Sonderkommando

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Civis marchando para as câmaras de gás, sob o olhar de soldados da Sonderkommando. A foto clandestina tirada por um judeu em Auschwitz pertence a uma série de quatro fotos tiradas que são as únicas a mostrar o processo de extermínio que acontecia no campo.
Homens do Sonderkommando se livrando de corpos de judeus mortos em Auschwitz, em agosto de 1944. É uma das poucas fotos restantes tiradas do processo de extermínio durante o Holocausto.

Sonderkommandos (alemão: [ˈzɔndɐkɔˌmando], comando especial) foram unidades de trabalho formadas por prisioneiros em campos de extermínio organizados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. A maioria dos homens apontados para estas unidades eram judeus, forçados a trabalhar até a exaustão, sob ameaça de execução, para ajudar os alemães a se livrarem dos corpos que saíam das câmaras de gás no Holocausto.[1][2] Os Sonderkommandos dos campos da morte, formados por prisioneiros, não tinham relação com o SS-Sonderkommandos, que eram unidades ad hoc formadas por membros de diferentes oficiais da SS entre 1938 e 1945.

Eram recrutados entre os prisioneiros recém chegados e tinham como função a execução das tarefas mais críticas, tais como enterrar os corpos dos prisioneiros mortos, limpeza das câmaras de gás e outros serviços aos quais os servidores alemães não gostariam de executar. Devido à condição de grupo especial, tinham alguns privilégios.

Entretanto, não duravam muito nesta função, vindo a integrar a lista de pessoas a serem exterminadas após algum tempo de serviço, sendo substituídas por novos integrantes que mais adiante eram mortos e substituídos por novos membros, e assim por diante.

Para manter em sigilo as operações de extermínio do conhecimento dos outros prisioneiros do campo de concentração, eram mantidos isolados.

Membros da unidade 1005 do Sonderkommando junto a uma máquina de esmagar ossos no campo de concentração de Janowska.

Referências

  1. Friedländer 2009, pp. 355–356.
  2. Shirer 1990, p. 970.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Bibliography[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]