Solitário-de-rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSolitário-de-rodrigues
Leguat1891solitaire.jpg
Estado de conservação
Extinta
Extinta  (1760) (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Columbiformes
Família: Columbidae
Subfamília: Raphinae
Género: Pezophaps
Strickland, 1848
Espécie: P. solitaria
Nome binomial
Pezophaps solitaria
Gmelin, 1789

O solitário-de-rodrigues (Pezophaps solitaria, antigamente Didus solitarius) foi um membro não-voador da família das pombas, endêmico na Ilha Rodrigues (Maurícia). Era um parente distante do dodô.

A primeira observação da ave foi feita por François Leguat, chefe de um grupo de huguenotes franceses que colonizaram a ilha, entre 1691 a 1693. Descreveu o animal com detalhes, incluindo seu comportamento solitário de aninhamento. Os huguenotes apreciavam a ave por seu sabor, especialmente dos filhotes.

Em razão da caça e da introdução de predadores como o gato, as aves logo passaram a escassear e, quando, em 1755, Cossigny tentou obter um exemplar, não mais pôde encontrar. O solitário-de-rodrigues está extinto com certeza desde 1760.

Foram coletados grande número de ossos dessa ave, mas não há nenhum espécime montado. Os solitários se caracterizavam por uma grande e inusual protuberância do osso da base do polegar. No animal vivo, esta protuberância estaria coberta por uma grossa camada, parecendo ter uso defensivo (uma protuberância similar pode ser encontrada no ganso-do-canadá).

As observações feitas no solitário parecem indicar que era uma ave bastante territorial, e presume-se que as disputas com invasores eram feitas golpeando-se mutuamente com as asas.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A primeira pessoa a chamar a ave de "solitário" foi o explorador francês François Leguat, em alusão aos hábitos solitários do animal. Acredita-se que ele pegou o nome emprestado de um relato de 1689 feito por Marquis Henri Duquesne, seu patrocinador, que mencionava o solitário-de-reunião.[2] A ave foi descrita cientificamente pela primeira vez em 1789 como se fosse uma espécie de dodô, sendo batizada de Didus solitarius, com base na descrição de Leguat, por Johann Friedrich Gmelin na décima terceira edição do Systema Naturae.[3]

Hugh Edwin Strickland e Alexander Melville sugeriram a ideia de um descendente comum do solitário-de-rodrigues e do dodô em 1848. Eles dissecaram o único espécime conhecido de dodô que ainda possuía tecidos moles, e o comparou com os poucos resquícios de solitários-de-rodrigues então disponíveis.[4] Strickland afirmou que, embora não fossem idênticas, estas aves compartilharam muitas características distintivas nos ossos da perna até então só conhecidas em pombos. O fato de que o solitário colocava apenas um ovo, se alimentava de frutas, era monogâmico e cuidava de seus filhotes também apoiou a ideia deste parentesco. O pesquisador reconheceu ainda sua distinção genérica e nomeou o novo gênero de Pezophaps, do grego antigo "pezos" (πεξος, "pedestre") e "phaps" (φάψ, "pombo").[5][6] As diferenças entre os sexos da ave eram tão grandes que Strickland pensou que o macho e a fêmea pertenciam a espécies diferentes, batizando a fêmea, menor, de Pezophaps minor.[7] Um estudo posterior sobre as características esqueléticas, realizado por Alfred e Edward Newton, indicou que o solitário era morfologicamente intermediário entre o dodô e os pombos comuns, mas diferente deles por sua protuberância carpal, única entre essas aves.[3]

O termo "solitário" também tem sido usado para outras espécies com hábitos solitários, como o íbis-de-reunião. Alguns cientistas acreditavam que a ilha da Reunião foi lar não apenas do "dodô branco", mas também de uma ave branca semelhante ao solitário-de-rodrigues. Hoje acredita-se que ambos são interpretações equivocadas de relatos antigos do íbis.[8] Uma descrição atípica do século XVII de um suposto dodô e de ossos encontrados na ilha Rodrigues, agora conhecido por ter pertencido ao solitário-de-rodrigues, levou Abraham Dee Bartlett a nomear uma nova espécie, Didus nazarenus; termo que atualmente é um sinônimo júnior do solitário-de-rodrigues.[9][10]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Por muito tempo o dodô e o solitário-de-rodrigues foram catalogados numa família só deles, a Raphidae, pois o parentesco com outros pombos não estava suficientemente esclarecido. Depois cada um foi classificado em sua própria família monotípica (Raphidae e Pezophapidae, respectivamente), pois se pensava que haviam desenvolvido suas características similares de forma independente.[11] Recentemente, informações osteológicas e moleculares levaram à dissolução da família Raphidae, e tanto o dodô como o solitário-de-rodrigues estão hoje alocados numa única subfamília, Raphinae, dentro da família Columbidae, que inclui os pombos modernos.[12]

A comparação do citocromo b mitocondrial e das sequências 12S de RNAr, isolados de um tarso de dodô e de um fêmur de solitário-de-rodrigues, confirmou o parentesco próximo entre essas duas aves, bem como sua classificação dentro da família Columbidae.[13] A interpretação dessas evidências genéticas mostrou que o "primo" vivo mais próximo deles é o pombo-de-nicobar, que habita o sudeste asiático, seguido pelas gouras da Nova Guiné e pelo Didunculus strigirostris de Samoa.[14] O cladograma a seguir, formulado por Shapiro e colaboradores em 2002, mostra as relações do dodô com seus parentes dentro da família Columbidae, um clado contendo em sua maioria espécies terrestres endêmicas em ilhas.[13]

O pombo-de-nicobar é o "primo" vivo mais próximo do solitário.



