Crysis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crysis
Capa europeia
Desenvolvedora Crytek
Publicadora(s) Electronic Arts
Produtor Bernd Diemer
Designer Jack Mamais
Escritor(es) Martin Lancaster
Tim Partlett
Greg Sarjeant
Compositor(es) Inon Zur
Motor CryEngine 2:
Microsoft Windows (2007)
CryEngine 3:
PS3 e Xbox 360 (2011)
Plataforma(s) Windows, Xbox 360 (Xbox Live), PlayStation 3 (PSN)
Data(s) de lançamento Microsoft Windows
  • JP 29 de novembro de 2007
  • AN 13 de novembro de 2007
  • EU 16 de novembro de 2007
Xbox 360
    [1]
    PlayStation 3
    • JP 18 de outubro de 2007
    • AN 4 de outubro de 2007
    • EU 5 de outubro de 2007
    Gênero(s) Tiro em primeira pessoa
    Modos de jogo Single player, multiplayer
    Classificação Inadequado para menores de 17 anos i CERO (Japão)
    Inadequado para menores de 18 anos i DEJUS (Brasil)
    Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
    Inadequado para menores de 15 anos i OFLCA (Austrália)
    Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)
    Inadequado para menores de 18 anos i USK (Alemanha)
    Mídia Disco óptico, distribuição digital
    Último
    Último
    Crysis Warhead
    (2008)
    Próximo
    Próximo

    Crysis é um jogo eletrônico de tiro em primeira pessoa [2] lançado em 2007, desenvolvido pela Crytek e distribuído pela Electronic Arts.[3] [4] Foi um grande sucesso para a crítica e rendeu inúmeros prêmios e várias feiras e eventos de tecnologia. Na época de seu lançamento e nos anos seguintes, o jogo foi aclamado por ser um marco em design gráfico (proporcionado por altos requisitos de hardware). Utiliza o motor de jogo CryEngine 2, desenvolvido também pela Crytek. Posteriormente foi publicada a expansão Crysis Warhead (2008) que se caracteriza por ocorrer no mesmo lugar e momento que Crysis, mas pelo ponto de vista de outro personagem.[5] [6] Em 5 de maio de 2009 foi divulgada a edição de colecionador Crysis Maximum Edition, que inclui Crysis, Crysis Warhead e uma outra expansão multiplayer chamada Crysis Wars. Em 25 de março de 2011 foi publicada a sequela Crysis 2 para PC, PlayStation 3 e Xbox 360.

    História[editar | editar código-fonte]

    Tanto em gráficos realistas, quanto em jogabilidade e efeitos físicos impressionantes, a inovação pode ser vista nas diversas demonstrações exibidas pelos desenvolvedores durante os últimos meses.

    A história, apesar de não ser o ponto forte do jogo, não fica devendo em nada quando comparada com a de outros títulos similares, pois ela é simples: em 2020, arqueólogos americanos em uma ilha da Coreia do Norte acham algo interessante em suas escavações. Porém, o governo norte-coreano envia soldados imediatamente para o local e você, um soldado exemplar da Força Delta do exército dos Estados Unidos da América, é enviado para investigar o local.

    Vale ressaltar alguns pontos interessantes, tais como: as armas são preparadas para serem modificadas de acordo com a necessidade do jogador, outras são capazes de destruir construções com apenas um disparo; a vestimenta utilizada pelo personagem, uma armadura com tecnologia de nano robôs, capaz de aumentar a força, velocidade, resistência de forma sobre-humana, e até tornar o personagem invisível; o ambiente de jogo é altamente destrutível, sendo possível danificar até mesmo a vegetação; e principalmente os inimigos, alienígenas terríveis e poderosos, e soldados treinados para suportar qualquer situação. Pode-se também conduzir veículos e disparar seus armamentos ao mesmo tempo, mesmo estando sozinho nos mesmos.

    Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

    Motor de jogo

    Crysis utiliza um novo motor, CryEngine 2, que é o sucessor do CryEngine do Far Cry. CryEngine é um dos primeiros motores que usa Direct3D 10 (DirectX 10), mas também pode funcionar utilizando DirectX 9, tanto no Windows XP, Vista e Windows 7.

    A diferença principal é que no modo DirectX 10 oferece melhores gráficos que no modo DirectX 9.0c, às custas de uma maior exigência do nível de hardware.

    Existe um patch não-oficial para fazer funcionar os melhores gráficos disponíveis no modo DirectX10 sobre DirectX 9.0c.

    Roy Taylor, vice-presidente de Relações de Conteúdo da NVIDIA, já havia falado sobre a complexidade do motor, que Crysis tem mais de um milhão de linhas de código, 4 gigabytes de dados de textura, sombreamento e 85000 shaders.

    Ademais, utiliza várias tecnologias gráficas como:

    • Shader Model 2.0, 3.0 e 4.0+ (Para ver todos seus efeitos Shader Model 4.0).
    • Iluminação HDR lineal e progressiva ver 2.0
    • Profundidade de campo múltiplo.
    • Sistema avançado de partículas.
    • Efeitos climáticos e do tempo.
    • Objetos totalmente interativos e com capacidade de destruí-los (Nvidia Physx).2

    Durante vários anos tem sido referência de gráficos para a etapa da sétima geração de consoles, e poucos videojogos que tenham superado a qualidade de imagem alcançada por Crysis.

    Requisitos do sistema
    Mínimo Recomendado
    Microsoft Windows[7]
    Sistema Operacional Windows XP com Service Pack 2 Windows Vista
    CPU AMD Athlon 2800+ (3200+ para Vista); Intel Pentium 4 2.8GHz (3.2GHz para Vista) Intel Core 2 Duo @ 2.2GHz, AMD Athlon 64 X2 4200+
    Memória 1 GB (XP), 1,5 GB (Vista) 2 GB
    Espaço em Disco 12 GB de espaço livre em disco
    Placa de Vídeo NVIDIA GeForce 6800 GT com 256 MB; ATI Radeon 9800 Pro (XP) ou X800 Pro (Para Vista) com 256 MB NVIDIA 8800/GTX 200/300 /Radeon 4800/5800 Series
    Placa de Som Compatível com DirectX 9.0c Compatível com DirectX 10

    Ligações externas[editar | editar código-fonte]

    Referências