Tair ibne Huceine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tahir ibn Husayn)
Ir para: navegação, pesquisa
Tair ibne Huceine
Emir taírida
Dirrã de Tair ibne Huceine
821-822
Predecessor -
Sucessor Talha
Descendência
Talha, Abdalá, Motaar[1]
Nome completo
طاهر بن حسین; طاهر بن الحسين
Casa Taírida
Pai Huceine
Nascimento 775/776
Puxanje
Morte 822
Marv
Religião Islão sunita

Tair ibne Huceine (em persa: طاهر بن حسین; em árabe: طاهر بن الحسين; Puxanje, 775 - Marv, 822), também conhecido como Tair, o Ambidestro (em árabe: ذو اليمينين; transl.: Dhu'l-Yaminayn), Tair, o Caolho ou Tair Alavar (em árabe: الأعور; transl.: al-A'war), foi um general iraniano e governador durante o Califado Abássida. Especificadamente, serviu sob al-Ma'mum durante a Quarta Fitna e liderou os exércitos que derrotariam al-Amin, fazendo al-Ma'mum califa. Ele foi então recompensado com a nomeação para governador do Coração, que marcou o começo da dinastia taírida.

Vida[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Tair nasceu em 775/776 em Puxanje que era uma vila próxima da antiga cidade de Herat, no Coração.[2] Veio do ceio duma família nobre dehqan[3] que distinguiu-se desde a Revolução Abássida, e foram anteriormente recompensados com governos menores no Coração Oriental por seus serviços aos abássidas. Seu pai Ruzaique foi um maula de Talha ibne Abdalá al-Cuza'i, um nobre árabe da tribo Cuza'a, que serviu como governador do Sistão. O filho de Ruzaique, Muçabe, foi governador de Puxanje e Herat. O filho de Muçabe, Huceine, que era pai de Tair, também exerceu a função de seu pai em Puxanje e Herat, posição posteriormente assumida por Tair.[4]

Sob o governador do Coração, Ali ibne Issa ibne Maane, houve revoltas na província devido sua crueldade e perseguição de outras famílias nobres, incluindo a de Tair, que foi maltratado.[2] Provavelmente ele envolveu-se na rebelião de Rafi ibne al-Laite iniciada em Samarcanda, Transoxiana, muito embora seja mencionado como tendo participado na expedição liderada por Hartama ibne Aiane em 805/806 contra Rafi.[1] [5] Na ocasião, o califa Harune Arraxide havia deposto Ali ibne Issa e enviou o general Hartama contra Rafi,[6] obrigando o último a retornar à obediência.[7] [8] Durante o evento, Tair perdeu um olho num acidente, o que lhe rendeu o apelido de Alavar (al-A'war - "o Caolho"). Alegadamente Tair ofendia-se facilmente quando alguém mencionada seu problema ocular; Tair teria ameaçado um poeta que humilhou-o ao mencionar a perda de seu olho num poema.[1]

Guerra Civil Abássida[editar | editar código-fonte]

Dracma de al-Amin (r. 809–813)

Em 810, o califa al-Amin (r. 809–813), e seu irmão, al-Ma'mum, conflitaram pela sucessão califal, o que culminaria numa guerra civil; em janeiro de 811, al-Amin formalmente começou a Grande Guerra Civil Abássida quando renomeou Ali ibne Issa como governador do Coração e colocou-o como chefe dum exército incomumente grande de 40 000 ou 50 000 soldados,[9] recrutado de dentre os membros do grupo de elite conhecido como abna, e enviou-o para depor al-Ma'mum. Quando Ali ibne Issa partiu para o Coração, relatadamente carregou consigo algumas correntes de prata com as quais prenderia al-Ma'mum e enviaria-o para Bagdá.[10] As notícias da aproximação de Ali deixaram a população do Coração em pânico, e mesmo al-Ma'mum considerou a necessidade de fugir. A única força militar disponível era um pequeno exército de aproximados 4 000–5 000 soldados sob Tair. Tair foi enviado impedir o avanço de Ali, um missão amplamente considerada como suicida, mesmo por seu pai. Os dois exércitos encontraram-se em 3 de julho de 811 em Rei, nas fronteiras ocidentais do Coração, numa batalha que mostrar-se-ia uma vitória esmagadora dos coraçanes, na qual Ali foi morto e seu exército foi desintegrado e obrigado a fugir para oeste.[11] [12] [13] Foi nesta ocasião, alegadamente por ter dividido um homem ao meio utilizando a mão esquerda, que Tair recebeu o epíteto de "o Ambidestro" (em árabe: ذو اليمينين; transl.: Dhu'l-Yaminayn). Além disso, foi louvado pelos cronistas como aquele que "ataca com a fúria dos carijitas" (ihmilu hamlatan khdrijiyyatan) e pelo uso de espiões.[6]

