Notting Hill (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Notting Hill
Notting Hill[1] (PRT)
Um Lugar Chamado Notting Hill[2] (BRA)
 Reino Unido[3]  Estados Unidos[3]
1999 •  cor •  124 min 
Direção Roger Michell
Produção Duncan Kenworthy
Produção executiva Tim Bevan
Richard Curtis
Eric Fellner
Roteiro Richard Curtis
Elenco Julia Roberts
Hugh Grant
Hugh Bonneville
Emma Chambers
James Dreyfus
Rhys Ifans
Tim McInnerny
Gina McKee
Gênero comédia romântica
Música Trevor Jones
Cinematografia Michael Coulter
Figurino Shuna Harwood
Edição Nick Moore
Companhia(s) produtora(s) PolyGram Filmed Entertainment
Working Title Films
Distribuição PolyGram Filmed Entertainment (Reino Unido)
Universal Pictures (Estados Unidos)
Lançamento Estados Unidos 13 de maio de 1999 (premiere)
Reino Unido 21 de maio de 1999
Brasil 30 de julho de 1999[4]
Portugal 27 de agosto de 1999
Idioma inglês
Orçamento US$ 42 milhões[5]
Receita US$ 363.889.678
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Notting Hill (Um Lugar Chamado Notting Hill BRA ou Notting Hill PRT) é um filme britânico de 1999, do gênero comédia romântica, dirigido por Roger Mitchell, escrito por Richard Curtis e produzido por Duncan Kenworthy. O filme é estrelado por Julia Roberts, Hugh Grant, Rhys Ifans, Emma Chambers, Tim McInnerny, Gina McKee, e Hugh Bonneville. A história é de um romance entre um vendedor de livros de Londres interpretado por Grant e uma famosa atriz americana interpretada por Roberts, que acontece em sua loja. O título é uma referência a Notting Hill, um bairro de Londres, onde a história acontece.

Notting Hill foi bem recebido pela crítica e tornou-se o filme britânico de maior bilheteria lançado em 1999. O filme teve sua estréia na Cinemas Odeon, Leicester Square, em 27 de abril de 1999.[6] Ele ganhou US$116,089,678 como seu total bruto nacional, US$247,800,000 no exterior, com um total bruto de US$363,889,678.[7] Ele somou US$ 27.7 milhões em seu fim de semana de estréia, um recorde americano,[8] a maior abertura para um filme de comédia romântica, batendo My Best Friend's Wedding (que também estrelou Julia Roberts).[9] Notting Hill fez outros US$15 milhões na semana seguinte.[10][11] Um mês após o seu lançamento, Notting Hill perdeu seu recorde de maior bilheteria no fim de semana de abertura de um filme de comédia romântica para Noiva em Fuga (novamente estrelado por Roberts).[12] Foi o décimo sexto filme de maior bilheteria de 1999,[13] e em fevereiro de 2014 foi o 215º filme de maior bilheteria de todos os tempos.[14] Em 1999, tornou-se o filme britânico de maior bilheteria.[15]

Notting Hill ganhou o prêmio de audiência de filme mais popular no BAFTA em 2000,[16] e foi indicado nas categorias do Alexander Korda Award de melhor filme britânico do ano, e melhor performance por um ator em um papel coadjuvante para Rhys Ifans.[17] O filme ganhou o prêmio de melhor filme de comédia no British Comedy Awards.[18] A trilha sonora do filme ganhou melhor trilha sonora no Brit Awards, vencendo Star Wars: Episode I - The Phantom Menace.[19] O filme ganhou o prêmio de melhor filme britânico, melhor diretor britânico para Roger Michell e melhor ator britânico por Hugh Grant no Empire Awards.[20] O filme recebeu três indicações no Globo de Ouro, nas categorias melhor filme de comédia ou musical, melhor ator em comédia ou musical para Hugh Grant e melhor atriz em comédia ou musical para Julia Roberts.[21]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

William Thacker possui uma livraria independente em Notting Hill, Londres. A atriz de Hollywood Anna Scott entra na loja de Will; quando ele derrama sua bebida nela, ela vai até a casa dele para se limpar e impulsivamente o beija. Convidado para o Hotel Ritz, Will é confundido com um repórter e forçado a participar da reunião de imprensa de marketing cinematográfico para o novo filme de Anna. Ela concorda em ser seu par para a festa de aniversário de sua irmã. Na festa, Anna se dá bem com os amigos de Will enquanto eles compartilham histórias. Na noite seguinte, eles saem e Anna convida Will para seu quarto. Ela explica que ela tem que deixar a cidade, e Will está com o coração partido quando o namorado de sua estrela de cinema, que ela não havia mencionado, aparece. Nos próximos seis meses, os amigos de Will o colocaram em uma série de encontros, mas ele permanece ligado em Anna.

