Park Yeon-mi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Park Yeonmi
Nome nativo Park Yeon-mi (박연미)
Nascimento 4 de outubro de 1993 (25 anos)
Hyesan, Província de Ryanggang, Coreia do Norte
Nacionalidade Coreia do SulSul-coreana
Norte-coreana
Cidadania Coreia do Norte, Coreia do Sul
Ocupação Ativista de Direitos Humanos
Escritora
Conferencista
Jornalista

Park Yeonmi (ou Yeonmi Park), em coreano:박연미 (Hyesan,  4 de outubro 1993) é ativista de direitos humanos norte-coreana que escapou através da China em 2007 e estabeleceu-se na Coreia do Sul em 2009. Ela provém de uma família culta com conexão política que envolveu-se no mercado negro durante o colapso econômico da Coreia do Norte nos anos 1990.[1] Depois de seu pai ser enviado a um campo de trabalho forçado por causa do contrabando, sua família pssou a enfrentar a fome. Então fugiram para a China onde Yeon-mi e sua mãe caíram nas mãos de traficantes de seres humanos antes de conseguir escapar para a Mongólia.[2] Agora, ela é defensora das vítimas de tráfico e trabalha pelo mundo todo em prol de promover os direitos humanos na Coreia do Norte.

Park ganhou reconhecimento mundial depois do discurso no One Young World Summit 2014 em Dublin, Irlanda — encontro anual que reúne jovens do mundo inteiro para desenvolver soluções para problemas globais.[3] Seu discurso sobre a experiência de sua fuga da Coreia do Norte atingiu mais de 2 milhões de visualizações no YouTube. Sua autobiografia In Order to Live: A North Korean Girl's Journey to Freedom foi publicada em setembro de 2015.[4]

No entanto, a veracidade do seu testemunho é considerada improvável por especialistas e jornalistas.[5]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Park nasceu em 4 de outubro de 1993 in Hyesan, Ryanggang, Coreia do Norte. Seu pai era um funcionário público que trabalhou na prefeitura cidade de Hyesan como integrante do WKP (Partido dos Trabalhadores da Coreia) e sua mãe era uma enfermeira do Exército Popular da Coreia. Seu pai, mais tarde, estabeleceu uma operação de contrabando de metais na capital, Pyongyang, onde ficou quase um ano enquanto suas esposa e filhas permaneceram em Hyesan. Durante a maior parte de sua infância, sua família era considerada rica de acordo com os padrões norte-coreanos. Até, então, seu pai ser preso por envolvimento num negócio ilegal. Park tinha uma irmã mais velha, Eun-mi.

Fuga da Coreia do Norte[editar | editar código-fonte]

O pai de Park foi preso por praticar comércio ilegal e submetido a trabalho forçado. Sua opinião sobre a Dinastia Kim mudou quando ela assistiu um DVD pirata do filme Titanic de 1997, despertando-lhe a percepção da verdadeira natureza opressiva do regime norte-coreano. Ela afirma que o filme lhe ensinou o verdadeiro significado do amor e deu-lhe "gosto de liberdade".[6]

Quando se reuniu com sua família, o pai instou a família para planejar sua fuga para a China. Infelizmente, sua irmã mais velha Eun-mi fugiu para a China sem comunicá-los. Park e sua família escaparam da Coreia do Norte viajando através do território chinês com a ajuda de agentes que guiam norte-coreanos ilegalmente para a China. Missionários cristãos chineses e coreanos ajudaram-nas a ir para a Mongólia, a partir de onde diplomatas sul-coreanos facilitaram sua transferência para Seul. Após esta viagem angustiante, concluída em 2007, Park tornou-se uma ativista de tempo integral em prol dos direitos humanos para a Coreia do Norte.[1]

Na China[editar | editar código-fonte]

Park e sua família escaparam da Coreia do Norte atravessando a fronteira com a China. Na noite de 30 de março de 2007, com a ajuda de traficantes de seres humanos, Park e sua mãe cruzou um rio congelado e três montanhas para chegar à fronteira com a China. O pai de Park estava doente e ficou para trás na Coreia do Norte, considerando que sua doença iria atrasá-los.[1][7] Depois da travessia da fronteira, Park e sua mãe dirigiram-se à província chinesa de Jilin. Em vão, elas tentaram encontrar a irmã de Park, Eun-mi, pedindo informações sobre seu paradeiro aos traficantes. Yeon-me e sua mãe presumiram que Eun-mi tinha morrido.[1]

Um dos traficantes ameaçou denunciar Park e sua mãe às autoridades locais caso não elas não se submetessem a ter relações sexuais com ele. Sua mãe interveio por sua segurança oferecendo-se para o traficante. Em outubro de 2007, Park comunicou-se com seu pai e conseguiu traficá-lo para a China, onde foi diagnosticado com câncer de cólon avançado. 

Em janeiro de 2008, enquanto a família vivia secretamente na China, o pai de Park faleceu aos 45 anos de idade. A família não pôde velá-lo decentemente, temendo ser descoberta pelas autoridades chinesas. O corpo foi enterrado no chão em uma montanha das proximidades. Park disse:

"Não houve um funeral. Não houve nada. Nem isso pude fazer pelo meu pai. Eu não podia chamar ninguém para dizer que o meu pai havia falecido."

