Return to Castle Wolfenstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados para Wolfenstein, veja Wolfenstein.
Return to Castle Wolfenstein
Desenvolvedora(s) Gray Matter Interactive
Publicadora(s) Activision
Diretor(es) Drew Markham
Produtor(es) Greg Goodrich
Projetista(s) Mal Blackwell
Richard Farrelly
Escritor(es) Steve Goldberg
Programador(es) Sherman Archibald
Artista(s) Michael Kaufman
Compositor(es) Bill Brown
Motor id Tech 3
Série Wolfenstein
Plataforma(s) Microsoft Windows
Conversões Linux
Mac OS
Mac OS X
Xbox
PlayStation 2
Lançamento
  • AN 19 de novembro de 2001
  • EU 30 de novembro de 2001
Gênero(s) Tiro em primeira pessoa
Modos de jogo Singleplayer
Multiplayer
Wolfenstein 3D
Wolfenstein

Return to Castle Wolfenstein é um jogo de tiro em primeira pessoa desenvolvido pela Gray Matter Interactive (singleplayer), Nerve Software e Splash Damage (multiplayer),[1] produzido pela id Software,[2] e publicado pela Activision em 19 de novembro de 2001 para Microsoft Windows.[3] Posteriormente, teve ports lançados para PlayStation 2, Xbox, Linux e Macintosh. O jogo serve como ambos remake e reboot da série Wolfenstein.

História[editar | editar código-fonte]

O jogo se passa na Europa ocupada pelos nazistas, em 1943. O protagonista B.J. Blazkowicz, soldado do exército dos Estados Unidos, e outro agente (batizado "Agent One" no Xbox e Mac) foram enviados para investigar um projeto de Heinrich Himmler, a Divisão Paranormal da SS. Porém os dois são capturados e presos no castelo Wolfenstein (baseado no castelo real de Wewelsburg). Agent One é morto durante um interrogatório por um torturador, mas Blazkowicz consegue matar o soldado guardando sua cela e prepara sua fuga. Após fugir, o jogador deve continuar investigando a Divisão Paranormal, que envolve experimentos com biotecnologia, ressureição de cadáveres e armas secretas. Apenas as duas primeiras missões tem ligação direta com Wolf 3D (envolvendo a fuga do castelo e soldados zumbis).

Wolfenstein 3D fora banido na Alemanha, e para evitar o mesmo com Return to Castle Wolfenstein, a id fez adaptações ao lançar no país: não há citações explícitas ao Terceiro Reich, a suástica é substituída por duas águias formando um "W", e se combate uma facção chamada "Lobos", comandadas por Heinrich Höller.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Portes[editar | editar código-fonte]

Em 2002, o jogo teve portes lançados para Linux e Macintosh.[4][5][6] Em 2003, teve portes lançados para PlayStation 2 e Xbox, chamados de Operation Resurrection e Tides of War, respectivamente.[7]

Código fonte[editar | editar código-fonte]

O código fonte de Return to Castle Wolfenstein e Wolfenstein: Enemy Territory foram liberados sob a licença GNU em 12 de agosto de 2010.[8]

Filme[editar | editar código-fonte]

Em 2002, um filme de Return to Castle Wolfenstein foi anunciado, mas pouca informação foi disponibilizada após o anúncio. Em 2005, através de uma entrevista da IGN, foi discutido com membros da id Software que o filme ainda estava nos estágios iniciais.[9] Em 3 de agosto de 2007, a Variety confirmou que o filme seria escrito e dirigido por Roger Avary e produzido por Samuel Hadida.[10] O filme tem sido descrito como uma mistura de Bastardos Inglórios e Capitão América: O Primeiro Vingador.[11]

Recepção[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
Computer Gaming World (PC) 4.5 de 5 estrelas.[12]
Eurogamer 8[13]
Game Revolution B[14]
GameSpot 9.2[15]
IGN 9[16]
Pontuação global
Agregador Nota média
GameRankings (PC) 86.75%[17]
(XBOX) 84.78%[18]
(PS2) 69.81%[19]
Metacritic (PC) 88/100[20]
(XBOX) 84/100[21]
(PS2) 66/100[22]

Return to Castle Wolfenstein recebeu críticas favoráveis. Na Metacritic, obteve nota 88/100 baseado em 32 avaliações,[20] e na GameRankings obteve 86.75% baseado em 50 avaliações.[17] Tom Bramwell da Eurogamer o chamou de "uma digna adição aos jogos shoot 'em ups da id Software. O singleplayer está entre mediano e bom, é razoavelmente longo, mas o jogo realmente faz por merecer ao ser lançado junto com um multiplayer de primeira classe."[13]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em março de 2008, o Departamento de Estado dos Estados Unidos publicou um relatório para o Congresso, "Anti-semitismo Global Contemporâneo", que descreveu Return to Castle Wolfenstein como "um jogo anti-Semita" sem qualificações.[23] O relatório mencionou um artigo escrito no New York Times sobre a recente introdução de "protagonistas nazistas" no mercado de jogos online, referindo-se especificamente a Day of Defeat e Wolfenstein.[24]

