Tabebuia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaTabebuia
Ipê

Ipê
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Bignoniaceae
Género: Tabebuia
Gomes ex DC.
Espécies
Ver texto
Sinónimos
Couralia Splitg.
Handroanthus Mattos
Leucoxylon Raf.
Potamoxylon Raf.
Proterpia Raf.
Roseodendron Miranda

Tabebuia, conhecido popularmente como ipê, pau-d'arco, peúva, ipé[1] e ipeúna,[2] é o gênero neotropical mais comum da família Bignoniaceae. Em 1978, a lei 6 507 oficializou a flor do ipê como a flor nacional do Brasil.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Ipê" e "ipé" provêm do tupi ï'pé, "árvore cascuda".[4] . "Pau-d'arco" é uma referência a seu uso pelos povos indígenas do Brasil como matéria-prima para confecção de arcos.[5] "Ipeúva" provém do tupi ip'ïwa, "árvore da casca".[6] [7]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

As árvores do gênero são de grande porte, decíduas. Possuem copas abertas e irregulares nos indivíduos jovens, enquanto, nos adultos, são arredondadas e elevadas. Seus troncos têm cor parda-escura. Os ritidomas são longitudinais, sulcados e fissurados transversalmente nas plantas adultas, apesar de serem lisos nas jovens.

As folhas são opostas cruzadas, compostas, digitadas com cinco folíolos, coriáceos, pubescentes em ambas as faces, oblongas, de base arrendondada ou cuneada, quase truncadas. As flores apresentam-se em tríades em conjuntos de inflorescências róseo-violáceas. Os frutos são de até 30 centímetros, deiscentes, cilíndricos. Suas sementes têm até dois centímetros e são aladas, sendo inúmeras por fruto.[8] [9]

Por sua grande variedade de espécies, autores sugeriram a revisão do gênero, de forma que ele fique restrito a árvores de flores brancas a vermelhas e que as espécies de flores amarelas, com folhas pilosas e de madeira dura (contendo lapachol), passem a pertencer ao gênero Handroanthus.[10]

Espécies[editar | editar código-fonte]

São 74 espécies reconhecidas,[11] com várias cores de flor. Nem todas são conhecidas popularmente como "ipê".[12] [13] [14] [15]

Tabebuia avellanedae no Parque Brigadeiro Eduardo Gomes, no Rio de Janeiro, no Brasil
Tabebuia avellanedae na Reserva São Rafael, no Paraguai
Tabebuia aurea em Hyderabad, na Índia
Ipê no município de Imperatriz, no Maranhão, no Brasil
Frutos e sementes de Tabebuia sp. em exposição no Museu de Toulouse

Flores do gênero Tabebuia[editar | editar código-fonte]

Utilidades[editar | editar código-fonte]

A casca e entrecasca das espécies conhecidas como ipê ou pau-d'arco (especialmente o Tabebuia avelandade) possuem propriedades medicinais de uso tradicional na América do Sul

As espécies deste gênero são importantes para obtenção de madeira usada para mobília e outros usos ao ar livre. É mais densa do que a água.

É cada vez mais popular como um material de deques devido a sua resistência contra insetos e sua durabilidade. Em 2007, a madeira certificada do ipê tinha se tornado prontamente disponível no mercado, embora os certificados fossem forjados ocasionalmente.

O ipê é amplamente utilizado como a árvore decorativa nos trópicos em jardins, nas praças públicas e bulevares devido à sua florescência impressionante e colorida. As flores aparecem no fim do inverno, junto com o período de queda das folhas. São úteis como plantas de mel para abelhas, e são popular com determinados colibris. A casca de diversas espécies tem propriedades medicinais. A casca é seca e fervida, produzindo fazendo um chá amargo ou ácido: o chá da casca interna de ipê (T. impetiginosa). É um remédio erval usado tipicamente durante a gripe e a estação fria, facilitando, ainda, a tosse do fumante. Trabalha aparentemente como expectorante, estimulando, através da tosse, que os pulmões se livrem do muco contaminado.

As flores do ipê branco e amarelo podem ser utilizadas na alimentação tanto cruas quanto cozidas/fritas.[16]

São dotadas de lenho muitíssimo resistente à putrefação. Sua madeira é muito dura e resistente: é branca, levemente rosada, uniforme, leve, macia e durável, própria para marcenaria fina.

Notas

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.966
  2. Apremavi. Disponível em http://www.apremavi.org.br/noticias/apremavi/584/ipe-amarelo-a-cor-dourada-do-brasil. Acesso em 14 de agosto de 2015.
  3. Fundação Joaquim Nabuco. Disponível em http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&id=668. Acesso em 14 de agosto de 2015.
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.966
  5. http://www.apremavi.org.br/noticias/apremavi/584/ipe-amarelo-a-cor-dourada-do-brasil
  6. http://www.apremavi.org.br/noticias/apremavi/584/ipe-amarelo-a-cor-dourada-do-brasil
  7. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p. 1 323
  8. Francisco Coelho Alencar. Arborização Urbana no Distrito federal. Brasília: Secretaria de Publicações do Senado federal. 2008
  9. Manoel Claudio. 100 Árvores do Cerrado. Guia de Campo: Rede de sementes do cerrado. 2005
  10. [1] Grose, Susan O.; Olmstead, R.G. Taxonomic Revisions in the Polyphyletic Genus Tabebuia s. I. (Bignoniaceae) Systematic Botany, Volume 32, Number 3, July 2007, pp. 660-670(11)
  11. {{subst:PAGENAME}} (em inglês) The Plant List (2010). Visitado em 20/12/2014.
  12. Catalogue of Life:2008 Annual Checklist
  13. IUCN Red List
  14. Flora Brasiliensis
  15. Fundação Biodiversitas
  16. Plantas Alimentícias Não Convencionais-Panc No Brasil. Kinupp, Valdely Ferreira; Lorenzi, Harri. ISBN: 978-85-86714-46-7.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies