Rodovia dos Tamoios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rodovia dos Tamoios
Tipo Transversal
Inauguração 1957 (pista simples)
2014 (duplicação planalto)
2022 (duplicação serra)
Legislação Lei nº 1796, de 18 de outubro de 1978
Extensão 83,4 km (51,8 mi)
Extremos
 • Norte:
 • Sul:

São José dos Campos, SP
Rua Paraibuna/Praça Marechal do Ar Eduardo Gomes (traçado antigo)
Anel Viário/Av. Mário Covas (traçado novo)

Caraguatatuba, SP
Av. Pres. Campos Salles/Trevo do Indaiá
Trecho da SP-99
Interseções BR 116.png Rodovia Presidente Dutra

SP-070.svg Rodovia Governador Carvalho Pinto

SP-103.svg Rodovia Júlio de Paula Moraes

SP-088.svg Rodovia Professor Alfredo Rolim de Moura

BR 101.png SP-055.svg Rodovia Doutor Manuel Hipólito Rego
Concessionária Concessionária Tamoios

Ecopistas

SP-098.svg
< SP-98
SP-99 SP-101.svg
SP-101 >
Rodovias Estaduais de São Paulo

Rodovia dos Tamoios (SP-99) é uma rodovia do estado de São Paulo, Brasil. Faz a ligação entre São José dos Campos, no planalto, e Caraguatatuba, na planície. É a principal ligação entre o Vale do Paraíba o Litoral Norte do estado de São Paulo. Em 2015, o maior trecho da rodovia passou a ser administrado pela Concessionária Tamoios, do grupo Queiroz Galvão.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Antigo trecho de serra, atualmente usado como pista de descida (sentido Caraguatatuba).
Trecho de planalto antes da duplicação.

O Coronel Edgard Pereira Armond da então Força Pública de São Paulo e o engenheiro João Fonseca de Camargo e Silva, do DER foram os grandes responsáveis pela abertura e construção da antiga estrada.[2]

Em dezembro de 1931, em férias, o Coronel Armond embarcou em Santos no vapor Iraty com destino a São Sebastião. A bordo conheceu o ex-deputado estadual Manuel Hipólito do Rego, natural daquela cidade e, juntos conversaram sobre o estado decadente da região e da necessidade de comunicações terrestres com o planalto, pois o litoral norte estava abandonado.[2]

As ligações existentes eram de Paraty para Cunha e de Ubatuba para São Luiz de Paraitinga. Caraguatatuba ligava-se com Paraibuna através de caminhos estreitos, íngremes e acidentados, de existência muito antiga com trânsito só para pedestres, cavaleiros e cargueiros, com trânsito muito difícil, com erosões contínuas pelo efeito das chuvas, e quase sempre obstruídas por árvores e pedras desbarrancadas. O trânsito marítimo também era deficiente e irregular. Os governos estadual e municipais pouco se interessavam por essa zona do litoral, inertes, isoladas e alheadas do então dinâmico progresso por que ocorria em outras regiões do Estado. As terras férteis e suas praias maravilhosas permaneciam abandonadas e desconhecidas pelos demais paulistas.[2]

Em 16 de fevereiro de 1932, em companhia de João Fonseca do DER, Armond realizou pessoalmente o reconhecimento e demais estudos, escolhendo Paraibuna, a 35 km de São José dos Campos como base inicial. Após três horas e meia de automóvel, alcançaram a ponta extrema da estrada carroçável, na altura do km 35. Desse ponto o Dr. Fonseca regressou e Armond prosseguiu a cavalo pelo caminho de cargueiros até Caraguatatuba, aonde chegou ao fim da tarde. Reconheceu toda a Enseada de Caraguatatuba até a barra do Rio Juqueriquerê, até a ponta do Arpoar, Serra do Don, até o bairro de São Francisco, chegando à cidade de São Sebastião. O reconhecimento foi feito a pé, abrindo-se picada nova, carregando víveres nas costas e quase sempre debaixo de chuvas. Gastaram cerca de 20 dias nessa exploração.[2]

