Viminal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Monte Viminal
Uma das sete colinas de Roma
O Viminal é a segunda de cima para baixo.
Nome latino Collis Viminalis
Nome italiano Viminale
Rione Monti
Edifícios Termas de Diocleciano
Palácios Palazzo del Viminale
Igrejas Santa Maria degli Angeli e dei Martiri, San Lorenzo in Panisperna
Religião Santuário de Nênia

Viminal (em latim: Collis Viminalis; em italiano: Viminale) é uma das sete colinas sobre as quais foi fundada a cidade de Roma[1]. Com 57 metros de altura em relação ao nível do mar na Piazza San Bernardo, seu nome é uma referência ao vime (planta do gênero Salix), que originalmente cobria toda região. É a menor das sete colina e está localizada entre o Quirinal, ao norte-noroeste, e o Esquilino, a sudeste. Durante o período romano, a região era delimitada pelo Vico Longo (moderna Via Nazionale), pelo bairro da Suburra e pelo Vico Patrício (moderna Via Urbana).

Atualmente toda a região é parte do rione Monti.

História[editar | editar código-fonte]

Esta colina foi anexada à cidade de Roma por Sérvio Túlio, o sexto rei de Roma[2][3][4]. Na reorganização urbana de Augusto, o Viminal foi incorporado à Regio VI Alta Semita e era um bairro residencial de classe média, quase desprovido de edifícios públicos como o vizinho Císpio, um dos cumes do Esquilino. Na Via Balbo, na Via Panisperna e na Via Santa Pudenziana, que também era parte do antigo Vico Patrício, foram descobertas ruínas de ricas residências dos séculos II e I a.C..

Mais tarde, durante o reinado de Diocleciano (r. 298-305), as gigantescas Termas de Diocleciano foram construídas no final do Vico Longo, na fronteira entre o Viminal e o Quirinal. Durante o Renascimento, o tepidário das termas foi transformado por Michelângelo, a pedido do papa Pio IV, na igreja de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri (1561).

No Viminal também estava a caserna da III coorte dos vigias e as termas conhecidas como Lavacrum Agrippinae, perto de San Lorenzo in Panisperna. O único templo conhecido na região era o Santuário de Nênia[5].

A partir dos séculos XIX e XX, vários outros edifícios notáveis foram construídos no Viminal, incluindo o Palazzo del Viminale, construído em 1923 e sede do Ministério do Interior italiano, o Teatro dell'Opera di Roma, de 1879, e o Museo dell'Istituto centrale di patologia del libro Alfonso Gallo, inaugurado em 1938 por Alfonso Gallo.

Referências

  1. «Da Geo.OnLine della Regione Lazio. Carta Tecnica Regionale 1:5000 2002 (RM _ VT _ LT ) IWS 2015» (em italiano). Cartografia.Lazio 
  2. Eutrópio, Breviarium ab Urbe condita I, 7
  3. Lívio, Ab Urbe Condita Periochae I.40
  4. Estrabão, Geografia V, 3,7.
  5. Coarelli, Filippo (1984). Guida archeologica di Roma (em italiano). Verona: Arnoldo Mondadori Editore. p. 219