Partido de Independência do Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de UKIP)
Ir para: navegação, pesquisa
Partido de Independência do Reino Unido
United Kingdom Independence Party
Líder Steve Crowther (interino)
Fundação 3 de setembro de 1993[1]
Sede Newton Abbot, Devon
Reino Unido
Ideologia Euroceticismo
Populismo
Liberalismo econômico
Anti-imigração Conservadorismo
Espectro político Direita
Membros  (2014) Baixa 32 757
(estimado)
Afiliação europeia Nenhuma
Grupo no Parlamento Europeu Europa da Liberdade e da Democracia Directa
Câmara dos Comuns
0 / 650
Câmara dos Lordes
3 / 764
Parlamento Europeu
22 / 73
Governo local
371 / 20 690
Assembléia da Irlanda do Norte
0 / 108
Cores      Roxo
     Amarelo
Página oficial
UKIP.org

O Partido de Independência do Reino Unido (em inglês UK Independence Party; ou conhecido pela sigla UKIP) é um partido político britânico eurocético[2][3] e de direita,[4] fundado em 1993, pela antiga "Liga Anti-Federalista". Eles se descrevem como um partido "democrático e libertário"[5] e afirmam, a setembro de 2014, possuir mais de 48 000 membros.[carece de fontes?]

Em maio de 2014, o UKIP conquistou a maior quantidade de votos pelo Reino Unido nas eleições europeias de 2014 dando a eles 24 dos 73 assentos a qual os britânicos tem direito no Parlamento Europeu. Esta foi a primeira que um partido britânico que não fosse o Trabalhista ou o Conservador a terminar em primeiro lugar numa eleição europeia.[6]

O partido, no começo de 2014, possuía apenas um assento na Câmara dos Comuns, três na Câmara dos Lordes e um na Assembléia da Irlanda do Norte.[7][8] Contudo, a performance nas eleições regionais no Reino Unido em 2013 acabou dando a legenda um salto a notoriedade, quando eles se tornaram o terceiro partido mais votado.[9] Esse avanço foi descrito como um dos maiores "crescimentos de um quarto partido" na história política da Grã-Bretanha desde a Segunda Guerra Mundial.[10]

Considerado um dos membros mais influentes da legenda, Nigel Farage foi o líder do partido de 2010 a 2016.[11] Farage, que é membro fundador do Ukip,[12] representa seu partido no Parlamento Europeu desde 1999.[13] Ele se candidatou para o cargo de Parlamentar nas eleições gerais de 2015, mas não foi eleito. Ele acabou renunciando a posição de líder da legenda após esse resultado insatisfatório.[14] Mas o partido não aceitou sua renúncia e ele manteve seu posto de liderança.[15] Farage, contudo, renunciou mais uma vez a posição novamente em julho de 2016 após o referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia. Ele foi substituído por Paul Nuttall. O UKIP apoiou fortemente a saída do país da UE.[16]

Segundo analistas políticos e pesquisas de opinião, era previsto que o UKIP viria forte nas eleições parlamentares de 2015 no Reino Unido. A força do partido frente a opinião pública vem aumentando consideravelmente nos últimos anos e eles devem se tornar a terceira maior força no cenário político britânico nesta década.[17] Contudo, o resultado no pleito de 2015 foi considerado insatisfatório com apenas um parlamentar sendo eleito. Mas, no geral, recebeu 3,8 milhões de votos, se tornando o terceiro partido mais votado no Parlamento britânico. Contudo, nas eleições de 2017, o poder do UKIP na vida política britânica declinou consideravelmente. O partido não conseguiu eleger um único Parlamentar e viu o número de votos populares recebidos cair drasticamente, forçando seu então líder, Paul Nuttall, a renunciar.[18]

Embora estivesse crescendo em popularidade entre os eleitores britânicos, a visão geral do partido é extremamente polarizada. Cientistas políticos afirmam que a principal base eleitoral do UKIP está na Inglaterra, mais especificamente na classe trabalhadora branca e pessoas de idade avançada. O UKIP é frequentemente criticado pela grande mídia e por vários partidos políticos (independente do espectro político), além de grupos de direitos humanos e movimentos anti-fascistas. O partido tem sido descrito como racista e xenófobo, alegações que eles negam com veemência.[19][20][21]

Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data Votos % +/- Deputados +/- Status
1997 105 722 (11.º)
0,3 / 100
0 / 659
Extra-parlamentar
2001 390 563 (5.º)
1,5 / 100
Aumento1,2
0 / 659
Estável Extra-parlamentar
2005 605 973 (4.º)
2,2 / 100
Aumento0,7
0 / 646
Estável Extra-parlamentar
2010 919 471 (4.º)
3,1 / 100
Aumento0,9
0 / 650
Estável Extra-parlamentar
2015 3 881 099 (3.º)
12,7 / 100
Aumento9,6
1 / 650
Aumento1 Oposição
2017 593 852 (5.º)
1,8 / 100
Baixa10,9
0 / 650
Baixa1 Extra-parlamentar

Eleições europeias[editar | editar código-fonte]

Data Votos % +/- Deputados +/-
1994 150 251 (7.º)
1,0 / 100
0 / 87
1999 696 057 (4.º)
7,0 / 100
Aumento6,0
3 / 87
Aumento3
2004 2 650 768 (3.º)
16,1 / 100
Aumento9,1
12 / 78
Aumento9
2009 2 498 226 (2.º)
16,6 / 100
Aumento0,5
13 / 72
Aumento1
2014 4 376 635 (1.º)
26,6 / 100
Aumento10,0
24 / 73
Aumento11

Referências

  1. Hunt, Alex. «How UKIP became a British political force». BBC News. Consultado em 11 de outubro de 2014 
  2. Fieschi, Catherine (15 de junho de 2004). «The new avengers». The Guardian. Londres: Guardian News & Media. Consultado em 13 de novembro de 2008 
  3. Wolfram Nordsieck. «Parties and Elections in Europe: The database about parliamentary elections and political parties in Europe, by Wolfram Nordsieck». Parties-and-elections.eu. Consultado em 3 de março de 2013 
  4. Abedi, Amir; Lundberg, Thomas Carl (2009). «Doomed to Failure? UKIP and the Organisational Challenges Facing Right-Wing Populist Anti-Political Establishment Parties». Oxford. Parliamentary Affairs. 62 (1): 72–87. doi:10.1093/pa/gsn036 
  5. «Constitution of the UK Independence Party». Consultado em 23 de maio de 2014. Objectives: 2.5 The Party is a democratic, libertarian Party 
  6. «What UKIP victory means». BBC. Consultado em 30 de maio de 2014 
  7. «Strangford MLA David McNarry joins UK Independence Party». BBC News. 4 de outubro de 2012 
  8. Sam McBirde, "McNarry set to join UKIP", Belfast Newsletter, 4 de outubro de 2012
  9. «Local elections: Nigel Farage hails results as a 'game changer'». BBC. 3 de maio de 2013 
  10. Watt, Nicholas (3 de maio de 2013). «Ukip will change face of British politics like SDP, says Nigel Farage». The Guardian. Londres 
  11. «Nigel Farage re-elected to lead UK Independence Party». BBC News. 5 de novembro de 2010 
  12. «Profile: Nigel Farage». BBC News. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  13. 'FARAGE, Nigel Paul', Who's Who 2013, A & C Black, 2013; online edn, Oxford University Press, Dec 2012. Página acessada em 10 de setembro de 2013.
  14. "Nigel Farage resigns as Ukip leader after election failure". Página acessada em 8 de maio de 2015.
  15. "UKIP Rejects Nigel Farage's Resignation". Página acessada em 12 de maio de 2015.
  16. "'23 de junho é nosso dia da independência', diz líder da Brexit". Página acessada em 11 de julho de 2016.
  17. "No exaggeration: Ukip is now a force to reckon with". Página acessada em 11 de outubro de 2014.
  18. «The party that birthed Brexit has sunk into total oblivion». Quartz. Consultado em 9 de junho de 2017 
  19. Tournier-Sol, Karine (2015). «Reworking the Eurosceptic and Conservative Traditions into a Populist Narrative: UKIP's Winning Formula?». Journal of Common Market Studies. 53 (1): 140–56. doi:10.1111/jcms.12208 
  20. Deacon, David; Wring, Dominic (2016). «The UK Independence Party, Populism and the British News Media: Competition, Collaboration or Containment?». European Journal of Communication. 31 (2): 169–84. doi:10.1177/0267323115612215 
  21. Predefinição:Cite website
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.