Ferdusi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Abol-Ghasem Hassan ibn Ali Tusi (em persa ابوالقاسم حسن بن علی طوسی), apelidado Ferdusi ou Ferdowsi, em persa, فردوسی (Baji,Tus, Coração, Irã), ca. 940 - ca. 1020), foi um poeta considerado o recriador da língua persa. Escreveu a maior epopeia existente nessa língua - o Shahnameh ou "Livro dos reis" - um poema com cerca de 60.000 dísticos (versos de duas estrofes).

O apelido "Ferdowsi" vem do persa pardis (paraíso, palavra que os árabes entendiam como um plural de faradis cujo singular é firdaws, que voltou ao persa sob a forma ferdows). Segundo Nezami-ye'Aruzi, um poeta do século XII que visitou a região de Tus menos de cem anos após a morte de Ferdowsi, este pertencia a uma família de dehqan (proprietários de terras) e seria de confissão xiita. Todavia, outros pesquisadores acreditam que ele pode também ter seguido os ritos zoroastrianos pois sua família se dedicava a compilar as epopeias persas antigas e zoroastrianas do período Sassânida, escritas em pahlavi.

Para escrever o Shahnameh, Ferdowsi baseou-se principalmente no Khvatay-namak, uma narrativa escrita em pahlavi, sobre a história dos reis do Irã desde os tempos míticos até o reinado de Khosrow II (590–628). Ferdowsi versificou e atualizou a história até a derrubada da dinastia Sassânida pelos árabes, em meados do século VII. O Shahnameh foi completado em 1010, 35 anos após ter sido iniciado.

Os iranianos consideram Ferdowsi como o seu maior poeta. Apesar de escrito há cerca de 1000 anos o Shahnameh ainda é inteligível no Irã moderno. Além de sua importância literária, o Shahnameh, por ter sido escrito em sua quase totalidade em persa puro, foi a chave para reviver a língua persa, então influenciada pelo árabe, e assim contribuir para a manutenção da identidade cultural iraniana.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]