Antares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antares
Dados observacionais (J2000)
Constelação Scorpius
Asc. reta 16h 29m 24,46s [1]
Declinação -26° 25′ 55,21″ [1]
Magnitude aparente +1,09 [1]
Características
Tipo espectral M1,5Iab-b [1]
Cor (U-B) +1,87
Cor (B-V) 1,34
Variabilidade LC [2]
Astrometria
Velocidade radial -3,4 km/s [1]
Mov. próprio (AR) -10,16 mas/a [1]
Mov. próprio (DEC) -26,21 mas/a [1]
Paralaxe 5,40 ± ± 1,68 [1]
Distância 605 ± 92 anos-luz
192 pc
Magnitude absoluta -5,28
Detalhes
Massa 15,5 M
Raio 700 R
Luminosidade 11 000–65 000 L
Temperatura 3 500 K
Idade 8 × 106 anos
Outras denominações
α Scorpii, 21 Sco, Cor Scorpii, Kalb al Akrab, Scorpion's Heart, Vespertilio, HR 6134, CD -26°11359, HD 148478, SAO 184415, FK5 616, WDS 16294-2626, CCDM J16294-2626A/B, HIP 80763.[1]
Antares
Scorpius constellation map.png

Antares (α Scorpii, Alpha Scorpii) é uma estrela gigante vermelha na constelação de Scorpius. É a 16ª estrela mais brilhante do céu noturno (embora às vezes seja considerada a 15ª, se os dois componentes mais brilhantes da estrela Capella forem contados como uma estrela). Junto com Aldebaran, Spica, e Regulus, Antares é uma das quatro estrelas mais brilhantes próximas da eclíptica. Antares é uma estrela de variabilidade lenta com uma magnitude aparente de +1,09.[1]

Na Bandeira do Brasil Antares representa o estado do Piauí.

Características[editar | editar código-fonte]

Comparação entre Antares e o Sol, que é mostrado como um pequeno ponto no canto superior direito da imagem. O círculo preto é do tamanho da órbita de Marte. A outra estrela é Arcturus.

Antares é uma estrela supergigante de classe M, com um raio de aproximadamente 800 vezes o raio do Sol; se fosse colocada no centro do Sistema Solar, sua parte mais externa se encontraria entre a órbita de Marte e Júpiter. Antares está a aproximadamente 600 anos-luz (180 pc) da Terra. Sua luminosidade visual é de cerca de 10 000 vezes a do Sol, mas como a estrela irradia uma parte considerável de sua energia na parte infravermelha do espectro, sua luminosidade bolométrica é de 65 000 vezes a solar. A massa de Antares é de 15 a 18 massas solares.[3] Esse tamanho grande e relativamente pouca massa dão a Antares uma densidade muito pequena.

O tamanho de Antares pode ser calculado usando seu paralaxe e diâmetro angular. O paralaxe de Antares é de 5,40 ± 1,68 mas,[1] e seu diâmetro angular é conhecido a partir de ocultações lunares (41,3 ± 0,1 mas).[4] Isso dá à estrela um raio de 822 ± 80 raios solares.

Antares é uma estrela variável irregular lenta de tipo LC, cuja magnitude aparente varia lentamente de +0,88 a +1,16.[2]

A melhor época do ano para ver Antares é em 31 de maio, quando a estrela está em oposição com o Sol. Nesse momento, a estrela é visível a noite inteira. Por duas a três semanas do final de novembro, Antares não é visível totalmente devido ao brilho do Sol. Esse período de invisibilidade é maior no hemisfério norte do que no hemisfério sul, uma vez que a declinação da estrela é ao sul do equador celeste.

Componente B[editar | editar código-fonte]

Antares tem uma estrela companheira, Antares B, que tem classe espectral B2.5 e está a 2,9 segundos de arco, ou 550 UA, do componente principal.[3] Com uma magnitude de 5,5, Antares B tem somente 0,37% da luminosidade de Antares A, porém é 170 vezes mais brilhante que o Sol. Normalmente é difícil ver Antares B com um telescópio pequeno devido ao brilho de Antares A, mas torna-se fácil ver as duas estrelas com um telescópio com abertura de pelo menos 150 mm.[5] A companheira é frequentemente descrita como verde, mas isso provavelmente é um efeito de contraste.[3] Antares B pode ser observado com um telescópio pequeno por poucos segundo durante ocultações lunares enquanto Antares A está escondida pela Lua. Isso foi descoberto por Johann Tobias Bürg durante uma ocultação em 13 de abril de 1819.[6]

A órbita de Antares B é pouco conhecida, com um período orbital estimado em 878 anos.

Posição na eclíptica[editar | editar código-fonte]

Antares é uma estrela de magnitude 1 que estão a menos de 5° da eclíptica e que podem ser ocultadas pela Lua e raramente por outros planetas. Em 31 de julho de 2009, Antares foi ocultado pela Lua. O evento foi visível em grande parte do sul da Ásia e no Oriente Médio.[7] Todo ano por volta de 2 de dezembro o Sol passa a 5° de Antares.

Antares na cultura humana[editar | editar código-fonte]

O nome Antares é derivado de Anti-Ares (Anti-Marte), pois Antares se assemelha em sua cor avermelhada e brilho a Marte, rivalizando com o planeta.

É conhecida como uma das quatro estrelas guardiãs do céu dos Persas em 3000 a.C.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k SIMBAD Astronomical Database Results for CCDM J16294-2626A/B.. Página visitada em 28/03/2010.
  2. a b Query= alf Sco General Catalogue of Variable Stars. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Página visitada em 29/03/2010.
  3. a b c Kaler, James. Antares. Página visitada em 29/03/2010.
  4. A. Richichi. (abril de 1990). "A new accurate determination of the angular diameter of Antares" 230 (2): 355–362. Página visitada em 29/03/2010.
  5. Schaaf, Fred. The Brightest Stars: Discovering the Universe Through the Sky's Most Brilliant Stars. [S.l.]: John Wiley and Sons, 2008. 218 pp. ISBN 9780471704102
  6. Burnham, Robert, Jr.. Burnham's Celestial Handbook. New York: Dover Publications, 1978. 1666 pp.
  7. Sky watchers report occultation of Antares by moon

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.