Em 12 de abril de 1932, com 38 anos, sem contar com recursos materiais, utilizando 15 praças da própria Força Pública, na maioria soldados prestes a serem desincorporados, iniciou no topo da serra de Caraguatatuba, a abertura da rodovia, começando pelo trecho mais difícil, dirigindo pessoalmente os trabalhos. Instalou as quinze praças no Alto da Serra, e lavrou a ata oficial, dando como inaugurados os trabalhos de construção da estrada pela Força Pública. Como era reduzidíssimo e insuficiente o número de somente quinze praças da Força Pública para executar o serviço de tamanha envergadura, Armond lançou mão da verba de 50 contos e contratou uma turma de cerca de 30 auxiliares civis, os quais trabalhavam juntos com a turma militar e eram dirigidos e administrados diretamente por ele.[2]

Em maio, com a saída do Gen. Miguel Costa do Comando da Força Pública, e do Coronel Mendonça Lima da Secretaria da Viação, o novo Secretário Fonseca Telles suspendeu imprevistamente a verba concedida. Técnicos da Secretaria achavam que a estrada deveria ser construída pela serra de São Sebastião e não, pela serra de Caraguatatuba. Armond, junto com 14 municipalistas da região protestaram e solicitaram e a designação de comissão para inspecionar as obras e dar parecer a respeito. A comissão foi nomeada e composta por diretores do DER, Carlos Quirino Simões e Aristeu Reis, juntamente com o Major Euclides Machado Chefe do Serviço de Engenharia da Força Pública. Inspecionado o serviço e estudado o traçado, a comissão não só aprovou como recomendou o Secretário a conceder nova verba de 200 contos para o prosseguimento das obras.[2]

Em julho, com a eclosão do Movimento Revolucionário de 1932, Armond suspendeu os trabalhos, dispensou os civis, com exceção dos cavoqueiros que trabalharam mesmo durante a revolução. O efetivo militar foi enquadrado em tropas irregulares, compondo o “Grupamento Cap Armond”. Armond assumiu o comando do litoral, monitorando os movimentos da Armada que mantinha diversos navios de guerra em São Sebastião. Organizou e comandou tropas inicialmente em Paraibuna e Caraguatatuba e, depois no Sul do Estado em Itaí, Taquarituba e Avaré. Terminado o conflito, no período de transição, foi nomeado Chefe de Polícia do Estado de São Paulo, vindo a compor a Casa Militar do Governador Militar do Estado, General Valdomiro Lima.[2]

Sessenta dias após, pediu demissão daqueles cargos, sendo designado para comandar o Batalhão de Sapadores criado para dar continuidade à construção da estrada. Conseguiu sensibilizar o governo para que lhe desse os meios necessários. Em 8 de dezembro deixou o cargo de Ajudante de Ordens do General Valdomiro Lima, sendo designado para organizar o Batalhão. Em 9 assumiu o comando interino. Em 25 os integrantes da 2ª companhia estavam concentrados no Alto da Serra. Em 4 de fevereiro fixou a sede do Batalhão e da 3ª Companhia em Paraibuna. Os efetivos foram assim distribuídos:[2]

1ª Cia. 120 homens – Trecho Rio Ouro – Alto

2ª Cia. 130 homens – Trecho Alto – Rio Ouro

3ª Cia. 120 homens – Trecho Paraibuna – Alto.

Em fins de 1934 foram suspensos os trabalhos da turma militar para, segundo Armond, “satisfazer injunções políticas e dar empreitadas a interessados”. Em agosto de 1934. entregou ao DER, já em operação, o trecho Paraibuna a Caraguatatuba, incluindo a serra. Em sequência, o DER completou o trecho Caraguatatuba a São Sebastião.[2]

Em 1957, no Governo Jânio Quadros, foi pavimentada usando-se o método denominado "Mixed in Place", popularmente conhecido como "virado". A pavimentação solucionou os problemas de excesso de pó e lama que, aliados à neblina constante, eram causa de graves acidentes. Em épocas de chuva, antes do asfalto, a estrada era praticamente intransitável.[2][3]

Em 1967, o município de Caraguatatuba foi vítima de uma catástrofe que destruiu o trecho em serra, sendo necessária a reconstrução da rodovia. Estas obras, realizadas já com moderna tecnologia e traçado, foram objeto de grande concentração de recursos e forças.[2][3]

Em 1970, o DER executou significativos melhoramentos de traçado (planta e perfil) entre São José dos Campos e Paraibuna. Com a inundação provocada pelo enchimento da Barragem Paraibuna - Paraitinga, e consequente prejuízo ao trecho de Paraibuna até o alto da serra, a reconstrução da rodovia ficou a cargo da CESP (Companhia Energética de São Paulo), sob coordenação do DER.[3]

A denominação Rodovia dos Tamoios foi realizada através da Lei nº 1796, de 18 de outubro de 1978, e constitui referência histórica ao nome de uma tribo indígena que habitava o litoral norte paulista e o litoral sul fluminense.[2][3][4]

Características[editar | editar código-fonte]

Trecho duplicado do planalto, em Paraibuna.
Vista das pistas descendente e ascendente (à época em construção) e a cidade de Caraguatatuba, com a Ilhabela ao fundo.

