Construção (canção)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
"Construção"
Canção de Chico Buarque
do álbum Construção
Lançamento 1971
Gravação 1971
Gênero(s) MPB
Duração 6:24
Gravadora(s) Phonogram/Philips
Composição Chico Buarque
Produção Roberto Menescal
Faixas de Construção
Último
Último
"Desalento"
(3)
"Cordão"
(5)
Próximo
Próximo

Construção é uma canção do cantor e compositor brasileiro Chico Buarque, lançada em 1971 para seu álbum homônimo. Junto com "Pedro Pedreiro", é considerada uma das canções mais emblemáticas da vertente crítica do compositor, "podendo-se enquadrar como um testemunho doloroso das relações aviltantes entre o capital e o trabalho".[1]

A letra foi composta em versos dodecassílabos, que sempre terminam numa palavra proparoxítona. Os 17 versos da primeira parte (quatro quartetos, acrescidos de um verso-desfecho) são praticamente os mesmos dezessete que compõem a segunda parte, mudando apenas a última palavra.[2] Os arranjos são do maestro Rogério Duprat, em uma melodia repetitiva, desenvolvida inicialmente sobre dois acordes.[3] A música, entretanto, tem harmonia bem mais complexa.[4] [5] [6] [7] [8] [9] [10]

A canção foi feita em um dos períodos mais severos da ditadura militar no Brasil, em meio à censura e à perseguições políticas. Chico Buarque havia retornado da Itália em março de 1970, país onde vivia desde o início de 1969, ao tomar distância voluntária da repressão política brasileira. A canção já foi eleita em enquete da Folha de S.Paulo como a segunda melhor canção brasileira de todos os tempos e, por eleição na revista Rolling Stone, a "maior canção brasileira de todos os tempos" [11] .

Letra e música[editar | editar código-fonte]

Em um formato tipicamente épico,[12] "Construção" narra a história de um trabalhador da construção civil morto no exercício de sua profissão, em seu último dia de vida, desde a saída de casa para o trabalho ("Beijou sua mulher como se fosse a última") até o momento da queda mortal ("E se acabou no chão feito um pacote flácido"). O narrador observa, organiza e comunica os acontecimentos, ocorridos numa história circular, cantada em melodia reiterativa e que modifica o ângulo de observação a cada repetição da letra com a troca de comparações ("Ergueu no patamar quatro paredes sólidas/mágicas/flácidas"), mas que no final encaminha para o mesmo fim, uma morte.[13]

A letra contém uma forte crítica à alienação do trabalhador na sociedade capitalista moderna e urbana, reduzido a condição mecânica - intensificado especialmente por seus atos no terceiro bloco da canção ("máquina", "lógico").[1] Quando esse trabalhador ("um pacote flácido/tímido/bêbado") morre, a constatação é de que sua morte apenas atrapalha o "tráfego", o "público" ou o "sábado". Ainda assim, Chico declarou, em entrevista concedida à revista Status, em 1973, que "Construção" não era para ele uma música de denúncia ou protesto. "(...) Em Construção, a emoção estava no jogo de palavras. Agora, se você coloca um ser humano dentro de um jogo de palavras, como se fosse... um tijolo - acaba mexendo com a emoção das pessoas."[14]

O autor emprega ousados processos de construção poética como, por exemplo, a alternância das proparoxítonas finais, "como se fossem peças de um jogo num tabuleiro", segundo o próprio Chico.[15] A letra é dividida em três blocos. Nos dois primeiros, compostos por 17 versos, e mais seis no último bloco. Nos dois primeiros blocos é possível perceber o nítido jogo de palavras proparoxítonas criado por Chico.[2]

Corpo fixo Palavras intercambiáveis 1o. bloco Palavras intercambiáveis 2o. bloco Palavras intercambiáveis 3o. bloco
1. Amou daquela vez como se fosse a última o último máquina
2. Beijou sua mulher como se fosse a última a única lógico
6. Ergueu no patamar quatro paredes sólidas mágicas flácidas
9. Sentou pra descansar como se fosse sábado um príncipe um pássaro
14. E flutuou no ar como se fosse um pássaro sábado príncipe
15. E se acabou no chão feito um pacote flácido tímido bêbado
17. Morreu na contramão atrapalhando o tráfego público sábado