Todd Hollenshead, CEO da id Software na época do artigo original, afirmou:

"A tendência que vocês estão vendo com os novos jogos é, até certo ponto, um reflexo do que está acontecendo com a cultura... Por exemplo, você tem agora jogos com terroristas e contra-terroristas. E jogos da Segunda Guerra Mundial como Return to Castle Wolfenstein e Day of Defeat refletem o que vemos em filmes populares ... Eu não duvido que haverá pessoas que irão distorcer a experiência multiplayer e dizer "Oh, eu não acredito que vocês fizeram isso." Há muitos críticos na indústria dos jogos, e eles buscam por coisas para criticar."
— Todd Hollenshead

 [24]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O jogo foi nomeado por Sherman Archibald, John Carmack, e Ryan Feltrin para a categoria "Excelência em Programação" no Game Developers Choice Awards de 2002.[25]

PC Gamer US premiou o jogo como o "Melhor Jogo Multiplayer" em 2001. Os editores escreveram, "Nenhum outro FPS recompensa esse nível de teamplay, ou é, felizmente, tão livre de cheaters.[26]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wolpaw, Erik (21 de novembro de 2001). «Return to Castle Wolfenstein Review». gamespot.com (em inglês). Gamespot. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017. The first team, Gray Matter Studios--which, under the name Xatrix, had previously produced Redneck Rampage and Kingpin--was hired to create the single-player campaign, while a new development house, Nerve Software, concentrated its energies on the multiplayer component. 
  2. «Games: Return to Castle Wolfenstein». Nvidia.com (em inglês). Nvidia. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  3. Staff (26 de junho de 2002). «id Software and Activision Release Return to Castle Wolfenstein: Game of the Year Edition» (Nota de imprensa) (em inglês). Mesquite, Texas: Activision. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  4. Furness, James (15 de novembro de 2001). «On Wolf's Goldness» (em inglês). Blue's News. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  5. Cohen, Peter (18 de dezembro de 2001). «Aspyr to publish Mac Return to Castle Wolfenstein» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2001 
  6. Macworld Staff (18 de dezembro de 2001). «Aspyr to publish Mac Return to Castle Wolfenstein». macworld.com (em inglês). IDG. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  7. «Return to Castle Wolfenstein: Tides of War». IGN (em inglês). 21 de novembro de 2002. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  8. «QuakeCon: id Software Releases Source Code For Two Wolfenstein Titles» (em inglês). Gamasutra. 13 de agosto de 2010. Consultado em 19 de abril de 2020 
  9. «Comic-Con 2005: IGN Interviews id Software CEO Todd Hollenshead» (em inglês). IGN. Cópia arquivada em 15 de junho de 2006 
  10. Marc Graser (2 de agosto de 2007). «Hadida storms 'Castle' rights». Variety. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2007 
  11. «Pulp Fiction writer will direct 'Castle Wolfenstein' movie» (em inglês). Cópia arquivada em 3 de novembro de 2012 
  12. «Going above and beyond the call of duty». Computer Gaming World (em inglês) 212 ed. Ziff Davis. Março 2002. p. 74 
  13. a b Bramwell, Tom (21 de dezembro de 2001). «Return to Castle Wolfenstein». Eurogamer (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  14. B., Johnny (1 de dezembro de 2001). «Return to Castle Wolfenstein Review» (em inglês). Game Revolution. Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2015 
  15. Wolpaw, Erik (27 de novembro de 2001). «Return to Castle Wolfenstein Review». GameSpot (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 26 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2001 
  16. «Return to Castle Wolfenstein». IGN (em inglês). 30 de novembro de 2001. Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 1 de junho de 2014 
  17. a b «Return to Castle Wolfenstein for PC» (em inglês). GameRankings. Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 26 de julho de 2014 
  18. «Return to Castle Wolfenstein: Tides of War» (em inglês). GameRankings. Consultado em 19 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de junho de 2015 
  19. «Return to Castle Wolfenstein: Operation Resurrection» (em inglês). GameRankings. Consultado em 19 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2015 
  20. a b «Return to Castle Wolfenstein for PC Reviews». Metacritic (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 13 de maio de 2015 
  21. «Return to Castle Wolfenstein: Tides of War». Metacritic (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2015 
  22. «Return to Castle Wolfenstein: Operation Resurrection». Metacritic (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2015 
  23. Contemporary Global Anti-Semitism (PDF) (Relatório) (em inglês). Departamento de Estado dos Estados Unidos. p. 58 
  24. a b «Defying a Taboo, Nazi Protagonists Invade Video Games» (em inglês). New York Times. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2008 
  25. «Archive: 2nd Annual Game Developers Choice Awards». Game Developers Choice Awards (em inglês). UBM. Consultado em 28 de abril de 2019 
  26. Staff (março 2002). «The Eighth Annual PC Gamer Awards». PC Gamer US (em inglês). 9 (3). pp. 32, 33, 36, 36, 37, 40, 42 
Ícone de esboço Este artigo sobre jogos eletrônicos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.