Mancha Verde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de GRCES Mancha Verde)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mancha Verde
Fundação 11 de janeiro de 1983 (32 anos) [nota 1]
Escola-madrinha Rosas de Ouro
Cores

Verde

Vermelho

Branco
Símbolo Manchão
Bairro Barra Funda
Presidente Paulinho Serdan
Presidente de honra Antonio Carlos Rodrigues
Carnavalesco Pedro Alexandre (Magoo)

[1]

Intérprete oficial Freddy Vianna[2]
Diretor de carnaval Paolo Bianchi
Diretor de harmonia Xinxa
Marquinhos
Diretor de bateria Mestre Caju
Mestre Thiago Costa
Rainha da bateria Viviane Araújo[3]
Mestre-sala e porta-bandeira Marcelo Luiz e Adriana Gomes
Coreógrafo
  • Jonathan Bento
  • Marcos Aurélio
  • Wender Luciano[4]
Desfile de 2016
Enredo Mato Grosso.Uma Mancha Verde no Coração do Brasil
www.manchaverde.com.br

O Grêmio Recreativo e Cultural Escola de Samba Mancha Verde é uma escola de samba, originada a partir da torcida organizada do Palmeiras. Começou como bloco carnavalesco, em 1995.

História[editar | editar código-fonte]

No começo do ano de 1995, a Mancha Verde (Palmeiras) decidiu participar do Carnaval, acertando sua participação junto à UESP, e alterando seu estatuto. Porém, devido a uma briga entre torcedores da Mancha e da torcida Independente, do São Paulo Futebol Clube, a justiça decretou, ainda naquele ano, a extinção do então Grêmio Recreativo Esportivo Cultural Torcida Mancha Verde como pessoa jurídica.

Como os integrantes da torcida continuaram se reunindo após isso, para que continuassem a poder fazê-lo de modo oficial, em 18 de outubro de 1995 assinaram a oficialização do Grêmio Recreativo Cultural Bloco Carnavalesco Mancha Verde. Embora a Mancha como escola de samba tenha sido criada com novos CNPJ e estatuto, seus integrantes a consideram como a continuação da torcida extinta. Anos mais tarde, seria criada a torcida Mancha Alvi-Verde, desvinculada juridicamente da antiga torcida e então somente escola de samba.

Em 1996, ano de seu primeiro desfile, com um enredo alertando para a destruição da natureza, ficou em segundo lugar no Grupo de Espera (subindo para o Grupo Especial dos Blocos), em seu primeiro desfile oficial. No ano seguinte, cantando a "Noite paulistana, um convite ao prazer", vence pela primeira vez o concurso dos blocos do carnaval paulistano.

Em 1998, tendo como enredo a palmeira, torna-se bicampeã do Grupo Especial dos Blocos Paulistanos. Tudo levava a crer que a Mancha Verde poderia ter sucesso semelhante a Gaviões da Fiel, escola também oriunda de torcidas organizadas.

Na tentativa do terceiro título consecutivo, o já consagrado bloco alviverde acaba em segundo lugar, com o enredo "Vinho, o néctar dos deuses". Mesmo assim, foi consolidando-se como uma promissora escola de samba, tendo inclusive o seu samba cantado por Quinho, famoso intérprete de sambas-enredo.

Em 2000, a Mancha Verde estreia com escola de samba. Cantando um enredo questionador sobre os 500 anos do Brasil ("Brasil, que história é essa?"), fica em segundo lugar no Grupo 3 Oeste do carnaval de São Paulo, ficando atrás apenas da Lavapés, a primeira escola de samba paulistana. Este resultado eleva a escola ao Grupo 2.

Cantando os orixás no carnaval de 2001, vence pela primeira vez como escola de samba e ascende ao Grupo 1A, prosseguindo a sua vertiginosa senda de vitórias em apenas seis desfiles. No ano seguinte, homenageando a Força Sindical, vence o Grupo 1A e se aproxima do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo.