A road with some cars parked on it next to a line of houses
Muitas das filmagens ocorreram na Portobello Road

Um dia, Anna, perturbada, aparece à porta de Will, precisando de um lugar para se esconder de um escândalo de um tablóide. Ela pede desculpas pelo incidente anterior, contando a Will que seu ex-namorado simplesmente apareceu sem ser anunciado e que o relacionamento tinha quebrado muito antes. Naquela noite, eles fazem sexo. Na manhã seguinte, os paparazzi, inadvertidamente avisados ​​pelo colega de casa de Will, Spike, cercaram a casa de Will e tiraram fotos dele e Anna meio vestidos. Furiosa, Anna acusa Will de explorar a situação e declara que lamenta seu tempo juntos.

As estações passam e a vontade permanece miserável. Em um jantar com seus amigos, Will descobre que Anna é agora uma vencedora do Oscar e volta a Londres fazendo um filme de época. Ele visita sua filmagem local, onde Anna o vê e o convida para passar pela segurança. Apesar da oferta de Anna para ficar e assistir as filmagens, Will ouve ela conversando com uma co-estrela, e sai. No dia seguinte, Anna vem à livraria com um presente e pede desculpas, explicando que não queria discutir sua vida privada com uma co-estrela indiscreta. Ela quer reacender o relacionamento deles, mas Will a rejeita, temendo que ele seja ferido novamente.

Will encontra seus amigos em um restaurante com o presente aberto - o quadro original La Mariée. Eles se revezam apoiando sua decisão apontando, sem muito empenho, as falhas de Anna. Spike, no entanto, declara Will uma "picada idiota". Will percebe seu erro. Eles correm por Londres até o hotel de Anna, onde descobrem que ela fez check-out e está realizando uma coletiva de imprensa no Hotel Savoy. Quando Will chega, a assessora de Anna diz à platéia que Anna vai tirar uma folga e deixar o Reino Unido naquela noite. Will, fingindo ser um repórter novamente, admite que tomou a decisão errada e implora a Anna que reconsidere. Anna anuncia que ficará na Grã-Bretanha "indefinidamente" e se casarão. O filme termina com os dois em um banco de praça com Anna grávida.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Elenco não creditado

Notas de produção

  • Julia Roberts foi a única escolha para o papel de Anna Scott, embora Roger Michell e Duncan Kenworthy não esperassem que ela aceitasse. Seu agente disse a ela que era "a melhor comédia romântica que ela já havia lido".[22] Roberts disse que depois de ler o roteiro, ela decidiu que "teria que fazer isso".[23] O cachê que Julia Roberts recebeu para participar do filme é revelado na cena do jantar de aniversário, Anna Scott é perguntada sobre a quantia que recebeu por seu último filme, 15 milhões de dólares que também foi seu cachê na vida real.[24]
  • A decisão de escalar Hugh Grant como William Thacker foi unânime, já que ele e Richard Curtis tiveram um "casamento escritor/ator feito no céu". Michell disse que "Hugh faz Richard melhor do que ninguém, e Richard escreve Hugh melhor que qualquer outra pessoa", e que Grant é "um dos únicos atores que podem falar perfeitamente as falas de Richard".[22]
  • Mischa Barton aparece como a atriz infantil que Will pretende entrevistar para o Horse & Hound.[25]
  • A entrada no elenco de Bonneville, McInnerny, McKee, Chambers e Ifans, como os amigos de Will, "era como montar uma família". Michell explicou que "Quando você está lançando uma cabala de amigos, você tem que lançar um equilíbrio de qualidades, de tipos e de sensibilidades. Eles eram o quebra-cabeça que tinha que ser montado de uma só vez, e eu acho que nós temos uma variedade muito boa de pessoas que podem realisticamente ainda viver no mesmo mundo".[22]
  • Sanjeev Bhaskar tem uma participação especial como um cliente do restaurante (que se refere a Meg Ryan como a atriz que tem um orgasmo cada vez que ela é levada para sair para tomar uma xícara de café, em referência ao filme When Harry Met Sally) no restaurante que Anna e Will vão visitar.[26]
  • Omid Djalili faz uma participação sem créditos como o vendedor que vende o suco de laranja que ele acidentalmente derramará em Anna momentos depois.
  • Alec Baldwin faz uma aparição sem créditos como o namorado de Anna, Jeff King.[27]
  • Emily Mortimer, que viveu a personagem conhecida apenas como a mulher perfeita, em entrevista à PeopleTV, revelou que teve urticária, pouco antes de gravar a cena de seu encontro com Hugh Grant, no filme, “Todos ficaram realmente envergonhados. Foi muito estranho. Foi tipo, quem é essa garota – ela só tem uma cena e está fazendo soar como se fosse grande coisa, e ninguém falava comigo. Foi estranho”, continuou a atriz, revelando que o elenco não tornou a experiência mais fácil.[28]

