Acordo do Alvor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Acordo do Alvor, assinado entre o governo português e os três principais movimentos de libertação de Angola, (MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola,[1] FNLA – Frente Nacional de Libertação de Angola e UNITA – União Nacional para a Independência Total de Angola), em Janeiro de 1975, em Alvor, no Algarve, estabeleceu os parâmetros para a partilha do poder, após a conquista da independência de Angola.[2]

Em entrevista à Agência Lusa, o dirigente socialista, António de Almeida Santos, que a 15 de Janeiro de 1975 era ministro da Coordenação Inter-Territorial e integrava a delegação portuguesa que assinou o acordo, refere que, assim que viu o documento, soube que "aquilo não resultaria".[3]

De facto, pouco tempo depois do acordo assinado, os três movimentos envolveram-se em um conflito armado pelo controlo do país e, em especial, da sua capital, Luanda, no que ficou conhecido como a Guerra civil de Angola.[4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Mensagem de Agostinho Neto ao povo angolano, 1975
  2. Embaixada de Angola em Etiópia: Acordo de Alvor
  3. AngoNotícias: Acordo de Alvor foi apenas um pedaco do papel 14 de janeiro 2005
  4. Pinheiro de Azevedo: Traição ao Acordo do Alvor
Ícone de esboço Este artigo sobre Angola é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.