A Rodovia dos Tamoios (SP-099) possui 83,4 quilômetros de extensão e liga as cidades de São José dos Campos no Vale do Paraíba e Caraguatatuba no Litoral Norte, passando por Jambeiro e Paraibuna.

Possui intersecções com a Rodovia Presidente Dutra (BR-116), Rodovia Júlio de Paula Moraes (SP-103), Rodovia Carvalho Pinto (SP-70), Rodovia Professor Alfredo Rolim de Moura/Estrada das Pitas (SP-88) e Rodovia Doutor Manuel Hipólito Rego/Rio-Santos (SP-55/BR-101).[3]

A rodovia é totalmente duplicada possuindo duas faixas de rolamento e acostamento em cada sentido[5]. No trecho de planalto, o limite de velocidade é de 80 km/h para veículos leves e 60km/h para veículos pesados.[6]

No trecho de serra, o traçado antigo da rodovia foi convertido em pista descendente (Sentido Caraguatatuba), dispondo de um percurso sinuoso com o limite de velocidade variando entre 30 km/h e 50 km/h.[7] A pista ascendente (Sentido São José dos Campos), inaugurada em 26 de março de 2022, possui um traçado moderno com curvas suaves e dispondo de viadutos e túneis. Assim como no planalto, no novo trecho de serra a velocidade máxima permitida é de 80 km/h para veículos leves e 60 km/h para veículos pesados.[8]

O trecho duplicado da serra conta com diversos recursos de operação, tais como câmeras de última geração que detectam anomalias no tráfego, moderno sistema de iluminação, ventilação realizada com potentes exaustores, sistema de comunicação com o usuário (com painéis de mensagens, alto-falantes e Wi-Fi), túneis de serviço (paralelos aos túneis principais), diversas portas de saída de emergência com indicação luminosa, e monitoramento 24 horas por dia por operadores do Centro de Controle Operacional da rodovia.[9]

Na saída de São José dos Campos, foi construído um trecho de 4,5 km ligando o Anel Viário da cidade, recebendo a denominação de Rodovia Octavio Frias de Oliveira, administrada pela Prefeitura Municipal.[10]

O entroncamento com a Rodovia Governador Carvalho Pinto, entre os km 4,5 e 11,5, é administrado pela concessionária Ecopistas, pertencente ao grupo EcoRodovias.[11]

Duplicação[editar | editar código-fonte]

Um dos viadutos da nova pista do trecho de serra.
Obras em um dos túneis do trecho de serra.

A Rodovia dos Tamoios começou a ser duplicada em maio de 2012 pelo então governador Geraldo Alckmin. A obra seria concluída em dezembro de 2013, porém foi entregue em janeiro de 2014.[12] O trecho de planalto duplicado corresponde a quase 50 km, divididos em dois lotes: o primeiro foi do km 11,5 ao km 35,8 e o segundo, do km 35,8 ao km 60,5, abrangendo os municípios de São José dos Campos, Jambeiro e Paraibuna.[13] O custo da obra totalizou R$ 1,1 bilhão.[14]

Trecho de serra[editar | editar código-fonte]

Em 2014, foi lançado edital para a duplicação do trecho de serra da Tamoios (entre o km 60,45 e o km 82), que devido a sua complexidade, a obra foi comparada à pista descendente da Rodovia dos Imigrantes. Os investimentos nesta obra ultrapassaram os R$ 3 bilhões. A obra foi inaugurada em 26 de março de 2022, é um moderno complexo viário, composto de seis viadutos e quatro túneis – sendo um deles com extensão de 5.555 metros, o maior túnel rodoviário do país, que exigiu a escavação de mais de 1,7 milhão de metros cúbicos de rochas.[8]

