Rodovia Fernão Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rodovia Fernão Dias
País
Inauguração 1959
2005 (duplicação São Paulo-Belo Horizonte)
Extensão 562,1 km (349,3 mi)
Extremos
 • norte:
 • sul:

Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, Contagem, MG
Avenida Educador Paulo Freire, Vila Maria, São Paulo, SP
Trecho da BR-381.svg BR-381
Concessionária Autopista Fernão Dias (Arteris/OHL) (desde 2008)
norte
início da rodovia
BR-381.svg
BR-381
sul
fim da rodovia
Rodovias Federais do Brasil
Engarrafamento na BR-381, ao leste (e próximo) de Belo Horizonte.
Divisa entre São Paulo e Minas Gerais, sentido Belo Horizonte.
Vista da descida da Rodovia Fernão Dias na chegada a São Paulo, trecho em que a rodovia corta a Serra da Cantareira.
Veículos de apoio em Três Corações.

A Rodovia Fernão Dias ou anteriormente Via Fernão Dias, é a denominação que a BR-381 recebe no trecho entre duas regiões metropolitanas brasileiras: a Grande São Paulo e a Grande Belo Horizonte.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1959, foi inaugurada pelo presidente Juscelino Kubitschek a ligação Belo Horizonte-Pouso Alegre quando ainda estava inacabada a obra. Contudo, apenas em 1961 a rodovia havia sido totalmente concluída, com a finalização das obras no trecho paulista.

Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG), 43% da economia mineira, 20% de toda a produção do parque industrial de Minas e de São Paulo, cerca de 60% da produção nacional de ferro-gusa e aproximadamente 3 milhões de toneladas da produção agrícola mineira passam pela BR-381, representando uma circulação média de mais de 15 mil veículos - entre ônibus, caminhões e automóveis - por dia. Além disso, 25% da população mineira vivem e trabalham em sua área de influência.

Em junho de 2002, após quase oito anos de obras, o presidente Fernando Henrique Cardoso entregou a total duplicação da rodovia.[1]

Em outubro de 2007 a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) realizou o leilão da rodovia Fernão Dias, juntamente com outras rodovias Federais, e a OHL venceu oferecendo as menores tarifas de pedágio. A OHL BRASIL e o Governo Federal assinaram no dia 14 de fevereiro de 2008 o contrato de concessão por 25 anos para a gestão e operacionalização da Rodovia Fernão Dias (BR-381), com 562 km de extensão.[2]

Pelo sistema antigo de numeração das rodovias federais, em vigor até 1964, era conhecida como BR-55.

Bloqueio total da pista sentido BH[editar | editar código-fonte]

Um deslocamento de terra afetou as estruturas do viaduto da pista norte no km 79 (sentido BH), entre São Paulo e Mairiporã. A pista foi totalmente bloqueada no dia 26 de fevereiro de 2010 e a concessionária deu um prazo de até 6 meses para a liberação do viaduto[3], no entanto em abril foi prometido que até junho o tráfego seria restabelecido com um desvio lateral à ponte contendo duas faixas de rolamento.[4]. Entre fevereiro e junho, o desvio foi feito pela Estrada Sezefredo Fagundes (SP-8), rodovia de pista simples e sinuosa, causando enormes congestionamentos. A partir das 10h do dia 1º de junho, o trecho que vai do km 76 ao km 79 da pista sentido São Paulo da rodovia foi liberado para mão dupla para que o tráfego da pista sentido Belo Horizonte fosse retomado. [5] Finalmente, o viaduto da pista norte foi liberado para o tráfego a partir das 9h do dia 7 de dezembro de 2010. [6]

Principais municípios cortados pela rodovia[editar | editar código-fonte]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Localização das praças de pedágio[editar | editar código-fonte]

Praça de Pedágio no centro da cidade de Mairiporã, primeiro pedágio no trecho paulista no sentido Minas Gerais.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Obs: Todas as praças são bidirecionais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]