Conclave de 1455

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conclave de 1455
O Papa Calisto III
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Giorgio Fieschi[1] [2]
Camerlengo Lodovico Trevisan
Protodiácono Prospero Colonna[2]
Eleição
Eleito Papa Calisto III
(Alfonso Borja)
Participantes 21 (15 presentes)
Cronologia
Último
Último
Conclave de 1447
Conclave de 1458
Próximo
Próximo
Brasão papal de Sua Santidade o papa Calisto III
O Cardeal Alfonso Borja
O Cardeal Bessarion

O conclave papal ocorrido entre 4 a 8 de abril de 1455 resultou na eleição do Papa Calisto III depois da morte do Papa Nicolau V[1] .

Situação geral[editar | editar código-fonte]

Foi o primeiro conclave dos cinco que ocorreram no Palácio Apostólico[3] [4] e também o primeiro a permitir a eleição de um papa com uma prática derivada do senado romano, em que, depois de uma eleição sem eleitos, o cardeal eleitor poderia mudar seu voto para qualquer um dos cardeais votados[5] .

A derrota do cardeal grego Basílio Bessarion, um candidato em potencial para o acordo entre a facção dos Colonna e os Orsini, foi uma prova de antipatia para com a Igreja Oriental, como os sacerdotes barbudos, séculos após o Cisma do Oriente. Embora o Cânon ocidental vetasse a barba desde o século XI, a questão continuou a ser discutida até o século XVI[6] .

As duas principais facções da cardeais foram divididos entre os seguidores de Prospero Colonna e Latino Orsini. Entre os candidatos elegíveis incluem: Barbo, Trevisan, Domenico Capranica, Orsini e Bessarion[7] . Capranica recebeu uma pluralidade de votos nos três primeiros escrutínios, mas Orsini e os cardeais franceses se mobilizaram contra ele porque era próximo aos Colonna.[7] .

Em 6 de abril, domingo de Páscoa, as facções começaram a considerar candidatos neutro[7] . Basílio Bessarion recebeu oito votos antes do Cardeal Alain de Coëtivy intervir para desacreditar o cardeal bizantino, enfatizando a sua ligação com a Igreja Ortodoxa[7] [8] [9] [10] .

Bessarion não fez nenhuma tentativa de se defender demonstrando o seu desinteresse em ser eleito[7] . Todavia, o cardeal humanista torna-se um forte candidato para o conclave seguinte, o de 1464[11] .

Sabe-se que no primeiro escrutínio na segunda-feira a votação estava desorganizada, por exemplo, o não-cardeal Antonio de Montefalcone recebeu pelo menos um voto[7] . Os cardeais de Coëtivy e Trevisan empurraram para a eleição de Borja para a terça-feira seguinte[7] . O quórum dos dois terços da maioria era probavelmente composto pelos cardeais franceses, espanhóis e venezianos: Trevisan, de Coëtivy, Barbo, Orsini, d'Estaing, de Carvajal, de La Cerda, Rolin e Torquemada. O voto de Isidoro ou de Calandrini, ou de ambos, foi probavelmente necessário como mais provável Borja não votar em si mesmo, e quase certamente não recebeu os votos dos Colonna, Bessarion e Capranica[7] .

Lista de participantes[editar | editar código-fonte]

No conclave participaram 15 dos 21 membros do Sacro Colégio:[12]

Os seguintes cardeais não participaram do conclave:

Referências

  1. a b The Cardinals of the Holy Roman Church (em inglês)
  2. a b GCatholic (em inglês)
  3. Chambers, DS. 1978. "Papal Conclaves and Prophetic Mystery in the Sistine Chapel". Journal of the Warburg and Courtauld Institutes, Vol. 41: 322-326.
  4. Pham, John-Peter. 2004. Heirs of the Fisherman. p. 85.
  5. Rotberg, Robert I. 2001. Politics and political change. p. 62.
  6. Fisher, Will. 2006. Materializing gender in early modern English literature and culture. p. 100.
  7. a b c d e f g h Burkle-Young, Francis A. 1998. "The election of Pope Calixtus III (1455)".
  8. McManamon, John M. 1982. Funeral oratory and the cultural ideals of Italian humanism. p. 72.
  9. Setton, Kenneth Meyer. 1978. The Papacy and the Levant . p. 162.
  10. Jacks, Philip Joshua, and Caferro, William. 2001. The Spinelli of Florence. p. 66.
  11. Harkins, James. 1990. Plato in the Italian Renaissance. p. 214.
  12. Salvador Miranda Lista de participantes do conclave de 1455.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gerard Noel, The Renaissance Popes: Statesmen, Warriors and the Great Borgia Myth, Carrol & Graf, 2006
  • Ludwig von Pastor: History of the Popes vol. IV, Londres, 1900

Ligações externas[editar | editar código-fonte]