Pedro Foss

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Pedro Foss (Esteio, 19 de setembro de 1985) é um jornalista e cineasta brasileiro. [1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pedro Foss é formado em jornalismo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), com extensão em cinema pela New York Film Academy (NYFA). Atua no mercado desde 2001, tendo trabalhado em cinema, televisão e marketing político televisivo. Como diretor e roteirista, realizou 11 filmes em curta-metragem. Dirigiu diversas personalidades, como Maitê Proença, Werner Schunemann, Regina Casé, Lucélia Santos, Bárbara Paz, Luana Piovani, Paula Burlamaqui, Eriberto Leão, Rodrigo Simas, Daniela Escobar, Sheron Menezes, Larissa Maciel, Nívea Stelmann, Cláudio Heinrich, Mauricio Mattar, Ingra Liberato, Cássia Linhares, Paulo Zulu e Pedro Neschling, entre outros.

Com o marqueteiro Marcos Martinelli, Pedro Foss formatou as duas únicas campanhas brasileiras premiadas no Reed Latino: Campaigns & Elections, um dos principais prêmios do marketing político mundial: José Ivo Sartori (RS- 2014) e José Fortunati (RS – 2012) [2] , além do programa partidário nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB), que foi indicado ao Prêmio em 2015. Trabalhou na criação dos programas televisivos de seis campanhas eleitorais: Mônica Leal (RS- 2016), José Ivo Sartori (RS- 2014), João Ferreira (RJ – 2012), Rodrigo Maia (RJ – 2012), Tasso Jereissati (CE-2010) e Marcelo Simão (RJ-2008).

Pedro Foss foi indicado três vezes no Festival de Gramado. Representou o Brasil na Mostra de Cinema ASR em San Diego, na Califórnia. [3]

Foi editor de imagens na TV Record (RS), apresentador na TV União (CE) e operador de câmera na TV Globo (RJ).

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Em 2003 lançou o curta O Mal de Sanderpyl, estrelado por Werner Schünemann, Duca Leindecker e Oscar Simch e que foi indicado a prêmio no Festival de Gramado. Foss tinha apenas 17 anos.[4]

No ano seguinte, dirigiu Zé Victor Castiel, Daniela Escobar e Felipe Finken (Cena Aberta) na trama policial O Caso Linbol.

Em 2005, foi a vez de Ingra Liberato, Felipe Sequeira (de Chiquititas) e do top da Agência Elite Juliano Zanatta estrelarem Sindrome de Parru, trama sobrenatural sobre a lenda de uma tribo de índios antropofágicos da América. No mesmo ano lançou Sozinho, curta metragem metalinguístico com as participações de Regina Casé e Bruno Garcia.

Em 2006 que ganhou reconhecimento nacional ao lançar A Última Onda, curta-metragem gaúcho que denunciou a morte de surfistas em redes de pesca no litoral sul do País, exibido no ASR San Diego, na Califórnia, nos Estados Unidos. Estrelado por Paulo Zulu e os globais Nívea Stelmann e Nelson Diniz, o curta foi assunto nos principais sites de esporte do pais, além de revistas como Fluir e Hardcore. [5]

Em 2007 lançou Barros, com Maitê Proença e Lu Adams, curioso filme de horror psicológico, relacionado a uma lagoa do Rio Grande do Sul, onde os banhistas são sugados e largados no oceano, a milhas da costa. Foi exibido em horário nobre pela TVE. [6]

Em 2009 lançou Pseudo, curta-metragem estrelado por Cláudio Heinrich, Sheron Menezes e Fátima Montenegro, com tema relacionado à mitomania, uma compulsão mórbida pela mentira, e que foi indicado no Festival de Gramado. [7]

Em 2010 lançou o filme em curta-metragem Uma Visita a Holliweger, estrelado por Lucélia Santos e Pedro Neschling, indicado no Festival de Cinema de Gramado.[8] No mesmo ano rodou A Luz por um Momento, com Maurício Mattar, Cássia Linhares e Alexandre Scaquette. [9]

Em 2012 lançou o suspense Quinta das Janelas, estrelado por Larissa Maciel, Bárbara Paz e Rodrigo Simas.[10]

Em 2013 rodou o terror psicológico Luiza, estrelado por Luana Piovani, Eriberto Leão e Paula Burlamaqui. O filme é primeira parte de uma trilogia intitulada Delirium. O projeto engloba três filmes de terror psicológico que abordaram algumas das síndromes mais sinistras que atingem o ser humano. [11]

Em 2014 rodou a continuação do projeto Delirium, com o filme A Morte & Vida de Ana Belshoff, estrelado por Carol Castro, Bruno Gissoni e Luciano Szafir. [12]

Grande parte de seus filmes exploram o lado sombrio da psiquê humana. [13]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.