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • William Thacker - Dono de uma livraria especializada em guias de viagem que fica um tanto próxima á sua casa, Will é um rapaz atraente, certinho e metódico, de vida um tanto monótona e sem grandes novidades. Ele é proprietário de um apartamento que ele divide com um cara nojento que possui gostos peculiares; e ainda é chefe de um homem um tanto quanto afeminado que adora contar vantagem por cima dele; além de Will não ter nenhuma perspectiva no amor desde que fora deixado por sua última namorada. Sua vida começa a mudar quando conhece Anna Scott e se envolve com ela, também imaginando que através desta, poderá viver um romance ideal e sairá da rotina e do tédio que tanto o atormentam.
  • Anna Scott - A atriz do momento, vivendo o auge de sua carreira. Seu filme Helix, de ficção científica, é o grande sucesso do cinema. Com isso, a aclamada e bela artista é chamada para participar de um filme de época que será rodado em Londres. Enquanto está passeando pela cidade, ela passa pelo bairro de Notting Hill acaba por adentrar a livraria de Will, conhecendo-o então, uma vez em que ele tem a boa intenção de ajuda-la, também por estar maravilhado por ela. Não demora muito até que os dois conhecem a se envolver, uma vez em que ela, apesar de usufruir de sua boa fama, se sente presa a isso e está querendo experimentar viver uma vida normal pelo menos uma vez na vida, vendo em Will essa chance.
  • Spike - O inquilino do apartamento de Will, que divide o apartamento com o mesmo e praticamente é sustentado por este. Spike é o oposto de Will em quase tudo. Maluco, não muito asseado, um tanto pervertido e dono de gostos um tanto peculiares, o excêntrico rapaz se diz experiente no quesito amoroso, uma vez em que adora bancar o galanteador, e vive a dar conselhos amorosos á sua moda na intenção de ajudar Will, que por sua vez, nem sempre considera tudo o que Spike diz. Ironicamente, Spike é apaixonado pela irmã mais nova de Will, que é tão doida quanto ele. Quando conhece Anna Scott, ele a princípio não sabe que ela está flertando com Will, assim, ele acredita que possa ter alguma chance com a atriz.
  • Honey - Irmã mais nova de Will e alvo de interesse amoroso de Spike, Honey é bem o oposto de seu irmão mais velho. Um tanto feia, amalucada e uma fumante compulsiva, Honey se veste de uma forme estranha e é bastante insegura e ansiosa. Quando conhece Anna Scott, ela já prevê que ela irá namorar Will e se encanta com a atriz, logo desejando que as duas fossem muito amigas e que Anna a ajudasse a se sentir melhor. Não muito secretamente, Honey parece corresponder ao interesse amoroso de Spike, já que se vê parecida com ele.
  • Max - Melhor amigo de Will e marido da ex-namorada do mesmo, Max vive com sua esposa numa casa em um bairro não muito próximo de Notting Hill, onde costumam se reunir com seus amigos, inclusive Will e Honey. Muito cuidadoso com seu lar e sua esposa, Max não cozinha muito bem, mas insiste em treinar seus dotes culinários, o que muitas vezes não resulta em coisa boa.
  • Bella - Ex-namorada de Will e atual esposa de Max, Bella é uma mulher paraplégica que geralmente tem de ser carregada por seu marido, que a trata com o maior cuidado do mundo. Apesar de ter sido a namorada de Will e agora ser casada justamente com o grande amigo deste, o relacionamento de Will tanto com Bella, quanto com Max é bastante amigável por incrível que pareça. Estranhamente, Bella possui para com Honey, uma relação semelhante a de duas irmãs, apesar das duas serem bem opostas, já que Bella é um tanto séria e introvertida, ou seja, o oposto da divertida Honey. É Bella quem aconselha Anna a como lidar com Will e a ser para ele o que ela(Bella) não foi.
  • Bernie - Outro amigo de Will e seus amigos. Bernie é um guloso e obeso homem que parece ser o único que realmente aprecia os dotes culinários de seu amigo Max. Apesar de ser bem amigo de Will, Bernie se sente atraído por Anna quando a conhece e demonstra invejar seu amigo, uma vez em que Bernie é um quase solteirão que não faz muito sucesso com as mulheres.
  • Tony - Outro amigo de Will, Tony é dono de um restaurante no bairro e recebe as constantes visitas de Will e seus amigos´, além de viver contando vantagem sobre ser um cozinheiro melhor que Max. Além de cozinheiro, Tony também é um exímio mecânico e um motorista pra ninguém botar defeito, apesar de vez ou outra avançar o sinal. É ele quem consola Will após este estar desiludido a respeito de Anna.
  • Martin - O afeminado e metódico funcionário de Will na livraria, muitas vezes não suportado por este. Martin costuma causar vários inconvenientes para a vida de Will, mesmo querendo ajudar, e vive contando vantagem sobre este. Ele se mostra ainda mais conveniente depois que Will conhece Anna, já que costuma quebrar o clima entre ambos, apesar disso, ele é sempre pronto a dar recados e é certamente prestativo, sempre sendo responsável para com a livraria na ausência de Will.
  • Rufus - Um andarilho vagabundo do bairro, vive visitando a livraria de Will na intenção de passar conversa neste, além de sempre tentar roubar algum livro, geralmente sendo expulso quando Will o descobre. Rufus é constantemente visto bêbado ou com muito sono.
  • Jeff King - O eventual namorado de Anna, aparentemente uns anos mais velho que esta. Jeff é um crítico de cinema convencido, arrogante e um tanto quanto babaca que adora contar vantagem sobre tudo e todos. Anna parece não o admirá-lo muito devido a esta personalidade. Em certo ponto do filme, Will descobre pela própria Anna que ela possui este namorado, conhecendo-o então e tentando disfarçar a respeito do que estão passando. Este é um dos momentos em que Will desiste temporariamente de Anna.

