SN Álvaro Alberto (SN-10)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SN Álvaro Alberto
Réplica do submarino nuclear
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Operador Marinha do Brasil
Fabricante Itaguaí Construções Navais
Homônimo Álvaro Alberto da Mota e Silva
Estaleiro Complexo Naval Industrial de Itaguaí
Número de registo SN-10
Estado em fase de projeto
Características gerais
Tipo de navio submarino nuclear
Deslocamento 6 mil toneladas[1]
Comprimento 100 m[1]
Propulsão reator nuclear naval brasileiro do tipo PWR
Velocidade em torno de 24 nós, podendo chegar a 26 nós
Autonomia ilimitado (depende do estoque de mantimentos e das condições da tripulação)[1]
Profundidade 350 m[1]
Tripulação 100 homens[1]

O SN Álvaro Alberto (SN-10) é um projeto de submarino nuclear que está em desenvolvimento pela Marinha do Brasil, em parceria com a França.[2]

A primeira embarcação será batizada em homenagem ao vice-almirante da Marinha do Brasil e cientista brasileiro Álvaro Alberto da Mota e Silva. O Brasil é um dos poucos países do mundo que detêm um projeto para a construção de um submarino nuclear voltado exclusivamente para a caça de outros submarinos, que não carregará mísseis balísticos.[3]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O projeto do submarino nuclear brasileiro remonta à década de 1970. Em um período de aproximadamente 20 anos, a Marinha do Brasil dominou o ciclo do combustível nuclear e pôde dar início à construção do reator nuclear que está sendo desenvolvido no Centro Experimental Aramar em Iperó, que será comportado no submarino.

O trabalho de Projeto foi iniciado no dia 6 de julho de 2012, por meio do Prosub - Programa de Desenvolvimento de Submarinos, tendo a base de Itaguaí, no Rio de Janeiro, como ponto de desenvolvimento e fabricação das embarcações.[4]

Classe Riachuelo[editar | editar código-fonte]

Uma das fases do projeto, foi o domínio da construção do casco, obtido por meio de transferência de tecnologia junto à França, por meio da Classe Riachuelo (S-BR), composta por quatro embarcações de propulsão diesel-elétrica, desenvolvidas da Classe Scorpéne.[5]

O primeiro submarino da família, o S 40 Riachuelo, foi lançado ao mar em 2019.

Características[editar | editar código-fonte]

O SN Álvaro Alberto terá um diâmetro de 9,8 metros, ante os 6,2 metros do S-BR, para poder acomodar o reator nuclear e um reator de água pressurizada, também referido pela sigla PWR (do inglês pressurized water reactor).

Seu comprimento será de 100 metros, deslocamento de cerca de 6 000 toneladas, com propulsão turbo-elétrica de 48 MW de potência.[6]

Referências

  1. a b c d e Marinha do Brasil. Programa Nuclear da Marinha. Acesso em 20 de novembro de 2016
  2. «Base de submarino nuclear começará a ser construída em fevereiro». Terra. 30 de janeiro de 2010. Consultado em 11 de junho de 2010 
  3. Caiafa, Roberto. «Amazul e Marinha do Brasil: Projeto Detalhado do Submarino Nuclear Álvaro Alberto, a próxima fase. | Tecnodefesa». Consultado em 26 de junho de 2019 
  4. «O PROSUB | PROSUB». www.marinha.mil.br. Consultado em 26 de junho de 2019 
  5. «DefesaNet - PROSUB S40 - S40 Riachuelo - Primeiro submarino de classe Riachuelo da MB é lançado ao mar». www.defesanet.com.br. Consultado em 26 de junho de 2019 
  6. «Submarino Nuclear Brasileiro 'Alvaro Alberto' (SN 10)». Defesa Aérea & Naval. 7 de dezembro de 2012. Consultado em 26 de junho de 2019 


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.