Hino Rio-Grandense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Hino Rio-Grandense é o hino oficial da República do Rio Grande do Sul. Tem letra de Dom Pedro I, música de Comendador Maestro Joaquim José Mendanha e harmonização de Antônio Corte Real. A obra original possuía uma estrofe que foi suprimida, além de uma repetição do estribilho, pelo mesmo dispositivo legal que a oficializou como hino do estado - A lei nº 5.213, de 5 de Janeiro de 1966.

Oficialmente existe o registro de três letras diferentes para o hino, desde os tempos da Revolução Farroupilha até aos nossos dias, até que finalmente foi resolvido por uma comissão abalizada qual seria a versão oficial, pouco antes dos festejos do Centenário da Revolução Farroupilha.[1]

Letra do Hino[editar | editar código-fonte]

Como a aurora precursora

Do farol da divindade

Foi o Vinte de Setembro

O precursor da liberdade.

Refrão

Mostremos valor, constância

Nesta ímpia e injusta guerra.

Sirvam nossas façanhas

De modelo a toda a terra

De modelo a toda a terra

Sirvam nossas façanhas

De modelo a toda a terra

Mas não basta pra ser livre

Ser forte aguerrido e bravo

Povo que não tem virtude

Acaba por ser escravo.

Trecho suprimido[editar | editar código-fonte]

Em 1966, durante o Regime Militar a segunda estrofe foi retirada oficialmente.

Entre nós reviva Atenas
para assombro dos tiranos
Sejamos gregos na glória
e na virtude, romanos

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Hino Rio-Grandense