Para a execução da obra, sem a necessidade de abertura de acessos e caminhos de serviço pela Mata Atlântica, utilizou-se o método "cable crane", inédito no Brasil, que consiste no transporte de materiais e equipamentos por cabos suspensos. A montagem do "cable crane" exigiu uma operação complexa, com duração de 120 dias e apoio de um helicóptero.[15]

Túneis[editar | editar código-fonte]

Túneis do trecho de serra da Rodovia dos Tamoios.
Obras no início da nova pista do trecho de serra. Na imagem é possível ver o emboque do Túnel 5.
Emboque do Túnel 3/4

A nova pista do trecho de serra da rodovia possui 4 túneis que somam 12,8 km de extensão.[9]

Túnel Extensão
1 2.888 m (9.475 ft)
2 714 m (2.342,5 ft)
3/4 5.555 m (18.225 ft)
5 3.696 m (12.126 ft)

Túnel 1[editar | editar código-fonte]

É o último túnel para quem trafega no sentido São José dos Campos. Possui um túnel de serviço paralelo ao principal com saídas de emergência.[9]

Túnel 2[editar | editar código-fonte]

É o menor dos túneis e não conta com túnel de serviço por ter menos de 1 km de extensão.[9]

Túnel 3/4[editar | editar código-fonte]

É o túnel rodoviário mais extenso do Brasil.[16] Possui um túnel de serviço paralelo ao principal com saídas de emergência.[9]

O projeto original elaborado pela DERSA previa a construção dos túneis 3 e 4, com 3230 m e 2285 m de extensão, respectivamente, separados por um viaduto. No entanto, os emboques dos túneis seriam feitos em um vale de difícil acesso e geraria um grande impacto ambiental na região.

O projeto foi alterado, rebaixando o nível da construção, integrando assim os túneis 3 e 4 em um único.[17]

Túnel 5[editar | editar código-fonte]

É o primeiro túnel para que inicia a subida da serra e é segundo mais extenso túnel rodoviário do Brasil.[18] Possui um túnel de serviço paralelo ao principal com saídas de emergência.[9]

Concessão[editar | editar código-fonte]

No dia 3 de outubro de 2014, o Consórcio Litoral Norte, liderado pela empresa Queiroz Galvão venceu o leilão de concessão da Rodovia dos Tamoios e será responsável por administrar a rodovia nos próximos 30 anos. A concessionária Tamoios assumiu a rodovia em 18 de abril de 2015, sendo inicialmente responsável por 85,15 km que incluem os trechos de serra e planalto. Nos próximos anos, a concessionária assumirá também os Contornos de Caraguatatuba e São Sebastião, totalizando 119,05 km sob sua responsabilidade. A cobrança dos pedágios iniciou-se em julho de 2016, após atingir o patamar de 6% das obras de duplicação do trecho de serra, conforme estabelecido no contrato de concessão.[19][20]

Em agosto de 2018 foi liberada ao tráfego a primeira fase da duplicação do trecho de serra da Rodovia dos Tamoios. Em um evento no km 61,5 da rodovia, em Paraibuna, o secretário de Logística e Transportes do estado de São Paulo, Mário Mondolfo, realizou a entrega do trecho.

O trecho vai do km 60,4 ao km 64,4. No local, foi implantada uma nova pista e conta também com uma ponte sobre a represa de Paraibuna, um viaduto e uma passagem inferior. Com investimento de R$ 204,5 milhões, as obras, iniciadas em abril de 2015, foram realizadas sob fiscalização da ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo.[21]

Trajeto[editar | editar código-fonte]

Relato descritivo rodoviário[editar | editar código-fonte]

km Descrição Município
00 Início da rodovia - Anel Viário/Av. Mário Covas (traçado novo - Rodovia Octavio Frias de Oliveira)

Início da rodovia - Rua Paraibuna/Praça Marechal do Ar Eduardo Gomes (traçado antigo)

Interseção com a Rodovia Presidente Dutra BR 116.png

São José dos Campos
01 Acesso aos bairros Vila Letônia e Vila Nair (traçado antigo)
02 Acesso ao bairro Vila São Bento (traçado antigo)
05 Acesso ao bairro Torrão de Ouro

Acesso ao Instituto de Estudos Avançados (IEAv)

07 Acesso aos bairros São Judas Tadeu, Capuava e Putim
10 Interseção com a Rodovia Governador Carvalho Pinto SP-070.svg
14 Acesso à Avibras Jambeiro
16 Pedágio P1 - Jambeiro (Bidirecional)
18 Acesso à igreja Rosa Mystica
19 Serviço de Atendimento ao Usuário - SAU (sentido Caraguatatuba)
22 Base da Polícia Militar Rodoviária - PMRv

