Águas da Prata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município da Estância Hidromineral de Águas da Prata
"A Rainha das Águas"
Aguas da Prata - Brazil.JPG

Bandeira da Estância Hidromineral de Águas da Prata
Brasão da Estância Hidromineral de Águas da Prata
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 3 de julho de 1935
Gentílico pratense
Lema FONS AQUAE VITAE
"Fonte de Água de Vida"
Prefeito(a) Samuel da Silva Binati (PSC)
(2013–2016)
Localização
Localização da Estância Hidromineral de Águas da Prata
Localização da Estância Hidromineral de Águas da Prata em São Paulo
Estância Hidromineral de Águas da Prata está localizado em: Brasil
Estância Hidromineral de Águas da Prata
Localização da Estância Hidromineral de Águas da Prata no Brasil
21° 56' 13" S 46° 43' 01" O21° 56' 13" S 46° 43' 01" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Campinas IBGE/2008[1]
Microrregião São João da Boa Vista IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes São João da Boa Vista, Vargem Grande do Sul, São Sebastião da Grama, Poços de Caldas, Andradas
Distância até a capital 238 km
Características geográficas
Área 142,588 km² [2]
População 7 584 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 53,19 hab./km²
Altitude 840 m
Clima Tropical de Altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,81 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 192,788,000 mil IBGE/2009[5]
PIB per capita R$ 24,927 38 IBGE/2009[5]
Página oficial

Águas da Prata é um município brasileiro do estado de São Paulo, localizado a 238 km da capital, é atendida pela SP-342 que liga São Paulo a Minas Gerais, na encosta da Serra da Mantiqueira. Destaca-se por suas belezas naturais que atraem turistas de todo país.

Estância hidromineral[editar | editar código-fonte]

Águas da Prata é um dos 11 municípios paulistas considerados estâncias hidrominerais pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto a seu nome o título de Estância Hidromineral, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

História[editar | editar código-fonte]

O município de Águas da Prata deve sua existência em razão de grande quantidade de sais minerais encontradas em suas águas sendo que a origem do nome vem de uma corruptela do tupi-guarani “Pay tâ” que ao ser pronunciada pelos portugueses tornou-se “Prata” “Pay tâ” que quer dizer em tupi-guarani “água dependurada” em virtude da alta mineralização das águas que ao escorrerem próximas as minas formam estalactites. Nas nascentes era constatada a presença de animais silvestres como: antas, veados, capivaras, queixadas, porco do mato e muitos outros.

O dentista Rufino Gavião observando constatou através de uma primeira análise as múltiplas propriedades medicinais das águas existentes. A divulgação propagou-se e iniciou-se as margens da ferrovia a construção das primeiras casas, com a construção do primeiro hotel e pensões. Em 1876 foi instalada a primeira engarrafadora de água no então bairro de São João da Boa Vista, que passou a Distrito em 1926 com denominação de estância hidromineral, obtendo sua emancipação político administrativa em 3 de julho de 1935.

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

O município pertence à Diocese de São João da Boa Vista.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Igreja Nossa Senhora de Lourdes.
Interior do Balneário Teotônio Vilela.

Clima[editar | editar código-fonte]

Sua temperatura média é de 18°C, com um verão chuvoso e quente e um inverno seco e frio.

Topografia[editar | editar código-fonte]

Em sua topografia conta com dois picos:

  • O Mirante da Laginha, que, além de oferecer uma vista maravilhosa, tem instalados, no seu topo, várias torres de retransmissores de televisão, bem como atendimento de suporte da Cesp, Telesp, Polícia Militar, etc.
  • Pico do Gavião, que os aficionados de voo livre utilizam para a prática do esporte de Asa Delta e Paraglider.

O município conta com cachoeiras, cascatas, lagos artificiais e trilhas que atendem a toda faixa etária, onde o turista tem oportunidade de experimentar um contato com a natureza.

Possui uma unidade de conservação estadual com aproximadamente 48 hectares.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 7.584

  • Urbana: 6.771
  • Rural: 813
    • Homens: 3.747
    • Mulheres: 3.837

Densidade demográfica: 50,01 hab./km²

Mortalidade infantil até um ano: 12,52 por mil

Expectativa de vida: 73,11 anos

Taxa de fecundidade: 2,11 filhos por mulher

Taxa de alfabetização: 91,41%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,810

  • IDH-M Renda: 0,745
  • IDH-M Longevidade: 0,802
  • IDH-M Educação: 0,884

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O rio Quartel e Rio da Prata são enriquecidos por nascente de água mineral, destacando-se as radioativas, bicarbonatadas e magnesianas.

Entre as radioativas destaca-se a Vilela, que pode ser utilizada nas dependências do Bosque, constatando em análise a existência de 186 machês de radioatividade na fonte.

Conta com um balneário de propriedade da Secretaria de Esportes e Turismo construído na década de 70, quando recebeu o prêmio de melhor balneário da América do Sul, sendo o autor do projeto Walter Toscano, também premiado como o melhor projeto arquitetônico.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 14 dez. 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]