Luciano Freire

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luciano Freire
Auto-retrato (1895)
Nascimento 1864
Lisboa
Morte 1935 (71 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Área Pintura

Luciano Freire (Lisboa, 18641935) foi um pintor português[1].

Luciano Freire, Perfume dos campos, 1899, óleo sobre tela, 199 x 160 cm

Estudou na Academia Real de Belas-Artes, onde foi discípulo de Miguel Ângelo Lupi e Tomás da Anunciação, concluindo o curso de pintura de história em 1886. Complementa a sua formação através de viagens a França e Inglaterra.

Expôs pela primeira vez em 1887, na exposição da Sociedade Promotora de Belas Artes, onde apresentou a pintura D. Sebastião (coleção da Câmara Municipal de Lisboa).

Além da pintura de história dedicou-se à paisagem e à pintura de género, aproximando-se por vezes do universo simbolista em pinturas como Perfume dos campos, 1899, onde "sugere uma leitura crítica ao progresso citadino e à industrialização […] preludiando preocupações ecológicas, na viragem do século XIX para o XX" [2].

Entre 1896 e 1933 foi professor de desenho na Escola de Belas-Artes em Lisboa. Dedicou-se também ao restauro de pintura, nomeadamente dos "Primitivos" portugueses.

Está representado em diversas coleções e museus, nomeadamente no Museu do Chiado, Lisboa e Museu José Malhoa, Caldas da Raínha.

O seu nome consta na lista de colaboradores da revista Terra portuguesa [3] (1916-1927).

Referências

  1. Museu José Malhoa - Luciano Freire
  2. Silveira, Maria de Aires. In: A.A.V.V. – Museu do Chiado: Arte Portuguesa 1850-1950. Lisboa: Instituto Português de Museus, Museu do Chiado, 1994. ISBN: 972-8137-02-8
  3. Alda Anastácio (30 de outubro de 2017). «Ficha histórica:Terra portuguesa : revista ilustrada de arqueologia artística e etnografia (1916-1927)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de dezembro de 2017. 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.