Goura victoria






Caloenas nicobarica (pombo-de-nicobar)




Pezophaps solitaria (solitário-de-rodrigues)



Raphus cucullatus (dodô)








Didunculus strigirostris



Um cladograma similar, publicado em 2007, inverte os lugares da goura e do "Didunculus", além de incluir o Otidiphaps nobilis e o Trugon terrestris na base do clado.[15] Estudando as evidências comportamentais e morfológicas, Jolyon C. Parish propôs que o dodô e o solitário-de-rodrigues devem ser alocados na subfamília Gourinae junto com as pombas gouras e outras espécies, em acordo com os dados genéticos.[16] Em 2014, a análise do DNA do único exemplar que restou do Caloenas maculata mostrou que ele é um parente próximo do pombo-de-nicobar, e, sendo assim, também é "primo" do dodô e do solitário-de-rodrigues.[17]

Um estudo de 2002 indicou que os ancestrais do dodô e do solitário divergiram em torno do limite Paleogeno-Neogeno. As ilhas Mascarenhas (Maurício, Reunião e Rodrigues) são de origem vulcânica e têm menos de 10 milhões de anos de idade. Portanto, os antepassados de ambas as aves provavelmente permaneceram capazes de voar por um tempo considerável após a separação de suas linhagens.[18] O DNA obtido do espécime de Oxford está degradado, e nenhum material genético utilizável pôde ser extraído dos fósseis, então esses achados ainda precisam ser verificados de forma independente.[19] Os ancestrais dos raphines podem ter se espalhado a partir do sudeste asiático por passeios pelas ilhas. A falta de mamíferos herbívoros competindo pelos recursos dessas ilhas permitiu que o solitário e o dodô atingissem tamanhos muito grandes, fenômeno chamado gigantismo insular.[20] Outro pombo grande e incapaz de voar, o Natunaornis gigoura, foi descrito em 2001 a partir de material subfóssil de Fiji. Ele era apenas um pouco menor do que o dodô e o solitário, e também acredita-se que pode ter parentesco com os pombos coroados.[21]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Pezophaps solitaria.jpg

O bico do solitário-de-rodrigues era ligeiramente adunco, e seu pescoço e pernas longos.[22] Um observador descreveu-o como do tamanho de um cisne.[23] O crânio tinha 17 centímetros de comprimento, achatado no topo com as partes anteriores e posteriores elevadas em duas cristas ósseas estruturadas com osso esponjoso.[24] Uma protuberância de cor preta (uma descrição da época descreveu-a como uma "testeira") existia na cabeça da ave logo atrás da base do bico. A plumagem do solitário foi descrita como cinza e marrom. As fêmeas eram mais pálidas do que os machos e tinham elevações de cor clara na parte inferior do pescoço.[23]

A diferença de tamanho devido ao dimorfismo sexual nesta espécie é talvez a maior dentre todos as aves neognatas.[25] Os machos eram consideravelmente maiores do que as fêmeas, medindo 90 cm de comprimento e pesando até 28 kg, enquanto que suas companheiras tinham 70 cm de altura e pesavam 17 kg,[26] o que corresponde apenas a 60% do peso de um macho adulto.[25] O peso do solitário pode ter variado substancialmente ao longo dos ciclos de engorda, ou seja, os animais engordavam durante as estações mais amenas, e emagreciam durante as estações quentes. Os machos podiam reduzir seu peso a até 21 kg e as fêmeas 13.[27] Apesar de pombos machos serem geralmente maiores que as fêmeas, não há nenhuma evidência direta para se afirmar com certeza que os indivíduos maiores eram os machos da espécie. Embora o macho provavelmente tenha sido maior, isto só pode ser confirmado por técnicas moleculares de sexagem, e não apenas pela morfologia do esqueleto.[25]

O solitário possuía traços em comum com o dodô, seu parente mais próximo, tais como o tamanho e detalhes do crânio, pelve e esterno. Porém era diferente em outros aspectos; ele era mais alto e mais esbelto que o dodô e tinha crânio e bico menores, a cúpula craniana mais plana e órbitas maiores. Seu pescoço e suas pernas eram proporcionalmente mais longas, e o dodô não possuía um equivalente à protuberância do carpo do solitário-de-rodrigues. Muitas características do esqueleto dessas duas espécies são únicas entre os pombos que evoluíram para se adaptar à incapacidade de voar. Seus elementos pélvicos eram mais espessos do que os dos pássaros que voam (para sustentar um peso maior), e sua região peitoral e as asas sofreram pedomorfose (subdesenvolveram, retendo características juvenis na idade adulta). No entanto, o crânio, tronco e membros pélvicos foram peramorfizados, ou seja, tinham aspecto como se tivessem se desenvolvido além do grau de maturidade da ave.[27]

