Sérgio Bittencourt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sérgio Bittencourt
Nascimento 3 de fevereiro de 1941
Rio de Janeiro
Morte 9 de julho de 1979
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista

Sérgio Freitas Bittencourt (Rio de Janeiro, 3 de fevereiro de 19419 de julho de 1979) foi um compositor e jornalista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Jacob do Bandolim, foi criado em volta dos chorões e das rodas de choro. Na escrita, seu estilo era duro e desaforado, mas era considerado sentimentalista.

Trabalhou nos jornais cariocas Correio da Manhã, O Globo, O Fluminense e na Revista Amiga, de Bloch Editores. Teve programas na rádio Capital, Carioca - no Rio e Mulher, de São Paulo. Foi jurado dos programas de TV de Flávio Cavalcanti: Um instante maestro!, A Grande Chance e Programa Flávio Cavalcanti. Com a popularidade alcançada nos programas de Flávio Cavalcanti, levado em rede nacional para quase todo o Brasil, comandou - ao início dos anos 1970 - um programa semanal de variedades na TV Itapoan (de Salvador/BA) com bastante repercussão em todo o Estado.

Sofria de hemofilia.[1] Faleceu em 1979 vítima de um infarto.

Participações em festivais de música[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Polêmica.

Em 1970, a canção Acorda, Alice de sua autoria foi proibida pela censura da ditadura militar brasileira, pelos versos: Acorda, Alice / que o país das maravilhas acabou.

Homenagem ao pai[editar | editar código-fonte]

Da esquerda para direita: Jacob do Bandolim, Flávio Cavalcanti, Taiguara e Sérgio Bittencourt (década de 60)

Abalado com a morte de seu pai, compõe a canção Naquela mesa, se tornando grande sucesso na voz de Elizeth Cardoso. Sendo regravada, posteriormente, pelo cantor Nelson Gonçalves e pelo maestro e arranjador francês Paul Mauriat.

Eu não sabia que doía tanto/uma mesa no canto, uma casa e um jardim./Se eu soubesse quanto dói a vida,/essa dor tão doída, não doia assim./Agora resta uma mesa na sala/e hoje ninguém mais fala no seu bandolim./Naquela mesa tá faltando ele e a saudade dele/tá doendo em mim. (...)

A música foi regravada em 2009 pelo cantor Otto, no disco "Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos".

Referências

  1. «Folha de S.Paulo - Luís Nassif: O filho de Jacob do Bandolim - 15/10/2000». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 4 de julho de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

OLIVEIRA, Paulo Roberto - Tá faltando ele... - lembrando Sérgio Bittencourt - prefaciado por Ricardo Cravo Albin - Quartet Editora - Rio de Janeiro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]