros (mm) em 2 de março de 2000.[7] Janeiro de 2012, com 553,7 mm, foi o mês de maior precipitação.[8]

Dados climatológicos para Fonte Boa
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 37 36,5 37,5 36 35,7 34,7 36,3 37,3 37,1 38 37,6 36,5 38
Temperatura máxima média (°C) 31,7 31,8 31,7 31,4 31,1 30,9 31,3 32,3 32,6 32,8 32,4 32 31,8
Temperatura média compensada (°C) 26,7 26,8 26,6 26,5 26,3 26 26,2 26,5 26,8 27,1 26,9 26,8 26,6
Temperatura mínima média (°C) 22,8 23,3 22,8 22,8 22,6 22,3 22,1 22,4 22,5 22,9 22,9 22,9 22,7
Temperatura mínima recorde (°C) 19 18 19 18,8 18,4 16,2 14,5 15,5 17,3 19,9 17,9 19,1 14,5
Precipitação (mm) 237,9 207,9 257,3 278 271,2 215,4 179,4 134,7 146,1 188 176,6 216,6 2 509,1
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 17 15 17 18 19 17 14 12 12 13 13 16 183
Umidade relativa compensada (%) 89,1 89,3 90,3 90,2 90,1 90,2 89 88,5 87,6 87,4 88 88,3 89
Horas de sol 129 116,5 114 107,1 118,6 125 149 170,8 165,4 159,9 143,1 125,3 1 623,7
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[9] recordes de temperatura:
13/10/1969 a 30/11/1971, 01/09/1972 a 28/02/1979, 01/01/1990 a 31/12/1990 e 01/01/1993-presente)[5][6]

Folclore[editar | editar código-fonte]

Realizam-se no município as festas religiosas: Nossa Senhora do Guadalupe (padroeira da cidade, no dia 12 de dezembro), Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora de Lurdes, Divino Espírito Santo e São Sebastião.

No mês de julho acontece todos os anos o festival folclórico com apresentações de quadrilhas, dança do barqueiro, dança cigana, dança do gambá, dança nordestina (cangaço) e várias outras danças regionais. O destaque maior do festival é a disputa entre os bois-bumbás Tira-Prosa e Corajoso, sendo esta a principal atração da festa, com visitantes de toda a região do alto e médio Solimões, além de turistas do Peru e Colômbia.

Festa do Pirarucu[editar | editar código-fonte]

A Festa do Pirarucu se realiza do último dia de novembro até o dia 3 de dezembro, quando se comemora a despesca anual do peixe, reunindo todas as comunidades envolvidas em uma ação de manejo sustentável. O início da festa também marca a abertura dos festejos da padroeira Nossa Senhora de Guadalupe, que termina no dia 12.

A Festa do Pirarucu surgiu em consequência do município de Fonte Boa ser o maior produtor de pirarucu do Amazonas e do Brasil. A atividade é controlada pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável de Fonte Boa (IDSFB). No município há uma estimativa de captura de 25 mil peixes adultos, o que significa mil toneladas do produto. A pesca envolve 84 comunidades, 720 pescadores, 520 famílias e 350 lagos.

Comunicação[editar | editar código-fonte]

O município possui uma emissora de rádio comunitária na frequência 87,9 mHz, a Rádio Cabocla FM, que fica localizada na zona urbana do município, levando informação e música para o seu público. Desde 2009 tem um site de notícias abordando os principais acontecimentos da cidade o Portal Fonte Boa [1].

Além da Cabocla FM, atualmente a cidade e principalmente os seus conterrâneos contam com a Rádio Clube Web de Fonte Boa, que tem uma programação variada disponível na internet através do site [2], levando informação da cidade e região, através da internet, em suas redes sociais e aplicativos.

A cidade conta ainda com a distribuição do Jornal Solimões Vip, focado nos eventos da cidade e cidades vizinhas.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (27 de agosto de 2020). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2020». Consultado em 28 de agosto de 2020 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 3 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  5. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Fonte Boa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de junho de 2018 
  6. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Fonte Boa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de junho de 2018 
  7. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Fonte Boa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de junho de 2018 
  8. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Fonte Boa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de junho de 2018 
  9. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de junho de 2018