Emmett Louis Till

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Emmett Louis Till (25 de julho de 1941 - 28 de agosto de 1955) foi um menino afro-americano, originário de Chicago, Illinois, assassinado aos 14 anos de idade na pequena cidade de Money, Mississipi, depois de supostamente assobiar para uma mulher branca. O assassinato de Emmett gerou enorme repercussão nos Estados Unidos, contribuindo para o crescimento do movimento pelos Direitos Civis naquele país.


Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Emmett morava em Chicago, porém em 1955, foi enviado para a cidade de Money, a fim de passar uns tempos com seu tio Moses Wright. Em 24 de agosto daquele ano, o menino estava juntamente com uns amigos, dentro de um mercado, quando supostamente assobiou para uma mulher branca de 21 anos, Carolyn Bryant. Os fatos do que aconteceu na loja ainda são controvertidos, existem relatos ainda, dizendo que Till teria dito "bye, baby" antes de deixar o local.

Carolyn Bryant contou tudo para as pessoas sobre o acontecido na loja e os boatos se espalharam rapidamente.Quando o marido de Bryant, Roy Bryant, retornou de uma viagem e alguns dias depois foi informado sobre o incidente,ficou furioso.Até o primo de Emmett, Wheeler Parker, Jr.,que estava com ele na loja, confirma o assobio do garoto, mas alega que não fizeram nada para a mulher. O primo falou sobre Emmett: "Ele adorava brincadeiras, adorava divertir, ele adorava piadas ..." Porém, as piadas do menino, engraçadas em Chicago, norte dos EUA, não tinham a mesma conotação no Mississipi, um lugar marcado pela segregação e preconceito racial.

O Crime[editar | editar código-fonte]

O assassinato ocorreu no dia 28 de agosto, Bryant e seu meio-irmão, JW Milam, pegaram o carro, com sua esposa Carolyn, e outra pessoa cuja identidade ainda não foi confirmada, com o intuito de, de acordo com suas palavras, "ensinar ao menino uma lição.". Eles dirigiram-se à casa do reverendo Wright, tio de Emmett, onde este estava hospedado, identificaram o menino e o pegaram.Os homens colocaram-no na parte traseira de uma caminhonete e segundo testemunhas, o levaram para um galpão em uma plantação na cidade vizinha Sunflower County, onde espancaram o menino,arrancaram-lhe um olho e em seguida, atiraram nele.Um descaroçador de algodão de 70 libras foi amarrado ao pescoço de Till com arame farpado para fazer peso no corpo, que foi lançado no rio Tallahatchie perto de Pasadena, Mississippi, outra pequena cidade ao norte de Money.

O menino ficou desaparecido,até que o corpo inchado e desfigurado foi encontrado no rio Tallahatchie três dias após seu seqüestro.Depois que o corpo foi recuperado, os irmãos assassinos e a polícia tentaram convencer a população que não era Till, dizendo que ele estava em Chicago e que era outra a pessoa encontrada. A identifiação do corpo era muito difícil devido aos espancamentos e lesões, mas ele foi identificada graças a um anel que usava e tinha sido de seu pai.Sua mãe havia dado a ele no dia anterior à viagem para a casa de seu Tio. Os irmãos Bryant foram acusados oficialmente pelo desaparecimento do menino e foram presos no início de setembro.

Funeral[editar | editar código-fonte]

Após o corpo de Till ser achado desfigurado e parcialmente decomposto, ele foi colocado em um caixão de pinho para ser enterrado, mas sua mãe, Mamie Till Bradley, queria que o corpo voltasse para Chicago,e se recusou a permitir o enterro.

Já em Chicago, o caixão não podia ser aberto, visto a situação do corpo, no entanto foi, após muita insistência da mãe de Emmett. Depois de ver o corpo, ela também insistiu em deixar o caixão aberto para o funeral, permitindo que as pessoas tirassem fotos e vissem como fizeram mal a seu filho, ela é citada como tendo dito: "Eu quero que o mundo veja o que fizeram com meu bebê".

Julgamento[editar | editar código-fonte]

O julgamento dos acusados começou em 19 de setembro de 1955, 22 dias após o assassinato. Moses Wright,tio de Emmett foi uma das principais testemunhas convocadas a depor. Levado pelo promotor Gerald Chatham, apontou para um dos assassinos suspeitos e identificou o homem que havia matado seu sobrinho. Em 23 de setembro,numa sessão de apenas 67 minutos, um júri composto apenas por homens brancos absolveu os acusados.A absolvição deixou a todos indignados provocando o aumento significativo do Movimento pelos Direitos Civis.

Após o julgamento, a revista Look pagou a JW Milam e Roy Bryant $ 4.000 para que contassem a verdadeira história. Sabendo que não poderiam ser julgados novamente, os irmãos confirmaram o crime e afirmaram não ter escolha diante da situação a que chegaram, aprisionando e espancando Emmett.

Em 10 de maio de 2004, os Estados Unidos através do Departamento de Justiça anunciou a reabertura do caso para determinar se qualquer outra pessoa além de Milam e Bryant estavam envolvidos.Como nenhuma autópsia foi realizada em Till, seu corpo foi exumado em 31 de maio de 2005 no subúrbio de Chicago, no cemitério onde foi enterrado. O corpo foi enterrado novamente por parentes em 4 de junho e tem sido positivamente identificado como o próprio Emmett Till.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Leia o poema Blues para Emmett Louis Till escrito por Vinicius de Moraes.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]