Halldór Laxness

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Halldór Laxness Medalha Nobel
Halldór Laxness
Nascimento 23 de abril de 1902
Reiquiavique
Morte 8 de fevereiro de 1998 (95 anos)
Reykjavík
Prêmios Nobel de Literatura (1955)
Magnum opus A estação atómica

Halldór Kiljan Laxness (conhecido como Halldór Laxness, PRONÚNCIA; nome inicial Halldór Guðjónsson) (Reiquiavique, 23 de Abril de 19028 de Fevereiro de 1998) foi um escritor islandês.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Reykjavík, filho de Sigríður Halldórsdóttir (nascida em 1872) e Guðjón Helgason (nascido em 1870). Viveu em Reykjavík até sua juventude, e mudou-se para Laxnes (Mosfellssveit) em 1905. Quarenta anos mais tarde mudou-se para Gljúfrasteinn, Mosfellssveit.

Com 14 anos escreveu o primeiro artigo, publicado no jornal Morgunblaðið, que assinou com a sigla H.G.. Não muito mais tarde publicou, com o seu nome, um artigo sobre um velho relógio no referido jornal. Durante sua carreira escreveu 51 romances, poesia, artigos de jornal, livros de viagens, peças de teatro, contos e outras obras.

Em 1923, Laxness converteu-se ao catolicismo, experiência que o autor relata na obra "O grande tecelão da Caxemira (1927)". Contudo abandonou essa religião (tornou-se ateu) e aderiu ao comunismo (O livro do povo 1929 e Poemas 1930).

Foi galardoado com o Nobel de Literatura de 1955.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

Abaixo estão as principais obras de Laxness, com o título em islandês.

  • 1919: Barn náttúrunnar, romance
  • 1923: Nokkrar sögur, contos
  • 1924: Undir Helgahnúk, romance
  • 1925: Kaþólsk viðhorf, ensaio
  • 1927: Vefarinn mikli frá Kasmír, romance (O grande tecelão da Caxemira)
  • 1929: Alþýðubókin, crónicas (O livro do povo)
  • 1930: Kvæðakver, poemas
  • 1931: Salka Valka (Partee I) - Þú vínviður hreini, romance
  • 1932: Salka Valka (Partee II) - Fuglinnn í fjörunni, romance
  • 1933: Fótatak manna, contos
  • 1933: Í Austurvegi
  • 1934: Straumrof, peça
  • 1934: Sjálfstætt fólk (Partee I) - Landnámsmaður Íslands, romance
  • 1935: Sjálfstætt fólk (Partee II) - Erfiðir tímar, romance

Estas duas partes foram editadas em português, com o título Gente independente, pela Editora Cavalo de Ferro, Lisboa, em Março de 2007, ISBN 978-989-623-040-1

  • 1935: Þórður gamli halti, contos
  • 1937: Dagleið á fjöllum, crónicas
  • 1937: Heimsljós (Partee I) - Ljós heimsins (mais tarde intitulado como: Kraftbirtíngarhljómur guðdómsins), romance
  • 1938: Gerska æfintýrið,
  • 1938: Heimsljós (Partee II) - Höll sumarlandsins, romance
  • 1939: Heimsljós (Partee III) - Hús skáldsins, romance
  • 1940: Heimsljós (Partee IV) - Fegurð himinsins, romance
  • 1942: Vettvángur dagsins, crónicas
  • 1942: Sjö töframenn, contos (ver Þættir)
  • 1943: Íslandsklukkan (Partee I) - Íslandsklukkan, romance
  • 1944: Íslandsklukkan (Partee II) - Hið ljósa man, romance
  • 1946: Íslandsklukkan (Partee III) - Eldur í Kaupinhafn, romance
  • 1946: Sjálfsagðir hlutir, ensaios
  • 1948: Atómstöðin, romance (Central atómica ou A estação atómica)
  • 1950: Reisubókarkorn, crónicas
  • 1950: Snæfríður Íslandssól, peça (a partir de Íslandsklukkan)
  • 1952: Gerpla, romance
  • 1952: Heiman eg fór, romance
  • 1954: Silfurtúnglið, peça
  • 1954: Þættir, collected contos
  • 1955: Dagur í senn, crónicas
  • 1957: Brekkukotsannáll, romance (Concerto dos peixes), traduzido em Portugal pela Cavalo de Ferro, com o título "Os Peixes também sabem cantar"
  • 1959: Gjörníngabók, crónicas
  • 1960: Paradísarheimt, romance
  • 1961: Strompleikurinn, peça
  • 1962: Prjónastofan Sólin, peça
  • 1963: Skáldatími, crónicas
  • 1964: Sjöstafakverið, contos
  • 1965: Upphaf mannúðarstefnu, crónicas
  • 1966: Dúfnaveislan, peça
  • 1967: Íslendíngaspjall, crónicas
  • 1968: Kristnihald undir Jökli, romance
  • 1969: Vínlandspúnktar, crónicas
  • 1970: Innansveitarkronika, romance
  • 1970: Úa, peça (de Kristnihald undir Jökli)
  • 1971: Yfirskygðir staðir, crónicas
  • 1972: Guðsgjafaþula, romance
  • 1972: Norðanstúlkan, peça (de Atómstöðin)
  • 1974: Þjóðhátíðarrolla, crónicas
  • 1975: Í túninu heima, memórias I
  • 1976: Úngur eg var, memórias III
  • 1977: Seiseijú, mikil ósköp, crónicas
  • 1978: Sjömeistarasagan, memórias II
  • 1980: Grikklandsárið, memórias IV
  • 1981: Við heygarðshornið, crónicas
  • 1984: Og árin líða, crónicas
  • 1986: Af menníngarástandi, crónicas
  • 1987: Dagar hjá múnkum, memórias
  • 1987: Sagan af brauðinu dýra, conto
  • 1992: Jón í Brauðhúsum, conto
  • 1992: Skáldsnilld Laxness
  • 1996: Fugl á garðstaurnum og fleiri smásögur, contos
  • 1997: Únglíngurinn í skóginum, poema
  • 1998: Perlur í skáldskap Laxness
  • 1999: Úngfrúin góða og Húsið, conto
  • 2000: Smásögur, contos
  • 2001: Gullkorn úr greinum Laxness
  • 2001: Kórvilla á Vestfjörðum og fleiri sögur, contos
  • 2001: Laxness um land og Þjóð

Referências

  1. a b «Halldór Laxness». Infopédia. Consultado em 18 de dezembro de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Ernest Hemingway
Nobel de Literatura
1955
Sucedido por
Juan Ramón Jiménez


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.