Embraer/FMA CBA-123 Vector

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

CBA 123 Vector
New Zealand PW-51.svg
Embraer/FMA CBA-123 Vector em 1990
Descrição
Tipo Avião comercial
Fabricante Brasil Embraer Argentina FMA
Primeiro voo 4 de julho de 1998 (16 anos)
Tripulação/Equipa 2
Capacidade de
passageiros
19 passageiros
Dimensões
Comprimento 18,50 metros
Envergadura 16,46 metros
Altura 5,60 metros
Pesos
Peso vazio (Tara) 4900 kg
Peso máx. decolagem 7711 kg
Propulsão
Motorização 2x Garrett Systems TPF351-20A com 1219 hp cada
Performance
Velocidade máxima 593 km/h
Altitude máxima (40000 pés) 12192 metros
Alcance (MTOW) 1610 km


O Embraer CBA-123 Vector é um avião turbohélice, voltado para vôos regionais e capacidade para 19 passageiros, que não chegou à fase comercial e que teve apenas dois protótipos construídos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No ano de 1996 o Comandante da Força Aérea Argentina, em visita à Embraer, sugeriu a cooperação desta com a similar de seu país, denominada FMA, a fim de desenvolver uma aeronave comercial de passageiros para voos regionais.

A então estatal brasileira, que já estava planejando um substituto para o Embraer EMB-110 Bandeirante, no caso um turboélice com desempenho de jato, celebrou acordo com a fabricante argentina em janeiro de 1986, com a participação dos presidentes José Sarney e Raul Alfonsin.

Dos estudos resultou a aeronave, totalmente baseada no Embraer EMB-120 Brasília, que foi batizada de Paraná, pelos argentinos, e de Tapajós, pelos brasileiros. Mas como o objetivo era o mercado internacional, foi escolhido por concurso um nome mais fácil de se pronunciar: CBA-123 Vector, em que "CBA" é uma abreviatura para "Cooperação Brasil-Argentina".[1]

A semelhança entre os projetos fez com que a então Embraer adotasse o conceito de família de aeronaves (EMB-120 e EMB-123).

O curioso desenho tinha a configuração de propulsão pusher (com os motores junto à fuselagem na traseira e as pás voltadas para trás).

Primeiros voos[editar | editar código-fonte]

CBA-123 Vector na Linha de Montagem

Foram construídos dois protótipos da aeronave. O primeiro produzido teve seu voo inaugural em 18 de julho de 1990 e seu primeiro voo oficial em 30 de julho do mesmo ano, quando contou com a presença dos presidentes Fernando Collor de Mello, do Brasil, e Carlos Menem, da Argentina.

Fim do projeto[editar | editar código-fonte]

Considerada uma das aeronaves mais modernas de seu tempo, incluindo tecnologia de ponta em aviônica, aerodinâmica, conforto e propulsão, teve seu projeto cancelado, uma vez as duas fabricantes passavam por dificuldades financeiras e o mercado de aviação estava em retração.

Seus dois protótipos foram desmontados, mas apesar do fracasso comercial, o conhecimento adquirido pela então EMBRAER foi essencial para desenvolvimento do bem sucedido jato EMBRAER ERJ-145.[1]

Processo de restauração[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2008 foi iniciado um processo de restauração dos dois protótipos do CBA-123 Vector, como parte das atividades de comemoração dos 40 anos da Embraer, em 2009. Para os trabalhos foi realizada parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI de São José dos Campos, Jacareí e Taubaté, contando com 36 alunos do curso de Mecânica Geral.

O primeiro protótipo, de matrícula PT-ZVE, e o segundo, de matrícula PT-ZVB, tiveram os trabalhos de restauração concluídos em maio e julho de 2009, respectivamente, e depois foram apresentados na sede da Embraer. Posteriormente o PT-ZVE foi transferido ao Memorial Aeroespacial Brasileiro (MAB), localizado dentro do então Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), em São José dos Campos, interior de São Paulo[2] . Já o PT-ZVB foi transferido para o Museu Aeroespacial, no Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro.

Referências

  1. a b Embraer S.A. CBA 123 Vector. Centro Histórico Embraer: São José dos Campos. Acesso em 8 de fevereiro de 2014.
  2. Embraer - Restauração do CBA

Ver também[editar | editar código-fonte]