Em 2003, uma nova meta a ser alcançada pela surpreendente e jovem escola de samba: chegar à elite do samba de São Paulo. Exaltando a cor mais brilhante no coração palmeirense - verde -, a Mancha Verde mostra a sua força perante as escolas de maior tradição que compunham àquele grupo (como Tom Maior, GRES Pérola Negra e Unidos de São Lucas). Por razões até hoje contestadas, a escola fica em terceiro lugar, meio ponto atrás da vice-campeã Imperador do Ipiranga e um atrás da campeã Acadêmicos do Tatuapé, as escolas que voltaram ao Grupo Especial.

Mas, ao invés do arrefecimento, o aguerrimento. Consertando os equívocos e aperfeiçoando as virtudes, a Mancha provou ser uma escola estruturada no carnaval de 2004. Cantando "A saga italiana em terra paulistana", faz um desfile sem erros e conquista, enfim, o tão sonhado título do Acesso e sobe ao Grupo Especial paulistano, ao mesmo tempo em que a sua rival Gaviões da Fiel caiu ao Acesso.

Em 2005, ano de sua primeira participação no grupo especial no Carnaval de São Paulo, terminou na 12ª colocação com um enredo sobre Mato Grosso.

Em 2006, a Mancha Verde forma, juntamente com a Gaviões da Fiel, o Grupo Especial das Escolas de Samba Desportivas. O regulamento da Liga prevê que caso duas escolas, que sejam ligadas a agremiações desportivas, estejam no Grupo Especial, as mesmas formariam um outro grupo, que só teria escolas de samba ligadas a torcidas de futebol. Após muita polêmica, a Gaviões consegue, dias antes do carnaval, uma liminar que lhe garante o direito de disputar o Grupo Especial, porém tal direito é negado à Mancha Verde, pois a Gaviões argumentou na justiça que tendo sido convidada pela Liga em finais dos anos 80, não teria esta o direito de impedi-la de disputar agora. Já Mancha tentou provar que por ser uma pessoa jurídica diferente, não seria ligada a nenhuma torcida organizada. O juiz, porém, usou como base para indeferir tal pedido o texto que constava no então site da entidade, que acabou funcionando como uma confissão da tese contrária. A Mancha foi assim obrigada a desfilar sozinha no Grupo de Escolas de Samba Desportivas, onde torna-se campeã. Porém às vésperas do desfile, a Mancha conseguiu negociar com a Liga a transferência do desfile, da madrugada de domingo para segunda, inicialmente a data prevista, para a madrugada de sábado para domingo, junto com as escolas do Grupo Especial, sendo também avaliada pelos mesmos jurados deste grupo. Essa avaliação lhe garantiu a sétima colocação geral, muito embora a Liga não reconheça esta classificação.

Em 2007, a Mancha Verde novamente foi colocada sozinha num grupo à parte, sendo obviamente declarada campeã deste grupo, e inclusive participando do desfile das campeãs, onde desfilou logo após a Gaviões da Fiel. Em relação ao Grupo Especial, obteve a décima-primeira colocação.

Em 2008, o Grupo Especial das Escolas de Samba Desportivas deixou de existir, fazendo com que Gaviões da Fiel e Mancha Verde voltassem a disputar com as outras escolas o título do Grupo Especial no carnaval.

Em 2009, falando sobre o estado de Pernambuco, com o tema Pernambuco: uma nação cultural!, a escola terminou na 10º colocação.

Em 2010, a Mancha Verde teve como enredo Aos Mestres com Carinho! Mancha Verde "ensina" como criar identidade! e teve também a volta do intérprete Celsinho do carnavalesco Cebola. Este último, desapareceu antes do desfile, pedindo desculpas posteriormente.[5] No final, a escola conseguiu ficar em 4º lugar, à frente de escolas como Gaviões da Fiel e X-9 Paulistana. Não se sagrou campeã por apenas um ponto: 269, contra 270 da Rosas de Ouro.

