Rodovia dos Imigrantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de SP-160)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rodovia dos Imigrantes
Identificador  SP-160 
Inauguração 1976 (pista norte)
2002 (pista sul)
Extensão 72 km (45 mi)
Extremos
 • norte:
 • sul:

Avenida Professor Abraão de Morais, Jabaquara, São Paulo, SP
Avenida Ayrton Senna da Silva, Sítio do Campo, Praia Grande, SP
Trecho da SP-160.png SP-160
Interseções SP-021.svg Rodoanel
SP-041.svg SP-41 Interligação Planalto
SP-055.svg SP-55 Padre Manoel da Nóbrega
SP-059.svg SP-59 Interligação Planície

SP-055.svg SP-55 Padre Manoel da Nóbrega

Concessionária Ecovias (desde 1998)
< SP-160.png
SP-160
>
Rodovias estaduais de São Paulo
Parte do Sistema Anchieta-Imigrantes

A Rodovia dos Imigrantes (SP-160) é uma rodovia do estado de São Paulo. Possui 44 viadutos, 7 pontes e 14 túneis, em 58,5 km de extensão, de São Paulo a Praia Grande, no litoral sul.

É a principal via de acesso da cidade de São Paulo à Baixada Santista e ao litoral sul, possuindo tráfego intenso de veículos principalmente durante o verão e em feriados.

Integra o complexo de rodovias denominado Sistema Anchieta-Imigrantes integrado também pela Anchieta, pela Padre Manoel da Nóbrega e pela Cônego Domênico Rangoni.

História[editar | editar código-fonte]

Projeto[editar | editar código-fonte]

Vídeo documentando o início da construção da rodovia

Já por volta de 1956 os técnicos do DER haviam percebido que a recém-inaugurada Rodovia Anchieta(SP-150) entraria em estado instável de operação e criaram estudos que apontariam para a necessidade da construção de uma nova pista, independente do tipo de ampliação que fosse feita na Anchieta. Em 1955 a Anchieta havia registrado 16 acidentes com 5 vítimas fatais, um recorde para época.[1]

O grupo, chamado de Comissão CMG-44 seria o primeiro passo para a criação do DERSA, uma empresa de economia mista criada em 1969 inicialmente para construir, administrar e conservar as ligações com a Baixada. O projeto foi considerado revolucionário à época, com uma pista é composta predominantemente de viadutos e túneis atravessando a Serra do Mar. O projeto inicial previa duas pistas com quatro faixas no trecho de planalto, e três pistas no trecho de Serra: uma pista ascendente com três faixas, uma pista descendente com duas que seria complementada com uma pista reversível com mais duas faixas. Na Baixada Santista haveria duas pistas de três faixas, com mais duas pistas com duas faixas para um ramal para Mongaguá. [2] O projeto, criado em colaboração com uma firma italiana, previa que as três pistas no trecho de Serra fossem paralelas.

Construção[editar | editar código-fonte]

Trecho de serra da Rodovia dos Imigrantes.
A Rodovia dos Imigrantes cortando a represa Billings.
Trecho de serra da Rodovia dos Imigrantes.

Em 23 de janeiro de 1974 foi lançada a pedra fundamental da rodovia que seria inaugurada com sua primeira pista no trecho de serra, a ascendente. Durante a construção desta pista os engenheiros perceberam vários problemas que inviabilizavam o projeto inicial de três pistas paralelas: a proximidade com as encostas haviam criado problemas de deslizamentos de terra, com altos custos de obras de contenção e de pequenos túneis, e de que a geografia das outras duas pistas seria ainda mais complicada.