A vitória inesperada de Tair foi decisiva: a posição de al-Ma'mum foi assegurada, enquanto seus principais oponentes, os abna, perderam homens, prestígio e o líder mais dinâmico deles. Tair então avançou para oeste, derrotando outro exército abna de 20 000 soldados sob Abdal Remane ibne Jabala após uma série de duros confrontos próximo de Hamadã. O exército lealista foi obrigado a recuar para Hamadã, onde foi sitiado. Os abna eram odiados pelos locais, e Abdal Remane rendeu-se mediante salvo-conduto por medo duma revolta. Com isso, Tair dedicou-se à expulsão de outros oficiais lealistas estacionados na província de Jibal e colocou uma guarnição em Cazvin. Mais adiante, Abdal Remane realizou um fracassado ataque contra Tair, sendo derrotado e morto no processo. Após esta nova vitória, Tair dirigir-se para Hulvan, onde invernou.[1] [14]

Em 811-812, al-Amin desesperadamente tentou restabelecer suas forças ao firmar alianças com as tribos árabes, notadamente os Banu Chaibam da Jazira e os Banu Cais da Síria. O veterano Abdal al-Malique ibne Sali foi enviado à Síria para mobilizar suas tropas junto do filho de Ali ibne Issa, Huceine,[15] mas logo faleceria. Al-Amin conseguiu reunir um exército de 40 000 homens,[1] dos quais 20 000 pertenciam a Amade ibne Maziade Chaibam,[16] que foi designado como chefe da expedição contra Tair, e os outros 20 000 eram abna.[1] Esses esforços, contudo, fracassariam devido a prolongada cisão inter-tribal entre os Cais e Calbes, a relutância dos sírios em envolverem-se na guerra civil, bem como a falta de vontade dos abna em cooperar com as tribos árabes e fazer concessões políticas para eles.[13] Estes esforços falhos para assegurar o apoio árabe produziram efeitos negativos para al-Amin, com os abna começando a questionar se seus interesses eram melhor servidos por ele.[15] Em março de 812, Huceine ibne Ali liderou um golpe de curta duração contra al-Amin em Bagdá, proclamando al-Ma'mum como o califa legítimo, até um contra golpe, liderado por outras facções dentro dos abna, restaurar al-Amin ao trono. Fadal ibne al-Rabi, um dos principais instigadores da guerra, concluiu que a causa de al-Amin estava perdida e resignou de seus ofícios cortesãos. Aproximadamente pela mesma época, al-Ma'mum foi oficialmente proclamado califa, enquanto seu vizir Fadal ibne Sal adquiriu o título único de Dul-Riasatain (Dhu 'l-Ri'asatayn - "ele [que controla] as duas chefias"), significando seu controle sobre a administração civil e militar.[13]

Iraque e regiões vizinhas no século IX

Na primavera de 812, as tropas de Hartama ibne Aiane foram enviadas para assegurar os territórios conquistados por Tair, enquanto o último prosseguiria sua marcha em direção a Avaz, no Cuzistão, onde derrotou e matou o governador mualabida Maomé ibne Iázide, após o que os mualabidas de Baçorá renderam-se para ele. Tair avançou ainda mais e capturou Vasit e al-Mada'in, enquanto Hartama, após destruir um pequeno exército, dirigiu-se para Naravan. Vastas porções da Arábia Oriental, Cufa e Meca bem como membros da família abássida desertaram para Tair e reconheceram al-Ma'mum como califa.[1] Ao mesmo tempo, a autoridade de al-Amin colapsou com os apoiantes de al-Ma'mum tomando controle de Moçul, Egito e Hejaz e líderes tribais locais árabes apossando-se de boa parte da Síria, Armênia e Azerbaijão.[17] Com a aproximação do exército de Tair, a cisão entre al-Amin e os abna foi solidificada quando o califa, movido pelo desespero, virou-se para o povo comum da cidade por ajuda e deu-lhes armas. Os abna começaram a desertar para Tair em massa, e em agosto de 812, quando o exército de Tair apareceu diante da cidade, ele estabeleceu seus quarteis no subúrbio de Hárbia (Harbiyya), tradicionalmente um forte abna.[15]

