Francisco Inácio de Carvalho Moreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco Inácio de Carvalho Moreira
Barão de Penedo
Deputado pela Província de Alagoas
Período 1849 a 1852
Dados pessoais
Nascimento 25 de dezembro de 1815
Vila de Penedo, Pernambuco
Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and Algarves.svg Brasil
Morte 1 de abril de 1906 (90 anos)
Rio de Janeiro
 Brasil
Progenitores Mãe: Maria Joaquina de Almeida e Silva
Pai: João Moreira de Carvalho
Títulos nobiliárquicos
Barão de Penedo 29 de julho de 1864

Francisco Inácio de Carvalho Moreira, primeiro Barão de Penedo GCC (Penedo, 25 de dezembro de 1815Rio de Janeiro, 1º de abril de 1906) foi um político, diplomata e advogado brasileiro. Filho do capitão João Moreira de Carvalho e Maria Joaquina de Almeida e Silva, nasceu na então vila do Penedo, no Estado de Alagoas, às margens do Rio São Francisco, em 25 de dezembro de 1815. Foi casado com dona Carlota Emília de Aguiar e Andrada, sobrinha de José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência do Brasil, juntos tiveram uma filha Carlota de Andrada Pinto.[1] Formou-se na Faculdade de Direito de São Paulo em 1839 e depois obteve doutorado (PhD) pela Universidade de Oxford. Exerceu a advocacia no Rio de Janeiro.

Litografia de Francisco Inácio de Carvalho Moreira.

Foi deputado por Alagoas de 1849 a 1852. Em 1852, foi nomeado para representar o Brasil junto aos Estados Unidos, entrando para o serviço diplomático. Exerceu vários cargos na Europa, entre eles o de ministro plenipotenciário na Grã-Bretanha. Distinguiu-se também junto à Santa Sé (1873) na "Questão Religiosa", salientando-se também como presidente da Comissão Brasileira na Exposição Universal de Paris. Recebeu do Papa a Grã-Cruz de 1.ª Classe da Ordem de São Gregório Magno de Roma e de Portugal a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e Oficial da Imperial Ordem da Rosa.[2][3]

Na Grã-Bretanha, o barão de Penedo foi honrado com o doutoramento de Oxford, o primeiro até então concedido a um cidadão do novo mundo. Nesse país, agiu como intermediário entre o compositor Emil Daniel Friedrich Viktor August Wilhelm (18451908) e D. Pedro II. Em 3 de outubro de 1885, comunicou ao Imperador que aquele compositor desejaria oferecer-lhe uma série de composições de sua autoria. Tendo o Imperador aceito a dedicatória, encaminha-lhe a coleção, pela qual Pedro II agradeceria.[4]

Títulos e Honrarias[editar | editar código-fonte]

  • Barão por decreto de 29 de Julho de 1864.
  • Grã-Cruz da Imperial Ordem da Rosa.
  • Cavaleiro da Imperial Ordem de Cristo, Grã-Cruz da Real Ordem de Cristo, de Portugal, e da de N. S. de Villa Viçosa, Grã-Cruz da Ordem de S. Gregório o Magno, de Roma, da de Francisco I de Nápoles, da de Medjidié, da Turquia, do Duplo Dragão da China, da Ernestina de Saxe Coburgo Gota, e Grande Official da Legião de Honra, da França. [5]
Francisco Inácio de Carvalho Moreira em Londres.

Referência[editar | editar código-fonte]

  • BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario bibliographico brazileiro. Typographia Nacional, Rio de Janeiro, 1893.
  1. Um diplomata na corte de Inglaterra , Conselho Editorial do Senado Federal Vol. 74;
  2. Arquivo Nobiliárquico Brasileiro , Laussanene pg. 348.
  3. Almanak Laemmert de 1880, Rio de Janeiro, pg. 76.
  4. Janeiro, Rio (1977). Dom Pedro II e a Cultura, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. pp. Do. 197–1952 
  5. Rodolfo Smith de Vasconcelos, barão de Vasconcelos (1918). Archivo Nobiliarchico Brasileiro. Suíça: IMPRIMERIE LA CONCORDE. pp. 348–359 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Francisco Inácio de Carvalho Moreira
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.