Kapo (campo de concentração)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Um kapo ou funcionário prisioneiro (alemão : Funktionshäftling) era um prisioneiro em um campo de concentração nazista designado pelos guardas da SS para supervisionar o trabalho forçado ou executar tarefas administrativas.

Os Kapos eram parte da "auto-administração de prisioneiros" dos campos de concentração, o sistema se utilizava de prisioneiros para minimizar os custos de manutenção e gerenciamento dos campos, permitindo que os campos funcionassem com menos pessoal da SS. O sistema foi projetado para tornar as vítimas contra as vítimas, pois os funcionários prisioneiros eram confrontados com seus companheiros de prisão, a fim de manter o favor de seus superintendentes da SS. Se fossem rebaixados, retornariam ao status de prisioneiros comuns e estariam sujeitos a outros kapos. Muitos funcionários prisioneiros foram recrutados das fileiras de gangues criminosas violentas, esses condenados eram conhecidos por sua brutalidade em relação a outros prisioneiros. Essa brutalidade foi tolerada pela SS e era parte integrante do sistema de campos.

Os funcionários prisioneiros foram poupados de abuso físico e trabalho duro, desde que cumprissem seus deveres para a satisfação dos funcionários da SS. Eles também tiveram acesso a certos privilégios, como roupas civis e uma sala privada[1].  Enquanto os alemães costumavam chamá-los de kapos , o termo oficial do governo para funcionários prisioneiros era Funktionshäftling .

Sistema de economia e manipulação nos campos de concentração[editar | editar código-fonte]

Os campos de concentração eram controlados e gerenciados pela SS, mas a organização diária era complementada pelo sistema de prisioneiros funcionais, uma segunda hierarquia que tornava mais fácil para os nazistas controlarem os campos. Às vezes, os funcionários prisioneiros chegavam a 10% dos presos do campo[2].  Os nazistas conseguiram manter o número de funcionários remunerados que tinham contato direto com os prisioneiros muito baixo em comparação com as prisões normais hoje. Sem os prisioneiros funcionais, as administrações dos campos da SS não teriam sido capazes de manter as operações diárias dos campos funcionando sem problemas. Os kapos costumavam fazer esse trabalho para obter alimentos extras, cigarros, álcool ou outros privilégios[3].

Um bracelete de um oberkapo (chefe kapo).

Os funcionários prisioneiros eram frequentemente odiados por outros prisioneiros.  Enquanto alguns líderes de quartel ( Blockälteste ) tentaram ajudar os prisioneiros sob seu comando, ajudando-os secretamente a conseguir comida extra ou empregos mais fáceis, outros estavam mais preocupados com sua própria sobrevivência e, para esse fim, fizeram mais para ajudar a SS[4].

Dominação pelo terror[editar | editar código-fonte]

As SS usavam dominação e terror para controlar as grandes populações dos campos com apenas alguns funcionários da SS.As regras draconianas do campo, a constante ameaça de espancamentos, humilhações, punições e a prática de punir grupos inteiros pelas ações de um prisioneiro eram tormentos psicológicos e físicos, além da fome, e exaustão física do trabalho árduo. Os guardas prisioneiros foram usados ​​para pressionar outros internos a trabalharem mais, economizando a necessidade de supervisão paga da SS. Muitos kapos se sentiram presos no meio, sendo vítimas e agressores. Embora os kapos geralmente tivessem má reputação, muitos sofreram culpa por suas ações, tanto no momento quanto após a guerra, como revelado em um livro sobre kapos judaicos.[5] Os kapos tiveram um papel ativo nos espancamentos, até matando companheiros de prisão, alguns inclusive foram alistados nas Waffen SS depois de 1942[6].  Alguns guardas foram pessoalmente envolvidos no assassinato em massa de outros prisioneiros. A partir de outubro de 1944, funcionários criminosos do Reichsdeutsche alemão foram procurados para transferência para a Brigada Dirlewanger[7].

Referências

  1. Frei, Norbert.; Steinbacher, Sybille, 1966-; Wagner, Bernd C., 1968-; Institut für Zeitgeschichte (Munich, Germany) (2000). Ausbeutung, Vernichtung, Öffentlichkeit : neue Studien zur nationalsozialistischen Lagerpolitik. München: K.G. Saur. ISBN 3-598-24033-3. OCLC 44588188 
  2. Schemmel, Marc. (2007). Funktionshäftlinge im KZ Neuengamme : zwischen Kooperation und Widerstand. Saarbrücken: VDM Verlag Dr. Müller. ISBN 3-8364-1718-9. OCLC 255731136 
  3. Wolf, René (dezembro de 2007). «Judgement in the Grey Zone: the Third Auschwitz ( Kapo ) Trial in Frankfurt 1968». Journal of Genocide Research (em inglês). 9 (4): 617–635. ISSN 1462-3528. doi:10.1080/14623520701644432 
  4. Gilbert, Shirli. (2005). Music in the Holocaust : confronting life in the Nazi ghettos and camps. Oxford: Clarendon Press. ISBN 978-0-19-151547-7. OCLC 133074799 
  5. Lotter, Maria-Sibylla (2019). «Ich bin schuldig, weil ich bin (weiß, männlich und bürgerlich). Politik als Läuterungsdiskurs». Nomos Verlagsgesellschaft mbH & Co. KG: 67–86. ISBN 978-3-8452-9689-0 
  6. Eiber, Ludwig.; Sigel, Robert. (2007). Dachauer Prozesse : NS-Verbrechen vor amerikanischen Militärgerichten in Dachau 1945-48 ; Verfahren, Ergebnisse, Nachwirkungen. Göttingen: Wallstein. ISBN 978-3-8353-0167-2. OCLC 181090319 
  7. Frei, Norbert.; Steinbacher, Sybille, 1966-; Wagner, Bernd C., 1968-; Institut für Zeitgeschichte (Munich, Germany) (2000). Ausbeutung, Vernichtung, Öffentlichkeit : neue Studien zur nationalsozialistischen Lagerpolitik. München: K.G. Saur. ISBN 3-598-24033-3. OCLC 44588188 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um conflito armado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.