Acesso ao bairro Parque Industrial

23 Balança (sentido Caraguatatuba)

Acesso à Jambeiro Interseção com a Rodovia Júlio de Paula Moraes SP-103.svg

26 Início do trecho da Serrinha (Jambeiro/Paraibuna)
28 Ponte sobre a Represa de Paraibuna Paraibuna
29 Acesso à Estrada Municipal de Santa Branca
32 Acesso à Paraibuna - Via de Acesso SPA 032/099
33 Acesso à Estrada do Itapeva - Via de Acesso SPA 033/099
35 Centro de Controle Operacional (CCO)

Acesso à Paraibuna pela Av. Benedito Nogueira Santos - Via de Acesso SPA 035/099

38 Acesso à Usina Hidrelétrica de Paraibuna (CESP) - Via de Acesso SPA 037/099

Ponte sobre o Rio Fartura

41 Acesso ao Condomínio Quinta dos Lagos
45 Acesso ao Condomínio Village Parahybuna
46 Balança (sentido Caraguatatuba) - Em construção
48 Ponte sobre a Represa de Paraibuna

Serviço de Atendimento ao Usuário - SAU (sentido São José dos Campos)

55 Acesso ao bairro do Cedro

Interseção com a Rodovia Professor Alfredo Rolim de Moura SP-088.svg

57 Ponte sobre a Represa de Paraibuna
59 Pedágio P2 - Paraibuna (Bidirecional)
60 Base de Serviços Operacionais (sentido São José dos Campos)
61 Ponte sobre a Represa de Paraibuna
62 Início do trecho dentro do Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Caraguatatuba
65 Fim do trecho de serra (pista ascendente - sentido São José dos Campos) Caraguatatuba
68 Início do trecho de serra (pista descendente - sentido Caraguatatuba)
71 Acesso de emergência à pista ascendente (entrada do Túnel 2)
76 Acesso à estrada de manutenção do Túnel 3/4
81 Base 99/2 da Polícia Militar Rodoviária - PMRv (pista descendente - sentido Caraguatatuba)

Acesso ao bairro Rio do Ouro (pista descendente - sentido Caraguatatuba)

Balança (pista ascendente - sentido São José dos Campos) - Em construção

82 Base de Serviços Operacionais (pista descendente - sentido Caraguatatuba)

Acesso ao bairro Jaraguazinho (pista descendente - sentido Caraguatatuba)

Interseção com os Contornos de Caraguatatuba

83 Interseção com a Rodovia Doutor Manuel Hipólito Rego SP-055.svgBR 101.png (pista descendente - sentido Caraguatatuba)

Fim da rodovia - Av. Pres. Campos Salles/Trevo do Indaiá (pista descendente - sentido Caraguatatuba)

Jurisdição/Administração[editar | editar código-fonte]

Início (km) Fim (km) Extensão (km) Município Jurisdição Administração
0,0 4,5 4,5 São José dos Campos Estadual Prefeitura de São José dos Campos
4,5 11,5 7,0 Concessionária Ecopistas
11,5 14,4 2,9 Concessionária Tamoios
14,4 26,0 11,6 Jambeiro
26,0 64,2 38,2 Paraibuna
64,2 83,4 19,2 Caraguatatuba

Pedágios[editar | editar código-fonte]

A Rodovia dos Tamoios possui cobrança de pedágios desde 2016, com duas praças ao longo da rodovia, ambas operadas pela Concessionária Tamoios.[22]

Pedágio km Sentido Localidade Tarifa
Automóvel/

Utilitário

Comercial

por Eixo

Motocicleta
P1 16 Bidirecional Jambeiro R$ 4,40 R$ 4,40 R$ 2,20
P2 59 Bidirecional Paraibuna R$ 8,50 R$ 8,50 R$ 4,25

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Limite de Velocidade[editar | editar código-fonte]

O limite de velocidade da Rodovia dos Tamoios tem sido alvo de constantes reclamações dos motoristas e questionado por autoridades municipais da região por considerarem baixa para os padrões atuais da via.[23]

