Chellah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Chellah
Chella
شالة
Vista de parte das ruínas da cidade romana de Sala Colonia, em Chellah
Localização atual
Chellah está localizado em: Marrocos
Chellah
Localização de Chellah em Marrocos
Coordenadas 34° 0' 24" N 6° 49' 13" O
País  Marrocos
Região Rabat-Salé-Zemmour-Zaer
Província Rabat
Notas
Acesso público
Vista das ruínas merínidas; ao fundo, o rio Bu Regregue e os subúrbios de Salé.

Chellah ou Chella (em árabe: شالة) é um sítio arqueológico onde se encontram ruínas da cidade de romana de Sala Colónia e uma necrópole medieval merínida, situado nos subúrbios de Rabat, Marrocos, perto da margem sul do rio Bu Regregue. É o assentamento humano mais antigo que se conhece na área de Rabat e Salé.[1] [2]

Desde 2005, é levado a cabo no local o festival Jazz au Chellah.[3]

História e descrição[editar | editar código-fonte]

É provável que os primeiros habitantes das margens da foz do Bu Regregue tenham sido os fenícios, que fundaram vários entrepostos comerciais em Marrocos. No entanto, os vestígios mais antigos encontrados em Chellah são do período romano. As escavações revelaram a presença duma aglomeração humana com alguma importância, a cidade que é mencionada como Sala por Ptolomeu (90–168 d.C.) e Sala Colónia no Antonino (r. 138–161 d.C.), uma das cidades da província romana da Mauritânia Tingitana.

As ruínas do Decúmano Máximo (rua principal) foram desenterradas, bem como as do fórum, uma fonte monumental, um arco do triunfo, uma basílica cristã, etc. Mediante sondagens geológicas, feitas na direção do antigo porto do Bu Regregue, atualmente assoreado, concluiu-se que a via principal da cidade romana continuava até ao porto e que os limites da cidade ultrapassavam a muralha posterior dos merínidas.

Uma das duas principais estradas romanas de Marrocos chegavam ao Atlântico através de Iulia Constantia Zilil (Arzila), Lixus (Larache) e Sala Colónia. Pode ter existido ainda uma outra estrada, que ligava Sala Colónia a Anfa (Casablanca). Juntamente com Mogador (Essaouira), Sala Colónia eram os principais centros navais romanos e expedições romanas navegavam dali até às ilhas Canárias.

No século XI os berberes da tribo Banu Ifran apoderaram-se da cidade e transformaram-na numa das suas metrópoles,[4] situação que se manteria até os almorávidas terem tomado o poder. A cidade foi abandonada em 1154 em favor de Salé, no outro lado do rio. O Califado Almóada usou a cidade fantasma como necrópole.

Chellah foi abandonada durante vários séculos, até que em emados do século XIV os merínidas a escolheram para edificar a sua necrópole. Como indicado na inscrição cúfica que se encontra sobre a porta de entrada, os trabalhos foram concluídos em 1339, durante o reinado de Abu al-Hasan 'Ali. A ocupação do lugar foi progressiva e as obras posteriores deram origem a uma sumptuosa necrópole.

Muitas das estruturas de Chellah foram danificadas pelo sismo de Lisboa de 1755. Atualmente, o local funciona como jardim público e atração turística.

Descrição da necrópole[editar | editar código-fonte]

Protegida por uma muralha importante, pela qual se passa através duma porta monumental, ba necrópole merínida destacam-se uma sala de abluções, uma zaouïa com um oratório, um minarete revestido a zellige (azulejos coloridos) e várias salas funerárias, como o de Abu al-Hasan, cuja estela, finamente decorada, repousa sobre um anteparo de mouqanas.[necessário esclarecer] O filho de Abu al-Hasan, Abu Inan Faris, afetou as receitas dum balneário merínida de Rabat, o amã El-Jdid.

A porta da necrópole é majestosa e de estilo guerreiro. Muito possante, é flanqueada por dois bastiões semi-octogonais com sacadas com merlões pontiagudos. Esta porta de fortaleza abre-se para um pequeno oásis, um recanto de paz onde a tranquilidade é interrompida de tempos a tempos pelos estalidos dos bicos das cegonhas que abundam no local. O jardim tem uma atmosfera algo mágica e encantadora e junto ao santuário do fundador encontra-se a fonte do Aïn Mdafa, um regato que serpenteia numa vala ao longo do jardim.

Notas e referências

  1. McGuinness, Justin. Footprint Morocco (em inglês). [S.l.: s.n.], 2003. 560 p. ISBN 1-903471-63-X
  2. Bernstein, Ken. Morocco (em inglês). [S.l.]: Hunter Publishing, 2001. 64 p. ISBN 2-88452-003-1
  3. De la Musique et des Hommes (em francês). www.jazzauchellah.com. Website oficial do festival Jazz au Chellah. Página visitada em 30 de maio de 2012.
  4. Champion, H.. Documents et renseignements (em francês). [S.l.]: Direction des affaires indigènes, Mission scientifique du Maroc, Tanger, Villes et tribus du Maroc, 1915. p. 297.

Bilbliografia e ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chellah
  • Basset, Henri; Lévi-Provençal, Évariste. Chella, une nécropole mérinide (em francês). [S.l.]: Hespéris, 1923. p. 1-92, 235-316. vol. II.
  • Hogan, C. Michael. Chellah (em inglês). www.megalithic.co.uk. Megalithic Portal. Arquivado do original em 10 de junho de 2011. Página visitada em 30 de maio de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre Marrocos é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.