O estudioso do islamismo Hugh N. Kennedy caracteriza o cerco subsequente da cidade como "um episódio quase sem paralelo na história da sociedade islâmica precoce" e "o mais próximo [que a] história islâmica precoce viu duma tentativa de revolução social", com o proletariado urbano de Bagdá defendendo sua cidade por quase um ano numa viciosa guerra de guerrilha urbana.[18] [19] De fato, foi esta situação "revolucionária" na cidade bem como a fome e a experiência profissional dos sitiantes que provocou a queda da capital: em setembro de 813, Tair convenceu alguns dos cidadãos ricos a cortar as pontes flutuantes sobre o rio Tigre que conectavam a cidade com o mundo exterior, permitindo que os homens de al-Ma'mum ocupassem os subúrbios orientais da cidade. Tair então lançou um assalto final, no qual al-Amin foi capturado e executado sob suas ordens enquanto tentava procurar refúgio com Hartama, um antigo amigo de sua família.[17] [20] A cabeça dele foi decapitada e exibida antes de ser enviada para al-Ma'mun junto duma carta de Tair na qual, segundo cronista al-Tabari, ele explica os eventos concernentes à morte do califa.[1]

Governo do Coração e morte[editar | editar código-fonte]

Coração sob os taíridas em 836

Em 814, após a vitória na guerra civil, o novo califa al-Ma'mum nomeou Tair à posição de governador da Jazira e Síria. Nessa posição, recebeu a missão de subjugar Nácer ibne Xabate al-Ucaili e seus apoiantes, muitos deles pró-aminidas. De início Tair fez sua base em Harrã, mas o desregramento de suas tropas forçou-o a fugir à noite e acampar em Raca, no Eufrates, que tornar-se-ia sua base de operações. Apesar de sua habilidade, Tair falhou em fazer qualquer progresso contra Nácer e os contingentes árabes tribais, que continuaram a aterrorizar a região por mais uma década.[21] Segundo algumas das fontes do período, na realidade Tair preferiu ignorar os rebeldes em vez de tentar detê-los efetivamente, preferindo, segundo Miguel, o Sírio, dedicar-se a filosofia e estudos religiosos; estas conclusões são questionadas pelo cronista ibne Atame.[1]

Pelos anos subsequentes, Tair aproveitou sua posição em Raca para acumular considerável riqueza e estabelecer um poderoso séquito de seguidores recrutados dentre seus veteranos e parentes, bem como de antigos líderes dos abna e membros da família abássida, o que iria torná-lo indispensável para a manutenção da ordem. Em vista disso, e devido ao caos instaurado no Iraque desde o assassinato do vizir Fadal ibne Sal em 818, quando chegou na região em 819, al-Ma'mum convocou Tair e nomeou-o saibe da churta, ou seja, o comandante do efetivo policial responsável por proteger a capital,[1] uma posição que seria ocupada pelos taíridas até ao menos o começo do século X, bem como seria incumbido com a recolha das receitas provenientes da tributação do Savad, o rico e fértil distrito iraquiano.[21] Por este tempo, al-Ma'mum convenceu-o a abandonar o verde dos alidas como cor oficial em detrimento do tradicional preto abássida, ao passo que Tair esteve envolvido na reconciliação de Fadal ibne al-Rabi com o califa.[1] Seu harém, situado na porção ocidental de Bagdá, era um dos edifícios mais opulentos desta parte da cidade e logo tornar-se-ia sede dos governadores taíridas e então dos próprios califas; pelo tempo de seu filho Abdalá, o harém adquiriria estatuto quase real e, consequentemente, direitos de santuário.[22]

Em 821, foi reconvocado de seu posto e então recompensado com o governo do Grande Coração e de todas as demais províncias califais orientais. Alegadamente teria recebido esta posição por instigação própria como forma de ser removido da corte devido ao fato de al-Ma'mum ter se voltado contra ele. Essa versão, contudo, é improvável e provavelmente sua nomeação deveu-se a uma pequena intriga arquitetada pelo vizir Amade ibne Abi Calide Alaval contra o governador incumbente do Coração, Gassane ibne Abade, um protegido e parente do vizir anterior, Haçane ibne Sal.[23] Logo que chegou no oriente, Tair começou a consolidar sua autoridade sobre a região, nomeando vários oficiais para certos ofícios, incluindo Maomé ibne Huceine Cusi, que foi nomeado, segundo a História do Sistão, como governador do Sistão. Tair então declarou independência do Califado Abássida em 822 ao omitir quaisquer menções de al-Ma'mum durante os sermões da sexta-feira e sobre algumas moedas cunhadas por ele.[4] Ele faleceria em 822 em Marv,[5] possivelmente por envenenamento sob ordens de al-Ma'mum ou do vizir Amade ibne Abi Calide. No entanto, al-Ma'mum nomeou o filho de Tair como seu sucessor no governo.[23] Diz-se que Tair teria dito suas últimas palavras em persa, sua língua nativa.[4]