Tanto o macho como a fêmea possuíam uma grande protuberância óssea, formada por exostose (parecida com um calo ósseo), situada na base do carpometacarpo de cada punho. Outros ossos da asa às vezes também mostravam estruturas semelhantes. Essa protuberância tinha um formato de couve-flor, com dois ou, mais raramente, três lóbulos. A estrutura tinha cerca da metade do comprimento do metacarpo, e era maior nos machos do que nas fêmeas. Foi descrita como sendo do tamanho de uma bala de mosquete e a maior já encontrada mede 3,29 centímetros de diâmetro. O tamanho dos calos varia entre os espécimes, e eles estavam ausentes em 58% das amostras examinadas em um estudo. Acredita-se que tais exemplares são de solitários jovens ou sem territórios para defender. Os carpometacarpos sem calos de machos eram menores, em média, do que aqueles com a protuberância, mas nas fêmeas o tamanho variava muito pouco. Em vida, os calos podem ter sido cobertos por um tegumento cartilaginoso ou queratinoso resistentes, o que teria feito com que parecessem ainda maiores. Esporões e calos carpais também podem ser encontrados em outras aves, tanto vivas como extintas. Dentro da família Columbidae, os pombos coroados e o pombo gigante Natunaornis gigoura possuem uma protuberância sobre o carpometacarpo semelhante ao da fêmea de solitário-de-rodrigues. O mesmo acontece em algumas espécies de patos como o Merganetta armata, o pato-ferrão e os do gênero Tachyeres, além dos anhimídeos, da pomba-antártica e do extinto Xenicibis xympithecus, uma espécie de íbis terrestre que viveu na Jamaica.[25]

Descrições contemporâneas[editar | editar código-fonte]

Rodrigues Solitaire.jpg

Além do singelo esboço desenhado por François Leguat, a aparência em vida do solitário-de-rodrigues só é conhecida a partir de um punhado de descrições; nenhum tecido mole da ave sobreviveu até os dias atuais.[26] Leguat ficou claramente impressionado com o pássaro, dedicando-lhe três páginas de suas memórias.[28] Ele descreveu sua aparência da seguinte maneira:

De todas as aves da ilha a mais notável é a que atende pelo nome de solitário, porque é muito raramente visto acompanhado, embora haja abundância deles. As penas dos machos são de cor cinza amarronzado: os pés e bico se parecem com os de um peru, mas um pouco mais curvos. Eles não têm uma cauda propriamente dita, mas a sua traseira, coberta com penas, é arredondada, como a garupa de um cavalo; eles são mais altos que os perus. Seu pescoço é reto, e proporcionalmente um pouco mais longo que o de um peru quando levanta a cabeça. Seu olho é preto e vívido, e sua cabeça sem crista. Eles nunca voam, suas asas são muito pequenas para suportar o peso de seus corpos; elas servem apenas para bater e vibrar quando chamam uns aos outros. Eles vão girar sobre durante vinte ou trinta vezes em conjunto no mesmo lado, durante o espaço de quatro ou cinco minutos. O movimento de suas asas faz então um barulho muito semelhante ao de um chocalho; e pode-se ouvir ele duzentos passos fora. O osso de sua asa cresce maior para a extremidade, e faz um pouco de massa redonda sob as penas, tão grande quanto uma bala de mosquete. Isso e seu bico são o chefe de defesa deste pássaro. É muito difícil pegá-lo na floresta, mas fica fácil em lugares abertos, porque a gente corre mais rápido do que eles, e às vezes nos aproximamos deles sem muita dificuldade. De março a setembro eles ficam extremamente gordos, e gosto admiravelmente bem, especialmente enquanto eles são jovens, alguns dos machos pesam quarenta e cinco libras.[22]

Várias das observações de Leguat foram posteriormente confirmadas através do estudo de restos subfósseis do solitário-de-rodrigues. As linhas de contorno curvas da pelve também suportam o arredondamento das suas partes traseiras, as quais ele comparou com uma garupa de cavalo. Além disso, uma superfície estriada exibida na base do bico, o que indica a posição da nervura caruncular, que Leguat descrito como um "pico de viúva".[3] Antes foram encontrados fósseis do botão do carpo, Strickland notar-se que a quilha do esterno do solitário Rodrigues foi tão bem desenvolvida como a quase indicam que ele possuía o poder de voar; no entanto, uma vez que o úmero foi muito curto ele deduziu que este foi em vez relacionadas com a reivindicação de Leguat que eles usaram as suas asas para a defesa.[6]

Leguat continuou com uma descrição elaborada da fêmea do solitário-de-rodrigues, que também parece ser o sexo representado na sua ilustração da ave:

As fêmeas são maravilhosamente belas, alguns justo, alguns marrom; Eu chamo-os justo, porque eles são a cor do cabelo justo. Eles têm uma espécie de pico, como uma viúva é em cima de seus peitos [bicos], que é de uma cor parda. Ninguém Pena é straggling do outro por todo o corpo, eles sendo muito cuidadoso para ajustar-se, e torná-los todos, mesmo com seus bicos. As penas em suas coxas são redondos como escudos na final, e estar lá muito grosso, tem um efeito agradável. Eles têm dois Risings em seus Craws [colheita] e as penas são mais brancos do que o resto, o que representa livelily a multa pescoço de uma mulher bonita. Eles andam com tanta pompa e bom Graça, que não se pode deixar de admirar-los e amá-los; por que significa que seu bem Mein muitas vezes salva suas vidas.[22]

Foi proposto que a comparação do Leguat entre a colheita da paciência Rodrigues feminino e o "belo seio de uma mulher" (alterado para "pescoço fino" em algumas edições do seu livro de memórias) estava fora de saudade de companhia feminina.[28] [29]

As declarações de Leguat foram confirmadas por outra descrição por Julien Tafforet, que escreveu em 1726:

