Interior do Amazonas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O interior do estado do Amazonas ou interior amazonense é uma designação informal para se referir à região que abrange todo o estado do Amazonas, exceto a Região Metropolitana de Manaus.

O Amazonas, maior estado do Brasil em território, está localizado no centro da maior floresta tropical do mundo com 98% de sua área preservada aliando seu potencial ecológico a uma política de negócios embasada na sustentabilidade.[1]

O interior é uma combinação de modernidade e conservação da natureza, dispondo de arrojados espaços culturais, centros comerciais, rede hoteleira, restaurantes, rede de ensino diversificada, parques ecológicos e espaços de integração social, que asseguram qualidade de vida e bem-estar à população. O Pico da Neblina, ponto mais alto do Brasil, se encontra no município de Santa Isabel do Rio Negro. O interior conta ainda com diversas opções de turismo que vão da visita de cavernas e cachoeiras, a prática do arvorismo, pesca esportiva, festivais folclóricos e patrimônios históricos.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do Amazonas

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Geografia do Amazonas

Demografia[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Pólo Arara, local de início do Gasoduto Urucu-Coari-Manaus.

Os principais produtos do extrativismo vegetal do estado do Amazonas são: madeira, borracha, castanha da Amazônia, cacau, essências, óleos de copaíba, andiroba, piaçava, coco, açaí e bacuri.[3]A extração mineral está em expansão e os minérios mais importantes são: bauxita, ferro, sal-gema, manganês, lignito, ouro e cassiterita, a extração desses minérios ocorrem principalmente no município Novo Aripuanã onde também são extraídos diamantes, níquel, cobre, calcário, gipsita, chumbo, caulim e estanho.[4]

A extração de petróleo e gás natural ocorre no campo de Urucu, sendo esta unidade a maior em extração terrestre existente atualmente no Brasil, localiza-se no município de Coari, cidade com o segundo maior PIB municipal do Amazonas depois de Manaus, atravessa o estado com o gasoduto de 663,2 km que liga Urucu até a capital onde ocorre o processamento e distribuição a partir da REMAM (Refinaria Isaac Sabbá).[5]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

O Governo Federal, anunciara em 2012, a construção de sete aeroportos no interior do Amazonas.[6] O interior conta com o Aeroporto Internacional de Tabatinga, o segundo aeroporto da rede Infraero mais movimentado do estado. Outros aeroportos são de fundamental importância na integração do interior do estado, tais como o Aeroporto Regional de Parintins, o Aeroporto Regional de Tefé, o Aeroporto Regional de Coari, entre outros.

Hidrovias[editar | editar código-fonte]

A Hidrovia do Amazonas é o principal caminho de escoamento de cargas, responsável por cerca de 65% do total transportado na região. A média anual de movimentação de cargas desde o início da década tem sido de cerca de 50 milhões de toneladas por ano.

O transporte hidroviário no Amazonas a é diversificado e atende a uma vasta região florestal, extremamente densa e cheia de rios. A hidrovia é fundamental para o comércio interno e externo, porque propicia a oferta de produtos a preços competitivos. Hoje, a infraestrutura hidroviária da região é constituída por vias de navegação em corrente livre e por trechos de rios canalizados.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

A principal rodovia do interior amazonense é a BR-319 no trecho sul. Humaitá, Manicoré e Lábrea usufruem desse tipo de transporte.

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Festival Folclórico de Parintins é o mais popular do interior e uma das maiores manifestações culturais do Brasil.

A principal manifestação cultural no interior amazonense é o Festival Folclórico de Parintins. Trata-se de uma festa popular realizada anualmente no último fim de semana de junho na cidade de Parintins, Amazonas.[7]

O festival é uma apresentação a céu aberto de diversas associações folclóricas, sendo o ponto mais importante do evento atualmente é a disputa entre dois bois folclóricos, o Boi Caprichoso de cor azul e o Boi Garantido de cor vermelha. A apresentação ocorre no Bumbódromo.[7] O Festival de Parintins se tornou uma das maiores atrações da cultura local. Durante as três noites de apresentação, as duas associações exploram as temáticas regionais como lendas, rituais indígenas e costumes dos ribeirinhos através de alegorias e encenações.[7]

A Festa do Guaraná, em Maués, é outra importante atração cultural no interior do estado. Para celebrar a colheita, que acontece uma vez por ano a partir do mês de outubro, os produtores se reúnem neste evento para mostrar as diversas formas de consumo do guaraná e a cultura dos moradores - em sua maioria descendentes de indígenas. Dentre as diversas atividades, há a representação teatral da lenda e do mito do fruto.[8]

Referências

  1. «Amazonas — ODM Brasil». www.odmbrasil.gov.br. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2016). «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2016». Cópia arquivada desde o original (PDF) em 30 de agosto de 2016. Consultado em 07 de setembro de 2016  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  3. «Extração de minério no Amazonas.». D24AM. domingo 11 de dezembro de 2011 - 7:00 AM. Consultado em quarta 31 de dezembro de 2014 - 01:46 AM  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  4. «Urucu-Coari-Manaus». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  5. "Urucu: completamos 30 anos na Amazônia com gestão responsável" (em pt-BR). Petrobras.
  6. Brasil, Portal. «Serão construídos sete aeroportos no Amazonas». Portal Brasil. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  7. a b c Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti (agosto de 1999). «O Boi-Bumbá de Parintins, Amazonas: breve história e etnografia da festa». Consultado em 15 de junho de 2013 
  8. "Festa do Guaran� tem rainha, lendas e mitos ind�genas no Amazonas" (em pt-br).