Para o carnaval de 2012 a Mancha Verde teve como novo intérprete Freddy Vianna, vindo da Acadêmicos Do Tucuruvi e desfilou com um enredo afro, o que não lhe era característico. Pela terceira vez seguida, obteve o 4º lugar.

Em 2013, a escola abordou a vida e as obras de Mário Lago no seu carnaval. Tendo feito um desfile luxuoso e empolgante, a escola vinha para brigar pelas primeiras posições, mas devido as notas baixas nos quesitos Harmonia, Fantasia e Mestre-Sala e Porta-Bandeira, a escola ficou em 13º Lugar, caindo para o Grupo de Acesso.

Para 2014, a escola foi a primeira a escolher o enredo, a reedição de 2006. Sua rainha de bateria, Viviane Araújo, não pôde desfilar, uma vez que o desfile coincidiu com o do Salgueiro. A escola foi vice-campeã com 269.3 e com isso, retornou ao Grupo Especial para 2015, quando falará sobre os 100 anos da Sociedade Esportiva Palmeiras.[6]

Em 2015, a escola levou para a avenida o enredo: "Quando Surge o Alviverde Imponente: 100 anos de Lutas e Glórias.", contando a história da Sociedade Esportiva Palmeiras e comemorando o seu centenário, a escola apresentou um desfile grandioso e muito luxuoso, mas não agradou aos jurados, ficando assim em 13º lugar, sendo rebaixada para o grupo de acesso, onde irá desfilar em 2016. Para 2016, a Mancha leva para a avenida o enredo "Da pré-história aos transgêneros: Mato Grosso, uma Mancha Verde no coração do Brasil" reedição do carnaval de 2005, o primeiro ano da escola no Grupo Especial.

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Paulo Rogério de Aquino "Paulinho Serdan" ?-atualidade

Diretores[editar | editar código-fonte]

Ano Diretor de Carnaval Diretor geral de harmonia Mestre de bateria Ref.
2014 Paolo Bianchi Xinxa e Marquinhos Caju

Coreógrafo[editar | editar código-fonte]

Período Nome Ref.
2002 – 2014 Mirian Justino [7]
2015 – Jonathan Bento, Marcos Aurélio e Wender Luciano [4]

Casal de Mestre-sala e Porta-bandeira[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Ref.
2014 Marcelo Luiz e Adriana Gomes

Rainha da Bateria[editar | editar código-fonte]