Em 1974, surge a ideia de construir a pista descendente e reversível como pistas superpostas, basicamente com a pista reversível sendo construída em cima da pista descendente.[3] As duas pistas contariam com tuneis mais longos(Seriam 5.438 metros de tuneis, com o maior deles tendo 3.200 metros de extensão). A ideia logo seria abandonada porque se constataria que pistas colaterais permitiriam uma diminuição dos custos, aumento da segurança operacional ao permitir a ligação das duas pistas. Com sérias limitações orçamentárias o DERSA deixa os projetos tanto da pista reversível quanto da pista descendente de lado. A pista ascendente passa a ser operada de forma reversível, com o sentido sendo revertido de acordo com as demandas de tráfego. A construção da pista ascendente, inaugurada em 1976, teria usado cem engenheiros e treze mil operários.[4]

Quando surgem os primeiros planos para concessão das rodovias administradas pelo DERSA em 1993 surge a ideia de conceder o sistema Anchieta-Imigrantes em troca da construção da pista descendente[5]. A empresa privada Ecovias receberia a concessão por um período de 20 anos para a operação e manutenção de todo o Sistema Anchieta-Imigrantes em 27 de maio de 1998. Dentre outras exigências, o contrato estabelecia que a concessionária deveria construir a pista descendente da Rodovia dos Imigrantes. Esta pista foi inaugurada em 17 de dezembro de 2002. Com um projeto refeito em relação ao original, de 1986, a pista descendente possui túneis ainda mais longos e viadutos mais modernos que os da pista ascendente.[6]

Ambas as pistas da Imigrantes são reversíveis. A administração do Sistema Anchieta-Imigrantes mantém a prática de reverter as pistas para um único sentido quando o tráfego é muito intenso: geralmente, às vésperas de feriados prolongados (em que as pistas são revertidas para o sentido capital-litoral), ou ao final destes (quando se revertem as pistas para o sentido litoral-capital). A Pista Norte da Imigrantes possui 11 túneis. Já a Pista Sul possui quatro, sendo dois deles dos mais extensos túneis rodoviários brasileiros, o primeiro com 3.146 m de extensão e o outro com 3.009 m. Túneis e viadutos tão extensos foram necessários para que o impacto ambiental sobre a Serra do Mar fosse mínimo na construção da Pista Sul. A construção da Pista Norte, na década de 1970, exigiu o desmatamento de 16.000.000 m² da serra, já a construção da Pista Sul, inaugurada em 2002, desmatou 400.000 m² dela.

Acidentes históricos[editar | editar código-fonte]

A rodovia, apesar de ser uma moderna, sinalizada e monitorada pela policia e a operador, teve a ocorrência de dois acidentes marcantes: um em 2011, envolvendo 103 carros, e outro em 2013, um deslizamento provocado por fortes chuvas perto do km 52. Em ambas as ocasiões, houve ocorrência de uma morte e relato de feridos. A Rodovia dos imigrantes é uma rodovia com grande fluxo constante de veículos e os números mostram o quanto ela é segura pra se trafegar.[7]

Em 8 de dezembro de 1973 ocorreu o primeiro acidente automobilístico da história da Rodovia dos Imigrantes, que aconteceu antes mesmo da inauguração da rodovia. Na referida data, com a rodovia em obras iniciais ainda, no trecho de Eldorado (Diadema), ao sair de uma curva, um veículo modelo Plymouth Belvedere 1958 (Dez anos depois o mesmo modelo ficaria mundialmente famoso por protagonizar o thriller cult intitulado "Cristine, o carro assassino") colidiu frontalmente com uma manilha de concreto deixada no meio da rodovia pelos operários da época. Neste acidente o passageiro do veículo faleceu instantaneamente no momento do impacto e o condutor do veículo veio a óbito cinco dias depois. Do veículo, de 5,61 m de comprimento, restou apenas o porta-malas inteiro.

