Furry fandom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Furry)
Ir para: navegação, pesquisa
Uma raposa antropomórfica, um típico personagem furry.

Furry (''peludo'' em inglês) é um estilo de subcultura relacionada a personagens ficcionais que apresentam características antropomórficas, assim apresentando personalidade e características humanas.[1] Alguns exemplos de características antropomórficas é a atribuição de inteligência, expressões faciais personificadas, habilidades de fala, andar com duas pernas e vestir-se. As pessoas que se interessam por essa se reúnem em um grupo de fãs, chamado de furry fandom.[2] Um participante desse grupo é chamado de furry.[2]

No fandom são exercidas atividades culturais que utilizam o conceito de personagens antropomórficos, podendo ser de qualquer gênero, como literárias, visuais e artesanatos. Qualquer trabalho em qualquer campo da arte pode ser incluída ao fandom, se contiver personagens animais com características humanas. Além dessas atividades, os furries se reúnem em convenções, muitas vezes nacionais ou globais.

Personagens antropomórficos são freqüentemente vistos em quadrinhos, desenhos animados, novelas alegóricas e jogos de computador. Normalmente é mais presente em gêneros infantis, ficção científica ou fantasia.

Desde a década de 80, o termo furry passou a significar personagens antropomórficos.[3] Na maioria dos casos, são antropomorfizados mamíferos, enquanto é menos frequente outros tipos de espécies ou seres fictícios.

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com a historiador de fandons Fred Patten, o conceito chamado furry foi originado em 1980 numa convenção de ficção científica, quando personagens desenhados pelo Steve Gallacci no comic Albedo Anthropomorphics iniciou a discussão a respeito de personagens antropomórficos na ficção científica.[4]

O termo específico furry para se especificar ao gênero foi criado através de fanzines no começo de 1983, enquanto o nome foi padronizado para por volta de 1990, quando foi definido como "a apreciação e disseminação de artes ou prosas relacionada a 'Furries', ou personagens ficcionais antropomórficos de mamíferos".[3] Entretanto, alguns fãs consideram a origem do furry fandom muito mais antiga, com obras de ficção científica como Jungle Taitei lançada em 1965, a obra Watership Down de Richard Adams, publicada em 1972, e também o filme da Disney Robin Hood, sendo esses os exemplos mais citados.[4] Para distinguir esses personagens de outros que são seriamente retratados, tais como a Lassie e Old Yeller, animais de desenhos animados são normalmente referidos como funny animals.[5]

Durante a década de 80, fãs de furry começaram a publicar fanzines, desenvolver grupos sociais que eventualmente passaram a agendar eventos. Em 1989, começou a haver um bom número de pessoas interessadas para iniciar a primeira convenção de furry.[6] Ao longo da década seguinte, a Internet tornou-se acessível para boa parte da população e tornou-se um meio popular para fãs de furry se socializarem.[7]

No Brasil, por volta do ano 2000 o fandom tornou-se mais popular, sendo então criados dois sites especializados no assunto: um fórum, chamado FurryBrasil, e uma fanzine, chamada Fauna Urbana.[8]

Inspiração[editar | editar código-fonte]

Séries alegóricas, incluindo obras de ficção científica e fantasia, e desenhos animados com características antropomórficas são frequentemente citados como a inspiração inicial para o fandom.[4] Um estudo conduzido em 2007 sugeriu que, quando comparado com um grupo controle não-furry, uma grande proporção de furries se auto-identificavam com desenhos animados, tal como crianças, e recorda de ter assistido com mais frequência, bem como desfrutarem mais de obras de ficção científica do que as que estão fora da comunidade.[9]

Atividades[editar | editar código-fonte]

Peças criadas pelo Wicked Sairah no Further Confusion

De acordo com pesquisas de 2008, muitos furries acreditam que artes visuais, convenções, literaturas e comunidades onlines são muito importantes para o fandom.[10]

Artesanatos[editar | editar código-fonte]

Alguns fãs de furry criam e vestem fantasias, conhecido como fursuit, do personagem que deseja representar
Ver artigo principal: Fursuit

