Eficiência de Pareto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Lei do Ótimo de Pareto)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde setembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Os pontos vermelhos indicam a escolha ótima em termos de eficiência dado o conjunto de opções, formando uma fronteira de Pareto sob o espaço de escolhas restante (abaixo e à esquerda, em cinza)

Eficiência ou óptimo de Pareto é um conceito desenvolvido pelo italiano Vilfredo Pareto, que define um estado de alocação de recursos em que é impossível realocá-los tal que a situação de qualquer participante seja melhorada sem piorar a situação individual de outro participante.[1] O conceito tem aplicações no campo da economia, engenharia, informática, e ciências sociais.

Na economia[editar | editar código-fonte]

Uma situação econômica é ótima no sentido de Pareto se não for possível melhorar a situação, ou, mais genericamente, a utilidade de um agente, sem degradar a situação ou utilidade de qualquer outro agente econômico.

Existem três condições que necessitam ser preenchidas para que uma economia possa ser considerada Pareto Eficiente:

  • eficiência nas trocas - o que é produzido na economia é distribuído de forma eficiente pelos agentes económicos, possibilitando que não sejam necessárias mais trocas entre indivíduos, isto é a taxa marginal de substituição é mesma para todos os indivíduos;
  • eficiência na produção - quando é possível produzir mais de um bem sem reduzir a produção de outros, isto é, quando a economia se encontra sobre a sua curva de possibilidade de produção;
  • eficiência no mix de produtos - quando os bens produzidos na economia refletem as preferências dos agentes econômicos. A taxa marginal de substituição deve ser igual à taxa marginal de transformação. Um sistema de preços de concorrência perfeita permite satisfazer a esta condição.

Numa estrutura ou modelo econômico podem coexistir diversos ótimos de Pareto. Um ótimo de Pareto não tem necessariamente um aspecto socialmente benéfico ou aceitável. Por exemplo, a concentração de renda ou recursos num único agente pode ser ótima no sentido de Pareto.[2][3]

Na informática[editar | editar código-fonte]

Na informática, os conceitos de eficiência de Pareto são frequentemente usados, dentre outros casos, na busca por alocação de recursos mais eficiente em um sistema computacional.[4][5]

Referências

  1. Barr, Nicholas (2012). «3.2.2 The relevance of efficiency to different theories of society». Economics of the Welfare State 5th ed. [S.l.]: Oxford University Press. 46 páginas. ISBN 978-0-19-929781-8 
  2. Sen, Amartya (outubro de 1993). «Markets and freedom: Achievements and limitations of the market mechanism in promoting individual freedoms» (PDF). Oxford Economic Papers. 45 (4): 519–541. JSTOR 2663703 
  3. Barr, Nicholas (2012). «3.2.2 The relevance of efficiency to different theories of society». Economics of the Welfare State 5th ed. [S.l.]: Oxford University Press. 46 páginas. ISBN 978-0-19-929781-8 
  4. High-performance 3D Image Processing Architectures For Image-guided Interventions, Omkar Dandekar, 2008, pp. 36
  5. António Gaspar-Cunha; Ricardo Takahashi; Carlos Henggeler Antunes. Manual de computação evolutiva e metaheurística. [S.l.: s.n.] p. 100 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.