Rio das Mortes (Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Rio das Mortes, veja Rio das Mortes.
Rio das Mortes
Trecho do rio em Tiradentes
Comprimento 278[1] km
Nascente Barbacena - Serra da Mantiqueira
Caudal médio 129 m³/s
Foz Rio Grande
Área da bacia 10.560,33[2] km²
Delta Hidroelétrica do Funil
Afluentes
principais
Rio Santo Antônio
Rio das Mortes Pequeno
Rio Elvas
Rio Carandaí
Rio Loures
País(es)  Brasil

O rio das Mortes é um curso de água afluente da margem direita do rio Grande, no estado de Minas Gerais, Brasil. O rio nasce na serra da Mantiqueira,[3] a uma altitude superior a 1090 metros em relação ao nível do mar e percorre 278 quilômetros até a sua foz no reservatório da Usina Hidrelétrica do Funil, próxima a Ijaci.[4]

O rio foi cenário da Guerra dos Emboabas, onde havia capões de mato e fortificações em que os paulistas se escondiam.[5] Embora essa guerra tenha provocado muitas mortes, diz-se que o nome do rio deve-se ao fato de que muitas pessoas tenham morrido na tentativa de atravessar o rio a nado para não pagar o pedágio estabelecido por Tomé del Rei.[6]

Curso de água[editar | editar código-fonte]

O curso de água, ao longo de seus 278 quilômetros de comprimento, percorre 16 municípios mineiros:[4]

O curso do rio delimita os territórios de diversos municípios mineiros: Barbacena e Antônio Carlos; Barbacena e Barroso; Dores de Campos e Barroso; Dores de Campos e Prados; Santa Cruz de Minas e São João del-Rei; Tiradentes e São João del-Rei; Ritápolis e São João del-Rei; Bom Sucesso e Ibituruna.

Bacia hidrográfica[editar | editar código-fonte]

Trecho do rio no centro histórico de Tiradentes

A sub-bacia do rio das Mortes drena uma área de aproximadamente 10 560,33 quilômetros quadrados, o que corresponde a 12,7% da porção mineira da bacia do rio Grande e a 7,36% de toda essa bacia[2] e abrange 32 municípios mineiros.[2]

O plano diretor do comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Grande SP/MG divide a bacia em 14 unidades de gestão, 6 localizadas no Estado de São Paulo, denominadas Unidades de Gerenciamento de Recursos Hídricos (UGRHIs), e 8 no Estado de Minas Gerais, denominadas Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos (UPGRH) sob a sigla específica GD. A unidade referente à sub-bacia do rio das Mortes denomina-se GD2.[2]

De acordo com estudos sobre uso e ocupação do solo de 2006, a área da sub-bacia está distribuída da seguinte forma:[2]

  • Área agrícola: 339,65 km²,
  • Área urbanizada: 74,53 km²,
  • Espelho d'água: 0,00 km²,
  • Pastagem / campo antrópico: 9.948,96 km²,
  • Reflorestamento: 33,10 km²,
  • Vegetação nativa de porte arbóreo: 164,09 km².

Potencial hidrelétrico[editar | editar código-fonte]

Diversos empreendimentos para geração de energia elétrica estão instalados na bacia do rio das Mortes e seus afluentes em centrais geradoras hidráulicas ou pequenas centrais hidrelétricas. A capacidade total instalada na bacia é de 244 643,94 kW.[2] Das usinas instaladas na bacia, duas estão instaladas no curso do rio: a PCH Ilhéus, de 2 560 kW, e a PCH Lavras, de 1 200 kW. Ambas as usinas, localizadas próximo aos distritos Colônia Rodrigo Silva (Barbacena) e de São Sebastião de Campolide (Antônio Carlos) e Severiano Resende, foram reativadas em 2010. Atualmente, sua foz situa-se no reservatório da usina hidrelétrica do Funil, próximo à ilha Brasil.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rio das Mortes (Minas Gerais)

Referências

  1. Lopes 2014
  2. a b c d e f Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (20 de março de 2008). «Diagnóstico da situação dos recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Grande (BHRG) – SP/MG (Relatório Síntese – R3)» (PDF). Comitê de Bacia Hidrográfica CBH GRANDE. Consultado em 14 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2017 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; Instituto de Geociências Aplicadas de Minas Gerais (1976). Carta do Brasil - Senhora dos Remédios (JPG) (Mapa) 1ª ed. [1:50.000]. IBGE. Consultado em 27 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2012 
  4. a b Instituto Mineiro de Gestão das Águas (2010). Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos do Rio das Mortes (PDF) (Mapa). Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Consultado em 14 de novembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 14 de novembro de 2017 
  5. Romeiro 2008, p. 211
  6. Panichi 2016

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.