Fãs com habilidades artesanais criam bichos de pelúcia e também, de forma mais elaborada, trajes, chamados de fursuits,[11] que são usados por diversos motivos, como diversão ou para participar de convenções.[12] Fursuits vão desde simples peças soltas de uma fantasia, chamadas de halfsuit, até as mais elaboradas que cobre todo o corpo e se assemelham com mascotes.[9][8] O preço de uma fursuit varia entre $500, para semelhantes a um mascote, até $10.000 para os que incorporam características animatrônicas.[13] Enquanto 80% dos furries não possuem uma fursuit completa,[14][10][9] normalmente devido ao alto custo,[9] a grande maioria tem uma opinião favorável às fursuiters e as convenções que participam.[14][10]

Fãs de furry também buscam marionetes, gravação de vídeos e realização de shows como Rapid T. Rabbit and Friends e Funday PawPet Show, e a criação de acessórios furry, tais como orelhas e caudas.[15]

Fursona[editar | editar código-fonte]

Personagens antropomórficos criados pelos furries para representa-lo no fandom são conhecidos como fursonas.[8][16]

Um furry pode ter vários personagens da qual usa para representar-se, porém a maioria dos furries focam-se apenas numa única e nunca tiveram outro fursona.[17]

Em levantamentos, uma parte afirma que o seu fursona tem como finalidade principal a participação de role-playing[17][18] jogados através de fóruns da internet, em lista de e-mails, ou em MUD.[19][20][21] Role-playing também ocorrem em lugares offline, entre amigos em encontros, com cada um representando o próprio personagem.[7]

Em oposição com os que afirmam que o fursona tem como finalidade principal os role-playing, uma parte diz que o fursona representa-o com uma visão um tanto idealizada bem como ajuda-o a experimentar algo novo.[17] Isso sugere que fursonas podem desempenhar um papel importante como mecanismo de apoio, pois na medida em que passa tempo interpretando o personagem idealizado, pode passar a agir como ele, por exemplo, se a pessoa for tímida e idealiza seu fursona como um ser extrovertido poderá perder a timidez.[17]

Convenções[editar | editar código-fonte]

Fãs de furry preparando-se para uma corrida no Midwest FurFest de 2006.

Interesse suficiente e a adesão dos participantes permitiram que fossem criadas convenções de furry na América do Norte e Europa. Numa convenção furry os fãs se reúnem para comprar e vender trabalhos de artes, participam de workshops, vestem trajes do evento e socializam.[22] O maior encontro deste tipo é o Anthrocon,[23] que ocorre anualmente em Pittsburgh, no mês de junho, e cujo recorde foi de 5 861 participantes.[24] Estima-se que gerou cerca de 3 milhões de dólares para a economia da cidade em 2008.[25] Outra convenção, a Further Confusion, é sediada anualmente, no mês de janeiro, em San José, e se aproxima de Anthrocon em termos de escala e presença de público. Estima-se que US$ 470.000 foram levantados nas convenções para serem doados para instituições de caridade de 2000 até 2009.[26]

A primeira convenção conhecida, a ConFurence,[4] já não ocorre mais; a Califur foi criada para substituí-la como convenção sediada no Sul da Califórnia.

No Brasil, o primeiro evento criado foi o Abando, introduzido em 2008.[27] Atualmente o país possui diversos eventos regionais e uma convenção furry de hotel, a Brasil FurFest, realizada anualmente na cidade de Santos.[28]

Sites e comunidade online[editar | editar código-fonte]

A Internet contém diversos sites a respeito de furry e comunidades online, tais como relacionada à arte (Fur Affinity, Inkbunny, SoFurry, Weasyl), rede sociais (Furry 4 Life, FurNation) e uma wiki colaborativa (WikiFur).[29] Elas, junto com a IRC FurNet e Anthrochat, formam os principais furry fandom. Grupos de notícias como os alt.fan.furry e alt.lifestyle.furry, foram populares por volta da década de 90 e 2005, sendo então substituídos por fóruns, mailing list e comunidade de LiveJournal.