Produção[editar | editar código-fonte]

"Eu às vezes eu me perguntava como seria se eu aparecesse na casa dos meus amigos, onde eu costumava jantar uma vez por semana, com a pessoa mais famosa da época, seja Madonna ou qualquer outra pessoa. Tudo surgiu a partir daí. Como meus amigos reagiriam? Quem tentaria e seria legal? Como você passaria pelo jantar? O que eles diriam para você depois?"
– Richard Curtis[29]

Richard Curtis desenvolveu o filme a partir de pensamentos enquanto estava acordado durante a noite. Ele descreveu o ponto de partida como "a ideia de uma pessoa muito normal sair com uma pessoa inacreditavelmente famosa e como isso afeta suas vidas".[29] Em uma entrevista à GQ em 2018, Hugh Grant alegou que o filme foi baseado na vida real e vagamente seguiu um amigo de Richard que se apaixonou por uma "pessoa extremamente mundialmente famosa que [Grant não podia] mencionar'.[30]

O diretor Mike Newell foi abordado para a direção do filme, mas o rejeitou para trabalhar em Pushing Tin.[5] Ele disse que, em termos comerciais, tomou a decisão errada, mas não se arrependeu.[31] O produtor, Duncan Kenworthy, então se voltou para Roger Michell, dizendo que "Encontrar alguém tão bom quanto Roger, era como encontrar o ator certo para interpretar cada papel. Roger brilhou".[22]