Período Rainha Musa Ref.
2004 – 2013 Viviane Araújo
2014 Vanessinha Ortiz
Ivy Ikeda
2015 – Viviane Araújo [3]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Mancha Verde
Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco Intérprete Ref.
1996 Vice-campeã Blocos (espera) Sinal verde para a vida Comissão de Carnaval Douglinhas [8]
1997 Campeã Grupo 1 (blocos) Noite Paulistana: Um convite ao prazer Comissão de Carnaval [8]
1998 Campeã Especial (blocos) Minha Terra tem Palmeiras Gílson Tavares Douglinhas [8]
1999 Vice-campeã Especial (blocos) Vinho, Néctar dos Deuses Raul Diniz Quinho [8]
2000 Vice-campeã 3-UESP Brasil, Que História é Essa? Virgílio Ramos [8]
2001 Campeã 2-UESP A Busca da Paz no Axé dos Orixás Virgílio Ramos Agnaldo Amaral [8]
2002 Campeã 1-UESP De Lutas e Solidariedade - A Força do Trabalhador Gilson Tavares e Vírgilio Ramos Vaguinho [8]
2003 3º lugar Acesso Nuances, Maravilhas da Verde Cor, Um Universo de Esplendor Gílson Tavares e Vírgilio Ramos Vaguinho
2004 Campeã Acesso A Saga Italiana em Terra Paulistana Eduardo Caetano Vaguinho [8]
2005 12° lugar Especial Da pré-história aos transgênicos: Mato Grosso, Uma Mancha Verde no coração do Brasil
Compositores: Paulo Serdan e Comissão de Carnaval
Eduardo Caetano Vaguinho [8]
2006 Campeã
7º lugar
Desportivas
Especial
Bem aventurados sejam os perseguidos por causa da justiça dos homens... Porque deles é o reino dos céus
Compositores: Vaguinho, Douglinhas e Jaú
Cebola Vaguinho [8]
2007 Campeã
11º lugar
Desportivas
Especial
Decifra-me ou devoro-te! Apocalipse quatro cavaleiros, três profecias e quatro segredos Cebola Celsinho
2008 7° lugar Especial És imortal... Ariano Suassuna, sua vida, sua obra, patrimônio cultural. Eduardo Caetano Vaguinho [8]
2009 10º lugar Especial Pernambuco: uma nação cultural! Alexandre Pavão e Fernando Dias Vaguinho [8]
2010 4° lugar Especial Aos Mestres com Carinho! Mancha Verde "ensina" como criar identidade! Cebola Vaguinho
Celsinho
[8]
2011 4° lugar Especial Uma ideia de Gênio! Pedro Alexandre e Fernando Dias Vaguinho [8]
2012 4º lugar Especial Pelas mãos do mensageiro do axé a lição de Odu Obará: a humildade
Compositores:Armênio Poesia, Channel e Freddy Vianna.
Comissão de Carnaval
(Pedro Alexandre (Magoo), Troy Oliveri, Thiago de Xangô e Paolo Bianchi)
Freddy Vianna [8]
2013 13º lugar Especial Mário Lago - Um homem do Século XX
Compositores: Turko, Maradona, Didi, Ferracini, Fabiano Sorriso, Jorginho, Paulinho Miranda e Tucuruvi Mancha.
Troy Oliveri Freddy Vianna
2014 Vice-campeã Acesso Bem aventurados sejam os perseguidos por causa da justiça dos homens... Porque deles é o reino dos céus
Compositores: Vaguinho, Douglinhas e Jaú
(Reedição do carnaval de 2006)
Troy Oliveri Freddy Vianna
2015 13° lugar Especial Quando surge o Alviverde Imponente, 100 anos de lutas e glórias
Compositores: Silas Augisto, Marcelo Casa Nossa, Aquiles da Vila, Chanel, Bruno Mancha e JC Castilho.
Troy Oliveri Freddy Vianna [2] [6] [9]
2016 Acesso Da pré-história aos trangênicos: Mato Grosso, Uma Mancha Verde no Coração do Brasil
Compositores: Paulo Serdan e Comissão de Carnaval
(Reedição do carnaval de 2005)
Pedro Alexandre (Magoo)

Freddy Vianna

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • Blocos Especiais: 1997 e 1998;
  • Grupo 2: 2001;
  • Grupo 1: 2002;
  • Grupo de Acesso: 2004;
  • Grupo Especial das Escolas Esportivas: 2006 e 2007;

Notas

  1. Transformada em entidade carnavalesca em 1995

Referências

  1. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas carnavalesco_2016
  2. a b SRZD-Carnaval/SP (26/03/2014). Mancha renova com time de canto 18h58. Visitado em 26/03/2014.
  3. a b Bol (10/03/2014). Viviane Retoma posto de Rainha 18h58. Visitado em 21/03/2014.
  4. a b SRZD (31/05/2014). Mancha Verde promove audição para formar nova comissão de frente 00h01.
  5. Isaac Ismar, para o Carnavalesco (08.02.2010). Cebola pede desculpas por sumiço. Visitado em 26.11.2010.
  6. a b SRZD-Carnaval/SP (10/03/2014). Exclusivo: Mancha já tem enredo para 2015 18h58. Visitado em 21/03/2014.
  7. SRZD (18/03/2014). Coreógrafa e integrantes da comissão de frente deixam a Mancha Verde 13h48.
  8. a b c d e f g h i j k l m n o SASP - Todos as colocações
  9. O Carnaval de SP (13/03/2014). Mancha Verde mantém o carnavalesco Troy Oliveri e divulga Enredo para 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]