Andradas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Andradas
"Terra do Vinho"
Vista do Centro

Vista do Centro
Bandeira de Andradas
Brasão de Andradas
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 22 de Fevereiro de 1890
Gentílico andradense
CEP 37795-000
Prefeito(a) Rodrigo Aparecido Lopes (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Andradas
Localização de Andradas em Minas Gerais
Andradas está localizado em: Brasil
Andradas
Localização de Andradas no Brasil
22° 04' 04" S 46° 34' 08" O22° 04' 04" S 46° 34' 08" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Sul/Sudoeste de Minas IBGE/2008 [1]
Microrregião Poços de Caldas IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Poços de Caldas, Caldas, Ibitiúra de Minas, Santa Rita de Caldas, Ouro Fino, Jacutinga, Albertina, Águas da Prata (SP), Espírito Santo do Pinhal (SP), Santo Antônio do Jardim (SP) e São João da Boa Vista (SP)
Distância até a capital 463 km
Características geográficas
Área 467,403 km² [2]
População 39 416 hab. (MG: 88º) –  Estimativa IBGE/2012[3]
Densidade 84,33 hab./km²
Altitude 913 m
Clima tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,812 (MG: 19º) – muito alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 410 985,784 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 315,69 IBGE/2008[5]
Página oficial

Andradas é um município brasileiro do estado de Minas Gerais, situado na microrregião de Poços de Caldas. Sua população estimada em 2013 é de 39 416 habitantes.[3] A área é de 468,7 km² e a densidade demográfica, 75,36 hab/km².

A cidade também é formada por dois distritos: Gramínea e Campestrinho.

História[editar | editar código-fonte]

O povoamento que gerou a cidade de Andradas começou a acontecer no início do século XIX, período de decadência da extração do ouro na região central do Estado e emergência da pecuária bovina e agricultura em outras regiões do Estado, embora desde 1792 "campos" da região já tivessem sido citados em inventários registrados por memorialistas como símbolos do início da ocupação local.[6] A partir da década de 30 do mesmo século, começam a ser registradas as hipotecas e escrituras de compra e venda de terras do emergente núcleo populacional.[6]

Documentações do século XIX mostram que a ocupação se deu especialmente a partir da segunda quinzena do mesmo século, mas o crescimento populacional se concentrou, desde então, em sua maior parte, no final do século XIX e começo do século XX, em função da chegada de imigrantes estrangeiros, vindos das fazendas de café, sobretudo de São João da Boa Vista, uma das cidades vizinhas.

Os imigrantes italianos foram os mais numerosos, mas também vieram espanhóis, gregos, libaneses, alemães, suecos e portugueses, conforme destaca o livro Os Estrangeiros na Construção de Andradas, de Nilza Alves de Pontes Marques.

Até 1888, a localidade era um distrito chamado São Sebastião do Jaguari e esteve ligada à cidade de Caldas. Desmembrou-se com o topônimo Caracol[7] , nome de uma serra que emoldura a cidade.

Em 1928, o topônimo Caracol foi alterado para Andradas, em homenagem ao ex-presidente do Estado, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, natural de Barbacena[7] , uma estratégia para bajular o político e trazê-lo à cidade e satisfazer ao interesse do presidente da Câmara da época, Orestes Gomes de Carvalho, cujo efeito não teve o propósito estabelecido. A mudança foi, portanto, arbitrária e, ainda hoje, há quem chame a cidade de Caracol[8] . Um grupo queria a volta do nome São Sebastião do Jaguari, fato destacado como um plebiscito estampado em 1932 pelo jornal O Popular.[9]

Em 1874, os moradores de São Sebastião do Jaguari endereçaram uma carta à Câmara de Mogi Mirim com o pedido para da transferência da freguesia para a Província de São Paulo. Os motivos foram econômicos e infraestruturais, mas a vila de Caldas, que havia perdido parte de seu território, viu-se ameaçada com uma possível queda na arrecadação de impostos e, em resposta, pediu a sua permanência para a Província de Minas Gerais.[6]

Os impasses territoriais para a demarcação de fronteira exigiram um estudo detalhado, na década de 90 do século XIX, para a produção cartográfica da região, mas a fixação definitiva da fronteira regional seria realizada somente em 1937.[6]

A cidade, na última década de 50, juntamente com outras cidades mineiras, tentou novamente se ligar, jurisdicionalmente, a São Paulo, haja vista que a cidade, historicamente, costuma ficar esquecida pelo governo estadual.