Curtis escolheu Notting Hill como ele morava lá e conhecia a área, dizendo: "Notting Hill é um caldeirão eo lugar perfeito para definir um filme". Isso deixou os produtores para filmar em uma área densamente povoada. Kenworthy observou "No começo, nós brincamos com a idéia de construir um enorme conjunto externo. Dessa forma teríamos mais controle, porque estávamos preocupados em ter Roberts e Grant em ruas públicas onde poderíamos ter milhares de espectadores". No final, eles decidiram filmar nas ruas. Michell estava preocupado "que Hugh e Julia aparecessem no primeiro dia de filmagens em Portobello Road, e haveria um impasse e estaríamos cercados por milhares de pessoas e fotógrafos de paparazzi que nos impediriam de filmar". A equipe de locação e a equipe de segurança impediram isso além de prevenir problemas, a presença de uma equipe de filmagem pode ter provocado os moradores de Notting Hill, que Michell acredita estar "genuinamente animado" com o filme. A gerente de locação, Sue Quinn, descreveu a localização de locais e obteve permissão para filmar como "uma tarefa gigantesca". Quinn e o resto de sua equipe tiveram que escrever para milhares de pessoas na área, prometendo doar para a instituição de caridade favorita de cada pessoa, resultando em 200 instituições de caridade recebendo dinheiro.[32] Ishmahil Blagrove, que estava envolvido na organização do local de filmagem e na seleção de extras para o filme, disse que eles deliberadamente envolveram os residentes na produção, como contratá-los para segurança e compensar os donos das lojas pela interrupção de seus negócios. Ele apresentou uma gama diversa de pessoas da vizinhança - incluindo uma personalidade localmente famosa - como figurantes, mas ficou chocado e perturbado por pessoas de cor estarem quase totalmente ausentes do filme final.[33]

"O maior problema que encontramos foi o tamanho da nossa unidade de filme. Nós não poderíamos simplesmente entrar e filmar e sair. Nós estávamos em todos os lugares. Filmar nas ruas de Londres tem que ser feito de maneira a atingir os padrões de saúde e segurança. Não existe um fechamento de estrada. Tivemos muita sorte em termos 100% de cooperação da polícia e do Conselho. Eles olharam favoravelmente para o que estávamos tentando fazer e como promoveria a área."
– Sue Quinn[32]

Stuart Craig, o designer de produção, teve o prazer de fazer um filme contemporâneo, dizendo que "estamos lidando com ruas com milhares de pessoas, comerciantes, lojistas e moradores, o que torna tudo muito complexo".[32] As filmagens começaram em 17 de abril de 1998 no oeste de Londres e no Shepperton Studios.[22] A livraria de Will ficava na Portobello Road, uma das principais áreas em que as filmagens aconteciam. Outros lugares dentro de Notting Hill incluíram a estrada de Westbourne Park Road, Golborne Road, Landsdowne Road e o Coronet Cinema.[32] A casa de Will, 280 Westbourne Park Road, era de propriedade de Richard Curtis e atrás da entrada havia uma grande casa, não o apartamento do filme que era feito nos estúdios. Devido ao seu enorme sucesso, a porta azul da casa onde morava Hugh Grant foi retirada pelos donos e enviada para um leilão de artefatos ligados a filmes famosos, Christie’s, em dezembro de 1999 por £5.750.[34] O motivo foi que, depois da estréia, várias pessoas iam até a casa só para bater na porta ou tocá-la, e conhecer a casa que serviu de locação para o filme. A Travel Book Store está localizada na 142 Portobello Road, onde hoje funciona uma loja de souvenir chamada Notting Hill.[34][35][36] Depois de filmar por seis semanas em Notting Hill, as filmagens foram transferidas para o Hotel Ritz, onde o trabalho teve que ser realizado à noite, no Hotel Savoy, no Nobu Restaurant, no Zen Garden of the Hempel Hotel e no Kenwood House.[32] Uma das cenas finais acontece na estréia do filme, que apresentou dificuldades. Michell queria filmar no Leicester Square mas foi recusado. A polícia encontrou problemas com fãs em uma estréia de Leonardo DiCaprio e estavam preocupados que o mesmo ocorreria na estreia encenada.[5] Por meio de um ato de saúde e segurança, a produção recebeu permissão para filmar e construir a cena em 24 horas.[32] Cenas internas foram as últimas a serem filmadas, no Shepperton Studios.[32] O corte final foi de 3.5 horas de duração, 90 minutos editados para lançamento.[5][37]