O solitário é uma grande ave, que pesa cerca de quarenta ou cinquenta libras. Eles têm uma cabeça muito grande, com uma espécie de testeira, como se de veludo preto. Suas penas são nem penas nem pele; eles são de cor cinza claro, com um pouco de preto em suas costas. Suportando orgulhosamente sobre, isoladamente ou em pares, eles preen sua plumagem ou pele com seu bico, e manter-se muito limpo. Eles têm os seus dedos dos pés decorados com escamas duras, e correr com rapidez, principalmente entre as rochas, onde um homem, porém ágil, dificilmente pode pegá-los. Eles têm um bico muito curto, de cerca de uma polegada de comprimento, que é afiada. Eles, no entanto, não tente fazer mal a ninguém, exceto quando encontrar alguém antes deles, e, quando dificilmente pressionado, tentar mordê-lo. Eles têm um pequeno tronco de uma asa, que tem um tipo de bala na sua extremidade, e serve como uma defesa.[22]

Comportamento e ecologia[editar | editar código-fonte]

Pezophaps limb bones.jpg

Observações dos solitários-de-rodrigues em vida indicam que eles eram altamente territoriais. Provavelmente resolviam suas disputas golpeando-se uns aos outros com as asas e, adicionalmente, também usavam as protuberâncias carpais como armas.[30] Fraturas encontradas em ossos de asas são uma evidência de que elas eram usadas em combate.[27] Alguns cientistas aventaram a possibilidade de que essas fraturas sejam resultado de uma doença hereditária óssea, ao invés de lesões traumáticas.[31] Porém, todas as espécies viventes de aves que possuem esporões e calos carpais os utilizam como armas, sem exceções. Apesar de alguns ossos de dodô terem sido encontrados com fraturas curadas, ele tinha músculos peitorais mais fracos e asas menos desenvolvidas em comparação com o solitário-de-rodrigues. Uma vez que chove menos em Rodrigues e há uma variação sazonal maior do que em Maurício, o que teria afetado a disponibilidade de recursos naquela ilha, o solitário teria mais motivos para evoluir com um comportamento territorial agressivo.[25] Várias relatos afirmam que eles também se defendiam com uma bicada poderosa.[23]

Além de servir como arma, tanto o macho como a fêmea do solitário-de-rodrigues também usavam suas asas para se comunicar. As asas podiam criar sons de baixa frequência que serviam para interagir com parceiros ou alertar rivais, mas não se sabe exatamente como esse som era gerado. O ruído podia ser ouvido a 182 metros de distância, e este pode, portanto, ser o tamanho do território de um indivíduo. Outras espécies de pássaros também são conhecidos por usar suas asas para criar sons que atraem parceiros ou marcam seu território.[25]

Em 1869, os irmãos Newton sugeriram que as protuberâncias carpais podem ter sido formadas através de lesões contínuas, pois se assemelham a ossos "doentes".[3] Além disso, acreditava-se que tais estruturas foram formadas devido a uma doença hereditária causada por endogamia. Essa ideia foi refutada após um estudo em 2013, uma vez que tais lesões provavelmente não iriam ocorrer apenas numa parte específica do esqueleto, mas apareceriam em qualquer tecido ósseo em crescimento. Se tal doença era devido à endogamia, seria também presente em outras populações de aves de ilha isoladas, o que de fato não ocorre. Os autores sugeriram que em vez disso os ossos da asa continham tecido metaplásico capaz de formar o calo. Este desenvolvimento é consequência da resposta a impactos contínuos durante o combate, ou da liberação de hormônios quando os indivíduos se emparelhavam e adquiriam territórios. Suspeita-se que um macho que mantinha por muito tempo um território possuiria grandes calos no carpo, e que suas parceiras os teriam desenvolvidos também, só que menores.[25]

Restauração digital de um casal de solitários-de-rodrigues.[32]

Algumas evidências, incluindo seu grande tamanho e o fato de que as aves tropicais e frugívoras têm taxas de crescimento mais lento, indica que o solitário-de-rodrigues pode ter tido um período de desenvolvimento prolongado. Com base em estimativas de peso, tem sido sugerido que o macho podia chegar a 28 anos de idade, e a fêmea 17.[27] Pierre-André d'Héguerty, ao escrever sobre o período que passou na ilha por volta de 1735, afirmou que um solitário-de-rodrigues cativo (que ele descreveu como tendo uma aparência melancólica) poderia andar sempre na mesma direção até seu espaço acabar, e depois voltar.[33] A espécie pode ter vivido principalmente em florestas no interior da ilha, em vez do litoral.[23]

Muitas espécies endêmicas de Rodrigues tornaram-se extintas após a chegada dos seres humanos, de modo que o ecossistema da ilha está atualmente bastante degradado. Antes da chegada dos humanos, Rodrigues era inteiramente coberta por florestas, mas muito pouco resta hoje devido ao desmatamento. O solitário viveu ao lado de outras aves da ilha recentemente extintas, como o papagaio-de-rodrigues, Erythromachus leguati, periquito-de-rodrigues, Necropsar rodericanus, Mascarenotus murivorus, Nycticorax megacephalus e pombo-de-rodrigues. Répteis extintos incluem tartarugas Cylindraspis e o lagarto Phelsuma edwardnewtoni.[34]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Leguat afirmou que o solitário se alimentava de tâmaras, enquanto Tafforet mencionou que comia sementes e folhas. Nenhum outro relato da ave fala sobre sua dieta.[23] Acredita-se que o animal comia frutos de palmeiras do gênero Latania, competindo por este alimento com as tartarugas-gigantes Cylindraspis, também extintas devido à ação do homem. Não se sabe como os filhotes eram nutridos, mas os pombos, "primos" do solitário, fornecem leite de papo a suas crias.[28] Os grandes papos das fêmeas podem ter sido recobertos internamente com glândulas secretoras capazes de produzir o leite de papo. Se essa hipótese estiver correta, cada casal da espécie pode ter feito uma divisão de trabalho, na qual a fêmea alimentava e cuidava dos filhotes, enquanto o macho trazia comida no papo e entregava a sua parceira. Especialistas acreditam que o tamanho máximo que os dodôs e solitários-de-rodrigues atingiam era limitado pela quantidade de leite de papo que pudessem produzir para os filhotes durante seu crescimento inicial.[35]

