SP-66

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Placa SP-066.svg
SP-66
Rodovia Henrique Eroles
Rodovia Geraldo Scavone
Rodovia João Afonso de Souza Castellano
(nome oficial)
"Estrada Velha São Paulo-Rio"
Extensão 80 km
Inauguração 1928 (86–87 anos)
Tipo Radial
Limite leste Rua George Eastman, São José dos Campos, SP
Interseções
Limite oeste Avenida Marechal Tito, Itaim Paulista, São Paulo, SP
Concessão DER-SP
Prefeituras locais
Trecho entre Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes sob concessão das prefeituras locais desde 1998.

SP-66 é uma rodovia que liga Itaquaquecetuba a São José dos Campos, no estado de São Paulo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Foi projetada no início do governo de Washington Luís, em 1920, sendo considerada prioridade em seu programa de governo: "Estradas boas para todos os dias do ano para todas as horas do dia". A construção começou em 1922 aproveitando o leito das vias antigas já existentes. Em 5 de maio de 1928, Washington Luiz, já como presidente da República, inaugura a rodovia em toda a sua extensão.

É também conhecida com "Estrada Velha São Paulo-Rio" (fazendo referência ao tempo em que Dom Pedro I, viajou de São Paulo ao Rio pela rodovia). Com o passar dos anos, o desenvolvimento das cidades cortadas por ela foi aumentando, na mesma medida em que seu tráfego caiu muito, com a inauguração das Rodovias Presidente Dutra, Ayrton Senna e Carvalho Pinto. Após ter sido totalmente recapeada na administração do Governador Mário Covas (1994-1998), foi municipalizada entre São Paulo e Mogi das Cruzes e cada município é responsável pelo trecho em sua cidade, tanto para fazer manutenções, tanto para efetuar fiscalização.

Trecho na Região Metropolitana de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Trecho da SP-66 entre Mogi das Cruzes e Guararema, próximo ao Distrito de Sabaúna.

Hoje é a principal avenida do Alto Tietê. É a via com maior tráfego de veículos na região. Somente no trecho em Poá possui um fluxo diário de 18 mil veículos.[2] É também um corredor de ônibus, e liga quatro, das cinco cidades mais importantes da região: Mogi das Cruzes, Suzano, Poá e Itaquaquecetuba. Por ter sido municipalizada, ela pode receber um nome em cada município. Dentro da região metropolitana, mantém placas com a denominação "SP-66" Poá, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes, no trecho a partir do distrito de César de Souza.

Entre os municípios de Mogi das Cruzes e Guararema é popularmente chamada de Rodovia Mogi-Guararema, sendo administrada neste trecho pelo DER-SP. Possui pista simples com uma faixa de tráfego em cada sentido e ainda um trecho sinuoso que atravessa a Serra de Sabaúna.

Trajeto[editar | editar código-fonte]

O trajeto da SP-66 cruza os seguintes municípios:

Denominações[editar | editar código-fonte]

Placa da SP-66 em Poá.

Recebe as seguintes denominações em seu trajeto:


A partir da Grande São Paulo[editar | editar código-fonte]

Por causa da municipalização, no seu trecho na Grande São Paulo (a partir de Mogi das Cruzes), recebe várias denominações:

Em Mogi das Cruzes: Avenida Francisco Rodrigues Filho, Avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, Avenida Fernando Costa, Avenida Francisco Ferreira Lopes, e Avenida Lourenço de Souza Franco.

Em Suzano: Rua Prudente de Moraes e Rua Major Pinheiro Fróes.

Em Poá e Itaquaquecetuba: Esse trecho é mais conhecido como Rodovia Henrique Eroles, embora seu nome oficial seja João Afonso de Souza Castellano. Esse nome foi dado conforme a lei 3561 de 20 de outubro de 1982.[3] Sendo que esta última denominação é utilizada até o trecho onde ocorre o encontro com a Avenida Marechal Tito, na Zona Leste da Capital.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]