O filme apresenta a pintura de 1950 de Marc Chagall La Mariée. Anna vê uma cópia da pintura na casa de William e depois lhe dá o que é presumivelmente o original. Michell disse na Entertainment Weekly que a pintura foi escolhida porque Curtis era fã do trabalho de Chagall e porque La Mariée "retrata um desejo por algo que está perdido". Os produtores tiveram uma reprodução feita para o filme, mas tiveram que obter permissão do proprietário, bem como autorização da Design and Artists Copyright Society. Finalmente, de acordo com Kenworthy, "tivemos que concordar em destruí-lo. Eles estavam preocupados que, se a nossa falsificação fosse boa demais, ela poderia flutuar no mercado e criar problemas". O artigo também observou que "alguns especialistas dizem que a tela real pode valer entre US$500,000 e US$1 milhão".[38]

O filme apresenta o livro Istanbul: The Imperial City (1996) de John Freely. William recomenda este livro para Anna, comentando que (diferentemente de outro livro na loja), o autor pelo menos esteve em Istambul. Na realidade, Freely ensinou na Universidade Boğaziçi em Istambul,[39] e foi o autor de nove livros sobre a cidade.

Na última cena do filme, Will é mostrado lendo o livro Captain Corelli's Mandolin, de Louis de Bernières. O diretor Roger Michell estava se preparando para assumir a adaptação desse livro para os cinemas, mas acabou doente e deixou de produzir o filme.[24][5] Em 2001 o livro foi adaptado para o cinema, O Capitão Corelli, e foi protagonizado por Nicolas Cage e Penélope Cruz.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A música original foi composta por Trevor Jones.[40] Uma partitura principal foi escrita e trechos foram usados ​​ao longo do filme. A partitura foi dividida em duas músicas para a trilha sonora (Will e Anna/Notting Hill). Várias músicas adicionais escritas por outros artistas incluem a versão cover de Elvis Costello da música "She" de Charles Aznavour, a versão remixada de "You've Got A Way" de Shania Twain, bem como o cover especialmente gravado de Ronan Keating, "When You Say Nothing at All"; a música alcançou o número um nas paradas britânicas. Pulp gravou nova música "Born to Cry", que foi lançada na versão européia do álbum da trilha sonora.

A música tocada quando Will desce pela Portobello Road é "Ain't No Sunshine", de Bill Withers. Tony e Bernie tocam "Blue Moon" no piano no restaurante de Tony na noite em que se fecha.[41] Originalmente, a versão de "She", de Charles Aznavour, foi usada no filme, mas as audiências americanas de exibição teste não responderam a ela. Costello foi trazido por Richard Curtis para gravar uma versão cover da música.[42] Ambas as versões da música aparecem em versões não americanas.

O álbum da trilha sonora foi lançado pela Island Records.

Listagem de faixas da versão dos EUA

  1. "No Matter What" Boyzone
  2. "You've Got a Way" (remix de Notting Hill) Shania Twain
  3. "I Do (Cherish You)" 98 Degrees
  4. "She" Elvis Costello
  5. "Ain't No Sunshine" Bill Withers
  6. "How Can You Mend a Broken Heart?" Al Green
  7. "Gimme Some Lovin'" Spencer Davis Group
  8. "When You Say Nothing at All" - Ronan Keating
  9. "Ain't No Sunshine" Lighthouse Family
  10. "From the Heart" - Another Level
  11. "Everything About You" - Steve Poltz
  12. "Will and Anna" Trevor Jones (partitura)
  13. "Notting Hill" Trevor Jones (partitura)