Pelve de uma fêmea (1) e macho (2), fúrcula (3) e gastrólito (4–6), 1879

Vários relatos de época afirmam que, assim como os dodôs, os solitários-de-rodrigues usavam gastrólitos na moela, o que sugere que tinham uma dieta parecida.[28] Leguat descreveu as pedras no trecho a seguir, frisando que o solitário recusava-se a se alimentar em cativeiro:

Estas aves, por vezes, muito familiarmente se aproximam de nós. Assim que são apanhadas derramam lágrimas sem chorar, e se recusam a se alimentar até morrer. Encontramos nas moelas de machos e fêmeas uma pedra marrom do tamanho de um ovo de galinha, um pouco áspera, plana de um lado e arredondada do outro, pesada e dura. Acreditamos que esta pedra estava lá quando eles nasceram, porque mesmo nos mais jovens você sempre irá encontra-la. Eles nunca têm mais de uma pedra, além disso, a passagem do papo para a moela é tão estreita que algo com a metade do tamanho não conseguiria passar. Ela serve para amolar nossas facas melhor do que qualquer outra pedra.[22]

Em 1877, três pedras foram encontradas numa caverna em Rodrigues, cada uma perto de um esqueleto de solitário, e acredita-se que sejam pedras de moela como as mencionadas por Leguat. Uma das pedras foi examinada e identificada como um dolerito: um pouco áspera, dura e pesada, com cerca de 50 gramas, mas quase plana de um dos lados, como descrito por Leguat. Isto pode ser devido a sua associação com um indivíduo jovem.[7] Embora Leguat tenha afirmado que a ave saía do ovo já com a pedra no interior da moela, na realidade, os adultos é que davam a pedra para os filhotes engolirem.[28]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

O relato mais detalhado dos hábitos reprodutivos do solitário-de-rodrigues é o que está escrito nas memórias de Leguat. Ele descreveu o acasalamento e a nidificação da seguinte maneira:

Quando essas aves querem construir seus ninhos, elas escolhem um lugar limpo, juntam algumas folhas de palmeira e as amontoam até um pé e meio de altura do solo, sobre as quais se sentam. Nunca põem mais de um ovo, o qual é muito maior do que o de um ganso. O macho e a fêmea se revezam em turnos para chocá-lo, e o ovo não eclode até que tenha se passado sete semanas. Os pais ficam o tempo todo próximos a seu filhote ou levando comida para ele, que não é capaz se virar sozinho por vários meses. Eles não tolerarão que nenhuma outra ave de sua espécie se aproxime a menos de duas centenas de jardas em torno do local; mas o curioso é que o macho nunca se afasta da fêmea, quando percebe um intruso, faz um ruído com suas asas para chamar sua companheira e ela expulsa o estranho indesejável ... A fêmea faz o mesmo com os machos ... Nós observamos esse comportamento várias vezes, e eu confirmo que é verdade.

O combate entre eles nesta situação às vezes é muito demorado, pois o intruso pode só ficar rondando, e não simplesmente se afastar do ninho. No entanto, o casal não vai deixa-lo em paz até conseguir repeli-lo para fora de seu território. Após estas aves terem cuidado de seus filhotes, e os deixado se alimentar por conta própria, eles permanecem sempre juntos (...) e embora aconteça deles se misturem com outros da mesma espécie, estes dois companheiros jamais se separam. Notamos que alguns dias depois do jovem deixar o ninho um grupo de trinta ou quarenta traz um outro jovem para ele, e o agora já emplumado solitário, juntamente como seu pai e sua mãe, unem-se ao bando, marchando para outro lugar. Várias vezes nós os seguimos e descobrimos que depois os mais velhos partem sozinhos ou em casais, e deixam os dois jovens juntos, o que nós chamamos de um casamento.[22]

A descrição da postura de um único ovo por ninhada e o grande porte da ave levaram os especialistas a acreditar que o solitário era do tipo K-selecionado, ou seja, ele produzia um número pequeno de descendentes altriciais, o que exigia cuidado intensivo dos pais até que os filhotes atingissem a maturidade. Grupos com solitários juvenis sem parentesco entre si sugerem que eles formavam creches, que acompanhavam adultos procurando alimento como parte do processo de aprendizagem.[27] Um estudo de resquícios subfósseis constatou que a protuberância carpal só se desenvolvia após a ave atingir a maturidade esquelética.[25]

O relato de Tafforet confirma a descrição de Leguat sobre o comportamento reprodutivo, acrescentando que os solitários-de-rodrigues podiam inclusive atacar seres humanos que se aproximassem de seus filhotes:

