José Estêvão de Morais Sarmento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
José Estêvão de Morais Sarmento
José Estêvão de Morais Sarmento.
Nascimento 12 de outubro de 1843
Lisboa
Morte 14 de fevereiro de 1930
Lisboa
Cidadania Portugal
Ocupação líder militar
Prêmios
  • Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo
  • Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada
  • Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada

José Estêvão de Morais Sarmento GCTEGCCGCSE (Lisboa, Santo André, 12 de Outubro de 1843 – Lisboa, 14 de Fevereiro de 1930), nascido Estevam de Moraes,[1] foi um militar, Ministro da Guerra e escritor militar português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi batizado na Paróquia de Santo André - igreja da Graça -, em Lisboa, sendo filho de Jerónimo de Morais Sarmento, capitão de caçadores 4, e de D. Maria Emília de Almeida Morais, ambos naturais de Aveiro. Teve por padrinho de batismo José Estêvão, de quem recebeu o nome.[2]

Nasceu no seio duma família nobre de Portugal: os Morais Sarmento, embora não detivesse a titularidade de títulos nobiliárquicos. Frequentou o Colégio Militar entre 1854 e 1861.[3]

Casou em Lisboa, na igreja de Santa Isabel, a 24 de maio de 1869, com D. Adelaide Elvira da Ponte Tavares, natural de Lisboa, filha de Cláudio da Ponte Tavares e de D. Vicência Maria da Ponte Tavares. Tiveram António Rodrigues Sampaio por padrinho de casamento.[4]

Na carreira militar, seguiu a arma de Infantaria e, em 1901 é nomeado general de brigada, reformando-se em 1919 já como general de divisão. Foi comandante da Escola do Exército pelo Governo Provisório do regime republicano. Foi professor da Escola de Guerra e da Escola Militar.

Como político, fez parte do Partido Regenerador, chegando a Ministro da Guerra em Abril de 1896. Neste cargo, alterou diversos regulamentos e o Código de Justiça Militar.

Foi um dos fundadores do jornal "Diário Popular" e director da "Revista Militar".

Entre 1898 e 1904 foi Director do Colégio Militar e, posteriormente, o primeiro presidente da Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar.[5]

Desempenhou as as funções de presidente da Comissão Central do 1º de Dezembro de 1640 entre 1 de Agosto de 1907 a 4 de Abril de 1911.

Morreu a 14 de fevereiro de 1930, em Lisboa.[2]

A 17 de Maio de 1919 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e a 5 de Outubro de 1922 com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada. A 28 de Fevereiro de 1930, foi agraciado a título póstumo, com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.[6]

Tem uma avenida com o seu nome em Sintra.[7]

Referências

  1. Matos, Alberto da Costa; prefácio: José Alberto Loureiro dos Santos (2013). O Colégio Militar: berço de grandes portugueses. Lisboa: Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar. ISBN 978-989-96104-0-8 
  2. a b «Livro de registo de batismos da Paróquia de Santo André, Lisboa (1826-1853)». digitarq.arquivos.pt. Arquivo Nacional da Torre do Tombo. p. fls. 119v e 120, assento 699 
  3. Meninos da Luz – Quem é Quem II. Lisboa: Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar. 2008. ISBN 989-8024-00-3 
  4. «Livro de registo de casamentos da Paróquia de Santa Isabel, Lisboa (1863-1869)». digitarq.arquivos.pt. Arquivo Nacional da Torre do Tombo. p. fls. 287, assento 28 
  5. Matos, Alberto da Costa; coord. Jorge Alberto Gabriel Teixeira, Mário Margarido e Silva Falcão; fot. José Luís Braga et al. (2003). História do Colégio Militar. Lisboa: Estado Maior do Exército. ISBN 972-97408-4-4. ISBN 972-97408-6-0. ISBN 972-97408-5-2. ISBN 972-97408-7-9. Verifique |isbn= (ajuda)  Parâmetro desconhecido |volumes= ignorado (|volume=) sugerido (ajuda)
  6. http://www.ordens.presidencia.pt/
  7. Matos, Alberto da Costa; prefácio: António dos Santos Ramalho Eanes (2009). O Colégio Militar na Toponímia Portuguesa. Lisboa: Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar. ISBN 978-989-96104-0-8 
  • Redacção Quidnovi, com coordenação de José Hermano Saraiva, História de Portugal, Dicionário de Personalidades, Volume XIX, Ed. QN-Edição e Conteúdos,S.A., 2004

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Tenente-Coronel Emílio Henrique Xavier Nogueira
Director do Colégio Militar
1898-1904
Sucedido por
Coronel José Nicolau Raposo Botelho