Littorinidae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaLittorinidae
Littoraria flava (P. P. King, 1832)[1], uma das espécies atlânticas de Littorinidae, encontrada da costa da Flórida, Estados Unidos, até a região sul do Brasil.[2]
Littoraria flava (P. P. King, 1832)[1], uma das espécies atlânticas de Littorinidae, encontrada da costa da Flórida, Estados Unidos, até a região sul do Brasil.[2]
Cinco vistas da concha de Littorina littorea (Linnaeus, 1758), espécime proveniente da Normandia, França; uma espécie abundante da zona entremarés da Europa e América do Norte[3], utilizada como alimento.[4]
Cinco vistas da concha de Littorina littorea (Linnaeus, 1758), espécime proveniente da Normandia, França; uma espécie abundante da zona entremarés da Europa e América do Norte[3], utilizada como alimento.[4]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Ordem: Caenogastropoda
Superfamília: Littorinoidea
Família: Littorinidae
Children, 1834[5]
Distribuição geográfica
Os moluscos da família Littorinidae são particularmente bem distribuídos nas costas e oceanos das regiões de clima tropical (imagem) e temperado da Terra.[6]
Os moluscos da família Littorinidae são particularmente bem distribuídos nas costas e oceanos das regiões de clima tropical (imagem) e temperado da Terra.[6]
Gêneros
ver texto
Sinónimos
Lacunidae Children, 1834[5]
Cinco vistas da concha de Tectarius coronatus (Valenciennes, 1832), espécime proveniente das Filipinas; uma espécie da zona entremarés, em costões e arrecifes.[4]

Littorinidae (nomeadas, em inglês, periwinkle ou prickly-winkle -sing.[4][7]; significando "buzina graciosa"[8] ou, no segundo termo, "buzina cheia de espinhos") é uma família de moluscos gastrópodes marinhos, litorâneos e herbívoros, classificada por John George Children, em 1834, e pertencente à subclasse Caenogastropoda, na ordem Littorinimorpha. Sua distribuição geográfica abrange principalmente os oceanos de clima tropical e temperado da Terra, principalmente em habitat costeiro de costões e arrecifes da zona entremarés, onde se fixam em rochas ou árvores de mangue, em estuários.[2][4][5][6][7][9][10][11]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Compreende, em sua totalidade, caramujos ou búzios de conchas cônicas ou esféricas, sem madrepérola ou canal sifonal, de coloração geralmente bastante monótona e com espiral mais ou menos alta, atingindo dimensões de até cinco centímetros (em Tectarius), mas normalmente bem pequenas; cobertas com um relevo de linhas espirais ou muito esculpido, em sua maioria, às vezes com desenhos e marcações. Suas espécies geralmente não são dotadas de umbílico; mas todas apresentam um opérculo córneo, plano e paucispiral (com poucas voltas); auxiliando o molusco a reter água durante os períodos de estiagem, na maré baixa. Sua abertura pode ser arredondada ou subquadrada e seu lábio externo é fino. A espessura de suas conchas depende de suas condições de vida sob as ondas. Cabeça com dois longos tentáculos, tendo olhos escuros em sua base. largo e quadrado, dividido longitudinalmente em duas partes. Quando rastejando, cada lado do pé progride alternadamente.[2][4][6][7][9][10][11]

Água doce[editar | editar código-fonte]

A família Littorinidae é quase exclusivamente marinha, mas um único gênero de água doce, Cremnoconchus, é conhecido. Seus membros são restritos a córregos montanhosos na escarpa oeste dos Gates Ocidentais, na Índia, em altitudes entre 300 e 1.400 metros.[14][15]

Classificação de Littorinidae: subfamílias e gêneros viventes[editar | editar código-fonte]

De acordo com o World Register of Marine Species, suprimidos os sinônimos e gêneros extintos.[5]

Subfamília Lacuninae Gray, 1857
Bembicium Philippi, 1846
Cremnoconchus W. T. Blanford, 1869
Lacuna W. Turton, 1827
Pellilitorina Pfeffer in Martens & Pfeffer, 1886
Risellopsis Kesteven, 1902
Subfamília Laevilitorininae Reid, 1989
Laevilacunaria Powell, 1951
Laevilitorina Pfeffer, 1886
Subfamília Littorininae Children, 1834
Afrolittorina Williams, Reid & Littlewood, 2003
Austrolittorina Rosewater, 1970
Cenchritis Martens, 1900
Echinolittorina Habe, 1956
Littoraria Gray, 1833
Littorina Férussac, 1822
Mainwaringia G. Nevill, 1885
Melarhaphe Menke, 1828
Nodilittorina Martens, 1897
Peasiella G. Nevill, 1885
Rufolacuna Ponder, 1976
Tectarius Valenciennes, 1832

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Littoraria flava» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  2. a b c RIOS, Eliézer (1994). Seashells of Brazil (em inglês) 2ª ed. Rio Grande, RS. Brazil: FURG. p. 48. 492 páginas. ISBN 85-85042-36-2 
  3. «Littorina littorea distribution» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  4. a b c d e ABBOTT, R. Tucker; DANCE, S. Peter (1982). Compendium of Seashells. A color Guide to More than 4.200 of the World's Marine Shells (em inglês). New York: E. P. Dutton. p. 56-58. 412 páginas. ISBN 0-525-93269-0 
  5. a b c d e «Littorinidae» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  6. a b c FERRARIO, Marco (1992). Guia del Coleccionista de Conchas (em espanhol). Barcelona, Espanha: Editorial de Vecchi. p. 69. 220 páginas. ISBN 84-315-1972-X 
  7. a b c WYE, Kenneth R. (1989). The Mitchell Beazley Pocket Guide to Shells of the World (em inglês). London: Mitchell Beazley Publishers. p. 38. 192 páginas. ISBN 0-85533-738-9 
  8. «peri» (em inglês). Google Translate. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019. peri: ser gracioso ou belo. 
  9. a b LINDNER, Gert (1983). Moluscos y Caracoles de los Mares del Mundo (em espanhol). Barcelona, Espanha: Omega. p. 44. 256 páginas. ISBN 84-282-0308-3 
  10. a b «Family Littorinidae: Periwinkles» (em inglês). Seashells of New South Wales. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  11. a b «Family: Littorinidae (Periwinkles)» (em inglês). Natural History Museum at Washington State University. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  12. «Littorina obtusata distribution» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  13. «Tectarius cumingii» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019 
  14. Reid, David G.; Aravind N A; Madhyastha, Neelavara Ananthram (janeiro de 2013). «A unique radiation of marine littorinid snails in the freshwater streams of the Western Ghats of India: The genus Cremnoconchus W.T. Blanford, 1869 (Gastropoda: Littorinidae)» (em inglês). Zoological Journal of the Linnean Society, 167(1). (ResearchGate). pp. 93–135. Consultado em 5 de abril de 2019 
  15. Strong, Ellen E.; Gargominy, Olivier; Ponder, Winston F.; Bouchet, Philippe (2008). «Global diversity of gastropods (Gastropoda; MoUusca) in freshwater» (PDF) (em inglês). Hydrobiologia 595. (DSpace Repository - Smithsonian Institution). pp. 149–166. Consultado em 5 de abril de 2019 
  16. «Cenchritis muricatus distribution» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 5 de abril de 2019