Osman Lins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Osman Lins
Nome completo Osman da Costa Lins
Nascimento 5 de julho de 1924
Vitória de Santo Antão, Pernambuco
Morte 8 de julho de 1978 (54 anos)
São Paulo, São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Cônjuge Julieta de Godoy Ladeira
Ocupação Escritor
Magnum opus Avalovara (1973)

Osman da Costa Lins (Vitória de Santo Antão, 5 de julho de 1924 São Paulo, 8 de julho de 1978) foi um escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Natural de Pernambuco, é autor de contos, romances, narrativas, livro de viagens e peças de teatro.

O projeto literário de Osman Lins mescla-se com sua biografia e fatos que marcaram sua história pessoal aparecem de maneira recorrente em sua obra. Um desses fatos, e talvez o mais importante, foi a perda da mãe logo após seu nascimento.[1]

Seu romance Avalovara (1973) é uma obra de engenharia narrativa, construído a partir de um palíndromo latino (sator arepo tenet opera rotas), dentro de uma espiral, a partir do qual vão sendo desenvolvidos todos os capítulos do livro.

Lisbela e o Prisioneiro, texto para teatro de 1961, foi adaptado para televisão pela Globo (1994), com os atores Diogo Vilela e Giulia Gam, sendo depois adaptado por Guel Arraes para o cinema, com Selton Mello e Débora Falabella (2003).

Osman Lins faleceu aos 54 anos, em consequência de câncer generalizado, decorrente de um melanoma tardiamente diagnosticado.[2]

O arquivo pessoal do escritor foi doado pela viúva do escritor, a também escritora Julieta de Godoy Ladeira (1927-1997), a duas instituições brasileiras: Fundação Casa de Rui Barbosa (Rio de Janeiro) e Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (São Paulo).

Na Cidade de Vitória de Santo Antão, foi construído o Centro Universitário Osman Lins em homenagem ao Escritor.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • O Visitante — romance, 1955.
  • Os Gestos — contos, 1957.
  • O Fiel e a Pedra — romance, 1961.
  • Marinheiro de Primeira Viagem — 1963.
  • Lisbela e o Prisioneiro — teatro, 1964.
  • Nove, Novena — narrativas, 1966.
  • Um Mundo Estagnado — ensaio, 1966.
  • Capa-Verde e o Natal — teatro infantil, 1967.
  • Guerra do Cansa-Cavalo — teatro, 1967.
  • Guerra Sem Testemunha — o Escritor, sua Condição e a Realidade Social — ensaio, 1969.
  • Avalovara — romance, 1973.
  • Santa, Automóvel e o Soldado — teatro, 1975.
  • Lima Barreto e o Espaço Romanesco — ensaio, 1976.
  • A Rainha dos Cárceres da Grécia — romance, 1976.
  • Do Ideal e da Glória. Problemas Inculturais Brasileiros — coletânea de artigos e ensaios, 1977.
  • Missa do Galo, Variações Sobre o Mesmo Tema, Organização e Participação, 1977.
  • Casos Especiais de Osman Linsnovelas adaptadas para televisão e levadas ao ar pela TV Globo, 1978, composto de:
  • Evangelho na Taba. Problemas inculturais brasileiros II — coletânea de artigos, ensaios e entrevistas, com apresentação de Julieta de Godoy Ladeira, 1979.
  • Domingo de Páscoa — novela, 1978.

Referências

  1. O próprio escritor fala sobre isso numa entrevista concedida em 1976: "Isso configura a minha vida como escritor, pois parece que o trabalho do escritor, metaforicamente, seria construir com a imaginação um rosto que não existe. Isso talvez tenha me conduzido a suprir de algum modo, através da imaginação, essa ausência." Ver Quebra-cabeça literário: o trabalho de recomposição de uma narrativa de vida presente no Arquivo Osman Lins
  2. Um domingo enfim eternizado. Última novela de Osman Lins, escrita em 1978, é agora publicada em livro. Por: Célio Yano. Revista CH. Instituto Ciência Hoje. 14 de agosto de 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.