José Luís de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Luís de Sousa
Conde de Vila Real
Dados pessoais
Nascimento 9 de fevereiro de 1785
Lisboa, Flag of Portugal (1750).svg Portugal
Morte 26 de setembro de 1855 (70 anos)
São Petersburgo, Standard of the Emperor of Russia (1858).svg Rússia
Nacionalidade Portugal Português
Progenitores Mãe: D. Maria Teresa de Noronha
Pai: D. José Maria de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos
Alma mater Universidade de Gotinga
Esposa Teresa de Sousa Holstein
Partido Cartista
Profissão Militar, diplomata e político
Títulos nobiliárquicos
1.º conde de Vila Real 3 de julho de 1823

D. José Luís de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, 1.º conde de Vila Real (Lisboa, 9 de fevereiro de 1785São Petersburgo, 26 de setembro de 1855)[1], conhecido antes do título condal como D. José Luís de Sousa foi um nobre, militar, diplomata e político português. Foi par do Reino, conselheiro de Estado, e por várias vezes ministro. Foi também morgado de Mateus, Cumeeira, Sabrosa, Arroios, Moraleiros e Fontelas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formou-se em advocacia, na Universidade de Gotinga, no Reino de Hanôver, tendo no entanto preferido uma carreira militar. Demitiu-se do Exército quando da primeira invasão francesa de Jean-Andoche Junot, tendo-a combatido a partir de 1808. Em 1809 tornou-se ajudante-de-campo de William Carr Beresford, que o apreciava pela vasta cultura mental e pelo conhecimento de várias línguas. Na luta contra o invasor francês, José Luís de Sousa chegou ao posto de tenente-coronel.

Em 1814 enveredou pela carreira diplomática, tendo sido nomeado conselheiro de embaixada em Londres. No mesmo ano seria nomeado ministro plenipotenciário em Madrid, onde prestou valiosos serviços durante o período crítico de 1814 a 1820. Neste último ano substituiu o marquês de Palmela como ministro de Portugal em Londres.

Inicialmente contra a Revolução Liberal do Porto, foi demitido em 1821 do seu cargo diplomático, tendo regressado a Portugal, ficando a residir na sua casa de Mateus.

Em 1823 foi feito 1.º conde de Vila Real, por D. João VI, por decreto de 3 de julho. No mesmo ano foi elevado ao posto de brigadeiro e nomeado novamente como ministro de Portugal em Londres, cargo que exerceria até 1825.

Em 1826 tornou-se par do Reino, tendo sido incumbido pela infanta D. Isabel Maria (a regente) de ir buscar a Viena, o infante D. Miguel.

Após o golpe de D. Miguel em 1828, aceitou o cargo de secretário de Estado dos Negócios da Guerra, tendo resignado à posição pouco depois em oposição ao caminho absolutista então tomado.

Tido agora por liberal, emigrou até 1833, ano em que retomou o seu lugar na Câmara dos Pares. Fez parte do 1.º governo constitucional do duque de Palmela, ficando com a pasta dos Negócios Estrangeiros (28 de setembro de 1834 a 16 de fevereiro de 1835), ocupando posteriormente a dos Negócios da Marinha e Ultramar (16 de fevereiro a 28 de abril de 1835), e novamente a dos Negócios Estrangeiros (28 de abril a 27 de maio de 1835). Interinamente, ocupou ainda a pasta dos Negócios da Guerra (20 de março a 27 de maio de 1835).

Voltaria a servir como ministro e secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros entre 20 de abril e 10 de setembro de 1836, no 5.º governo constitucional, do duque da Terceira, derrubado pelo Setembrismo.

Cartista, não compactuou com os vencedores do golpe setembrista, demitindo-se do posto de brigadeiro. Mais tarde seria promovido a marechal-de-campo e a tenente-general.

Regressou aos elencos governativos em 1839, no 11.º governo constitucional do conde do Bonfim, inicialmente como ministro e secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar (26 de novembro a 28 de dezembro de 1839), e depois como ministro e secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros (28 de dezembro de 1839 a 23 de junho de 1840). Um ano depois, integraria o 12.º governo constitucional de Joaquim António de Aguiar, como ministro e secretário de Estado dos Negócios da Guerra (9 de junho de 1841 a 7 de fevereiro de 1842).

Em 1846 emigrou novamente, descontente com a política nacional, regressando apenas em 1854, altura em proferiu um forte dicurso de apoio à Carta Constitucional de 1826.

Em 1855 foi nomeado como ministro de Portugal em São Petersburgo, onde faleceria pouco tempo depois.

Vida particular[editar | editar código-fonte]

O conde de Vila Real era filho único de José Maria de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos (1758-1825), 5.º morgado de Mateus e de D. Maria Teresa de Noronha. Casou a 27 de agosto de 1811 com D. Teresa Frederica Cristina de Sousa Holstein, filha de D. Alexandre de Sousa Holstein e da sua segunda mulher D. Isabel Juliana Bazalissa José de Sousa Coutinho Monteiro Paim, e irmã de D. Pedro de Sousa Holstein, duque de Palmela.

Referências

  1. Casa de Mateus. «Administradores da Casa de Mateus». Consultado em 18 de agosto de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Marquês de Loulé
(efetivo)
Agostinho José Freire
(interino)
Cândido José Xavier
(interino)
Ministro dos Negócios Estrangeiros
(1.ª vez)
1834 – 1835
(I Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Duque de Palmela
Precedido por
Duque de Palmela
Ministro dos Negócios Estrangeiros
(2.ª vez)
1835
(I Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Duque de Palmela
Precedido por
Agostinho José Freire
Ministro da Marinha e Ultramar
(1.ª vez)
1835
(I Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Conde de Linhares
Precedido por
Agostinho José Freire
Ministro da Guerra
(1.ª vez; interino)
1835
(I Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Conde de Linhares
Precedido por
Marquês de Loulé
Ministro dos Negócios Estrangeiros
(3.ª vez)
1835
(V Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Visconde de Sá da Bandeira
(interino)
Marquês de Valença
(não empossado)
Visconde de Sá da Bandeira
(efetivo)
Precedido por
Francisco Aguiar Ottolini
Ministro da Marinha e Ultramar
(2.ª vez)
1839
(XI Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Conde do Bonfim
(interino)

Manuel Gonçalves de Miranda
(efetivo)
Precedido por
Visconde de Sá da Bandeira
(efetivo)
Barão de Sabrosa
(interino)
Visconde da Carreira
(não empossado)
José Travassos Valdez
(interino)
Ministro dos Negócios Estrangeiros
(4.ª vez)
1839 – 1840
(XI Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Visconde de Sá da Bandeira
(interino)
Rodrigo da Fonseca
(interino)
Visconde de Torre de Moncorvo
(não empossado)
Rodrigo da Fonseca
(inicialmente interino)
Precedido por
Conde do Bonfim
Ministro da Guerra
(2.ª vez)
1841 – 1842
(XII Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Visconde de Sá da Bandeira