Jack Soul Brasileiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Jack Soul Brasileiro"
Single de Fernanda Abreu com participação de Lenine
do álbum Raio X
Lançamento 1997
Formato(s)
Gravação Estúdio Mega, Rio de Janeiro
Gênero(s) Folk rock
Duração 4:43
Gravadora(s)
Composição Lenine
Produção
  • Chico Neves
  • Lenine
Cronologia de singles de Fernanda Abreu
"Kátia Flávia, a Godiva do Irajá"
(1997)
"Um Amor, Um Lugar"
(1997)
Cronologia de singles de Lenine
"O Dia Em Que Faremos Contato"
(1997)
"Paciência"
(1999)

"Jack Soul Brasileiro" é uma canção gravada pela cantora Fernanda Abreu com a participação especial do cantor Lenine, que também escreveu a canção. Ela foi lançada como single para o quarto álbum de Fernanda, Raio X, pela EMI em 1997. Lenine também gravou uma versão solo em seu álbum Na Pressão de 1999.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Abreu comentou sobre a criação da faixa: Fui fazer um show em N.Y. em julho de 96 num evento em que também foram tocar: Chico Science e Nação Zumbi, Mundo Livre, Lenine e Suzano e etc…

[1]

Composição[editar | editar código-fonte]

"Jack Soul Brasileiro" foi composta pelo cantor e compositor Lenine. Ela homenageia o também cantor e compositor Jackson do Pandeiro, conhecido por difundir estilos musicais nordestinos no país. A faixa é uma composição que prioriza ritmos e temáticas nacionais além de incluir elementos da obra de Jackson do Pandeiro. "Jack Soul Brasileiro" ainda destaca um jogo de palavras que referencia o que o compositor considera como a "alma brasileira". A canção apresenta uma brincadeira fonética que destaca algumas de intenções implícitas: a expressão "Jack Soul Brasileiro", expõe, em conjunto, uma semelhança com a expressão "Jackson do Pandeiro". Assim, o ouvinte pode começar a compreender melhor os detalhes que acompanham toda a música, inclusive a relação que Lenine quis destacar ao incluir a palavra inglesa soul ao seu título, que traduzido e adaptado seria "Jack "Alma" Brasileira". Também, a identidade brasileira aparece pela relação que também pode ser feita entre o título e a expressão "já que sou brasileiro".[2]

No início, discute-se sobre a obra de Jackson do Pandeiro, assim como importantes elementos da cultura nacional: "Jack Soul Brasileiro/ E que o som do pandeiro/ É certeiro e tem direção/ Já que subi nesse ringue/ E o país do swing/ É o país da contradição/ Eu canto pro rei da levada/ Na lei da embolada/ Na língua da percussão/ A dança mugango dengo/ A ginga do mamolengo/ Charme dessa nação". Na estrofe seguinte, combina-se interrogações acerca do artista sem dar-lhe nome, apenas apresentando expressões de suas músicas ou de suas preferências rítmicas: "Quem foi?/ Que fez o samba embolar?/ Quem foi?/ Que fez o coco sambar?" Depois, apresenta-se uma série de elementos os quais acredita-se compor a "alma brasileira", como o batuque, o truque, o pandeiro, funk rock, samba, entre outros. E quando encerra esse trecho, a letra faz uma sutil menção à ideia de que o brasileiro enfrenta as adversidades de modo alegre e otimista, "Despencando da ladeira / Na zueira da banguela". No próximo trecho, há referências à canção de Jackson do Pandeiro "Chiclete com Banana", Jackson posiciona-se a respeito da indústria cultural estadunidense e sua relação com as culturas populares realizadas no Brasil: "Eu só ponho bebop no meu samba/ Quando o tio Sam/ Pegar no tamborim/ Quando ele pegar/ No pandeiro e no zabumba/ Quando ele entender/ Que o samba não é rumba/ Aí eu vou misturar/ Miami com Copacabana/ Chiclete eu misturo com banana/ E o meu samba, e o meu samba/ Vai ficar assim".[2]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Pouco antes do lançamento do álbum Raio X, Lenine foi acusado de plágio por "Jack Soul Brasileiro". Um poeta e compositor chamado Bernardo Vilhena veio a público e disse que a letra da canção plagiava uma quadra sem título que foi publicada em 1978 no livro Atualidades Atlânticas pela extinta editora Nuvem Cigana. Segundo o compositor, a quadra era sempre recitada em saraus, encontros de poesia e em outras ocasiões do gênero. Em uma dessas ocasiões, no final de 1996, durante o lançamento de uma revista no Rio de Janeiro, Vilhena recitou o poema. Abreu e Lenine estariam no local, segundo o compositor. Ele, entretanto, disse que não pretendia processar Lenina, nem pedir indenização. Ele apenas pleiteiava co-autoria na música. "O poema deve ter ficado no inconsciente dele. Admiro o trabalho dele. É um belo compositor", afirmou Vilhena. "Jack Soul Brasileiro" coincide com metade da quadra, embora seja mais extensa. Além disso, a música faz referência a Jackson do Pandeiro, citado nominalmente. "É chato para mim. Tenho direito ao meu passado. Esse poema é uma marca que eu uso. Daqui a pouco vão dizer que estou homenageando o Lenine e, enquanto isso, ele vai estar colocando o dinheiro no bolso", diz.[3]

Já Lenine negou que tenha plagiado ou sido influenciado pelo poeta a faixa. "Não conhecia esse poema", afirmou Lenine, que lamenta o que ele define como um mal-entendido envolvendo um "grande compositor e amigo". Lenine disse que não pensava em dar co-autoria à música, como Vilhena pleiteava. "É injustificável qualquer tipo de reivindicação de co-autoria. O Bernardo (Vilhena) está viajando legal. Acho que ele devia ter falado comigo. Ele é meu amigo", afirma Lenine. Ele conta que fez "Jack Soul Brasileiro" especialmente para o disco de Abreu, e que a música foi composta em abril de 1997. Ele negou que tenha ouvido o poema declamado por Vilhena na ocasião citada pelo poeta em 1996: "Havia mais de 2.000 pessoas no lugar. Eu fui para ver a Fernanda, que tocaria lá, mas fiquei uma hora e meia no camarim com ela. Seria inevitável, ao homenagear Jackson do Pandeiro, não recorrer a um trocadilho usando seu nome, como é da tradição nordestina da embolada, do repente, do coco, do trava-língua", afirma. "O problema existe na cabeça dele. Isso não tem esse peso todo", disse ele.[4]

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

A música também ganhou um videoclipe com Abreu e Lenine cantando com bandeiras de vários países ao fundo.[5] Ganhou uma indicação ao MTV Video Music Brasil 1998 na categoria "Escolha da Audiência".

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

"Jack Soul Brasileiro" foi incluída no repertório da turnê Raio X para promover o disco de mesmo nome. A apresentação da canção contava com um telão no fundo que era usado para projeções, onde as bandeiras do mundo se transformam na brasileira e para projeções das bandeiras do Rio de Janeiro e dos outros Estados brasileiros.[6] Ela foi interpretada por Lenine em seu álbum Lenine In Cité (2004).[7] A faixa foi cantada novamente por Lenine no Acústico MTV - Lenine, lançado em CD e DVD em 2006 e produzido para a série homônima da MTV Brasil.[8] Em 2011, Lenine interpretou a faixa no programa Som Brasil da Rede Globo.[9] Abreu apresentou a faixa no programa da mesma emissora Encontro com Fátima Bernardes em 2012.[10] Lenine cantou "Jack Soul Brasileiro" na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, homenageando os voluntários das Olimpíadas e com letra adaptada para a natureza da ocasião.[11]

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

CD single
  1. "Jack Soul Brasileiro" − 4:43

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Versão Categoria Resultado
1998 MTV Video Music Brasil Fernanda Abreu Escolha da Audiência Indicado

Referências