Há diversos webcomics criador por e para fãs de furry, das quais são referidos como furry comics. Um desses comic, T.H.E. Fox, foi o primeiro publicado no Compuserve em 1986, antecedendo a World Wide Web por vários anos,[30] enquanto outros, como Kevin and Kell e Bill Holbrook, foram premiados pela Web Cartoonists' Choice Awards e Ursa Major Award.[31][32]

Aspectos sexuais[editar | editar código-fonte]

Exemplo de imagem erótica no contexto furry fandom. Raposa antropomórfica de bikini.
Exemplo de imagem erótica no contexto furry fandom.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Yiff

Exemplos de aspectos sexuais dentro do furry fandom incluem artes eróticas e temas furry em cibersexo.[33][34] O termo yiff é muito usado para indicar atividade sexuais ou material sexual dentro do fandom.[35][36]

Sexo e sexualidade são elementos comuns e controversos no furry fandom[37][38] e vários estudos indicam que o furry fandom é receptivo tanto a heterossexuais quanto a pessoas de outras sexualidades[38][37][14]

Alguns furries tem relacionamentos amorosos com outros furries, porém não são todos.[14]

Recepção e cobertura da mídia[editar | editar código-fonte]

Descrições inicias sobre furries em revistas como as Loaded[39] e Vanity Fair,[40] e também o colunista Savage Love publicaram matérias focadas principalmente nos aspectos sexuais da furry fandom. Representações fictícias do fandom apareceram na televisão em programas de televisão como ER,[41] CSI: Crime Scene Investigation,[42] The Drew Carey Show,[43] Sex2K on MTV,[44] Entourage,[45] 1000 Ways to Die,[46]Tosh.0[47][48] e 30 Rock.[49] A maioria dos membros do fandom afirmam que essas representações são equivocadas.[50][51][52][9] Dentre as distorções apresentadas estão: a predominância de homossexuais, trabalharem em áreas da informática ou científica, vestirem fursuits, apresentarem problemas de personalidade e foco sexual no fandom.[9][21] A cobertura recente da mídia concentra-se principalmente em desmascarar mitos e estereótipos que têm vindo a ser associado com o fandom,[53] como no programa Tabu, da National Geographic Channel, da qual foi apresentado um documentário entrevistando alguns furries no Canadá.[54]

Um repórter que compareceu no Anthrocon 2006 escreveu que "esqueça as imagens selvagens de Vanity Fair, MTV e CSI, a convenção furry não são sobre sexo estranho entre pessoas vestindo fantasias de raposa", e também escreveu sobre os participantes dizendo que "não fazem mais sexo que todos nós",[55] e sobre a convenção furry disse "pessoas falando e desenho animais e história em quadrinhos com personagens em cadernos de esboço".[35] Em outubro de 2007, um reporte do jornal Hartford Advocate compareceu na FurFright 2007 à paisana devido a restrição para pessoas da mídia, restrição imposta pela organização para evitar desinformação. Após participar da convenção, escreveu "a convenção furry não era uma coisa sexual, mas exatamente o oposto: um mundo inocente com livros infantis de animais, onde uma criança de 3 anos pode andar livremente".[56] Um artigo de 2009 da BBC intitulado de "Who are the furries?" foi o primeiro texto jornalistico a ganhar o Ursa Major Award, o principal prêmio no campo do antropomorfismo.[7][57][58]

O comentarista esportivo Jim Powell, até então empregado na Milwaukee Brewers, registrou opiniões negativas a respeito dos furries quando compartilhou um hotel junto com participantes da Anthrocon 2007 um dia antes da convenção.[59] Várias empresas do centro de Pittsburgh recebem furries durante o evento, com empresários locais criando camisas especiais e desenhando patas com giz de cera na entrada a loja para atrair visitantes.[60] O doutor Samuel Conway, CEO da Anthrocon, disse que "De boa parte, muitas pessoas nós olham com curiosidade, mas são olhares curiosos bem-humorado. Nós estamos aqui para se divertir, as pessoas se divertem com agente aqui, todos saímos ganhando".[61]

De acordo com Furry survey, cerca de metade dos furries vêem reações públicas ao fandom como negativas; menos de 1/5 disseram que o público os vêem de forma negativa mais que outros furries.[10]

A estigmatização do fandom faz com que desconfiem da mídia e pesquisadores sociais,[7] assim como raramente contem para familiares sobre se identificarem como furries, mas apenas para alguns amigos próximos.[21]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Devido à popularidade do furry fandom, a mídia produziu algumas matérias a respeito. Dentre as quais:

  • Janeiro de 2008: A revista NeoTokyo escreveu sobre os furries, focando-se nas fursuit, pois eles se assemelham aos cosplays, frequentemente encontrados nas convenções de anime.[62]
  • 3 de janeiro de 2010: A Rede Globo exibiu no programa Fantástico uma reportagem sobre o fandom furry, focado em fursuits e o que fazem essas pessoas.[63][64][65]
  • 24 de abril de 2010: A equipe de produção do Caldeirão do Huck vestiu-se com fursuits para criar um ambiente mais lúdico no quadro "Lata Velha".[66][67]
  • 9 de maio de 2010: O jornal Diário de Guarulhos apresentou a história do fandom, entrevistou alguns furries e explicou alguns detalhes, como a organização do grupo e alguns dos termos usados.[68][8]
  • 11 de setembro de 2016: Uma foto da fursuit parade da Brasil FurFest estampou a capa da edição de domingo de A Tribuna, jornal de maior circulação no litoral do estado de SP. O site do jornal e o site da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo na Baixada Santista, também publicaram matérias acerca do evento e do furry fandom. [69]
  • 12 de setembro de 2016: A TV Record Litoral/Vale, afiliada da Rede Record, dedicou uma matéria de 3 minutos a Brasil FurFest na edição do telejornal Balanço Geral daquele dia. [70]
  • 15 de setembro de 2016: O repórter Gus Lanzetta do jornal O Estado de S.Paulo esteve na convenção Brasil FurFest e usou a visita como tema para seu podcast "Papo Torto", que é publicado no portal do "Estadão".[71]
  • 22 de setembro de 2016: Uma extensa matéria escrita pela repórter Joelle-Marie Declercq sobre o Furry Fandom e a Brasil FurFest foi publicada pelo site noticioso Vice Brasil.[72]
  • 8 de maio de 2017: Novamente o Vice Brasil tratou do furry fandom e de alguns de seus adeptos, dessa vez mostrando o Furboliche, evento de boliche onde os furries se encontram semestralmente, realizado em São Bernardo do Campo. [73]