Desde a duplicação do trecho de planalto, o limite de velocidade se manteve em 80 km/h para os veículos leves e reduzido para 60 km/h para veículos pesados. Esses limites também foram aplicados no novo trecho de serra (pista ascendente).[24]

Em 2015, no antigo trecho de serra (pista descendente), o limite de velocidade de 30 km/h em alguns locais levou os prefeitos do Litoral Norte a pressionarem o DER a revisar o limite de velocidade em um dos radares instalados na via, sob alegação de redução brusca de velocidade dos veículos, o que poderia causar colisões traseiras.[7]

Em 2019, um estudo técnico da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) descartou o aumento do limite de velocidade, por não haver parâmetro para um limite de velocidade de 100 km/h. De acordo com a Agência, a definição do limite de velocidade é estabelecida através de manuais do DNIT e do DER que observam critérios como geometria e classe da rodovia, relevo da região e histórico de acidentes.[6] O estudo realizado pela Artesp tinha sido promessa de campanha do então candidato ao governo de São Paulo, João Dória.[25]

Desvio no km 52[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2016, durante as chuvas que atingiram a região de Paraibuna, ocorreu um deslizamento de encosta no km 52. A pista sentido Caraguatatuba permaneceu obstruída. Um desvio foi implantado, em função dos taludes que foram rompidos, ocupando parte da pista sentido São José dos Campos.[26]

Desde então, o desvio permaneceu no local e nenhuma obra foi feita para a desobstrução da pista. A Concessionária Tamoios alega se tratar de um passivo anterior à data em que assumiu a rodovia, já que em abril de 2015, a concessionária emitiu um laudo técnico, constatando possíveis trechos que deveriam ser melhorados antes da concessão. À época, a rodovia era administrada pelo DER (Departamento de Estrada de Rodagem) e a concessionária teria apontados vários trechos onde era comum o risco de deslizamento, entre eles, o km 52.[26][27]

Como a concessionária tinha o laudo técnico cobrando melhoria nesse e em outros locais, o DER foi acionado para fazer as obras nas encostas e evitar novos deslizamentos. Contudo, o caso foi parar na justiça, em processo que tramita na Comarca de Paraibuna.[26][27]

Interdições do trecho de serra[editar | editar código-fonte]

A Concessionária Tamoios adota um protocolo de segurança no trecho de serra da rodovia, que determina a interdição total da pista antiga (descendente) caso os pluviômetros registrem 100 milímetros de chuva em 72 horas.[28]

Tal protocolo tem sido alvo de reclamações, tendo em vista as constantes interdições do trecho, mesmo sem haver qualquer ocorrência de queda de barreiras. Em novembro de 2018, o trecho ficou interditado por mais de 90 horas e apenas nos meses de janeiro e fevereiro de 2019 ocorreram 6 interdições.[29][28]

Em maio de 2019, o Ministério Público de São Paulo abriu um inquérito civil para apurar se a Concessionária Tamoios está tomando providências eficientes para acabar com as constantes interdições. O inquérito solicitou que Instituto Geológico realize a perícia no trecho afim de descobrir se as ações da Tamoios devem de fato acabar com o problema das erosões e deslizamentos.[30]