Eles não voam de modo algum, suas asas não têm penas, mas quando estão com raiva batem as asas fazendo um grande barulho, e o ruído é algo como um som de um trovão distante. Eles põe, como sou levado a supor, apenas uma vez no ano, e somente um ovo. Não que eu tenha visto seus ovos, pois eu não tenho sido capaz de descobrir onde estão. Mas eu nunca vi mais de um filhote com eles, e se alguém tentar se aproximar, eles podem tentar morder gravemente. Estas aves vivem de sementes e folhas de árvores que catam no chão. Elas têm uma moela maior que uma mão, e o que é surpreendente é que dentro dela há uma pedra do tamanho de um ovo de galinha, de formato oval, um pouco achatada, embora este animal não consiga engolir nada maior que uma pequeno caroço de cereja. Costumo comê-los: têm um sabor bem razoável quando tostados.[22]

A diferença de tamanho entre os sexos levou alguns cientistas a sugerir que o solitário-de-rodrigues não era monogâmico como Leguat afirmou, e que este viajante, um homem profundamente religioso, atribuiu essa característica à ave por razões morais.[7] Em contrapartida, foi proposto que a espécie era poligínica, ou seja, um macho possuía várias parceiras sexuais; e o comportamento de chocalhar as asas descrito para os indivíduos do sexo masculino sugere que eles se reuniam para se exibir para as fêmeas, competindo pelo direito de se acasalar.[27] No entanto, o dimorfismo relacionado ao tamanho ocorre em algumas aves monogâmicas, e a maioria dos outros pombos são monogâmicos também.[26]

Relação com humanos[editar | editar código-fonte]

Leguat1891frontispieceFr1708.jpg

Hans Hendricksz Bouwer foi o primeiro a listar "dodôs", provavelmente referindo-se ao solitário-de-rodrigues, como parte da fauna de Rodrigues em 1601.[36] O historiador inglês Thomas Herbert mencionou "dodôs" na ilha Rodrigues novamente em 1634, e eles também foram citados em 1700.[29] O relato seguinte, que foi o primeiro a chamar o animal de "solitário", foi publicado nas memórias de François Leguat em 1708, A New Voyage to the East Indies.[37] Leguat era o líder de um grupo de nove refugiados huguenotes franceses, que foram os primeiros a colonizar a ilha entre 1691 e 1693, depois que foram abandonados ali por seu capitão. Sua descrição do solitário-de-rodrigues e de seu comportamento é o relato mais detalhado da ave em vida, e ele também descreveu outras espécies que atualmente estão extintas. As observações de Leguat são consideradas um dos primeiros relatos coesos de comportamento animal na natureza. Anos mais tarde ele visitou a ilha Maurício, mas era tarde demais para ver dodôs por lá. Os huguenotes elogiaram os solitários-de-rodrigues pelo sabor da carne, especialmente a dos filhotes, e usaram as pedras da moela da ave como amoladores de facas. D'Héguerty alegou mais tarde que as pedras também eram úteis para fins medicinais, e se referia a elas como bezoares.[33] A segunda descrição mais detalhada do pássaro foi encontrada em um documento anônimo redescoberto em 1874 chamado Relation de l'Ile Rodrigue, cuja autoria tem sido atribuída a Julien Tafforet, um marinheiro abandonado em Rodrigues em 1726. Suas observações são consideradas credíveis, embora se sabe que ele levava consigo uma cópia do livro de memórias de Leguat durante sua estadia na ilha.[25]

Muitas relatos antigos mencionam que os solitários-de-rodrigues foram caçados por humanos. Escrevendo em 1735, Gennes de la Chanceliere descreveu a captura e consumo de dois espécimes da seguinte maneira:

Nossos homens disse de ter visto cabras e uma grande quantidade de pássaros de diferentes tipos: eles trouxeram, entre outras, duas das quais eram maiores em um terço do que o maior de peru; eles apareceram, no entanto, ser ainda muito jovem, ainda com baixo no pescoço e cabeça; suas pontas das asas, mas eram pouco de penas, sem cauda adequada. Três marinheiros me disse de ter visto outros dois, da mesma espécie, tão grande como o maior avestruz. Os jovens que foram trazidos a cabeça tinha sido mais ou menos como o segundo animal, mas as suas pernas eram semelhantes aos de perus, em vez de a da avestruz, que é bifurcada e fendido na forma de um pé de traseira. Estes dois pássaros, quando descascado, tinha uma polegada de gordura no corpo. Um deles foi feito em uma torta, que acabou por ser tão difícil que era homem cheio.[33]

Japetus Steenstrup observou que alguns vestígios de solitários-de-rodrigues têm indícios de perfurações tendo sido quebrados pelo homem ou talvez outro grande predador, para extrair a medula óssea.[7]

Ao contrário do dodô, não se conhece nenhum exemplar de solitário que tenha sido enviado vivo para a Europa. No entanto, tem sido afirmado que Bertrand-François Mahé de La Bourdonnais enviou um "solitário" para a França a partir da vizinha ilha de Reunião em torno de 1740. Uma vez que o solitário-de-reunião parece ter se tornado extinto nesta época, a ave pode ter sido na verdade um solitário-de-rodrigues.[38]

Extinção[editar | editar código-fonte]

