Neil Ferguson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Neil Ferguson
Nascimento 1968
Nacionalidade britânico
Alma mater Universidade de Oxford
Profissão epidemiologista

Neil Morris Ferguson (1968), é um epidemiologista britânico. É professor de biologia matemática, especializado em epidemiologia de doenças infecciosas disseminadas em humanos e animais, e especialista do Centro para Análise de Doenças Infecciosas do Imperial College, de Londres.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Obteve seu mestrado em física pela Universidade de Oxford em 1990 e seu doutorado em física teórica em 1994 para uma tese intitulada "Interpolações contínuas de superfícies aleatórias cristalinas a dinamicamente trianguladas".[2]

Em 2014, como diretor do centro do Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido, Ferguson forneceu análise de dados para a Organização Mundial da Saúde (OMS), sobre o Ebola durante a epidemia de ebola na África Ocidental.[3]

Em 2016, foi co-autor de um artigo intitulado "Combatendo a epidemia de zika na América Latina", publicado na Science.[4]

Em relação ao novo coronavírus, afirmou que a taxa de mortalidade por COVID-19 é menor que a SARS e MERS, mas ainda comparável à pandemia de gripe espanhola de 1918.[5]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Matheus Magenta (4 de março de 2020). «Coronavírus: 7 perguntas sobre a doença ainda sem resposta». BBC. Consultado em 8 de março de 2020 
  2. «Continuous interpolations from crystalline to dynamically triangulated random surfaces». SOLO (Search Oxford libraries online). University of Oxford. Consultado em 8 de março de 2020 
  3. James Gallagher. «Ebola: How bad can it get?» (em inglês). BBC. Consultado em 8 de março de 2020 
  4. Jon Cohen. «Zika has all but disappeared in the Americas. Why?». sciencemag.org. Consultado em 8 de março de 2020 
  5. «CORONAVÍRUS: O QUE VOCÊ PRECISA SABER». Sergio Franco. Consultado em 9 de março de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]