Sabaúna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sabaúna
  Distrito do Brasil  
Localização
Estado  São Paulo
Município Mogi das Cruzes
História
Criado em 1920
Características geográficas
População total (2010) 14 511 hab.
Estação Ferroviária de Sabaúna.

Sabaúna é um distrito do município de Mogi das Cruzes, no estado de São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

Praça central e Igreja de Nossa Senhora do Carmo.
Área central de Sabaúna.

O distrito foi fundado por Álvaro Luiz do Valle, Capitão-mór da Capitania de São Vicente, procurador e sesmeiro do Conde de Monsanto. Donatário da capitania, doou ao Convento do Carmo de Mogi as terras que mais tarde abrigariam Sabaúna. Essa Sesmaria constava de légua e meia de testada (frente) e uma légua de sertão. Muitos anos depois, em 1768, Frei Thomé Alves de Christo comprou mais uma gleba junto à anterior. A nova área tinha trezentas braças de testada e meia légua de sertão e o frade em questão pagou por ela aos seus proprietários (Ignácio Pedroso e sua mulher Antonia do Rosário) certa quantia em dinheiro.

A partir de então, a propriedade passou a ser beneficiada pelos Frades do Carmo e dela vinham todos os mantimentos para o sustento dos religiosos e dos escravos que viviam no Convento de Mogi. Além de gêneros, a fazenda rendia ao Carmo, da mesma forma, boa quantia em dinheiro. Em 1826, por exemplo, ela produziu milho, feijão, arroz, amendoim, cana e algodão.

Em fins do século 19, no entanto, o governo estadual resolveu adquirir aos frades do Carmo a sua fazenda de Sabaúna. E o fez - segundo o Relatório de 14 de Abril de 1893, do então Secretário da Agricultura, Doutor Jorge Tibiriçá - mediante permuta por Dez Apólices da Dívida Pública.

A 23 de Abril de 1893 uma comissão nomeada pelo Governo do Estado dava início aos trabalhos de medição da fazenda e em 12 de Dezembro daquele ano tinha início o serviço de colonização, com uma família de tiroleses, de quatro pessoas.

Nascia, assim, o Núcleo Colonial de Sabaúna, que já em 1900 tinha 1.111 habitantes, dos quais 597 homens e 514 mulheres. Das famílias ali estabelecidas nesse ano, setenta e cinco eram brasileiras, oitenta espanholas, vinte e oito italianas, nove alemãs, duas francesas, uma belga, duas austríacas, uma africana e três portuguesas, num total de duzentas e uma famílias.[1]

Pedido de emancipação[editar | editar código-fonte]

O distrito tentou emancipar-se e ser transformado em município no ano de 1963[2], mas não obteve êxito.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Sabaúna é distrito da cidade de Mogi das Cruzes desde 27 de Dezembro de 1920. Segundo o Censo de 2010, o Distrito possui 14.511 habitantes, e está sendo estruturado para se tornar um pólo turístico. Possui uma excelente infra-estrutura, que proporciona qualidade de vida aos seus habitantes, baixa densidade demográfica e pouco tráfego de veículos,fator que tem atraído moradores da Capital Paulista para residirem no distrito. O distrito possui ainda diversas propriedades rurais e um setor industrial. O bairro do Botujuru, que durante muitos anos foi conhecido por ser um tradicional produtor de cogumelos, também pertence ao distrito.[3]

Origem do Nome[editar | editar código-fonte]

Sabaúna vem da palavra Tamba Una em tupi-guarani e significa Concha Preta, tipo de concha muito comum no Ribeirão Guararema, que corta o distrito.

Trem turístico[editar | editar código-fonte]

Rodovia Mogi-Guararema (SP-66), a principal via de ligação de Sabaúna ao centro de Mogi das Cruzes.

O Trem Turístico, que ligará os distritos de Sabaúna e César de Souza, faz parte de um projeto da ANPF - Associação Nacional de Preservação Ferroviária https://web.archive.org/web/20180315054203/http://anpf.com.br/. Esta instituição possui um departamento de Ferromodelismo, que promove encontros mensais, com o intuito de promover a preservação da história das ferrovias através do hobby.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

O distrito foi atendido pela Companhia Telefônica da Borda do Campo (CTBC)[4] até 1998, quando esta empresa foi privatizada e vendida juntamente com a Telecomunicações de São Paulo (TELESP) para a Telefônica[5], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[6] para suas operações de telefonia fixa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. GRINBERG, Isaac; Mogi das Cruzes de antigamente. São Paulo, 1964.
  2. «Comissão de Divisão Administrativa e Judiciária - Relação Geral de Processos - 1963» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  3. Diário de Mogi - Distrito quer ser pólo turístico[ligação inativa]
  4. «História da CTBC». Companhia Telefônica da Borda do Campo 
  5. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  6. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
Ícone de esboço Este artigo sobre Mogi das Cruzes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.