Dez pragas do Egito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Quadro "A Sétima Praga", de John Martin.

As dez pragas do Egito são as dez pragas que, segundo a tradição judaico-cristã, Deus enviou pelas mãos de Moisés sobre o Faraó do Egito e seu povo, narradas no livro de Êxodo, capítulos 7—12. As pragas foram enviadas para que Israel fosse libertado da terra do Egito e se reconhecesse a unicidade de Deus.

As pragas pareceriam dirigidas às divindades egípcias específicas, como o deus Nilo, os deuses animais, culminando com a morte do primogênito de Faraó já que este era considerado uma divindade.[1]

As dez pragas descritas no texto foram, em ordem cronológica:

  1. Águas em sangue דָם (Dam)
  2. Rãs צְּפַרְדֵּעַ (Tsifardeah)
  3. Piolhos כִּנִּים (Kinim)
  4. Moscas עָרוֹב (Arov)
  5. Doenças nos animais דֶּבֶר (Dever)
  6. Sarna que rebentava em úlceras שְׁחִין (Shkhin)
  7. Saraiva com fogo בָּרָד (Barad)
  8. Gafanhotos אַרְבֶּה (Arbeh)
  9. Trevas חוֹשֶך (Choshech)
  10. Morte dos primogênitos מַכַּת בְּכוֹרוֹת (Makat b'chorot)

Verificação arquelógicas[editar | editar código-fonte]

Algumas evidências arquelógicas foram consideradas, e alguns estudiosos propuseram a hipótese de que as pragas se referem a catástrofes ecológicas, motivadas principalmente pela explosão do vulcão Santorini.[2]

Hipótese da origem vulcânica[editar | editar código-fonte]

1. As águas do Nilo tingem-se de sangue:

A explosão do Vulcão Santorini espalhou cinzas por sobre o Egito. A lama e a fumaça que caíram sobre o rio torna quente a água do Nilo e provoca a reprodução descontrolada de algas pirrófitas que causam o fenômeno da maré vermelha colorindo as águas com cor de sangue.

2. Rãs cobrem a terra:

A intoxicação das águas faz com que as rãs e sapos fujam do rio, espalhando-se por toda a região.

3. Piolhos atormentam homens e animais:

Com a morte de muitos animais, as carcaças podres proliferam grande quantidade de moscas, além delas existe também naquela região o maruim, piolhos.

4. Moscas escurecem o ar e atacam homens e animais:

Outro tipo de inseto, a mosca dos estábulos, transforma-se em praga, atacando todo tipo de mamífero que encontra.

5. Uma peste atinge os animais:

A peste equina africana e a peste língua-azul, doenças transmitidas pelo maruim, mataram a maioria dos mamíferos.

6. Pústulas cobrem homens e animais:

O mormo, uma doença equina que também ataca o homem, é transmitida pela mosca dos estábulos provocando úlceras na pele.

7. Chuva de granizo destrói plantações:

O granizo pode cair nas regiões desérticas do Mediterrâneo, embora seja um fenómeno relativamente raro. Misturado com raios, da a ilusão de ser saraiva. Também se supõe que proveio do encontro entre uma massa de ar quente e uma massa de ar fria que causa ventos, chuva forte, ou tempestades eléctricas, que os egípcios poderiam interpretar como chuva de fogo.

8. Nuvem de gafanhotos ataca plantações:

Após a tempestade, os ventos fortes mudaram o curso dos gafanhotos etíopes.

9. Escuridão encobre o Sol por três dias:

Uma tempestade de areia pode durar dias e é capaz de encobrir completamente a luz do Sol. É possível que o mesmo fenómeno que ocorreu com os raios tenha encoberto o Sol, devido às correntes de areia do deserto do Saara levantadas pelo vento.

10. Os primogénitos de homens e animais morrem:

Com a escassez de alimentos, causada pela morte dos animais e peixes e a devastação das plantações.Cereais eram guardados em celeiros, ou abaixo da terra para serem protegidos da contaminação, mas já estavam contaminados por vestígios dos gafanhotos e/ou moscas dos estábulos, e junto com o forte calor os grãos podem desenvolver um tipo de fungo altamente tóxico. Como no Egito antigo os primogénitos (tanto humanos quanto dos animais) tinham a preferência na alimentação, uma tradição no Egito antigo, tanto para homens quanto para animais(recebiam a primeira porção, logo a mais contaminada por ser mais vulnerável, e uma porção extra no final) como eram muitas toxinas, era possível a morte dos primogênitos.

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • A Colheita do Mal, um filme estrelando Hilary Swank de 2007, retrata as dez pragas modernas em Louisiana, interposto mediante uma vila de cultistas satânicos. A protagonista, Katherine Winter, tenta encontrar uma explicação científica para as ocorrências, mas eventualmente tem de admitir a sua origem sobrenatural.
  • Em 1999, no filme A Múmia, Imhotep traz várias das pragas que ele pretende ser plenamente ressuscitado. Os mais notáveis são os gafanhotos, moscas e água (e, aparentemente, uísque) viragem para o sangue, furúnculos e feridas, o dilúvio de fogo e um eclipse, mas não na ordem listada na Bíblia. O personagem de Imhotep é mostrado como tendo morrido durante o início do reinado de Ramsés II, o filme sugere que as pragas do Egito ocorreram durante ou antes do reinado de Set I.
  • Em 1998, no filme animado O Príncipe do Egito, que conta a história de Moisés conduzindo os hebreus pelo Egito, todas as dez pragas são apresentados em alguma forma, mas os piolhos e pulgas são aparentemente substituído por besouros, formigas e grilos.
  • Em 1971, no filme The Abominable Dr. Phibes, o personagem Dr. Phibes usa de vários métodos imaginativos (inspirados na história bíblica das Dez pragas do Egito) para assassinar sete cirurgiões e uma enfermeira. Ele recebe ajuda da sua bonita e silenciosa assistente Vulnavia. A sua última punição ele reserva para o Dr. Vesalius.
  • A história das pragas do Egito até o início do Êxodo é retratada no episódio Moisés, da série de televisão norte-americana Os Grandes Heróis da Bíblia, de 1978 (lançada em vídeo e exibida aos domingos em certos canais de televisão no Brasil). Na série, Moisés (interpretado pelo ator John Marley), ao ver negado o pedido de libertação de seu povo pelo Faraó, lança as pragas sobre o Egito a mando de Deus. Porém, apenas as seis primeiras pragas e a morte do primogênito do Faraó são mostradas; as demais são apenas mencionadas pelos personagens em breves diálogos.
  • A banda norte-americana de metal, Metallica, retrata parcialmente as pragas do Egito na música 'Creeping Death', do álbum 'Ride The Lightning' de 1984.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. livro de Êxodo, capítulos 11.1-12,36
  2. [1]