Apesar de apresentar e explicar sobre o fandom, a mídia expressa interesse maior nas fursuits, porém, esse é uma dentre as demais características do fandom.[62][63][66][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rob Staeger (26 de Julho de 2001). «The Wayne Suburban». Consultado em 20 de maio de 2009 
  2. a b «O que é Furry?». Fauna Urbana. 29 de Março de 1996. Consultado em 20 de setembro de 2014 
  3. a b Fred Patten. «The Yarf! reviews». ANTHRO. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  4. a b c d Patten, Fred (15 de Julho de 2012). «Retrospective: An Illustrated Chronology of Furry Fandom, 1966–1996». Flayrah. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  5. Sandler, Kevin S. (1998). Reading the Rabbit: Explorations in Warner Bros. Animation. New Brunswick, N.J.: Rutgers University Press. ISBN 0-8135-2537-3, ISBN 0-8135-2538-1 Verifique |isbn= (ajuda). OCLC 37890394 
  6. «ConFurence 0». WikiFur. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  7. a b c d Denise Winterman (13 de novembro de 2009). «Who are the furries?». BBC News Magazine. Consultado em 29 de novembro de 2009 
  8. a b c d e Silas Macedo (9 de maio de 2010). «Furries, quem são eles?» (PDF). Consultado em 30 de setembro de 2014 
  9. a b c d e f Gerbasi, Kathleen; Paolone, Nicholas; Higner, Justin; Scaletta, Laura; Bernstein, Penny; Conway, Samuel; Privitera, Adam (2008). «Furries From A to Z (Anthropomorphism to Zoomorphism)» (PDF). Society & Animals. 3 (3): 197–222. doi:10.1163/156853008X323376 
  10. a b c d Alex "Klisoura" Osaki. «Furry Survey». Consultado em 8 de agosto de 2008 
  11. Riggs, Adam (2004). Critter Costuming: Making Mascots and Fabricating Fursuits. [S.l.]: Ibexa Press 
  12. Larson, Alina (23 de janeiro de 2003). «Animal Instincts: Fans of Furry Critters Convene to Help Mankind». Tri-Valley Herald. ANG Newspapers. Consultado em 20 de maio de 2009 
  13. «Furries Descend On Pittsburgh». KDKA-TV. 16 de junho de 2006. Consultado em 30 de junho de 2006. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2008 
  14. a b c d University of California, Davis Department of Psychology (5 de maio de 2007). «Furry Survey Results». Consultado em 5 de maio de 2007 
  15. Irwin, Charles; Watterson, Summer (24 de abril de 2002). «A 'furry' tale for a foxy college student». The Olympian. Consultado em 3 de setembro de 2008 
  16. Gaudio, Greg (23 de agosto de 2008). «Lions and foxes and cat-dragons walk on two legs in Beach». The Virginian-Pilot. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  17. a b c d «2013 Fursona Survey». Consultado em 14 de outubro de 2014 
  18. Mitchell, Don (23 de março de 1995). «From MUDs To Virtual Worlds». Social Computing Group, Microsoft. Consultado em 6 de novembro de 2009 
  19. Howells, Shelley (1 de outubro de 2002). «Secret lives of strange and furry». The New Zealand Herald 
  20. Peralta, Eyder (28 de maio de 2006). «In Second Life, the World is Yours». Houston Chronicle. Consultado em 13 de agosto de 2007 
  21. a b c Steven E. Mocka, Courtney N. Planteb , Stephen Reysenc, and Kathleen C. Gerbasi (2010). «Deeper leisure involvement as a coping resource in a stigmatized leisure context». Consultado em 24 de outubro de 2014 
  22. KarlXydexx, Jorgensen. «What is a furry convention like?». Furry Fandom Infocenter. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  23. Editor in chief, Craig Glenday (7 de agosto de 2007). Guinness World Records 2008. [S.l.]: Guinness. p. 123. ISBN 1-904994-19-9 
  24. «Anthrocon website official». Anthrocon . Consultado em 21 de setembro de 2014 
  25. Brandolph, Adam (28 de junho de 2008). «Furry convention a $3 million cash cow for city businesses». Pittsburgh Tribune-Review. Consultado em 4 de julho de 2008 
  26. Parry, Laurence (17 de janeiro de 2010). «2009 charity donations down; $470,000 raised this decade». Flayrah. Consultado em 2 de fevereiro de 2010 
  27. Tanuki Gokuhi (21 de abril de 2011). «Fandom furry: Não somos mais um gueto». Fauna Urbana. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  28. Marie Declercq (22 de setembro de 2016). «Peludos em Santos, a convenção furry do Brasil». Vice. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  29. Melissa Meinzer (29 de junho de 2006). «Animal Passions». Pittsburgh City Paper. Consultado em 8 de abril de 2012 
  30. The Commodore 64/128 RoundTable (1994). «Interview with Joe Ekaitis». Consultado em 12 de janeiro de 2007 
  31. «2001 Winners and Nominees». Web Cartoonist's Choice Awards. 19 de fevereiro de 2001. Consultado em 4 de dezembro de 2007 
  32. «Award Winners 2003». Ursa Major Awards. Consultado em 9 de novembro de 2007 
  33. Bardzell, Jeffery, and Shaowen Bardzell. Sex-Interface-Aesthetics: The Docile Avatars and Embodied Pixels of Second Life BDSM. Indiana University, 2005.
  34. Stuttaford, Thomas; Godson, Suzi (8 de dezembro de 2007). «I like dressing up as a bear during sex». The Times. London. Consultado em 11 de dezembro de 2007  (further details)
