Mikio Satō

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mikio Satō
Nascimento 18 de abril de 1928
Tóquio, Japão
Morte 9 de janeiro de 2023 (94 anos)
Nacionalidade japonês
Cidadania Japão
Alma mater Universidade de Tóquio
Ocupação matemático, professor universitário
Prêmios Prêmio Schock de Matemática (1997), Prêmio Wolf de Matemática (2002/2003)
Empregador Universidade de Quioto, Universidade de Osaka, Universidade de Tóquio
Orientador(es) Shokichi Iyanaga
Orientado(s) Masaki Kashiwara, Motohico Mulase
Instituições Universidade de Quioto
Campo(s) matemática

Mikio Sato (em japonês: 佐藤 幹夫 Satō Mikio; Tóquio, 18 de abril de 19289 de janeiro de 2023) foi um matemático japonês conhecido por fundar os campos de análise algébrica, hiperfunções e campos quânticos holonômicos. Foi professor no Instituto de Pesquisa de Ciências Matemáticas em Kyoto.[1]

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Sato era conhecido por seu trabalho inovador em vários campos, como espaços vetoriais pré-homogêneos e polinômios de Bernstein-Sato; e particularmente por sua teoria da hiperfunção.[2]  Esta teoria apareceu inicialmente como uma extensão das ideias da teoria da distribuição; logo foi conectado à teoria da cohomologia local de Grothendieck, para a qual era uma realização independente em termos da teoria do feixe. Além disso, levou à teoria das microfunções e análise microlocal em equações diferenciais parciais lineares e teoria de Fourier, como para frentes de onda e, finalmente, para os desenvolvimentos atuais na teoria do módulo D.[3] Parte da teoria da hiperfunção de Sato é a teoria moderna dos sistemas holonômicos: PDEs sobredeterminados a ponto de ter espaços de soluções de dimensão finita (análise algébrica).[2]

Na física teórica, Sato escreveu uma série de artigos na década de 1970 com Michio Jimbo e Tetsuji Miwa que desenvolveram a teoria dos campos quânticos holonômicos. Quando Sato recebeu o Prêmio Wolf de Matemática de 2002–2003 , este trabalho foi descrito como "uma extensão de longo alcance do formalismo matemático subjacente ao modelo bidimensional de Ising, e introduziu ao longo do caminho as famosas funções tau".[2] Sato também contribuiu com trabalhos básicos para a teoria não-linear do sóliton, com o uso de Grassmannianos de dimensão infinita.[2]

Na teoria dos números, ele e John Tate colocaram independentemente a conjectura de Sato–Tate sobre funções L por volta de 1960.[4]

Pierre Schapira comentou: "Olhando para trás, 40 anos depois, percebemos que a abordagem de Sato para a matemática não é tão diferente da de Grothendieck, que Sato teve a incrível temeridade de tratar a análise como geometria algébrica e também foi capaz de construir as equações algébricas e ferramentas geométricas adaptadas aos seus problemas".[5]

Morte[editar | editar código-fonte]

Satō morreu no dia 9 de janeiro de 2023, aos 96 anos de idade.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «インフォメーション|京都大学数理解析研究所». www.kurims.kyoto-u.ac.jp. Consultado em 13 de janeiro de 2023 
  2. a b c d Jackson, Allyn (2003). «Sato and Tate Receive 2002–2003 Wolf Prize» (PDF). Notices of the American Mathematical Society. 50 (5): 569–570 
  3. Kashiwara, Masaki; Kawai, Takahiro (2011). «Professor Mikio Sato and Microlocal Analysis». Publications of the Research Institute for Mathematical Sciences. 47 (1): 11–17. doi:10.2977/PRIMS/29Acessível livremente – via EMS-PH 
  4. It is mentioned in J. Tate, Algebraic cycles and poles of zeta functions in the volume (O. F. G. Schilling, editor), Arithmetical Algebraic Geometry, pages 93–110 (1965).
  5. Schapira, Pierre (2007). «Mikio Sato, a Visionary of Mathematics» (PDF). Notices of the American Mathematical Society. 54 (2): 243–245. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 28 de setembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Vladimir Arnold e Saharon Shelah
Prêmio Wolf de Matemática
2002/2003
com John Tate
Sucedido por
Grigory Margulis e Sergei Novikov