Georg von Hertling

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Georg von Hertling
Georg von Hertling
7.º Chanceler da Alemanha
Período 1 de novembro de 1917
até 30 de setembro de 1918
Imperador Guilherme II
Antecessor(a) Georg Michaelis
Sucessor(a) Maximiliano de Baden
26.º Ministro-presidente do Reino da Baviera
Período 9 de fevereiro
a 3 de outubro de 1917
Dados pessoais
Nascimento 31 de agosto de 1843
Darmestádio
Morte 4 de janeiro de 1919 (75 anos)
Ruhpolding
Partido Partido do Centro Alemão

Georg von Hertling, posteriormente Georg Graf von Hertling[1] (antes de 1914: barão von Hertling) (Darmestádio, 31 de agosto de 1843Ruhpolding, 4 de janeiro de 1919), foi um nobre e político alemão.[2] Ocupou o cargo de Reichskanzler (Chanceler do Império Alemão) de 1 de novembro de 1917 até 30 de setembro de 1918.[2]

Sua família era nobre: os von Hertling, e detinham o título nobiliárquico de freiherr, que equivale-se ao barão na nobreza latina. Em 1914, recebeu do Império Alemão o título de nobreza de graf, que na nobiliarquia latina equivale-se ao conde.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hertling tornou-se professor de filosofia na Universidade de Munique e publicou livros sobre Aristóteles (1871) e sobre Albertus Magnus (1880).[2] De 1875 a 1890 e novamente de 1893 a 1912, ele foi membro do Reichstag e de 1909 a 1912 liderou a facção do Partido Central no Reichstag.[2] Em 1891, o regente da Baviera o tornou membro vitalício da câmara alta do Landtag da Baviera.[2]

Como líder do maior partido do Landtag da Baviera, em 1912 Hertling foi nomeado Ministro-Presidente e Ministro das Relações Exteriores da Bavária por Luitpold, Príncipe Regente da Baviera. Ele foi o primeiro ministro-presidente a governar com base na maioria no Landtag. Mais tarde, o rei Ludwig III elevou ao posto de conde. Após a eclosão da Primeira Guerra Mundial, Hertling apoiou a política do chanceler Theobald von Bethmann-Hollweg, mas recusou-se a se tornar seu sucessor em 1917. Após a queda de Georg Michaelis em novembro daquele ano, porém, ele aceitou a nomeação como chanceler alemão e ministro-presidente da Prússia. Ele foi o primeiro político a ocupar um dos cargos; todos os seus antecessores foram funcionários públicos de carreira ou militares.[2]

Hertling era um conservador ferrenho que acreditava na vitória total da Alemanha.[2] Sua idade e seu conservadorismo o tornaram incapaz de superar a influência do alto comando militar, liderado por Paul von Hindenburg e Erich Ludendorff.[2] Como Michaelis antes dele, ele era cada vez mais visto como um fantoche de Hindenburg e Ludendorff, que constituíram uma virtual ditadura militar no último ano da guerra. Hertling presidiu a última etapa do colapso da frente interna alemã.[2] Quando ficou claro que ele não era capaz de administrar a crise, ele foi forçado a renunciar em favor do príncipe Maximiliano de Baden.[2]

Ele fundou a importante fraternidade católica alemã Askania-Burgundia e foi membro da K.St.V. Arminia em Bonn. Sua bisneta é a atriz Gila von Weitershausen.

Referências

  1. Segundo o artigo 109 da Constituição de Weimar, criada na fundação da república de Weimar, em decorrência da dissolução do Império Alemão em 1918, a partir de 1919, os principais membros de famílias nobres, que ainda residissem na Alemanha, ou os que detivessem títulos nobiliárquicos do Império Alemão, o título passaria a fazer parte do sobrenome. Por isso a adição foi feita, em 1919, do Graf, o seu título de conde].
  2. a b c d e f g h i j Tucker, Spencer C. (2014). World War I: The Definitive Encyclopedia and Document Collection [5 volumes]: The Definitive Encyclopedia and Document Collection (em inglês). Santa Bárbara: ABC-CLIO. p. 753 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Georg von Hertling
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.