A trilha sonora e a música original foram gravadas e mixadas por Gareth Cousins (que também mixou todas as músicas usadas no filme) e Simon Rhodes.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Nothing Hill teve recepção geralmente favorável por parte da crítica especializada. O filme teve 83% de "Certified fresh" no Rotten Tomatoes com base em 93 resenhas com uma classificação média de 7.1/10, segundo o consenso crítico do site: "performances charmosas proporcionam romance em abundância".[43] Roger Ebert elogiou o filme, dizendo que "o filme é brilhante, o diálogo tem sagacidade e inteligência, e Roberts e Grant são muito fáceis de gostar".[44] Desson Howe, do The Washington Post, fez uma crítica positiva ao filme, elogiando especialmente o desempenho de Rhys Ifans como Spike.[45] O revisor da CNN, Paul Clinton, disse que Notting Hill "está sozinho como mais uma história engraçada e comovente sobre o amor contra todas as probabilidades".[46]

Alguns criticaram o filme por dar uma "visão não realista da vida em Londres e da excentricidade britânica".[47] The Independent ridicularizou o filme por ser irrealista.[48] Em particular, o filme foi criticado por não refletir a população diversificada da área: "apenas Curtis poderia escrever um filme sobre Notting Hill, o bairro mais diversificado de Londres, e não apresentar um único rosto negro nele".[49][50]

Listas[editar | editar código-fonte]

Notting Hill ficou na 95ª na "lista dos 100 melhores filmes de todos os tempos" do British Film Institute, com base em estimativas das entradas de cinema britânico de cada filme.[26]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

BAFTA 2000 (Reino Unido)

  • Recebeu o prêmio da audiência
  • Indicado nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (Rhys Ifans)
  • Indicado ao prêmio Alexander Korda para Melhor Filme Britânico.

Globo de Ouro 2000 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Filme - Comédia / Musical, Melhor Ator de Cinema - Comédia / Musical (Hugh Grant) e Melhor Atriz de Cinema - Comédia / Música (Julia Roberts).

Satellite Awards 2000 (EUA)

  • Indicado na categoria de melhor Filme - Comédia / Musical, Melhor Ator Coadjuvante - Comédia / Muiscal (Rhys Ifans) e Melhor Atriz de Cinema - Comédia / Musical (Julia Roberts).