Em 1932, em meio a Revolução Constitucionalista, Andradas recebeu tropas para atacar o estado paulista. Na ocasião, foram cavadas trincheiras na divisa com São João da Boa Vista antevendo um ataque, que nunca aconteceu.

Terra do vinho[editar | editar código-fonte]

Com a imigração italiana, houve a consolidação da vitivinicultura do município e a construção do epíteto "Terra do Vinho", mas o cultivo de videiras foi introduzido no município no século XIX pelo Coronel José Francisco de Oliveira. Tradições orais também apontam que as vinhas podem ter sido iniciadas no município pelo Coronel Gabriel de Oliveira[6] , Joaquim Teixeira de Andrade e Francisco Daniel Pontes.

Até meados da metade do século passado, cerca de 54 famílias produziam vinho em escala comercial. Fala-se também que o número chegou a 72 unidades produtivas.[6] Atualmente, são 7 famílias, que produzem a bebida a partir de 11 variedades.

A cultura do café é atualmente a cultura agrícola predominante, empregando cerca de 9 mil pessoas no período de colheita, conforme dados da Cooperativa Agropecuária Regional de Andradas (Cara). [10]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Parte de Andradas vista do Jardim Panorama

O município de Andradas está situado no sudoeste do Estado de Minas Gerais, integrando a mesorregião Sul/Sudoeste de Minas e a microrregião de Poços de Caldas. A cidade de Andradas está a uma altitude de 920m e tem sua posição marcada pelas coordenadas geográficas 22º04'05” de latitude Sul e 46º34'04” de longitude Oeste, no ponto situado na Igreja Matriz.

Os municípios limítrofes são Poços de Caldas a noroeste e norte; Caldas a nordeste; Ibitiúra de Minas e Santa Rita de Caldas a leste; Ouro Fino a sudeste; Jacutinga e Albertina a sul; e os paulistas Santo Antônio do Jardim a sudoeste; e Espírito Santo do Pinhal, São João da Boa Vista e Águas da Prata a oeste.

Relevo[editar | editar código-fonte]

São encontradas três tipos de relevo: o primeira na porção norte, situada entre a Serra do Caracol e o limite norte do município onde predominam planaltos, com altitude entre 1 350 e 1 500 m; o segundo compreende toda a porção central do município, limitada ao norte pelas Serras do Caracol, ao sul pela do Bebedouro e a sudeste, pela Serra do Pau d'Alho, corresponde a um relevo de colinas. Os topos são planos e ligeiramente inclinados e sua altitude situa-se entre 900 e 970 m, aproximadamente; o terceira parte compreende as áreas serranas. Ao norte da cidade, localiza-se a Serra do Caracol, que se prolonga para oeste através da Serra do Gavião. As altitudes são superiores a 1 400 m, com destaque para o Pico do Gavião que situa-se a 1 657 m.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Ocupada anteriormente por matas tropicais e pelos campos de altitude, atualmente são as pastagens que predominam na região. São encontradas apenas pequenas reservas da antiga mata muito degradada. O tipo de mata mais comum é a de galeria ou mata ciliar. Nos altos planaltos, a vegetação natural é o campo de altitude, onde predominam formas vegetais rasteiras, principalmente gramíneas.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município tem como rio principal o Jaguari-Mirim, que atravessa a parte central do município vindo de Ibitiúra de Minas, onde se localiza sua nascente. Na porção norte destacam-se os ribeirões do Tamanduá e das Antas. A cidade é rica em água: há pequenos córregos, razoavelmente, caudalosos em várias propriedades rurais. Um dos córregos mais conhecidos, da cidade, é o Córrego do Mosquito. Na área urbana, outros rios são: Rio Caracol, que passa pela Vila Leite; e Rio Pirapitinga, que passa pelos bairros João Teixeira Filho, Jardim Panorama, Jardim Itália e Vila Mosconi. Outros córregos: da Farinha, do Tanque, Retirinho, Angola, Cachoeira, Cambuí, Água Espelhada e São João da Gama (este entre as serras do Bebedouro e São João). Outros ribeirões: Cocais, Prata e São João.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

O município é, desde 2008, pioneiro regional - tanto do entorno que inclui cidades paulistas, assim como no Sul de Minas[11] ) - na instalação de um aterro sanitário[12] , embora a coleta seletiva ainda não seja realizada no município e o próprio aterro ainda precise de adequação para o funcionamento.