Park e sua mãe encontraram um abrigo cristão liderado por missionários chineses e sul-coreanos na cidade portuária de Qingdao, China. Devido à grande população étnica coreana da cidade, elas foram capazes de evitar a atenção das autoridades. Com a ajuda dos missionários, elas aproveitaram a oportunidade e fugiram para a Coreia do Sul através da Mongólia. [1]

Na Mongólia[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2009, após receberem ajuda de ativistas dos direitos humanos e dos missionários cristãos, Park e sua mãe viajaram para a Mongólia através do deserto de Gobi para pedir direito de asilo a diplomatas sul-coreanos. [1]

Ao chegar à fronteira da Mongólia, elas foram paradas pelos guardas e ameaçadas de serem deportadas de volta para a China. Park recorda que ela e sua mãe, naquele momento, comprometeram-se de matar-se com suas próprias facas. "Eu pensei que era o fim da minha vida. Estávamos dizendo adeus uma à outra" Suas ações persuadiram os guardas a deixá-las passar, mas sob custódia num centro de detenção em Ulan Bator, capital da Mongólia. Em 1 de abril de 2009, Park e sua mãe foram enviadas ao aeroporto Chinggis Khaan para voarem para Seul. Park sentiu-se aliviada por estar finalmente livre; o The Daily Telegraph relatou: '"Oh, meu Deus", pensou quando os funcionários mongóis acenaram-lhes para passar. "Eles não me pararam."' [1]

Na Coreia do Sul[editar | editar código-fonte]

Park Yeonmi na Coreia do Sul

Park e sua mãe tiveram dificuldade para adaptar-se a sua nova vida na Coreia do Sul, mas elas conseguiram encontrar trabalho como assistentes de loja e garçonete. Park também continuou seus estudos na Universidade Dongguk, em Seul.[1][8] Em abri de 2014, a inteligência sul-coreana informou a Park e sua mãe que Eun-mi, sua irmã, havia se refugiado na Coreia do Sul passando pela China e Tailândia. Park e sua mãe finalmente reuniram-se com Eun-mi.[1]

Ativismo e recepção[editar | editar código-fonte]

Desde a fuga, Park passou a escrever e falar publicamente sobre sua vida na Coreia do Norte, havendo escrito para o Washington Post e entrevistada pelo The Guardian.[9][10] Park volutaria-se para programas ativistas tal como o Freedom Factory Corporation,[9] uma organização de reflexão da Coreia do Sul. Ela também tornou-se membro do LiNK (Liberty in North Korea), uma organização sem fins lucrativos que resgata refugiados norte-coreanos escondidos na China e os ajuda a chegar na Coreia do Sul e nos EUA. De 12–15 de julho de 2014, Park participou da cúpula do LiNK na Universidade Pepperdine em Malibu, Califórnia. Ela e outros ativistas norte-coreanos, Joo Yang e Seongmin Lee, trabalharam em suas sessões e palestras, explicando aos participantes as condições na Coreia do Norte e como o LiNK pode apoiar os refugiados. Park participou da campanha do LiNK, o Jangmadang (장마당). Park também foi franca sobre o turismo na Coreia do Norte, como os visitantes são encorajados a prestarem homenagem às estátuas de Kim Jong Il e Kim Il Sung, o que ela vê como "ajuda à propaganda do regime, permitindo-se atuar como se também amassem e obedecessem ao líder."[11]

Park narrou história de sua fuga inúmeras vezes em eventos conhecidos, tais como TEDx em Bath, a cúpula do One Young World em Dublin e o Oslo Freedom Forum.[3]

Park trabalhou como co-anfitriã para Casey Lartigue, um apresentador convidado da programação podcast North Corea Today. O podcast fala a respeito de tópicos sobre a Coreia do Norte e os refugiados depois da fuga. Park voluntariou-se para esta oportunidade de fazer o mundo tornar-se consciente da repressão dos refugiados norte-coreanos e como as pessoas podem ajudar em sua busca pela liberdade. Eles apresentaram cinco episódios do podcast.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i Phillips, Tom (10 de outubro de 2014). «Escape from North Korea: 'How I escaped horrors of life under Kim Jong-il'». The Telegraph. Telegraph Media Group. Consultado em 18 de setembro de 2015 
  2. «"Kim Jong Un doesn't like me at all," says 21-year-old defector from North Korea». Consultado em 18 de setembro de 2015 
  3. a b Gupta, Priyanka. «Escaping North Korea: one refugee's story». www.aljazeera.com. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  4. Park, Yeonmi; Vollers, Maryanne (29 de setembro de 2015). In Order to Live: A North Korean Girl's Journey to Freedom. New York: Penguin Press. ISBN 978-0-698-40936-1. OCLC 921419691 
  5. Diplomat, Mary Ann Jolley, The. «The Strange Tale of Yeonmi Park». The Diplomat (em inglês). Consultado em 29 de maio de 2019 
  6. Hakim, Danny (25 de outubro de 2014). «The World's Dissidents Have Their Say». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  7. Vollers, Maryanne. «The woman who faces the wrath of North Korea». the Guardian. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  8. Nordlinger, Jay (17 de novembro de 2015). «Witness from Hell». National Review. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  9. a b Crocker, Lizzie (31 de outubro de 2014). «How 'Titanic 'Helped This Brave Young Woman Escape North Korea's Totalitarian State». The Daily Beast. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  10. Park, Yeon-mi; Shearlaw, Maeve (29 de outubro de 2014). «The North Korean defector who continues to defy regime – live Q&A as it happened». The Guardian. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  11. Thompson, Nathan A. «The Ethics of Taking a Trip to North Korea as a Tourist». NBC News. Consultado em 3 de novembro de 2014 
  12. «(ARCHIVE) North Korea Today: Featuring Casey and Yeonmi (ARCHIVE)». (ARCHIVE) North Korea Today: Featuring Casey and Yeonmi (ARCHIVE). Consultado em 25 de setembro de 2015