Pezophaps.png

O solitário-de-rodrigues provavelmente tornou-se extinto em algum momento entre as décadas de 1730 e 1760; a data exata é desconhecida. Seu desaparecimento coincidiu com o comércio de tartarugas entre 1730 e 1750; os comerciantes queimavam a vegetação, caçavam os solitários e traziam nos navios gatos e porcos que atacavam os ovos e filhotes da ave.[38] Em 1755, o explorador francês Joseph-François Charpentier de Cossigny tentou obter um espécime vivo, pois lhe asseguraram que o solitário-de-rodrigues ainda vivia em áreas remotas da ilha. Apesar de tentar por 18 meses, e oferecer grandes recompensas, nenhum solitário foi encontrado. Os gatos foram apontados como os responsáveis por dizimar a espécie, mas ele suspeitava que, em vez disso, a caça por seres humanos era a grande culpada.[38] O astrônomo Alexandre Guy Pingré não encontrou solitários quando visitou Rodrigues para observar o trânsito de Vênus de 1761, apesar de ter sido assegurado de que eles ainda existiam. Seu amigo Pierre Charles Le Monnier chamou a constelação Turdus Solitarius em homenagem ao pássaro para celebrar a viagem. Embora o solitário-de-rodrigues seja o único pássaro extinto a ter uma constelação antiga batizada com seu nome, cartógrafos celestes não sabiam como era a aparência do animal e os mapas estelares retratavam outras aves.[29]

Em 1786, ossos subfósseis de solitários-de-rodrigues incrustados em estalagmites foram descobertos em uma caverna e enviados para o naturalista Georges Cuvier por volta de 1830. Por razões desconhecidas, ele afirmou que o material havia sido recém descoberto em Maurício, o que gerou confusão, até que os restos foram comparados com outros ossos de solitários-de-rodrigues e constatou-se pertencerem à mesma espécie.[25] Estes achados confirmaram as descrições de Leguat, mas naquele momento já não havia moradores de Rodrigues que se lembravam de ter visto espécimes vivos. Em 1831, um homem que viveu em Rodrigues por 40 anos, disse que nunca viu aves grandes o suficiente para ser solitários. A ilha Rodrigues abrange uma área de apenas 104 quilômetros quadrados, o que torna improvável que a ave tenha sobrevivido por muito tempo sem ser detectada.[23]