O esgoto é descartado em rios, inclusive da área urbana, cuja irregularidade originou um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) emitido pelo Ministério Público Estadual para que o município dê o destino correto a dejetos.[13]

Entre os grupos que atuação na disseminação de políticas ambientais, como o plantio de árvores, está o Impressão Verde[14] e a ONG Caracol.

Administração[editar | editar código-fonte]

Prefeitura[editar | editar código-fonte]

Dividida, atualmente (administração 2009/2012), nas secretarias de Fazenda; Educação, Cultura, Esporte e Lazer; Planejamento Urbano e Meio Ambiente; Desenvolvimento Econômico e Turismo; Administração e Gestão de Pessoas; Saúde e Ação Social; Assessoria Imprensa, Cerimonial e Relações Públicas; Obras, Serviços Públicos e Transporte e Procuradoria Geral do Município.

Os atuais conselhos municipais são:

Câmara de vereadores[editar | editar código-fonte]

A câmara local é composta por 9 vereadores.

Sindicatos situados na cidade[editar | editar código-fonte]

Fotos do município[editar | editar código-fonte]

Bairros e distritos[editar | editar código-fonte]

Veja lista de distritos e bairros de Andradas

Movimentos culturais[editar | editar código-fonte]

A cidade realiza, anualmente, o Festival da Canção de Andradas. Gêneros como MPB e música raiz tendem a ser comuns. Preza-se, sobretudo, as composições próprias e outras como alternativa às de massa. Em 2010, o festival chegará à décima segunda edição ininterrupta.

Em 2007, foi criado o Brasil Instrumental Música, como evento expositivo, sendo comum a execução de música erudita e música clássica. O evento voltou a acontecer em 2008, 2009 e 2010 com o nome de Brasil Instrumental Andradas.

Entre 2006 e 2008 aconteceu a Festa D'Itália com o objetivo de celebrar e de refletir sobre a imigração italiana na cidade.

Mostras de artes como o Salão Andradense de Artes (Saars) e o Andradas em Arte acontecem esporadicamente (sem data fixa). É conduzido e idealizado por artistas com apoio da prefeitura local.

Em 2006 e 2007 aconteceu o Andradas Café Show com palestras, concursos, degustação de café etc.

A cidade tem também uma banda municipal: Lira da Mantiqueira e diversos corais (Coral infantil da Escola Adventista, Coral do Colégio Junqueira Lemos, Coral Municipal Infantil, Coral Municipal Adulto Acalanto, Coral Feminino Quadrangular e cerca de 5 corais da Igreja Católica), além do Grupo Violeiros de Andradas e Violeiros Mirins.

Outro grupo marcante na cidade é o Grupo das 4, formado por seresteiros, declamadores, escritores e compositores.

Há também dois grupos de Folia de Reis: Estrela Guia, coordenado por Juraci Custódio, e Andradas, conduzido por moradores do distrito Campestrinho.

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

O município possui uma biblioteca municipal. Inaugurada em 1972, a Biblioteca Municipal Delia Maria Risso de Souza possui cerca de 45 mil volumes em seu acervo bibliográfico.

Teatros[editar | editar código-fonte]

A cidade tem um teatro: Teatro Municipal José Stivanin, onde acontecem, esporadicamente, mostras de artes plásticas e peças teatrais. Semanalmente, há aulas de música (piano, violão, guitarra etc.) e de técnicas diversas de artes plásticas.

Museus[editar | editar código-fonte]

Inaugurado em 1995, o Museu Municipal João Moreira da Silva abriga vestígios de parte da história de Andradas. Hoje, ele se encontra instalado na Casa da Memória.

Pavilhão do vinho[editar | editar código-fonte]

Andradas tem um local para receber eventos culturais, o Pavilhão do Vinho, que antes recebia a Festa do Vinho, mas de lá saiu, porque o local se tornou pequeno frente a ampliação do público. Anualmente, o local recebe a exposição da Associação Comercial Industrial e Rural de Andradas (Acira), que é uma mostra, paralela à Festa do Vinho de Andradas, com empresas, mormente, de Andradas.

