Amor incondicional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O amor incondicional é conhecido como o afeto sem quaisquer limitações. Este termo é às vezes associado a outros termos tal como o verdadeiro altruísmo, amor completo, ou "amor maternal". Cada área de conhecimento tem uma certa maneira de descrever o amor incondicional, mas a maioria concorda que é esse tipo de amor que não tem limites e é imutável. É um conceito comparável ao amor verdadeiro, um termo que é mais frequentemente usado para descrever o amor entre amantes. Por outro lado, o amor incondicional é frequentemente usado para descrever o amor entre familiares, companheiros de luta e entre outros em relacionamentos altamente comprometidos. Um exemplo disso é o amor dos pais para os seus filhos, não importa uma nota de prova, uma decisão de mudança de vida, um argumento, ou uma crença forte, a quantidade de amor que permanece entre este vínculo é visto como imutável e incondicional.

Na religião, pensa-se que o amor incondicional faz parte de Os Quatro Amores: afeto, amizade, romance, e incondicional.[1] Em etologia, ou o estudo do comportamento animal, o amor incondicional remete ao altruísmo que por sua vez refere-se ao comportamento de indivíduos que aumentam a aptidão física do outro indivíduo, enquanto diminuem a aptidão física do indivíduo que comete o ato. Na psicologia, o amor incondicional remete a um estado de espírito em que o indivíduo tem o objetivo de aumentar o bem-estar do outro, apesar de qualquer evidência de benefícios para eles mesmos. O termo também é amplamente utilizado na família e em manuais de aconselhamento de casais. Ex.: Vi, te amo infinitamente, incondicionalmente, eternamente e para sempre...namora comigo?

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kramer, J. e Alstead D.; The Guru Papers: Masks of Authoritarian Power, 1993, ISBN 1-883319-00-5
  • Schnarch, David; Passionate Marriage: Keeping Love and Intimacy Alive in Committed Relationships, 1998, ISBN 0-8050-5826-5
  • Schnarch, David; Constructing the Sexual Crucible; An Integration of Sexual and Marital Therapy.
  • Schnarch, David; Resurrecting Sex: Resolving Sexual Problems and Revolutionizing Your Relationship.
  • Stendhal; On Love: The Classic Analysis of Romantic Love.
  • Tennov, Dorothy; Love and Limerence: The Experience of Being in Love, 1999.

Referências

  1. Lewis, C.S.. The Four Loves. Irlanda: Harvest Books, 1960. ISBN 0-15-632930-1