Em abril de 2022, a pista antiga (descendente) ficou interditada por 19 horas devido ao acumulado de chuvas e risco de queda de barreiras, atendendo ao protocolo de segurança. O fato gerou mais reclamações dos motoristas, visto que a pista nova (ascendente) estava em operação e não havia sido interditada e poderia ser utilizada para a descida da serra (sentido Caraguatatuba). De acordo com a concessionária, não havia previsão para que, quando a serra antiga fosse interditada, o trecho novo seria utilizado para descida (sentido São José dos Campos).[31][32]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Rodovia Tamoios passa a ser operada por concessão». Governo do Estado de SP. 16 de abril de 2015. Consultado em 6 de maio de 2022 
  2. a b c d e f g h i j k l «A RODOVIA DOS TAMOIOS E A FORÇA PÚBLICA». Coronel Oscar Pinheiro. 22 de setembro de 2019. Consultado em 27 de março de 2022 
  3. a b c d e «História - Rodovia dos Tamoios». Concessionária Tamoios. Consultado em 27 de março de 2022 
  4. «Lei nº 1.796, de 18/10/1978». Consultado em 27 de março de 2022 
  5. «SP entrega duplicação do trecho de planalto da Rodovia dos Tamoios». G1. 24 de janeiro de 2014. Consultado em 27 de março de 2022 
  6. a b «Após estudo, Artesp descarta aumentar limite de velocidade na Tamoios». G1. 13 de novembro de 2019. Consultado em 27 de março de 2022 
  7. a b «DER revisa limite de velocidade de radar no trecho de serra da Tamoios». G1. 19 de janeiro de 2015. Consultado em 27 de março de 2022 
  8. a b «Governo de SP entrega trecho de serra da Rodovia dos Tamoios». Governo de SP. 26 de março de 2022. Consultado em 27 de março de 2022 
  9. a b c d e f «Nova Serra». Concessionária Tamoios. 26 de março de 2022. Consultado em 27 de março de 2022 
  10. «Rodovia Octavio Frias de Oliveira é inaugurada em São José». Prefeitura de São José dos Campos. 16 de outubro de 2009. Consultado em 27 de março de 2022 
  11. «Corredor Ayrton Senna/Carvalho Pinto». Consultado em 27 de março de 2022 
  12. Santos, Carlos (24 de janeiro de 2014). «SP entrega duplicação do trecho de planalto da Rodovia dos Tamoios». G1. Vale do Paraíba e Região 
  13. «Termina greve dos operários da duplicação da Tamoios». G1. Vale do Paraíba e Região. 25 de outubro de 2012 
  14. «Tamoios é duplicada no trecho de Planalto». Governo do Estado de SP. 24 de janeiro de 2014. Consultado em 6 de maio de 2022 
  15. «Rodovia dos Tamoios: teleférico auxilia nas complexas obras em trecho de serra preservada». 7 de abril de 2020. Consultado em 27 de março de 2022 
  16. «Rodovia dos Tamoios passa a ter o maior túnel rodoviário do Brasil: 5.555 metros». 26 de março de 2022. Consultado em 27 de março de 2022 
  17. «Concluída a escavação do maior túnel rodoviário do país, na Rodovia dos Tamoios». 19 de julho de 2021. Consultado em 27 de março de 2022 
  18. «Maiores do Brasil: as obras da rodovia dos Tamoios». O Vale. 21 de abril de 2021. Consultado em 27 de março de 2022 
  19. «Tamoios inicia cobrança de R$ 9,70 em pedágios a partir de 1º de julho». Folha de S. Paulo. 29 de junho de 2016. Consultado em 27 de março de 2022 
  20. «Cobrança de pedágio na rodovia dos Tamoios começa em 2016». G1. 19 de dezembro de 2022. Consultado em 27 de março de 2022 
  21. «Liberada primeira fase duplicação Rodovia Tamoios». http://www.rodoviatamoios.com.br/. 1 de agosto de 2018 
  22. «Pedágio». Concessionária Tamoios. Consultado em 27 de março de 2022 
  23. «Usuários reclamam de limite de velocidade na Rodovia dos Tamoios». Tamoios News. 20 de setembro de 2017. Consultado em 28 de maio de 2022 
  24. «Subida da Serra do Mar pela nova Tamoios surpreende motoristas pela tecnologia». Concessionária Tamoios. 5 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022 
  25. «Doria promete reduzir tarifa do pedágio e privatização da balsa no litoral norte». G1. 22 de outubro de 2018. Consultado em 28 de maio de 2022 
  26. a b c «Liberação de pista interditada no Km 52 da Tamoios ainda depende de decisão judicial». Tamoios News. 7 de abril de 2019. Consultado em 28 de maio de 2022 
  27. a b «Representantes da ARTESP visitam instalações e obras de duplicação da Rodovia dos Tamoios». Concessionária Tamoios. 15 de abril de 2019. Consultado em 28 de maio de 2022 
  28. a b «Tamoios é interditada por risco de deslizamento na serra». Guia do TRC. 17 de maio de 2019. Consultado em 28 de maio de 2022 
  29. «Após mais de 90 horas, trecho de serra da rodovia dos Tamoios é liberado». A Cidade On. 11 de novembro 2018. Consultado em 28 de maio de 2022 
  30. «MP abre inquérito para apurar constantes interdições na Tamoios». Meon. 08 de maio de 2019. Consultado em 28 de maio de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  31. «Tamoios acumula 19 horas de interdição no trecho de descida da serra». G1. 3 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022 
  32. «Após mais de 19 horas de interdição, trecho de serra da Tamoios é liberado ao tráfego». G1. 3 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Concessionária Tamoios