Referências

  1. «Notting Hill». Portugal: SapoMag. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  2. «Um Lugar Chamado Notting Hill». Brasil: CinePlayers. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  3. a b «Notting Hill». American Film Institute. Consultado em 17 de julho de 2018 
  4. Um lugar chamado Notting Hill Folha de S.Paulo
  5. a b c d e 10 curiosidades nos 18 anos de Um Lugar Chamado Notting Hill Minha Série
  6. «Notting Hill premieres in Leicester Square». BBC News. 27 de abril de 1999. Consultado em 23 de maio de 2007 
  7. «NOTTING HILL». Box Office Mojo. Consultado em 20 de maio de 2007 
  8. «Notting Hill has The Force». BBC News. 2 de junho de 1999. Consultado em 23 de maio de 2007 
  9. Gray, Brandon (2 de junho de 1999). «Weekend Box Office». Box Office Mojo. Consultado em 20 de maio de 2007 
  10. Gray, Brandon (7 de junho de 1999). «Weekend Box Office». Box Office Mojo. Consultado em 20 de maio de 2007 
  11. Gray, Brandon (21 de junho de 1999). «Weekend Box Office». Box Office Mojo. Consultado em 20 de maio de 2007 
  12. Gray, Brandon (3 de agosto de 1999). «Weekend Box Office». Box Office Mojo. Consultado em 20 de maio de 2007 
  13. «1999 DOMESTIC GROSSES». Box Office Mojo. Consultado em 20 de maio de 2007 
  14. «WORLDWIDE GROSSES». Box Office Mojo. Consultado em 5 de fevereiro de 2014 
  15. «Notting Hill breaks film record......». BBC News. 26 de agosto de 1999. Consultado em 23 de maio de 2007 
  16. «2000 British Academy of Film and Television Awards». infoplease.com. Consultado em 22 de maio de 2007 
  17. «Bafta nominations in full». BBC News. 1 de março de 2000. Consultado em 22 de maio de 2007 
  18. «The Past Winners 1999». British Comedy Awards. Consultado em 22 de maio de 2007. Arquivado do original em 29 de outubro de 2010 
  19. «Brits 2000: The winners». BBC News. 3 de março de 2000. Consultado em 22 de maio de 2007 
  20. «What are they doing?». British Theatre Guide. 20 de fevereiro de 2000. Consultado em 21 de maio de 2007. Arquivado do original em 6 de junho de 2007 
  21. «Notting Hill». TheGoldenGlobes.com. Consultado em 22 de maio de 2007 
  22. a b c d e «About the Production». Notting Hill.com. Consultado em 22 de maio de 2007 
  23. «A Romantic Comedy Dream Team». Notting Hill.com. Consultado em 22 de maio de 2007 
  24. a b É fã de 'Um Lugar Chamado Notting Hill'? Descubra seis curiosidades Rede Globo
  25. Gordon, Jane (12 de maio de 2007). «Mischa Barton: Little Miss Sunshine». The Mail on Sunday. Consultado em 19 de maio de 2007 
  26. a b «95: NOTTING HILL». British Film Institute. Consultado em 19 de maio de 2007 
  27. Elley, Derek (30 de abril de 1999). «Notting Hill». Variety. Consultado em 19 de maio de 2007 
  28. Atriz teve urticária antes de encontro com Hugh Grant no filme Observatório do Cinema
  29. a b «Behind-the-Scenes». Notting Hill.com. Consultado em 22 de maio de 2007 
  30. GQ (29 de junho de 2018), Hugh Grant Reviews His Most Iconic Movie Roles | GQ, consultado em 22 de julho de 2018 
  31. Parry, Chris. «The man who told Notting Hill to 'sod off'». eFilm Critic. Consultado em 21 de maio de 2007 
  32. a b c d e f g «Notting Hill, the place, the movie location». Notting Hill.com. Consultado em 22 de maio de 2007 
  33. «Ishmahil Blagrove». www.facebook.com (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2019 
  34. a b Um lugar chamado Notting Hill Londres para principiantes
  35. Um Lugar Chamado Notting Hill AdoroCinema
  36. «Notting Hill – Filming Locations». Movieloci.com. Consultado em 5 de julho de 2012 
  37. Greg Dean Schmitz. «Notting Hill (1999)». Yahoo!. Consultado em 28 de maio de 2007. Arquivado do original em 12 de julho de 2007 
  38. Joe Dziemianowicz; Clarissa Cruz (11 de junho de 1999). «Flashes». Entertainment Weekly. Consultado em 20 de maio de 2007 
  39. Taşçi, Murat; Gŭlsoy, Tunçel. «John Freely Interview». Boğaziçi'nin Hafizasi alumni magazine. Scribd. Consultado em 20 de junho de 2013 
  40. «Notting Hill». Filmtracks.com. Consultado em 23 de maio de 2007 
  41. «When You Say Nothing at All». BBC News. Consultado em 21 de maio de 2007 
  42. Chamberlain, Darryl (20 de julho de 1999). «Elvis alive and well in Notting Hill». BBC News. Consultado em 23 de maio de 2007 
  43. «Notting Hill (1999)». Rotten Tomatoes. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  44. Ebert, Roger (28 de maio de 1999). «Notting Hill». Chicago Sun-Times. Consultado em 21 de maio de 2007 
  45. Howe, Desson (28 de maio de 1999). «'Notting Hill': Easy to Love». The Washington Post. Consultado em 21 de maio de 2007 
  46. Clinton, Paul (27 de maio de 1999). «Review: Julia, Hugh a perfect match for 'Notting Hill'». CNN. Consultado em 21 de maio de 2007 
  47. Brook, Tom (5 de junho de 1999). «Money takes over the movies». BBC News. Consultado em 22 de março de 2008 
  48. Orr, Deborah (20 de maio de 1999). «It's Notting Hill, but not as I know it». The Independent. London 
  49. Adams, Tim (22 de março de 2009). «A shiny, happy place, relaxed about the filthy rich, insatiable in its optimism, in love with happy endings, and very New Labour. Welcome to Curtisland ...». The Observer. Consultado em 17 de novembro de 2018 
  50. Dennis, Ferdinand (31 de março de 1999). «Is this film too cute for its own good?». The Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]