Legado[editar | editar código-fonte]

Diz-se que Tair foi bem educado em árabe e persa.[5] Em data desconhecida durante sua vida encomendou do teólogo cristão Teodoro Abucara a tradução do texto pseudo-aristotélico De virtutibus animae para o árabe.[24]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k Daniel 2015
  2. a b Forstner 1983, p. 390-391
  3. Daftary 1998, p. 57
  4. a b c Bosworth 1975, p. 91
  5. a b c Bosworth 2000, p. 103
  6. a b Bosworth 1975, p. 92
  7. Pellat 1986, p. 231
  8. Kennedy 2004, p. 145
  9. Crone & 1980 178
  10. Rekaya 1991, p. 332–333
  11. Kennedy 2004, p. 148
  12. El-Hibri 2011, p. 285
  13. a b c Rekaya 1991, p. 333
  14. Daniel 1979, p. 179–180
  15. a b c Kennedy 2004, p. 149
  16. Bianquis 1997, p. 392
  17. a b Rekaya 1991, p. 334
  18. Kennedy 2004, p. 149–150
  19. Rekaya 1991, p. 333–334
  20. Kennedy 2004, p. 150
  21. a b Bosworth 1975, p. 94
  22. Bosworth 1975, p. 94-95
  23. a b Bosworth 1975, p. 95
  24. Griffith 2008, p. 61; 107

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bianquis, Ph.. In: Bosworth, C. E.; Bearman, P. J.; Bianquis, Ph; Donzel E. van; Heinrichs, W. P.. A Enciclopédia do Islamismo. Leida e Nova Iorque: Brill, 1997. Capítulo: Shayban. , 391-395 p. vol. IX - SAN — SZE. ISBN 90 04 10422 4
  • Bosworth, C. E.. In: Frye, R.N.. The Cambridge History of Iran, Volume 4: From the Arab Invasion to the Saljuqs. Cambridge: Cambridge University Press, 1975. Capítulo: The Ṭāhirids and Ṣaffārids. , ISBN 0-521-20093-8
  • Bosworth, C. E.. In: Bosworth, C. E.; Bearman, P. J.; Bianquis, Ph; Donzel E. van; Heinrichs, W. P.. A Enciclopédia do Islamismo. Leida e Nova Iorque: Brill, 2000. Capítulo: TAHIR B. AL-HUSAYN. , vol. X - T — U. ISBN 90 04 11211 1
  • Crone, Patrícia. Slaves on horses: the evolution of the Islamic polity. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press, 1980. ISBN 0-521-52940-9
  • Daftary, F.. In: Asimov, M. S.; Bosworth, C. E. Bosworth. History of Civilization in Central Asia. [S.l.]: UNESCO Publishing, 1998. vol. 4 - The age of achievement: A.D. 750 to the end of the fifteenth century.
  • Daniel, Elton L.. The Political and Social History of Khurasan under Abbasid Rule, 747–820. Mineápolis & Chicago: Bibliotheca Islamica, Inc, 1979. ISBN ISBN 0-88297-025-9
  • El-Hibri, Tayeb. In: Robinson, Chase F.. The New Cambridge History of Islam, Vol. 1: The Formation of the Islamic World, Sixth to Eleventh Centuries. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press, 2011. Capítulo: The empire in Iraq, 763–861. , 269–304 p. ISBN 978-0-521-83823-8
  • Forstner, M.. Enciclopédia Irânica. [S.l.: s.n.], 1983. Capítulo: Abu'l-Ṭayyeb Ṭaher. , 390-391 p. vol. I, Fasc. 4.
  • Griffith, Sydney H.. The Church in the Shadow of the Mosque: Christians and Muslims in the world of Islam. [S.l.]: Princeton University Press, 2008.
  • Kennedy, Hugh N.. The Prophet and the Age of the Caliphates: The Islamic Near East from the 6th to the 11th Century (Second ed.. Harlow, RU: Pearson Education Ltd., 2004. ISBN 0-582-40525-4
  • Pellat, Ch.. The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume III: H–Iram. Leida e Nova Iorque: [s.n.], 1986. Capítulo: Hart̲h̲ama b. Aʿyan. , p. 231. ISBN 90-04-09419-9
  • Rekaya, M.. The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume VI: Mahk–Mid. Leida e Nova Iorque: BRILL, 1991. Capítulo: al-Maʾmūn. , 331–339 p. ISBN 90-04-08112-7