Feriados[editar | editar código-fonte]

  • 20 de Janeiro - Dia do Padroeiro São Sebastião
  • 22 de Fevereiro - Aniversário de Andradas

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia se baseia, sobretudo, no setor terciário (serviços), mas outros setores têm algum nível de desenvolvimento.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Destaca-se a produção de louça sanitária, indústria moveleira (empresas de organização familiar que surgiram de um pequeno negócio), confecções (de malhas, vestuário masculino e feminino em tecidos diversos e moda em couro), tecnologia vegetal (da empresa Multiplanta sai 70% das mudas de morangos produzidas em todo o Brasil) e laticínios.

A permanência de algumas indústrias na cidade graças ao fornecimento de Gás Natural Liquefeito (GNL) pela Gasmig (por meio do Consórcio Gemini, associação entre Petrobrás e White Martins).

Agropecuária[editar | editar código-fonte]

Destaca-se, sobretudo, o cultivo de café, que continua, há décadas, sendo o produto agrícola que mais retorna em recursos financeiros para produtores e para a cidade. Segundo a Pesquisa Agrícola Municipal, do IBGE (2006), divulgado em outubro de 2007, Andradas é o 19º maior produtor de café beneficiado do Estado (em quantidade) e está em os 35 maiores produtores nacionais (em rentabilidade, segundo a mesma pesquisa).

O plantio de flores se tornou um dos maiores expoentes da economia local (o maior produtor de Minas Gerais) pela vinda de produtores da cidade de Holambra/SP, haja vista que o clima ameno favorece o desenvolvimento de botões e hastes.

Em 2010, o município, com 95 hectares de área plantada, atingiu o posto de maior produtor de rosas em estufa do Brasil[15] .

Embora alguns produtores ainda permaneçam na cidade, a produção de batatas se encontra em decadência, pois a maior parte dos produtores se deslocaram para outras regiões do Estado, em decorrência, sobretudo, do esgotamento e valorização das terras.

A produção de vinhos é razoável: a cidade teve muitas vinícolas, mas a fragilidade das empresas não foi maior que a exigência de mercado, embora ainda existam adegas centenárias. Nos últimos tempos, algumas variedades têm sido acompanhadas da melhoria genética a partir de apoio do Núcleo Tecnológico ligado à EPAMIG, situado em Caldas, uma das cidades vizinhas.

Há produção de bananas, com bom nível de desenvolvimento (alta rentabilidade). Segundo a Pesquisa Agrícola Municipal( uma pesquisa do IBGE, em 2006), Andradas é o 18º maior produtor de bananas do Estado (em valor produzido).

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo tem sido sazonal, ou seja, concentrado em épocas festivas, como Festa do Vinho de Andradas, que acontece em julho de cada ano (desde 1954 quando começou a festa), e em campeonatos de vôo livre no Pico do Gavião).

Nas últimas administrações municipais, o turismo tem sido questionado e tenta-se torná-lo uma atividade importante e geradora de renda, especialmente pelas belezas naturais de Andradas e região.

A cidade faz parte da rota conhecida como Caminho da Fé, que começa na vizinha cidade de Águas da Prata passando por Andradas até a cidade de Aparecida. A cidade também está incluída no roteiro Caminhos Gerais e Rota das Capelas. Ou seja, o foco tem sido o ecoturismo, sendo a Pedra do Elefante (11 km do centro da cidade), onde será criado o Parque Ecológico do Elefante, Pedra do Pântano, Gruta das Queixadas, Toca das Andorinhas e, principalmente, o Pico do Gavião os pontos mais conhecidos.

Na Praça Coronel Antônio Augusto de Oliveira, centro da cidade, há um Centro de Atendimento ao Turista (CAT).

Religiosidade[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Católica

O município pertence à Arquidiocese de Pouso Alegre

  • Congregação Cristã no Brasil

Sede regional em Poços de Caldas

Literatura[editar | editar código-fonte]

Destacam-se integrantes do Grupo das 4, como Nilza Alves de Pontes Marques, e também Sebastião Roberto de Campos. Entre os novos escritores, Juliano Sasseron dedica-se à ficção.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Dados do IBGE de 2000, situam Andradas entre as 40 cidades brasileiras com maior expectativa de vida.A cidade tem um hospital filantrópico, a Santa Casa de Misericórdia de Andradas (Sacma); um Pronto Atendimento Municipal (PAM); dois postos do Programa de Saúde da Família (PSF), situados nos bairros Jardim Rio Negro e Horto Florestal; além de uma Unidade Básica de Saúde Vereador Manoel Adolfo Marques, situada no distrito Campestrinho. Também há um centro de atendimento a gestantes e de assistência à mulher, o Materno Infantil. Em prédio anexo está localizada a Policlínica Central, onde são aplicadas vacinas e feitos outros procedimentos médicos. Em 2010, deve ser terminada a UBS da Vila Caracol, iniciada em 2008. Em 2010, também deve ser finalizada a edificação do posto de saúde do distrito Gramínea.