  35. a b Meinzer, Melissa (29 de junho de 2006). «Animal Passions: The furries come to town — and our correspondent tails along». Pittsburgh City Paper. Consultado em 25 de maio de 2007 
  36. Padva, Gilad. Dreamboys, Meatmen and Werewolves: Visualizing Erotic Identities in All-Male Comic Strips. Sexualities 8:5 (2005). 587–99
  37. a b Gerbasi; et al. (2011). «International Online Furry Survey: Winter 2011». Consultado em 1 de setembro de 2012 
  38. a b Kyle Evans (2008). «The Furry Sociological Survey» (PDF). Consultado em 1 de setembro de 2012 
  39. Loaded magazine. Março de 1998  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  40. Gurley, George (março de 2001). «Pleasures of the fur». Vanity Fair 
  41. «Fear of Commitment». ER. Temporada 7. Episódio 20. 5 de março de 2001. NBC 
  42. «Fur and Loathing». CSI: Crime Scene Investigation. Temporada 4. Episódio 5. 30 de outubro de 2003. CBS 
  43. «Mama Told Me I Should Come». The Drew Carey Show. Temporada 8. Episódio 6. 21 de outubro de 2002. ABC  See The Drew Carey Show on WikiFur for more information.
  44. MTV. «Sex2K Fursuit Video». Consultado em 26 de agosto de 2006 
  45. «The Day Fuckers». Entourage. Temporada 4. Episódio 7. 28 de julho de 2007. HBO 
  46. «Death Over Easy». 1000 Ways to Die. Temporada 1. Episódio 4. 8 de fevereiro de 2009. Spike 
  47. Jordan (10 de agosto de 2011). «Tosh.O Web Redemption: The Larper». larping. Consultado em 11 de novembro de 2010 
  48. Markos (5 de setembro de 2013). «Kusa the Arctic Fox gets Web Redemption on Comedy Central's Tosh.0». Furry News Network 
  49. «Emanuelle Goes to Dinosaur Land». 30 Rock. Temporada 4. Episódio 21. 13 de maio de 2010. NBC 
  50. Baldwin, Denis (agosto de 2006). «Walk With the Animals: Local furries explain it's not about perversion, furpiles and plush». Ann Arbor Paper. Consultado em 2 de fevereiro de 2007. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2007 
  51. Belser, Ann (18 de junho de 2006). «All about 'furry fandom' at confab». Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 30 de junho de 2006 
  52. «We're at it like rabbits». The Sun. 3 de abril de 2007. Consultado em 11 de abril de 2007 
  53. Togneri, Chris (6 de julho de 2007). «Furries purr over Pittsburgh reception». Pittsburgh Tribune-Review. Consultado em 14 de julho de 2007 
  54. «Animal Instincts: Fans of Furry Critters Convene to Help Mankind». 19 de dezembro de 2011. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  55. Meinzer, Melissa (2 de fevereiro de 2006). «Fur Ball In The Works». Pittsburgh City Paper. Consultado em 25 de maio de 2007 
  56. Abel, Jennifer (1 de novembro de 2007). «Hell Hath No Furries». Hartford Advocate. Advocate Weekly Newspapers 
  57. «Award Winners 2009». Ursa Major Awards. May 3-, 2010. Consultado em 25 de junho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  58. TheChainedWolf (14 de março de 2010). «Ursa Major Awards 2009: predictions and forlorn hopes». FurteanTimes.com/Flayrah. Consultado em 11 de novembro de 2010 
  59. «The Brewers Meet the Furries». Deadspin. 6 de julho de 2007. Consultado em 7 de junho de 2007 
  60. Parry, Laurence (17 de julho de 2007). «Anthrocon 2007 draws thousands to Pittsburgh for furry weekend». Wikinews. Consultado em 6 de novembro de 2009 
  61. «Furry Convention Creates Wild Scene In Pittsburgh». WPXI News. 26 de junho de 2008. Consultado em 4 de julho de 2008 
  62. a b David Denis Lobão. «Você conhece um furry?». NeoTokyo. Consultado em 30 de setembro de 2014 
  63. a b Tanuki Gokuhi (13 de novembro de 2009). «Fantástico faz matéria sobre furries». Fauna Urbana. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  64. Tanuki Gokuhi (5 de janeiro de 2010). «Fantástico exibe matéria sobre furries». Fauna Urbana. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  65. «Jovens se vestem de bichos de pelúcia por pura diversão». Fantástico. 3 de janeiro de 2010. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  66. a b Tanuki Gokuhi (24 de abril de 2010). «Caldeirão do Huck: Não podia ser diferente». Fauna Urbana. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  67. Tanuki Gokuhi (13 de março de 2010). «Furry agora no Caldeirão do Huck». Fauna Urbana. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  68. Aniki (9 de maio de 2010). «Guarulhos aprende sobre os furries». Fauna Urbana. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  69. A Tribuna (11 de setembro de 2016). «Peludos em Santos». A Tribuna. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  70. TV Record Litoral/Vale (13 de setembro de 2016). «Personagens de Pelúcia Animaram a Praia». TV Record Litoral/Vale. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  71. Gus Lanzetta (21 de setembro de 2016). «Minha Fursona é uma Acelga». O Estado de S.Paulo. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  72. Marie Declercq (22 de setembro de 2016). «Peludos em Santos, a convenção furry do Brasil». Vice. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  73. Marie Declercq (8 de maio de 2017). «Jogando boliche com os furries brasileiros». Vice. Consultado em 1 de junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]