Em 15 de setembro de 2011 por volta das 13h00min (no horário de Brasília) ocorreu um engavetamento de veículos envolvendo 103 automóveis, deixando 29 feridos e um morto. O engavetamento teve cerca de 2 km de extensão. As razões para o acidente, de acordo com a Polícia Rodoviária, foi a intensa neblina que dificultava a visibilidade dos motoristas. Aproximadamente 200 pessoas fizeram o trabalho de resgate das vítimas, incluindo 20 equipes dos bombeiros, 38 da Polícia Rodoviária Estadual, 60 da PMSP e 60 da Ecovias. A rodovia só veio a ser liberada no dia seguinte às 12h30min (no horário de Brasília) quase 24 horas após o acidente.[8]

Em 22 de fevereiro de 2013 por volta das 16h47min (no horário de Brasília), devido a uma chuva intensa, ocorreu o deslizamento de parte da uma encosta na altura do km 52, no trecho de serra. Houve o engavetamento de 24 veículos e a morte de uma pessoa. Este deslizamento interditou a rodovia por cerca de 30 horas.[9]

Operação Comboio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sistema Anchieta-Imigrantes

Em períodos de grandes trechos de neblina e baixa visibilidade, veículos da Ecovias e da Polícia Rodoviária Estadual tomam a dianteira dos veículos em todas as faixas e os fazem seguir o caminho em baixa velocidade, minimizando-se assim os riscos de acidentes.[10]

Trajeto[editar | editar código-fonte]

O trajeto da Rodovia dos Imigrantes cruza os seguintes municípios , todos no estado de São Paulo.

Km Município Região
0 São Paulo Grande São Paulo
16 Diadema
24 São Bernardo do Campo
58 Cubatão Baixada Santista
66 São Vicente
72 Praia Grande

Relato descritivo rodoviário[editar | editar código-fonte]

Pedágios[editar | editar código-fonte]

A Rodovia dos Imigrantes é pedagiada desde sua inauguração. Como em todas as rodovias que sofreram concessões, os pedágios da Imigrantes sofreram fortes reajustes, mesmo descontada a inflação[11], considerados excessivos por parte significativa dos usuários[12].

Atualmente, o pedágio da Imigrantes é o mais caro do estado, a R$ 26,20, válido para uma viagem de ida e volta de automóvel[13]. No trecho de planalto, a Imigrantes apresenta três pedágios de bloqueio para o acesso às localidades lindeiras.

Pedágio km Sentido Localidade Geocoordenadas
Bloqueio 1 16 Sul Diadema 23° 40' 54.12"S 46° 36' 39.97"W
Bloqueio 2 20 Sul Eldorado (Diadema) 23° 43' 04.93"S 46° 36' 21.25"W
Bloqueio 3 26 Sul Batistini (S. B. do Campo) 23° 48' 08.92"S 46° 35' 42.61"W
Principal 32 Sul Piratininga (S. B. do Campo) 23° 49' 14.71"S 46° 34' 57.18"W

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «:: imprensa oficial ::» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  2. «:: imprensa oficial ::» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  3. «:: imprensa oficial ::» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  4. «:: imprensa oficial ::» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  5. «:: imprensa oficial ::» (PDF). www.imprensaoficial.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
  6. «Sistema Anchieta-Imigrantes». Ecovias. Consultado em 30 de março de 2011 
  7. «Câmeras e Acidentes na Rodovia do Imigrantes». http://www.rodoviadosimigrantes.com.br/ 
  8. anderson tavares, André Vieira, Bruna Gonçalves, Elaine Granconato, Fábio Munhoz, Illenia Negrin e Maíra Sanches (16 de setembro de 2011). «Estado tem maior acidente da história» (em Diário do Grande ABC). Consultado em 16 de setembro de 2011. Arquivado do original em 18 de outubro de 2011 
  9. http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/02/24/pista-norte-da-rodovia-dos-imigrantes-e-liberada-trafego-flui-normalmente.htm
  10. «Rodovias Anchieta e Imigrantes têm operação comboio por causa da neblina». O Globo. 28 de fevereiro de 2009. Consultado em 15 de julho de 2010 
  11. «Artigo sobre pesquisa do IPEA comparando o aumento dos pedágios com a inflação.». Infomoney. 30 de maio de 2006  [ligação inativa]
  12. «Reportagem sobre pesquisa do Ibope que mostra insatisfação dos usuários de pedágios». O Globo Online. 26 de abril de 2006  [ligação inativa]
  13. «Tabela com o valor das tarifas da Ecovias.». Consultado em 30 de março de 2011. Arquivado do original em 25 de agosto de 2012