No rascunho de "Construção", os versos estavam soltos, mas já dentro de uma métrica e ritmo final. Alguns desses versos foram abandonados: "Pôs pedra sobre pedra até perder o fôlego" / "E o máximo suor por um salário mínimo". Em um rascunho posterior, a melodia sugere o agrupamento dos versos em quadro. E só depois de concluída a primeira parte é que apareceram as alternativas: ("Tijolo com tijolo num desenho mágico/lógico", "E flutuou no ar como se fosse um pássaro/sábado", etc).[15]

À complexidade da letra de "Construção", corresponde uma linha de apenas dois acordes, composta pelo maestro Rogério Duprat, que são repetidos à medida que se sucedem as imagens "como se ele tivesse realmente colocando laje sobre laje num edifício."[15] O grupo MPB-4 participa do coro musical. Após o último verso do terceiro bloco, surge uma reprise com três estrofes de "Deus lhe pague", canção que abre o disco Construção.

Crítica[editar | editar código-fonte]

O músico brasileiro Tom Jobim adorava a canção. Segundo seu filho Paulo Jobim,[13] o pai chegou a recortar a letra da canção, publicada em um jornal da época, e a colou em um caderno. Helena Jobim confirma o entusiasmo do irmão. "Comentava a perfeição da letra, em que Chico [Buarque] usa palavras proparoxítonas, com rara maestria."[16]

Conhecido por sua posições de direita, o jornalista David Nasser pôs-se um dia a louvar a canção - para, num trecho do artigo, a falar da insistência nas proparoxítonas, acrescentar mais uma: "Médici, o nosso presidente."[17]

Para Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello, "Construção" tem "uma letra extraordinária, de qualidade rara numa canção popular".[18]

Em 2001, o jornal Folha de S.Paulo, em uma enquete realizada com 214 votantes (entre jornalistas, músicos e artistas do Brasil), elegeu "Construção" como a segunda melhor canção brasileira de todos os tempos - atrás de Águas de Março, de Tom Jobim.[19] Já em uma eleição, em 2009, promovida pela versão brasileira da revista Rolling Stone, "Construção" foi eleita a melhor canção brasileira de todos os tempos.

Referências

  1. a b MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho mágico: poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002. pp 144 a 154
  2. a b A construção de Construção - Blog do Pasquale, maio de 2010
  3. Rogerio Duprat - Cliquemusic
  4. Construção Cifras.com. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  5. Construção Cifras.art. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  6. Construção Cifraclub. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  7. Construção Cifrasfx. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  8. Construção Todascifras. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  9. Construção Pegacifras. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  10. Construção Losacordes. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  11. Cavalcanti, Paulo (Outubro de 2009). Nº 1 - Construção Revista Rolling Stone. Visitado em 6 de Abril de 2014.
  12. ROSENFELD, Anatol. "A teoria dos gêneros" In : O teatro Épico. São Paulo., 1965, pp. 15 a 36
  13. a b GARCIA, Walter. A construção de "Águas de março". Rivista di Studi Portoghesi e Brasiliani (Testo Stampato), v. XI, p. 39-61, 2010.
  14. Notas sobre Construção - Revista Status, 1973
  15. a b c Chico põe nossa música na linha - Revista Realidade, número 71, fevereiro de 1972
  16. JOBIM, Helena: "Tom Jobim um homem iluminado". Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1996. Página 167
  17. Notas sobre Jorge Maravilha - WERNECK, Humberto. Gol de letras. In: BUARQUE, Chico. Letra e música. Vol. 1. São Paulo:Companhia das Letras, 1989.
  18. Construção - SEVERIANO, Jairo & MELLO, Zuza Homem de. A canção no Tempo. 85 anos de música brasileira Vol. 1: 1901-1957. São Paulo: Editora 34, 1997
  19. Caderno Ilustrada; In: Folha de São Paulo - 18 de maio de 2001

Ligação externa[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.