Subfósseis também foram descobertos durante a década de 1860, mas os vestígios mais completos continuam a ser os encontrados durante o trânsito de Vênus de 1874, quando uma estação de observação astronômica foi alocada na ilha.[7] Muitas dessas escavações foram solicitadas pelos irmãos Alfred e Edward Newton, que usaram o material recolhido para descrever a osteologia da ave em detalhes. Milhares de ossos foram recuperados, permitindo a montagem de esqueletos a partir do que sobrou de vários espécimes.[39] Foi sugerido que o esqueleto desta espécie é o melhor já descrito depois do dos seres humanos.[38] Apesar disso, alguns estudiosos duvidaram mais tarde da história de Leguat, e da própria existência do solitário-de-rodrigues. Em 1921, G. Atkinson afirmou que o livro de memórias do viajante francês era apenas um romance, e que o homem talvez nunca tivesse existido. Em 1955, o ecologista George Evelyn Hutchinson afirmou que duvidada de aspectos da biologia das aves mencionadas por Leguat.[40] Atualmente, as memórias de Leguat são amplamente aceitas como observações credíveis do solitário em vida.[29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BirdLife International (2012). Pezophaps solitaria (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 . . Página visitada em 21/12/2015..
  2. Hume, JP; Cheke AS (2004). «The white dodo of Réunion Island: Unravelling a scientific and historical myth» (pdf). Archives of Natural History (em inglês). 31 (1): 57-79. doi:10.3366/anh.2004.31.1.57 
  3. a b c d Newton, A; Newton E (1869). «On the Osteology of the Solitaire or Didine Bird of the Island of Rodriguez, Pezophaps solitaria (Gmel)». Philosophical Transactions of the Royal Society of London (em inglês). 159: 327–62. doi:10.1098/rstl.1869.0011 
  4. Strickland, HE (1859). «XVI. On some Bones of Birds allied to the Dodo, in the Collection of the Zoological Society of London». The Transactions of the Zoological Society of London (em inglês). 4 (6): 187–96. doi:10.1111/j.1469-7998.1862.tb08059.x 
  5. Parish 2012, p. 140
  6. a b Strickland 1848, pp. 46-55
  7. a b c d e Newton, Edward; Clark JW (1879). «On the Osteology of the Solitaire (Pezophaps solitaria, Gmel.)». Philosophical Transactions of the Royal Society of London (em inglês). 168: 438-51. doi:10.1098/rstl.1879.0044 
  8. de Lozoya, Arturo V (2003). «An unnoticed painting of a white Dodo». Journal of the History of Collections (em inglês). 15 (2): 201–10. doi:10.1093/jhc/15.2.201 
  9. Newton, A; Newton E (1865). «2. On Some Recently Discovered Bones of the Largest Known Species of Dodo (Didus Nazarenus, Bartlett)». Proceedings of the Royal Society of London (em inglês). 33 (1): 199-201. doi:10.1111/j.1469-7998.1865.tb02320.x 
  10. Lydekker, R (1891). Catalogue of the Fossil Birds in the British Museum (Natural History) (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis. p. 128. doi:10.5962/bhl.title.8301 
  11. Storer, RW (1970). «Independent Evolution of the Dodo and the Solitaire». The Auk (em inglês). 87 (2): 369–70. doi:10.2307/4083934 
  12. Janoo, A (2005). «Discovery of Isolated Dodo Bones [Raphus cucullatus (L.), Aves, Columbiformes] from Mauritius Cave Shelters Highlights Human Predation, with a Comment on the Status of the Family Raphidae Wetmore, 1930». Annales de Paléontologie (em inglês). 91 (2): 167-80. doi:10.1016/j.annpal.2004.12.002 
  13. a b Shapiro, B; Sibthorpe D, Rambaut A, et al (2002). «Flight of the Dodo». Science (em inglês). 295 (5560). 1683 páginas. doi:10.1126/science.295.5560.1683 
  14. BBC (28 de fevereiro de 2002). «DNA yields dodo family secrets» (em inglês). BBC News. Consultado em 1 de junho de 2015 
  15. Pereira, SL; Johnson KP, Clayton DH, et al (2007). «Mitochondrial and nuclear DNA sequences support a Cretaceous origin of Columbiformes and a dispersal-driven radiation in the Paleogene». Systematic Biology (em inglês). 56 (4): 656-72. doi:10.1080/10635150701549672 
  16. Naish, D (2014). «A Review of The Dodo and the Solitaire: A Natural History». Journal of Vertebrate Paleontology (em inglês). 34 (2). 489 páginas. doi:10.1080/02724634.2013.803977 
  17. Heupink, Tim H; van Grouw H, Lambert DM (2014). «The mysterious Spotted Green Pigeon and its relation to the Dodo and its kindred». BMC Evolutionary Biology (em inglês). 14 (1). 136 páginas. doi:10.1186/1471-2148-14-136 
  18. Cheke 2008, p. 71
  19. Hume, Julian P (2012). «The Dodo: From extinction to the fossil record». Geology Today (em inglês). 28 (4): 147-51. doi:10.1111/j.1365-2451.2012.00843.x 
  20. McNab, BK (1999). «On the Comparative Ecological and Evolutionary Significance of Total and Mass-Specific Rates of Metabolism». Physiological and Biochemical Zoology (em inglês). 72 (5): 642-4. doi:10.1086/316701 
  21. Worthy, TH (2001). «A giant flightless pigeon gen. et sp. nov. and a new species of Ducula (Aves: Columbidae), from Quaternary deposits in Fiji». Journal of the Royal Society of New Zealand (em inglês). 31 (4): 763-94. doi:10.1080/03014223.2001.9517673 
  22. a b c d e f g Rothschild 1907, pp. 177-9
  23. a b c d e f Fuller 2001, pp. 203-5
  24. Newton, A; Newton E (1867). «On the Osteology of the Solitaire or Didine Bird of the Island of Rodriguez, Pezophaps solitaria (Gmel.)». Proceedings of the Royal Society of London (em inglês). 16: 428–33. doi:10.1098/rspl.1867.0091 
  25. a b c d e f g h i j Hume, Julian P; Steel L, André AA, Meunier A (2014). «In the footsteps of the bone collectors: Nineteenth-century cave exploration on Rodrigues Island, Indian Ocean». Historical Biology (em inglês). 1. doi:10.1080/08912963.2014.886203 
  26. a b c Hume 2012, pp. 137-8
  27. a b c d e f Livezey, BC (1993). «An Ecomorphological Review of the Dodo (Raphus cucullatus) and Solitaire (Pezophaps solitaria), Flightless Columbiformes of the Mascarene Islands». Journal of Zoology (em inglês). 230 (2): 247–92. doi:10.1111/j.1469-7998.1993.tb02686.x 
  28. a b c d e Cheke 2008, p. 45
  29. a b c d Fuller 2002, pp. 156-64
  30. Rand, AL (1954). «On the Spurs on Birds' Wings» (pdf). The Wilson Bulletin (em inglês). 66 (2): 127–34 
  31. Amadon, D (1951). «Inbreeding and Disease». Evolution (em inglês). 5 (4). 417 páginas. doi:10.2307/2405692 
  32. Rodríguez-Pontes, MNA (2014). «Digital reconstruction of Rodrigues Solitaire (Pezophaps solitaria) (Aves: Columbidae) physical appearance based on early descriptive observation and other evidence». Historical Biology (em inglês). 1. doi:10.1080/08912963.2014.954569 
  33. a b c Cheke 2008, pp. 167-8
  34. Cheke 2008, pp. 49-52
  35. Storer, RW (1970). «A possible connection between crop milk and the maximum size attainable by flightless pigeons». The Auk (em inglês). 122 (3): 1003-4. doi:10.1642/0004-8038(2005)122[1003:APCBCM]2.0.CO;2 
  36. Hume, JP (2003). «The journal of the flagship Gelderland – dodo and other birds on Mauritius 1601». Archives of Natural History (em inglês). 30 (1): 13-27. doi:10.3366/anh.2003.30.1.13 
  37. Leguat, F (1708). Voyages et Avantures de François Leguat & de ses Compagnons, en Deux Isles Desertes des Indes Orientales, etc. (em inglês) 2ª ed. Amsterdã: Jean Louis de Lorme. p. 71 
  38. a b c d Cheke 2008, pp. 111-4
  39. Owen, R (1878). «XII.—On the Solitaire (Didus solitarius, Gm.; Pezophaps solitaria, Strkl.)». Journal of Natural History Series 5 (em inglês). 1 (1): 87–98. doi:10.1080/00222937808682294 
  40. Hutchinson, GE (1954). «MARGINALIA». American Scientist (em inglês). 42 (2): 300–8. doi:10.2307/27826550 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]