Educação[editar | editar código-fonte]

Dados de 2007, apontam Andradas entre as 235 cidades brasileiras com maior Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Segundo dados do Inep, a cidade tem 29 escolas: seis estaduais, 15 municipais e oito privadas.

Segundo o Censo Escolar da Educação Básica [16] , em 2009 há em Andradas 6.383 estudantes. Em 2008, o total era de 6.502 estudantes.

Veja lista de escolas de Andradas

Esporte e lazer[editar | editar código-fonte]

Andradas também é conhecida pela prática de esportes radicais como voo livre, no famoso Pico do Gavião, onde ocorreram e ocorrem vários campeonatos, incluindo, campenatos brasileiros e uma etapa do mundial, além de escaladas na linda Pedra do Elefante, um dos cartões postais da cidade, além de outros esportes de aventura em algumas das muitas canhoeiras da cidade como a Cachoeira Olho D'água e Cachoeira dos Macacos. Tirolesa, rappel, 4x4, bike, trekking também são comuns na cidade.

Clubes[editar | editar código-fonte]

A cidade é sede do Rio Branco de Andradas Futebol Clube, também conhecido como Azulão da Mantiqueira, uma das equipes mais tradicionais do futebol mineiro. Seu estádio é o Parque do Azulão, com capacidade para 8.000 espectadores. Andradas foi a menor cidade mineira a contar com time na primeira divisão nas temporadas de 2008 e 2009. Além do estádio, o clube também tem a Sede Olímpica e uma danceteria. A cidade ainda possui o Clube Rio Branco, onde há uma instalação física com restaurante, área de eventos e bar e outra sede para eventos e prática esportiva, conhecida como sede Campestre, distante da zona urbana. Ambos os clubes estiveram ligados por muito tempo. Além desses, há também a AABB, o UVA (União dos Veteranos de Andradas), conhecido na cidade como Clube de Campo, e o Clube de Vôo Livre Gavião, localizado no Pico do Gavião.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Andradas pode ser acessada em trecho da BR-146 que liga o município a Poços de Caldas e a divisa com o Estado de São Paulo no município de Santo Antônio do Jardim ou pela MG-455 que liga Andradas a Ibitiúra de Minas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. a b Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de referência em 1 de julho de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (31 de agosto de 2012). Página visitada em 31 de março de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. a b c d e f ROVARON, Carlos Eduardo. Ocupação da região da caldeira vulcânica de Poços de Caldas-MG (séculos XVIII-XX). 2009. Dissertação (Mestrado em História Econômica). FFCLH-USP, São Paulo
  7. a b Andradas - Minas Gerais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 31 de março de 2010.
  8. FAQUIÉRI, José Constantino. Zé Barbosa - o prefeito do povo, da paz e do progresso. Rio de Janeiro: Livre Expressão, 2009, p.83
  9. SILVA, João Moreira da Silva; MARQUES, Nilza Alves de Pontes. Caminhando de Samambaia a Andradas. Campinas: Pontes, 1996, p.38
  10. Colheita do café gera nove mil empregos em Andradas - Samambaiando, 26 de maio de 2009 (visitado em 23-2-2010)
  11. Câmara Municipal de Andradas. (24 de fevereiro de 2010). Câmara acata denúncia de vereador e encaminha caso à Comissão competente, acesso em 28 de agosto de 2010
  12. Poços-net. (9 de dezembro de 2008). Andradas é a primeira cidade da região com aterro sanitário, acesso em 28 de agosto de 2010
  13. Rádio Vinícola AM. (25 de agosto de 2010). Jornal da Cidade - segunda edição
  14. Câmara Municipal de Andradas. (17 de junho de 2010). Presidente de ONG fala sobre destinação do lixo em Andradas, acesso em 28 de agosto de 2010
  15. Bertoli, Aline. (30 de abril de 2010). EPTV Sul de Minas. Pensando no Dia das Mães, produtores de Andradas investiram na diversidade
  16. http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?data=30/11/2009&jornal=1&pagina=75&totalArquivos=852

Ligações externas[editar | editar código-fonte]